13.7 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 19, 2022

Bolsonaro apresenta boa evolução clínica após cirurgia, diz boletim médico










Internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), Bolsonaro não apresentou sangramentos ou outras complicações, está sem febre e permanece sem disfunções orgânicas (Foto: Reprodução/Twitter)


Nacional


O presidente Jair Bolsonaro apresenta boa evolução clínica após a cirurgia para retirada da bolsa de colostomia realizada na segunda-feira, 28, diz boletim médico divulgado pelo hospital Albert Einstein às 10h desta Terça-feira (29).

Internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), Bolsonaro não apresentou sangramentos ou outras complicações, está sem febre e permanece sem disfunções orgânicas, acrescenta a equipe médica do hospital paulistano. Com alimentação oral suspensa, o presidente recebe analgésicos para controle de dor, hidratação endovenosa e medidas de prevenção de trombose venosa.

“A reintrodução da alimentação por via oral será avaliada diariamente e ocorrerá de forma paulatina e no momento oportuno”, diz o boletim, assinado pelo cirurgião Antonio Luiz Macedo, pelo clínico e cardiologista Leandro Echenique e pelo superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein, Miguel Cendoroglo. Por ordem médica, visitas além da família e de assessores próximos estão suspensas.




BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

 





País está em 96º no Índice de Percepção de Corrupção (IPC), medido pela Transparência Internacional (Foto: Valter Campanato / Agência Brasil)


Política

Brasil cai 17 posições e ocupa pior posição em ranking de corrupção desde 2013

No ano em que a Câmara dos Deputados barrou duas denúncias formais contra o presidente Michel Temer, o Brasil caiu 17 posições em ranking internacional que mede a percepção da sociedade com o combate à corrupção. Em 2017, o País ficou na 96ª colocação no Índice de Percepção da Corrupção (IPC), medido pela Transparência Internacional, ante a posição de número 79 que ocupava no ano anterior. Quanto pior um país está situado no ranking, maior é a percepção da corrupção por seus cidadãos. Em uma escala que vai de 0 a 100, em que zero significa altamente corrupto e cem, altamente íntegro, o indicador brasileiro recuou três pontos, de 40 para 37.

As denúncias envolvendo Temer e sua conversa com o empresário Joesley Batista influenciaram a piora no indicador no ano passado, afirmou ao Broadcast Político o representante da Transparência Internacional no Brasil, Bruno Brandão. “Influenciou ainda mais a sensação de impunidade, o fato de ministros com acusações gravíssimas permanecerem no governo, o próprio presidente sendo acusado de corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa e o Congresso Nacional, certamente condescendente, impedindo que fosse adiante o processo e a verificação desses fatos”, disse.

Para a organização, o recuo sinaliza que o combate à corrupção no Brasil pode estar em risco. Em relatório, a Transparência Internacional observa que o agravamento no índice é comumente observando em países que começaram a confrontar a corrupção de maneira eficaz, pois traz luz ao problema, mas que o efeito negativo já começaria a ser revertido se o país persistisse no enfrentamento.

No ano passado, além das denúncias contra Temer, outros fatos mereceram atenção, como a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato.

Operações

A Lava Jato e “outras grandes operações” são citadas como justificativa para a queda no índice. Em 2016, quando o Brasil subiu dois pontos no ranking, o País havia demonstrado uma estabilidade que poderia sinalizar uma fase positiva, destaca a organização. A tendência, no entanto, foi revertida no resultado de 2017. “O resultado negativo deste ano acende o alerta de que a luta da sociedade brasileira contra a corrupção pode, de fato, estar em risco”, diz o relatório.

Os fatores estruturais da corrupção nacional continuam “inabalados”, segundo a organização. “Não houve uma reposta à altura para o problema da corrupção, esta palavra não aparece nos discursos oficias do presidente da República ou em qualquer projeto de lei ou agenda do Congresso. É como se o problema não existisse”, declarou Bruno Brandão.

Outros países

Com a nota atual, o País se encontra na pior situação dos últimos cinco anos. Antes da eclosão da Lava Jato, em 2013, o Brasil estava em 72º lugar no ranking, com 42 pontos, ou seja, 24 posições acima do último ano. Segundo a Transparência Internacional, o Brasil está empatado com Colômbia, Indonésia, Panamá, Peru, Tailândia e Zâmbia, e fica atrás de Timor Leste, Sri Lanka, Burkina Faso, Ruanda e Arábia Saudita. De um ano para outro, a percepção da corrupção entre os brasileiros só não cresceu mais que na Libéria e no Bahrein.

O Índice de Percepção da Corrupção, segundo a organização, é composto por um combinação de diferentes indicadores, pesquisas e avaliações feitas por várias instituições que pontua e classifica os países com base na percepção da corrupção no setor público.

Entre os 180 países e territórios analisados, a primeira posição, considerada a com maior nível de integridade, é ocupada pela Nova Zelândia, seguida por Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suíça. Os piores países no ranking são Somália, Sudão do Sul, Síria, Afeganistão e Iêmen. De 2016 para 2017, 81 países demonstraram melhora em sua pontuação, enquanto 33 ficaram estáveis. Os que sofreram piora na avaliação são 62, inclusive o Brasil.

Medidas

Para contribuir com uma solução ao problema da corrupção, a Transparência Internacional anunciou um conjunto de medidas denominado “Novas Medidas contra a Corrupção”, um pacote feito em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV) que reúne mais de 80 propostas, entre elas projetos de lei, propostas de emenda constitucional e resoluções administrativas contra a corrupção no País. Fazem parte das medidas fim do foro privilegiado, recuperação de ativos desviados e processos educacionais. O pacote ficará sob consulta pública por 30 dias antes de ser consolidado.

A iniciativa ocorre após a frustração com as 10 medidas propostas pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2016 e que não avançaram no Congresso Nacional. Do pacote, a organização internacional excluiu alguns pontos polêmicos que sofreram resistência no Congresso, como o teste de integridade e a limitação ao uso do habeas corpus.

 







Empresário terá que usar tornozeleira eletrônica (Foto: Reprodução/Facebook)


Política

Wesley Batista deixa carceragem da PF em São Paulo

O empresário Wesley Batista deixou a carceragem da Polícia Federal, em São Paulo, antes das 3h desta quarta-feir (21). Ele estava preso desde setembro do ano passado.
 

Por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o irmão de Joesley Batista ficará com tornozeleira eletrônica e poderá responder de casa ao processo em que é acusado de cometer “insider trading”, que é o uso de informação privilegiada para lucrar no mercado financeiro.

A decisão do STJ também alcança Joesley que, no entanto, seguirá preso. Contra o empresário há outro pedido de prisão preventiva – este autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por ter supostamente omitido informações de sua delação.

A decisão da Sexta Turma STJ foi apertada, com 3 votos a favor 2 contra a saída dos irmãos da cadeia. Ao final, ficou decidido que, no lugar da prisão, serão aplicadas outras medidas cautelares, como o comparecimento periódico em juízo, a proibição de sair do País e de operar no mercado.

 





Bolsonaro teme ficar isolado na Câmara dos Deputados (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)


Política

Bolsonaro teme ficar sem apoio e faz articulações na Câmara

Prestes a se filiar ao PSL, o pré-candidato a presidente e deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), tenta formar uma bancada no Congresso para compensar a frágil estrutura partidária que construiu até o momento para a eleição deste ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A menos de dois meses do prazo final para novas filiações, o partido pelo qual Bolsonaro deve concorrer tem apenas três deputados federais, sendo que dois deles já declararam que vão deixar a legenda com a chegada do deputado.

Na mais recente pesquisa Datafolha, o deputado teve 16% das intenções de voto, atrás apenas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (37%)

A estratégia é atrair nomes que tenham ligação com as bandeiras do presidenciável, mesmo que não leve o apoio do partido com ele. Um dos integrantes da “bancada Bolsonaro” na Câmara é Alberto Fraga (DEM-DF), pré-candidato ao governo do Distrito Federal, que é próximo ao presidenciável desde o tempo em que fizeram curso na Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais, no Rio, no começo dos anos 1960.

O aliado avaliou que Bolsonaro precisa aumentar o diálogo com os colegas na Casa, pois a força das redes sociais é limitada. “Não adianta ser presidente se não tiver apoio aqui dentro”, afirmou Fraga e completou: “Ele precisa ouvir mais os amigos deputados e menos assessores que não conhecem o processo político.” Jair Bolsonaro também conta com o apoio do deputado – e seu amigo – Pr. Marco Feliciano (PSC-SP).

Os cristãos somam grande parte dos votos de Bolsonaro. Os parlamentares evangélicos consideram importante para seus redutos o debate sobre segurança pública, mas viram como “radical” o discurso do pré-candidato de que distribuiria fuzis para fazendeiros. Até agora, a única certeza da bancada é de que não há diálogo com a esquerda. 

“Jair Bolsonaro está construindo um grupo sem balcão de negócios”, declarou um dos aliados de Bolsonaro de mais projeção na Câmara, o deputado Ônix Lorenzoni (DEM-RS). Procurado pela reportagem , Bolsonaro não quis se manifestar. 

 

 







Operação cumpre 50 mandados de busca e apreensão, além de sete de prisão temporária (Foto: Arquivo/ABR)


Nacional

PF deflagra Operação Integração, etapa da Lava Jato, e prende dois em SP

A Polícia Federal  deflagrou uma nova fase da Operação Lava Jato nesta quinta-feira, 22, a primeira em 2018. A 48ª etapa, Operação Integração, mira corrupção em concessão de rodovias federais no Estado do Paraná que fazem parte do “Anel da Integração”. A ação tem o apoio de servidores da Receita Federal e membros do Ministério Público Federal.

A Integração cumpre 50 mandados de busca e apreensão, além de sete de prisão temporária nos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo. Dois suspeitos já foram presos na capital paulista. 

Em nota, a PF informou que detectou, nas investigações da Lava Jato, o uso de estruturas de lavagem de dinheiro para operacionalizar recursos ilícitos pagos a agentes públicos, principalmente por meio dos operadores financeiros Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran (ambos investigados na operação).

Uma das concessionárias usou os serviços de Assad e Tacla Duran para operacionalizar, ocultar e dissimular valores oriundos de atos de corrupção. Dentre os serviços prestados por estes operadores está a viabilização do pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos do DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, DER/PR – Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná e Casa Civil do Governo do Estado do Paraná

A ação tem por objeto a apuração, dentre outros, dos crimes de corrupção, fraude a licitações e lavagem de ativos.


O Brasil não se resume apenas a um Estado, tanto da federação quanto de “espírito”. Porém, ultimamente, o mundo da política parece se pautar por temas relacionados unicamente às movimentações palacionas de Brasília (DF), que nada mais são do que disputas pelo poder. É importante acompanhar os bastidores daquele universo paralelo e desconexo da realidade. No entanto, muitas outras situações relevantes para o País ocorrem fora dos limites da capital federal, que vive sob uma simbólica redoma de vidro.

Dali se assiste a toda a articulação de Michel Temer e seus “aliados”, para garantirem a imunidade e a sobrevivência no poder. Para isso, não importa quanto suas ações custarão ao País ou quão danoso este jogo é para a população, que não tem controle sobre aqueles que deveriam representá-la. Um exemplo da pobreza de espírito do Brasil foi a decisão de Aécio Neves em mudar a presidência do PSDB. O tucano – que estava afastado da liderança do partido, depois de ser gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, da JBS – reassumiu o cargo na última quinta-feira e, em seguida, destituiu o presidente interino Tasso Jereissati (CE). Para o lugar, foi indicado o ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman.

Mas qual a relevância disso para a população? Pode-se afirmar que nenhuma, pois se Aécio tivesse indicado para o lugar de Jereissati uma melancia, não faria nenhuma diferença à Nação. No seu jogo, o que o senador mineiro fez foi garantir quatro ministérios para o seu partido – que podem ser perdidos, caso Jereissati vença as eleições internas do partido, em 9 de dezembro. Dois cenários se apresentam ao PSDB: perder ainda mais sua desgastada força política ou, caso o indicado de Aécio, o governador de Goiás Marconi Perillo, vença, ser coadjuvante do governo Temer. A questão pode definir o futuro do PSDB, mas os dois grupos de tucanos, bicudos que são, não se bicam. Perdem tempo dividindo mais uma vez suas forças e talvez a chance de se apresentarem como opção em 2018.

 




Atriz se livra de timidez para cena de novo filme (Foto: Reprodução/ Facebook)


Fora dos Trilhos

Jennifer Lawrence diz ter superado o medo de fazer papéis que envolvem nudez

Conversando com a imprensa no tapete vermelho da estreia do filme “Operação Red Sparrow”, a atriz Jennifer Lawrence, protagonista da produção, disse ter superado o medo de pegar papéis mais arriscados que envolvem nudez ou assuntos mais delicados.

“Eu não tenho mais o medo ou a insegurança que me afetavam ao escolher papéis que envolviam nudez”, disse a atriz para o site “Entertainment Tonight”. “O meu método de escolha de papéis não mudou, ainda escolho personagens, diretores e roteiros com os quais eu me identifico, mas a nudez já não é mais um fator nisso”, continuou.

Em um painel sobre o filme, realizado na semana passada, a atriz comentou a sua primeira cena de nudez explícita que acontece no filme, e disse que os outros membros do elenco e o diretor Francis Lawrence a deixaram tranquila. “Todo mundo me deixou tão confortável que, em certo ponto, eu estava deixando as pessoas desconfortáveis”, falou a atriz. “Eu ficava andando pelada pelo set e todo mundo me olhava e dizia que eu deveria me vestir”, brincou.

Francis Lawrence, que dirigiu Jennifer Lawrence em três filmes da saga “Jogos Vorazes”, afirmou que o fato de eles já se conhecerem pode ter ajudado nessa superação do medo de nudez em filmes. “Eu confio nela e tenho quase certeza que ela confia em mim. Acho que seria difícil ela topar fazer um filme como esse com outra pessoa que ela não conhecesse. Foi tranquilo discutir pontos do roteiro do filme porque nós nos conhecemos bem e isso foi positivo para a produção”, falou. Operação Red Sparrow estreia no Brasil no dia 1º de março.


VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Notícias de última hora

Governo vai restringir concursos públicos

Ibovespa abre sem entusiasmo e recua em meio a dúvidas sobre Previdência

 

Geral

Metroviários de SP suspendem greve, mas passageiros relatam operação mais lenta

 

Geral

Após 5 anos, licitação de ônibus de SP abre sem concorrência

Marcos Mion mostra reação dos filhos ao vê-lo sem barba pela 1ª vez

Foto de ovo que quebrou recorde no Instagram era campanha de saúde mental

Incêndio em prédio residencial em Paris mata ao menos 10 e fere cerca de 30

UE anuncia assistência humanitária adicional para Venezuela

Mourinho é condenado a um ano de prisão por fraude fiscal, mas não cumprirá pena

Scheidt desiste de aposentadoria e vai tentar vaga nos Jogos de Tóquio-2020

PF mira em servidores de Alagoas por desvio de R$ 4,5 milhões

MP Eleitoral já defendeu cassação de Alcolumbre; TSE vai analisar caso

  • Create an account

  • Forgot your username?

  • Forgot your password?

or

or




Articulistas

  • Sample avatar

    Cristiano Medina Rocha

    Articulista

  • Sample avatar

    Célia Leão

    Articulista

  • Sample avatar

    Edmilson Souza

    Articulista

  • Sample avatar

    Jorge Tadeu Mudalen

    Articulista

  • Sample avatar

    Leandro Cano

    Articulista

  • Sample avatar

    Rodrigo Merli Antunes

    Articulista

  • Sample avatar

    Sandra Tadeu

    Articulista

Colunistas

  • Sample avatar

    Mauricio Nunes

    Colunista

  • Sample avatar

    Tony Auad

    Colunista

 







O Tribunal de Justiça de São Paulo tem a maior demanda do País e, ainda assim, é o mais ágil (Foto:


Opinião

 





Renan Calheiros perdeu o braço de ferro com Onyx Lorenzoni (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)


Opinião

Editorial: Renan não é oposição desde Collor; agora terá de cumprir este papel

 






Retração na economia mundial trará ainda mais dificuldades para os pequenos empresários (Foto: Divulgação)


Opinião

 






É preciso que o Congresso analise as propostas de forma séria e comprometida (Foto: Lula Marques/Fotos Públicas)


Opinião

LEIA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS