VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Estado demorou para conseguir vacinar 95% do público-alvo (Foto: Renato S. Cerqueira/AE)

Cidade

O Estado de São Paulo ultrapassou a meta de vacinar 95% das crianças contra sarampo e poliomielite (paralisia infantil), indicada na campanha de imunização de 2018, segundo a Secretaria de Estado da Saúde. Foram aplicadas 4,2 milhões de doses contra ambas as doenças, alcançando coberturas vacinais de 95,7% para pólio e 95% para sarampo, respectivamente. Mais de 2,1 milhões de crianças com idade de um a quatro anos  foram imunizadas até o momento. Em todo o Estado, há 2,2 milhões ...

Padre Lancellotti teria sido agredido após ação de civis contra moradores de rua (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

Uma ação da Guarda Civil Metropolitana (GCM) realizada na sexta-feira, 14, no Núcleo de Convivência São Martinho de Lima, um centro comunitário da capital paulista administrado pela Arquidiocese de São Paulo, tornou-se alvo de inquérito no Ministério Público do Estado de São Paulo (MP) após relatos de atos de truculência cometidos pelos seus integrantes. Ao instaurar o inquérito, os promotores de Justiça Eduardo Valério e Bruno Simonetti citaram vídeos que mostram integrantes d ...

Desemprego colabora para que menos paulistanos usem carros (Foto: Antony Sappres/ Fotos Públicas)

Cidade

O tempo médio de deslocamento diário dos paulistanos, incluindo todas as atividades diárias, caiu 10 minutos neste ano na comparação com 2017. Mas os trajetos consomem em média 2h43 dos moradores da cidade de São Paulo, representando 9% do dia. O dado é da Pesquisa Mobilidade Urbana na Cidade, da Rede Nossa São Paulo, lançada nesta terça-feira, 18. Após crescimento de 15 minutos registrado em 2016, o tempo médio gasto em todos os deslocamentos caiu 5 minutos no ano passado, atingi ...

Marlene Mattos vai trabalhar na campanha de Marcelo Cândido (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

A diretora de TV Marlene Mattos, responsável pelos programas da apresentadora Xuxa Meneghel da década de 1980 até o começo dos anos 2000, reforçou a campanha do candidato do PDT ao governo paulista, Marcelo Cândido. A aproximação da diretora da campanha de Cândido se deu por causa da amizade que ela tem com Giselle Bezerra, companheira de Ciro Gomes, candidato do PDT ao Planalto. Giselle é produtora de TV e foi assistente de palco de Xuxa em 2001 e 2002. Marlene está há pouco mais ...

Samu é um serviço responsável por salvar as vidas de pessoas em risco iminente de morte (Foto: Divulgação)

Cidade

Se é preciso ensinar as crianças que passar trotes para órgãos públicos pode prejudicar o atendimento de quem realmente precisa, é preciso levar esta lição também para os adultos. Nos primeiros cinco meses deste ano, pela primeira vez desde 2013, o número de adultos que aplicou trotes ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) superou o número de crianças que cometeram a mesma traquinagem. De janeiro a maio, foram aplicados 14.285 trotes por crianças ao número 192, enqu ...

Fnac mantém apenas uma loja no País, mas não se sabe até quando (Foto: Reprodução/Google Street View)

Cidade

Há 14 meses, a Livraria Cultura anunciou que havia adquirido as operações da rede francesa de livrarias Fnac no Brasil - um movimento que causou estranheza, num primeiro momento, para o mercado editorial já que a própria Cultura vinha enfrentando uma séria crise financeira - uma crise que está longe de ter fim. Se devia dinheiro para seus fornecedores, como poderia fazer um negócio como esse, questionavam profissionais do setor. À época, a Fnac tinha 12 lojas em 7 Estados. Na realidad ...

Ex-atleta não vai mais se dividir entre Seleção e Inter de Milão (Foto: Divulgação/CBF)

Futebol

O coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, confirmou que Sylvinho se tornou membro permanente da comissão técnica da seleção brasileira. O ex-jogador vinha trabalhando com a comissão técnica de Tite desde 2006, mas estava dividindo suas atribuições com a Inter de Milão e vinha sendo convocado para atuar na seleção, assim como os jogadores. A partir de agora, ele será integrante efetivo da equipe de Tite. "O Sylvinho vai fazer parte agora da nossa comissão técnica efetivament ...

Futebol de várzea revela grandes nomes dentro e fora das quatro linhas (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

Futebol raiz. Celeiro de grandes craques, talentos, amizade e muita competição. O futebol amador, na famosa várzea, ainda movimenta milhares de “atletas de final de semana” Brasil afora. Peladas, amistosos e campeonatos. A bola rola em campos e quadras com equipes organizadas, que mantêm a paixão do torcedor-jogador. A qualidade dos gramados e das quadras de futsal nem sempre é a ideal. A realidade, porém, é que a paixão pelo esporte supera toda e qualquer dificuldade para os boleir ...

Meia não tem presença garantida em jogo do próximo sábado (Foto: Reprodução/Instagram)

Futebol

A boa notícia desta segunda-feira no São Paulo foi que o exame realizado no meia-atacante Everton não detectou uma nova lesão na coxa esquerda. O camisa 22 precisou ser substituído ainda no primeiro tempo do clássico contra o Santos, domingo, na Vila Belmiro. A má notícia é que, mesmo assim, ele virou dúvida para o jogo diante do América-MG, sábado, às 16h, no Morumbi. De acordo com o clube, o incômodo não tem a ver com o estiramento muscular que tirou o jogador de campo nas trê ...

Campeonatos de futebol de botão podem melhorar o ambiente de trabalho (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

O mês de setembro inaugura um ponto importante para os departamentos de RH e marketing, que se responsabilizam pela elaboração de ações de confraternização para os colaboradores. Esta é e hora de pensar em como conseguir engajamento, trabalho em equipe, entretenimento e, claro, uma experiência inesquecível aos funcionários no final do ano. Uma jogada certeira para isto é utilizar o esporte como ferramenta, como explicou o diretor da RP2 Sport Marketing, Raony Pacheco. "Diversas ativ ...

Jadson comemora gol corintiano (Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians)

Futebol

A 25ª rodada do Campeonato Brasileiro 2018 teve apenas um paulista vencedor: o Corinthians, de Jair Ventura, voltou a somar três pontos depois de três rodadas. Palmeiras, Santos e São Paulo somaram apenas um ponto cada. O Tricolor voltou a ser líder. Sansão tem saldo positivo para Tricolor Santos e São Paulo empataram em 0 a 0, no domingo, 16. A melhor oportunidade da partida foi com Rodrygo, que perdeu a chance de abrir o placar (vídeo), frente a frente com Sidão. Com o empate, o P ...

CR7 foi o responsável pelos três pontos da Juventus neste domingo (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

Cristiano Ronaldo, enfim, marcou pela primeira - e segunda - vez com a camisa da Juventus. O atacante português fez os dois gols da equipe dele na vitória por 2 a 1 contra o Sassuolo, em partida disputada em casa, pela quarta rodada do Campeonato Italiano. O resultado garantiu à Juventus a manutenção da campanha perfeita no torneio, com 12 pontos ganhos em 12 disputados. Se vencesse, o Sassuolo ultrapassaria o atual heptacampeão nacional, mas sofreu a primeira derrota na competição e ...

Últimos capítulos prometem destacar até coadjuvantes da trama (Foto: Maurício Fidalgo/TV Globo)

Fora dos Trilhos

Os últimos capítulos de Orgulho e Paixão, trama das 18h da Globo, devem trazer fortes emoções para a telinha. O enredo não vai focar apenas nos personagens principais. Os coadjuvantes terão grande espaço no fim da história. Ema (Agatha Moreira), por exemplo, vai ver seus negócios prosperarem. A estilista terá um grande sucesso como empresária. Isso ocorre em meio à descoberta de que ela está grávida de Ernesto (Rodrigo Simas). O rapaz, inclusive, se tornará prefeito do Vale do Café, com apoio de Fani (Tammy Di Calafiori) e Luccino (Juliano Laham), seus irmãos. Enquanto isso, Lady Margareth (Natália do Vale) vai começar a pagar pelos seus crimes contra seu irmão, Lorde Williamson (Tarcísio Meira). Ela o manteve aprisionado na Inglaterra e o viu definhar até morrer. A mulher tentará fingir que está louca, mas uma visita de sua filha, Briana (Bruna Spínola), que ela acreditava estar morta, acabará com a farsa. A vilã vai tentar sua última cartada contra os mocinhos, pedindo para que Xavier (Ricardo Tozzi) exploda uma ferrovia, na qual o Williamson será homenageado. Margareth tomará veneno, acreditando que seu plano deu certo, e morrerá. Outro fato que vai movimentar o final da novela é o matrimônio de Lídia (Bruna Griphao) com Randolpho (Miguel Rômulo), Jane (Pâmela Tomé) e Camilo (Maurício Destri) e Julieta (Gabriela Duarte) com Aurélio (Marcelo Faria).

Apresentador foi condenado por danos morais (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Hoje eu inicio a minha coluna comentando a festa que será realizada amanhã na Assembleia Legislativa, no auditório Paulo Kobayashi, a partir das 19h30, em comemoração aos 68 anos da televisão brasileira. A apresentação será do jornalista Leonel Aguiar. Na oportunidade, grandes personalidades artísticos brasileiros serão homenageadas  com a medalha alusiva à data. Leonel Aguiar, responsável pela organização, é um dos mais sérios e competentes profissionais dessa área. Entre os homenageados in memorian  estão as  atrizes Beatriz Segall e Vida Alves. O objetivo dessa festa é resgatar a história da nossa televisão homenageando quem fez parte de sua história. A coluna agradece o convite e a homenagem. O ator e apresentador Márcio Garcia (Globo), de 48 anos, foi condenado a pagar indenização de R$ 80 mil ao empresário Júlio Pignatari. O motivo, segundo declarado pelo juiz Alessandro Oliveira Felix, da 51ª Vara Cível do Rio de Janeiro, foi danos morais. No processo consta que, por conta da longa relação de amizade entre ambos, Pignatari foi fiador do ator em um imóvel onde Márcio Garcia montou uma academia. O negócio acabou não dando certo e os aluguéis foram se acumulando. O ator tem até o final do mês para depositar o valor em juízo. Everton Luiz de Souza, repórter do SBT conhecido pelo codinome “Fofoquito”, trava uma batalha judicial contra Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus. O repórter cobra do autointitulado “apóstolo” os direitos autorais de sua produção. O repórter fez a composição de uma música especial para um documentário biográfico do religioso em que contava sua vida, além de produzir as imagens inéditas de sua história. Na Justiça, Souza pede R$ 48 milhões de indenização, entre perdas e danos. Procurado pela coluna, Valdemiro não se manifestou. Pela primeira vez, em 47 anos, a Globo mostrou um beijo gay em uma novela das 18h. A cena foi protagonizada pelo casal Luccino (Juliano Lahan) e capitão Otávio (Pedro Henrique Muller), criou uma grande expectativa e teve um grande resultado na audiência. A cena foi exibida na última quarta-feira. Entretanto, após diversas críticas dos internautas, o autor  Marcos Bernstein achou positiva a repercussão e afirmou que cenas como essa mostram a evolução da televisão brasileira e seus novos tempos.  Frase final: “A alegria de ver e entender é o mais perfeito dom da natureza.” (Albert Einstein).

Músicos do KLB largaram compromisso em Curitiba por causa do ocorrido (Foto: Reprodução/ Instagram)

Fora dos Trilhos

O músico, produtor e empresário Franco Scornavacca morreu no sábado, 15, por causa de uma parada cardíaca. Ele tinha 70 anos de idade. O velório aconteceu na Assembleia Legislativa de São Paulo. Os filhos de Scornavacca, Kiko, Leandro e Bruno, estavam em Curitiba, no Paraná, quando souberam da notícia. Eles fariam uma apresentação do KLB na região e cancelaram o evento para retornar à capital paulista. No perfil oficial no Instagram, Bruno lamentou a morte do pai. "Meu herói! Guerreiro. Virou um anjo! Foi pro lado do Pai. E o que fica é a saudade que está me matando. Amor infinito", escreveu na legenda da foto em que ele e o pai dão as mãos. Kiko também não conteve a emoção e postou uma homenagem ao pai no perfil no Instagram e agradeceu as mensagens de carinho dos seguidores e amigos. "Talvez eu não consiga agradecer a cada gesto de amor, carinho e solidariedade com minha família! Meu pai entregou a vida a Cristo antes de adormecer e para quem crê, entende que hoje já está nos céus sem nenhum problema, enfermidade, saudade, dor", desabafou. Além de agenciar a carreira dos filhos no início dos anos 2000, Scornavacca era empresário de cantores e grupos musicais. Impulsionou a trajetória dos sertanejos Zezé di Camargo e Luciano e Leandro e Leonardo. Também cuidou das carreiras de Lulu Santos e Roberta Miranda. O corpo do empresário foi enterrado no cemitério Horto da Paz, em São Paulo.

Laureta recorda estupro na infância e mata Galdino (Foto: Reprodução/TV Globo)

Fora dos Trilhos

Em mais uma de suas ações maléficas, a vilã Laureta (Adriana Esteves) decidirá se vingar de Galdino (Narcival Rubens) por ele ter se aliado com Luzia (Giovana Antonelli). Nas cenas que vão ao ar entre os dias 1º e 2 de outubro, a megera convidará Galdino para um encontro emboscada, onde aplicará o beijo da morte (uma injeção de ar) em Galdino. Antes completamente submisso à mentora, Galdino decidirá mudar de lado depois que ficar trancado em um quarto por Laureta, impossibilitado de cuidar de sua mãe, que irá morrer. Laureta irá colocar um calmante na bebida do ex-torturador, que perceberá a intenção da vilã e irá fingir que ingeriu o medicamento. Quando Laureta revelar a intenção de matá-lo com a injeção de ar será surpreendida pela reação do ex-capanga. Neste momento, Rosa (Letícia Colin) irá aparecer e atacar o homem pelas costas, fazendo-o desmaiar. Rapidamente, Laureta irá matar Galdino, depois de lembrar que ele e alguns amigos a estupraram quando ela ainda era uma criança. "Eu sabia que você era ruim, mas você é uma assassina! Assassina! Você matou Galdino, Laureta!", dirá Rosa, inconformada por ter se tornado cúmplice de um assassinato.

Aos 54 anos, atriz reviverá personagem de sucesso nos anos 90 (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Luiza Tomé assinou contrato com a TV Globo e está de volta à emissora após 14 anos. Antes, a atriz havia ficado mais de uma década na Record TV onde realizou novelas como "Cidadão Brasileiro", "Dona Xepa", "Milagre de Jesus" e "Escrava Mãe". A última trama na qual que a atriz participou foi "Apocalipse", no ano passado. Luiza Tomé reviverá Scarleth Williams Mackenzie Pitiguary em "O Sétimo Guardião", a próxima novela das nove da emissora carioca. Ela viveu a mesma personagem em "A Indomada", trama que foi ao ar em 1997, do mesmo autor Aguinaldo Silva. No perfil oficial no Instagram, Luiza Tomé gosta de compartilhar com os seguidores uma rotina de exercícios físicos e vida saudável. Aos 54 anos, ela esbanja disposição e beleza e assume que gosta de se cuidar.

Luccino e Otávio ficarão em quartos vizinhos para se encontrarem (Foto: Cesar Alves/TV Globo)

Fora dos Trilhos

O final de Orgulho e Paixão, novela das 18h da Globo, terá a cena esperada por grande parte do público. Luccino (Juliano Laham) e Otávio (Pedro Henrique Müller) vão se declarar um para o outro e terão uma noite de amor. Por conta do horário de exibição, os dois aparecerão de roupas íntimas e vão comentar os momentos românticos. Esta semana, a trama mostrou que Otávio decidiu esconder de Luccino que Gaetano (Jairo Mattos) foi contra o relacionamento deles até sua morte. Ele mentiu sobre os últimos momentos do pai, afirmando que, no fim, o durão havia repensado suas atitudes e gostaria de ver o rapaz feliz. Nos momentos finais da história, Otávio pedirá para que sua paixão alugue um quarto vizinho ao seu na pensão para que eles não fiquem longe. Além disso, ele vai oferecer um cordão, com uma aliança amarrada, para Luccino. “Era da minha mãe. É a única lembrança que me restou dela. Luccino Pricelli, você aceita ser meu vizinho?”, questionará o rapaz, enquanto o outro se anima com a possibilidade. “Hoje e por todos os dias da minha vida”, será a resposta do italiano. Os dois vão dançar uma música romântica, enquanto Luccino faz carinho no rosto de Otávio. O último capítulo de Orgulho e Paixão vai ao ar no dia 25.

Grid List

Índices de vacinação apresentam queda entre as crianças paulistas nos últimos anos (Foto: Marcelo Camargo/ABR)

Saúde

A vacinação infantil no Brasil sempre foi vista como algo importante para garantir a saúde das crianças. No entanto, de uns tempos para cá, o assunto foi perdendo relevância, resultando na pior taxa de adesão dos últimos 16 anos, segundo dados do Ministério da Saúde. Parte desta queda se deve ao próprio sucesso do programa de imunizações. Isto porque muitas doenças, antes comuns no passado, foram erradicadas ou tiveram uma diminuição significativa no número de casos, dando a im ...

Bolsonaro e Haddad lideram intenções de votos, segundo pesquisa do BTG (Fotos: Miguel Ângelo/CNI/Fotos Públicas e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

Nacional

O candidato à Presidência da República do PSL, Jair Bolsonaro, cresceu 3% em pesquisa de intenção de votos divulgada nesta segunda-feira, 17, pelo Instituto FSB. Na semana passada, ele tinha 30% e, agora, atingiu 33% no cenário estimulado, em que o nome dos concorrentes é apresentado aos entrevistados. A pesquisa foi encomendada pelo BTG Pactual. Fernando Haddad (PT) é, agora, o principal perseguidor de Bolsonaro. Depois da oficialização de sua candidatura, realizada na terça-feira, ...

Preparação para o dia da prova tem de ser com antecedência (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Economia

Desde o ano passado, a Receita Federal aguarda a aprovação de abertura de um novo concurso público para preencher 2.083 vagas em seu quadro de funcionários. A expectativa é de que o certame, que é um dos mais disputados do País, seja autorizado e tenha edital publicado em breve. Do total de vagas solicitadas, 1.453 são para o cargo de analista-tributário e 630 para auditor-fiscal. A remuneração inicial é de R$ 11.639 para analistas e R$ 20.123 para auditores. Ambos os cargos exigem ...

Foi a primeira morte causada por tubarão em 80 anos na região (Foto: Reprodução/Facebook)

Mundo

O estudante brasileiro Arthur Medici, de 26 anos, foi morto por um ataque de tubarão na praia de Newcomb Hollow, em Cape Cod, no sábado 15. Ele foi atacado por volta do meio-dia, quando praticava bodyboarding com um amigo. Após o ataque, seu colega o levou para a areia, onde Medici recebeu atendimento de emergência, incluindo reanimação cardiopulmonar e aplicação de torniquetes. Em seguida, o estudante foi levado ao hospital na cidade de Hyannis, onde foi declarado morto. Este é o pri ...

Grid List

Protagonista do game tem temperamento frio e impiedoso (Foto: Divulgação)

Tecnologia

Previsto para ser lançado em 26 de outubro, com legendas em português, o game Red Dead Redemption 2 ganhou mais detalhes de sua trama durante esta semana. A Rockstar, desenvolvedora do jogo que estará disponível para PS4 e Xbox One, revelou os principais personagens da história. O retorno de John Marston, o anti-herói da edição anterior, está confirmado. O protagonista, desta vez, no entanto, será Arthur Morgan, pertencente à gangue de Dutch van der Linde. Ele é o homem mais compete ...

Entrada da cidade de Joinville, em Santa Catarina: município é viável para viagens curtas (Foto: Divulgação)

Turismo

Quem vai viajar durante as férias de fim de ano já tem que começar a se planejar. Em Joinville, por exemplo, existem passeios bacanas que podem ser realizados em apenas um dia: isso é ótimo para quem está só de passagem, quer conhecer a cidade e não tem muito tempo de sobra. São atrações culturais, gastronômicas, ecológicas e até de aventura com valores acessíveis e, algumas, gratuitas. O primeiro lugar é o Parque Expoville Atividades, passeio ideal para ser realizado com famíl ...

Novo sistema de navegação e projeção de informações no para-brisa estão entre os itens inéditos (Foto: Divulgação)

Autos e Afins

Modelo mais vendido da BMW no Brasil em 2017 e 2018, o BMW X1 tem novidades na linha 2019, que é totalmente fabricada no Brasil, na unidade produtiva do BMW Group Brasil em Araquari (SC). Após a atualização das versões de entrada, chegou a vez da versão topo de linha xDrive25i Sport, que é mais equipada e mantém o preço de R$ 232.950. Entre os novos itens disponíveis estão os sistemas de navegação Plus, de projeção de informações no para-brisa e de assistência para estacioname ...

Se a pessoa não tem dinheiro para dar uma entrada em um imóvel, o consórcio é uma opção viável e com taxa de juro menor que a do financiamento (Foto: Divulgação)

Imóveis

Uma modalidade conhecida por não trabalhar com taxas de juros, mas com uma taxa de administração que varia de acordo com a empresa contratada, continua em alta. Este ano, as administradoras de consórcios venderam 1 milhão em cotas em cinco meses. No ano passado, esta meta foi atingida somente em junho, segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). Nos cinco primeiros meses de 2017, as vendas de consórcio atingiram 912,5 mil cotas. No mesmo período nes ...

Eymael disse acreditar que Haddad estará no segundo turno (Foto: Ivo Lindbergh)

Nacional

O gaúcho José Maria Eymael, conhecido principalmente pelo jingle de campanha “Ey, Ey, Eymael, um democrata cristão”, criado em 1985, chega a disputa de sua quinta eleição presidencial e garante: “somos os únicos capazes de derrotar o PT nas urnas”. Crente de que o candidato petista Fernando Haddad (PT) herdará os votos do ex-presidente Lula (PT) e estará no segundo turno, Eymael acredita que seu partido, o Democracia Cristã, é prejudicado pela falta de espaço na televisão e no rádio, assim como pela recente reforma eleitoral, “feita para manter quem está no poder”, e que se muitos soubessem de sua história com certeza lhe confiariam o voto.  Segundo Eymael, sua legenda não está nem à esquerda e nem à direita. “A democracia cristã é uma força transformadora”, explicou o democrata. Entre suas principais propostas está a Reforma Tributária, para diminuir a pressão governamental sobre as empresas e colocar o Brasil para surfar nas “ondas do desenvolvimento”. Eymael foi eleito, em 1986, deputado federal constituinte com 72.132 votos, tendo sido reeleito em 1990 com 34.191 sufrágios. Questionado se está na hora de rever a Constituição, o democrata cristão negou esta possível necessidade. “A Constituição precisa amadurecer, mas é a responsável pelo maior período democrático de nosso País”.    Candidato é contra o Fundão Partidário e critica falta de espaço na TV e nas rádios (Foto: Ivo Lindbergh) O que faltou para a Democracia Cristã crescer como outros partidos, a exemplo do PT, PSDB e MDB? Então, hoje, o pouco tempo que nós temos é o grande obstáculo. Com as redes sociais, este problema é um pouco amenizado. Se eu tivesse tempo para falar o que fiz aos trabalhadores: aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, redução da jornada de trabalho de 48 para 44 horas semanais, proteção contra demissão sem justa causa, a estimulação de lazer como promoção social e mecanismos para proteger a mulher no mercado de trabalho…Seria um outro universo. As pessoas me conhecem, mas não conhecem o conteúdo. É uma dificuldade. E como driblar esta falta de tempo? Redes sociais. Hoje, a minha fanpage tem participação do Brasil inteiro. Embora não tenha como negar a importância da TV. Tenho feito também a campanha corpo a corpo. Minha agenda está lotada: Brusque (SC), Brasília, Campinas, Cuiabá (MT). Não tem lugar em que eu me sinta melhor do que a rua. Qual é o principal mote da sua campanha? Qual seria a primeira coisa que faria ao ser eleito? Primeira coisa: montar um time do presidente. Reduzir 29 ministérios para 15. Não economiza quase nada, mas o presidente, assim, terá um time próximo, com pessoas que conversam diariamente com ele. Também tem que ser feita uma reforma tributária. Este sistema tributário que nós temos, com todas as mexidas que ele sofreu, esmaga as empresas. Tem que ser algo que o empresário entenda. Perde-se muito tempo só para entender o que se paga. O sistema também é muito injusto. Um comerciante da zona leste de São Paulo, por exemplo, recebe uma multa e tem quinze dias para recorrer. Até ele falar com o contador, o prazo já acabou. É preciso ter uma igualdade maior entre contribuinte e fisco. E quais seriam os critérios para escolher este time do presidente? Nenhuma indicação de partido político. Se eu me eleger presidente, eu me elejo de forma independente. Vou me eleger pela Democracia Cristã. Chega de indicação de partido político. Nós temos que buscar pessoas que tenham excelência na sua área de trabalho. É isto que tem que ser feito. Temos que conversar, respeitar opiniões diferentes, mas sempre ir para o diálogo preparado. Assim, você sensibiliza as pessoas. Na elaboração da Constituição, falaram que o nosso partido não tinha representatividade e que iríamos nos machucar. No final, fui um dos 15 deputados com mais propostas aprovadas. Sintetizando: o Legislativo legisla e fiscaliza. O Executivo governa. E o Judiciário julga. Eymael afirmou que corte abrupto do imposto sindical foi um erro (Foto: Ivo Lindbergh) O que é preciso fazer na questão da segurança? Quem foi que propôs a criação do Ministério da Segurança Pública em 2010? Nós. A intenção era integrar as inteligências das forças de segurança do País – municipais, estaduais e federal. Colocar o Exército para fechar as fronteiras. Adotar procedimentos internacionais de sucesso em países desenvolvidos na área de segurança. Agora apresentaram o Ministério da Segurança Pública como se fosse uma novidade em 2018. O que vemos hoje é uma situação em que as polícias não se comunicam e não compartilham informações. Um Estado não está conjugado com os demais. Isso que gera esta insegurança nacional. E na área da saúde? Eu falo sempre na “Saúde da Inteligência”. É a saúde da prevenção. Tem que se prevenir, mas, na prática, isto não existe. Por exemplo, a falta de saneamento é uma das grandes causadoras de doenças no Brasil. Só que não se faz nada em termos de saneamento no País. Qual a sua visão sobre o atentado a Jair Bolsonaro? Nós tivemos uma posição oficial. É um retrato da insegurança do País. Veja o seguinte. O Bolsonaro estava cercado por 25 agentes da polícia federal. Vai alguém com uma faca e consegue atingir o Bolsonaro. O próprio discurso do Bolsonaro falando que a solução era armar todo mundo não é a solução. Para Eymael, processo de impeachment que tirou Dilma Rousseff do poder foi indecente (Foto: Ivo Lindbergh) O senhor é contra o armamento então? Porte de armas seletivo. Que é mais ou menos o sistema que temos hoje. Só que nós temos que fazer que nem o sistema europeu. Você tem o porte de arma seletivo, mas a pessoa que tem periodicamente tem que demonstrar que tem condições de ter uma arma. Em um segundo turno, quem o senhor apoiaria? Hoje, o Haddad vai para o segundo turno e eu estou absolutamente convencido disso. E só a democracia cristã pode derrotar o Haddad. Nenhum outro candidato tem condições. O Lula vai transferir os votos. Hoje os jornais já dizem: um terço do eleitorado brasileiro já aceita votar em alguém indicado pelo Lula. Mesmo só com 9% ele já vence o Bolsonaro no segundo turno. Por que? Porque nós somos as conquistas sociais dos trabalhadores. O partido com a totalidade dos avanços sociais na Constituição, todos os avanços sociais dos trabalhadores presentes na Constituição são da Democracia Cristã. Num segundo turno, o tempo de TV é igual, não são mais os oitos segundo que nós temos. E se o senhor não chegar no segundo turno, apoiaria outro candidato? Se eu te responder esta pergunta eu já estaria aceitando não ir para o segundo turno (risos). Quais estatais você manteria e quais você privatizaria? Eu mantenho Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, por uma questão de segurança nacional. As demais eu ia fazer uma análise da vantagem de continuar com elas ou não. Como o senhor trataria a questão dos refugiados venezuelanos? Tem que acolhê-los e fazer uma distribuição dentro do território nacional. Mas o Brasil não pode ficar indiferente à situação da Venezuela, que é um regime ditatorial. No governo do PT houve uma certa condescendência. O Temer poderia ter um certo posicionamento. Qual sua posição sobre a Reforma Trabalhista? Em termos gerais eu acho que houve um avanço. Dando um pouco mais de liberdade na relação entre patrão e empregado. O que eu acho que foi um erro foi o corte abrupto do imposto sindical, sem uma transição, sem dar uma chance para os sindicatos se adequarem e criarem novas fontes de receita. O estrago já está feito. Tem que fazer um amplo debate nacional para ver como os sindicatos vão se manter. É preciso fazer a Reforma da Previdência? Tem que fazer. O problema fundamental é o período de vida mais longo. A previdência foi calculada com base em um período mais curto. Tem que ter uma elevação na idade mínima e tem que ter uma transição inteligente. A Previdência está quebrada. Tem que ter reforma, mas também tem que cobrar quem está devendo. Como o senhor avalia os resultados do último impeachment? Olha os dois anos do Temer. Tinha que ter sido mais transparente o sistema de impeachment. Uma análise realmente, uma comprovação de desvio. Aquilo foi carta marcada com o vice-presidente tramando para tomar o lugar da presidente. Nós defendíamos, em 2016, a convocação de novas eleições. A coisa foi alongando, o TSE acabou não julgando, com o MDB articulado para tomar conta do governo. Eymael conta a história do seu famoso jingle:  Foi um golpe então? Foi indecente. O que o senhor pretende fazer para gerar emprego? Emprego é fruto do desenvolvimento. Tem algumas medidas que podem ser tomadas. Uma delas, eu coloquei que o ICMS pode ser seletivo, menor, para os produtos mais necessários, como no caso dos genéricos, em São Paulo. A cesta básica da constituição poderia ter este critério. O setor que mais reage é a construção civil. Ter uma redução no ICMS da Construção Civil poderia ser um avanço. Outra questão é a seguinte. Hoje tem financiamento, a pessoa tem que ter 20% para comprar o imóvel. Ela não compra. Se ela tivesse 100% de financiamento ela passaria a ter este financiamento e pagaria um valor inferior ao que paga de aluguel. O risco para os bancos é zero porque tem a garantia do imóvel. Mas hoje os juros são elevadíssimos. A parcela ainda fica, muitas vezes, muito mais alta o que o aluguel. Como resolver isto? Aí você entra em uma outra área. A falta de renda não pode representar a falta de moradia. Isto é básico, é fundamental. Hoje, se você não tem renda, você não tem moradia. Este é um problema de gestão pública.    

Na boca da cabine, trio de meninos pedia dinheiro aos passageiros (Foto: Eurico Cruz)

Cidade

Um trio formado por duas crianças e um adolescente causou constrangimento a passageiros do Metrô que compravam os bilhetes de viagem na Estação Carrão. A reportagem flagrou o acontecimento na segunda-feira, por volta das 13h. Os garotos chegaram a ficar com os braços encostados na cabine e ao lado das pessoas que compravam o bilhete. Quando viam o dinheiro, indagavam se poderiam ficar com as moedas do troco. “Essa não é a primeira estação e nem a única estação que isto acontece. A gente entende que a situação está difícil, mas deste jeito chega a ser um abuso”, disse uma passageira que não quis se identificar. Segundo o Metrô, a estação possui um efetivo fixo de agentes de segurança que faz constantes rondas no local. Até o momento em que a reportagem esteve no local, por cerca de 15 minutos, nenhum agente de segurança abordou os três menores. A Companhia afirmou que sempre que são abordados os jovens são orientados sobre a proibição de pedir dinheiro nas dependências da companhia, mas, como não se trata de uma infração penal, não há detenção. O Metrô ressaltou que também orienta os passageiros a não darem esmolas nas estações.

Chequer não se arrepende de ter apoiado o impeachment de Dilma (Foto: Ivo Lindbergh)

Cidade

Fundador do movimento Vem Pra Rua, que chegou a reunir até 6 milhões de pessoas em protestos pelo impeachment da ex-Presidente Dilma Rousseff (PT), Rogerio Chequer, aos 50 anos, é o candidato do Novo ao Governo do Estado e quer implantar “a nova política”, que “trabalha junto com a população, não contra ela”. Sem coligações e sem tempo de TV, Chequer aposta no poder das mídias sociais e da tecnologia para chegar ao eleitor, além de ações como a que realiza na Avenida Paulista, aos domingos, com dois microfones, um para ele e outra para alguém fazer perguntas sobre as suas propostas. Se eleito, acredita que poderá contar com o apoio da população para inibir os deputados estaduais de votarem contra ou pedirem barganhas em troca da aprovação de projetos necessários aos paulistas. Ele garantiu que não irá lotear Secretarias em troca de apoio. Crítico ferrenho do PT, Chequer não se considera nem de esquerda e nem de direita, e disse que estes argumentos são erros que levam a desvios de informação.  O que você faria em uma situação de crise hídrica? Temos que começar um programa para preparar não apenas as bacias ao redor da cidade de São Paulo, mas as outras bacias hidrográficas do Estado para terem tanto armazenamento de água quanto qualidade, além da necessidade de um saneamento fiscalizado. Hoje, a Sabesp coleta e não trata tudo, e quem regula é a Cetesb. As duas empresas são de controle do Estado. Se você tem interferência governamental nas duas, quem perde é o cidadão que vai ficar sem a devida fiscalização. Chequer acredita que a população paulista perde com a administração estatal da Sabesp e da Cetesb (Foto: Ivo Lindbergh) Então você pensa em passar à iniciativa privada estes serviços? A regulamentação não. A responsabilidade é do Estado. A Sabesp deveria oferecer serviço do que nível que oferecem hoje as empresas de saneamento privado. E os municípios deveriam estar livres e desimpedidos para fazerem parcerias público-privadas de saneamento. O que você pretende fazer para reduzir a sensação de insegurança no Estado? Um dos motivos principais de insegurança é que a capacidade investigativa da polícia civil é muito baixa, que tem que ser recuperada. A outra é o monitoramento de limites. São Paulo não produz nem drogas nem armas. O que chega aqui vem por caminhões. Chegou a hora de nós utilizarmos tecnologia de escaneamento de containers para investigar as cargas que chegam em São Paulo. Na prática, como você pretende crescer o Metrô? A interligação de São Paulo com as outras cidades do Estado é importante. Precisamos avançar nos projetos de montar eixos Norte-Sul e Leste-Oeste: do Vale do Paraíba, Sorocaba, Campinas e Americana e Baixada Santista. Com isto, você diminui esse fluxo de 1,8 milhões de carros que chegam todo dia à Região Metropolitana de São Paulo. Como você pretende ter o apoio da Assembleia Legislativa? O Legislativo, tanto no nível federal ou estadual, sempre que necessário exige novas barganhas ao governo. Além de pedir de emendas e cargos. Este sistema não funciona. Nós vamos fazer uma triangulação com o povo. Na nossa campanha, falaremos quais são as nossas promessas e vamos falar quais são as medidas que precisam da Assembleia. Eu pretendo conversar com toda a Assembleia, mas se houver resistência em projetos de melhoria à vida da população é a população que vai cobrar. Candidato afirma que o transporte sobre trilhos deve ser ampliado no Estado (Foto: Ivo Lindbergh) Como você pretender sanar o déficit habitacional do Estado? Por meio de parcerias feitas com a iniciativa privada. A construção de moradias requer um investimento inicial e os governos não têm recursos suficientes para colocar este pagamento inicial. No entanto, eles conseguem montar parcerias. Não só para construir ou reformar, mas para a zeladoria. O que não pode ser feito é você dar espaços para as pessoas morarem e depois não se preocupar com a qualidade destes espaços. O prédio do Paissandu é o melhor exemplo disso. E para sanar os problemas da Saúde? Trazer modernização à saúde como nunca foi feito no Estado de São Paulo. É absurdo que, em 2018, um usuário do SUS não possa marcar uma consulta ou exame pelo próprio celular. Para isto é preciso um cadastro único, que permitirá um histórico do paciente registrado. Queremos trazer também o conceito do médico de família, que cuidará com uma equipe de uma região geográfica.  Nesta região, ele  fará medicina preventiva, vitaminas, diagnósticos precoces e encaminhará estas pessoas diretamente ao especialista, quando necessário, desafogando o atendimento inicial e resolvendo antes que a pessoa precise perder um dia de trabalho para ficar em uma fila. E como gerar emprego no Estado de São Paulo? O maior empregador do Brasil, hoje, são as médias e pequenas empresas. Existem 5,3 milhões empresas registradas no Estado.  Se cada um contratar uma pessoa você chega a quase metade do desemprego nacional. Precisamos facilitar a forma, os meios, a legislação, para que estes empreendedores que realmente tomam risco possam fazer contratações. Algumas dessas contratações terão de ser feitas em parceria com o Governo Federal e com o Congresso, na mudança de algumas reformas trabalhistas que ainda prejudicam a contratação de pessoas. "Eu nunca tive nenhuma simpatia especial pelo Temer" (Foto: Ivo Lindbergh) Os resultados do impeachment para o Brasil, com Michel Temer (MDB) presidente, compensaram? A qualidade do vice-presidente jamais pode ser o critério para não afastar um presidente ou uma presidente criminosa do poder. O dia que nós deixarmos de punir porque o vice-presidente tem baixa qualidade estaremos prejudicando todo processo constitucional e democrático no País. Nós não votamos no Temer. Eu não votei no Temer. Eu nunca tive nenhuma simpatia especial pelo Temer. O Temer tem baixa qualidade então? Principalmente pela qualidade das pessoas que ele se cercou. Trazendo para o governo a velha política. O movimento Vem Pra Rua foi o único que pediu o afastamento do presidente Temer, mas algumas pessoas tinham esperança que ele poderia fazer as reformas necessárias e preferiram fazer vista grossa para a falta de ética que estava rondando a Presidência.  

Aos 36 anos, Boulos é o candidato mais novo postulante à Presidência (Foto: Ivo Lindbergh)

Nacional

Guilherme Boulos se destacou nacionalmente como líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) e disputa pela primeira vez o cargo de presidente da República. Filiado ao Psol, partido considerado de extrema esquerda, Boulos defende maior participação popular e afirmou que sua candidatura foi posta para derrubar a “turma do Temer, que botou o Brasil no buraco nos últimos dois anos e que fez com que 1,2 milhão de pessoas voltassem à miséria”. Defensor do ex-presidente Lula (PT), considera uma injustiça a prisão do petista, mas garante que, com ou sem Lula, a esquerda estará no segundo turno. Aos 36 anos, o paulistano Boulos é o candidato mais novo postulante ao cargo. Filho de médicos, não nasceu pobre, mas afirmou que “não é preciso passar fome ou não ter um teto para se solidarizar com quem passa por estas situações”. Apesar de já ter pregado a desobediência civil em alguns casos, Boulos afirmou que é contra o armamento da população, que passa por uma crise ética e que não se indigna com a situação dos moradores de rua e de crianças pedintes.   Se eleito, o primeiro compromisso do senhor será com os sem-teto? Sem dúvida nenhuma. Se vende uma ideia de que quem faz ocupação por moradia é vagabundo, que quer tomar o que é dos outros. Ignora-se a realidade dessas pessoas, que todo fim do mês têm de escolher entre pagar o aluguel e botar comida na mesa. E por que estas pessoas vivem nessa situação? São levadas a esta situação porque os governos não cumprem a lei e deveriam, desde a Constituição e o Estatuto das Cidades, desapropriar imóveis vazios e abandonados e destiná-los à moradia popular. No nosso governo, nós vamos fazer a lei ser cumprida. Imóvel que esteja abandonado será desapropriado para dar moradia a quem precisa. Inclusive nas regiões centrais, porque pobre tem direito de morar no Centro também. Boulos disse acreditar que campanha "olho no olho" dá credibilidade (Foto: Ivo Lindbergh) E para famílias que não são pobres, mas não têm condição de financiar um imóvel? Nós vamos baixar os juros, que, no Brasil, são extorsivos. Tem um exemplo que é bem emblemático. O banco Santander, que é um banco espanhol, para uma mesma linha de crédito cobra juros zero na Espanha e 140% no Brasil. É uma esculhambação.  O Brasil é a Disneylândia dos bancos privados. Nós vamos pegar os bancos públicos – Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil – para reduzir os juros de mercado. Os bancos privados terão que vir atrás ou vão perder a clientela.  Seria melhor ter mais bancos para aumentar a competitividade? A solução não é simplesmente ter mais bancos. Eu vi outro dia, em um debate, o Alckmin dizer que o problema do Brasil era ter poucos bancos. Eu achava que o problema do Brasil era ter pouco investimento em educação, em saúde, mas o Alckmin nos ensinou que o problema é termos poucos bancos. Eu não acredito nisso. Acho que é óbvio, nós temos que descentralizar com bancos populares, cooperativas de crédito. São elementos importantes, mas nós temos bancos públicos no Brasil que podem cumprir o papel de enfrentar o cartel de bancos privados, fazendo a redução de juros e da taxa de agiotagem, o chamado spread bancário. Para chegar ao segundo turno, não era melhor a esquerda ter apenas um candidato? A Esquerda, a oposição ao governo Temer, estará no segundo turno. O governo Temer tem rejeição de 97% da população brasileira. Deveria se fazer um concurso em que fosse dado a alguém que andasse pelas ruas e encontrasse um cidadão que apoia o governo Temer. O primeiro turno é momento de apresentar alternativas, projetos de futuro, plantar sementes. A nossa candidatura faz isso, não olhando no espelho retrovisor, mas apresentando um projeto para uma geração, não apenas para uma eleição. Quase sem tempo no rádio e TV e tachado de invasor, como pretende chegar ao eleitor? A campanha é uma oportunidade de desfazer essa mistificação. O MTST nunca ocupou casa de ninguém. O MTST ocupa grandes imóveis que estão abandonados há muito tempo. Grandes propriedades que devem impostos. Nós estamos tendo a oportunidade de esclarecer isso durante a campanha e enfrentar as fake news. O filho do Jair Bolsonaro inventou que o MTST cobrava aluguel de moradores e está enfrentando processo sobre isso. E referente ao tempo eleitoral? Referente à televisão, o sistema eleitoral, tanto de financiamento das candidaturas quanto de aparição, é feito para ficar tudo como está, para manter os mesmo no poder e bloquear a mudança. A nossa candidatura pode fazer diferente porque não tem rabo preso. Sou o único candidato que pisa em favela. Essa campanha olho no olho dá credibilidade. O senhor disse que pretende aumentar a participação brasileira na política. Como? As pessoas não participam porque elas não foram chamadas. Democracia não pode ser apertar um botão a cada quatro anos e acabou. As pessoas têm de decidir sobre os próprios temas. A reforma trabalhista que o Temer aprovou, se passasse por um referendo popular, seria aprovada? Não seria. Nós queremos chamar o povo a decidir, porque só assim nós podemos enfrentar privilégios, a esculhambação que é o sistema político brasileiro, que é a base do toma lá da cá. Quem entra no governo troca apoio no Congresso por cargo. Boulos afirmou que pobre também tem o direito de morar nas regiões centrais das grandes cidades (Foto: Ivo Lindbergh) Qual o tamanho da máquina pública que o senhor pensa ser ideal? Quando se fala de máquina pública nós temos de enfrentar privilégios, não reduzir serviços públicos. Alguém acha que tem hospitais demais? Está sobrando serviço de educação? Está sobrando investimento em moradia popular? Está parte tem que ser ampliada. Nós temos que enfrentar privilégios. O que não pode é ter 6 milhões de famílias sem casa e juiz, promotor e deputado ganhando R$ 4 mil por mês de auxílio-moradia. O que não pode, hoje, é quem tem carro pagar IPVA, para manter a máquina pública, e quem tem jatinho, helicóptero não pagar um real de imposto. Nós vamos de enfrentar os privilegiados. E como pretende fazer isso? Uma das primeiras canetadas que eu vou dar, com gosto, vai ser chegar lá e revogar o aumento do judiciário, auxílio-moradia para quem tem casa e destinar este dinheiro para políticas públicas. Vai ser uma das canetadas mais gostosas da minha vida. Nós também vamos revogar a reforma trabalhista, porque trabalhador tem de ter emprego e direitos, revogar o congelamento de investimentos em saúde e educação por 20 anos e revogar a entrega do pré-sal às empresas estrangeiras. O senhor pretende desmilitarizar a polícia? O problema da violência é gravíssimo no Brasil. Nós tivemos 62 mil mortes violentas no último ano. Isso é mais do que a Síria, um país que está em guerra. Não se consegue enfrentar isso com gritaria e bravata. O modelo que tentou fazer isso fracassou. Nos últimos 30 anos foi mais militarização, mais política, mais presídio, mais arma. Eu pergunto: resolveu? Nós temos de seguir por outro caminho. Nós não queremos que as pessoas tenham medo da polícia, como muitos moradores da periferia, sobretudo os negros, têm hoje. Nós queremos que as pessoas respeitem a polícia, e para isso a polícia precisa respeitar as pessoas. Nós precisamos ter um outro modelo de polícia, que não é o modelo da formação militar, é o modelo da prevenção e da inteligência. Quando nós dizemos prevenção é dar oportunidade para as pessoas e para os jovens. Nós não queremos que o jovem tenha a primeira arma. Queremos que o jovem tenha o primeiro emprego. Queremos construir escolas para não construir presídio. E o combate à violência? É preciso enfrentar o tráfico de armas e munição. Não deixar que a arma chegue onde chega hoje. Vamos dizer a verdade: o comando do crime organizado não está no barraco de nenhuma favela. O comando do crime está mais perto da Praça dos Três Poderes do que das favelas de Paraisópolis e da Rocinha. O caminho vai ser enfrentar o crime organizado de verdade, que está de colarinho branco. Que não foi mexido até agora. "Quem tem jatinho, helicóptero não paga um real de imposto. Nós vamos de enfrentar os privilegiados" (Foto: Ivo Lindbergh) Qual é a sua principal proposta para a saúde? Nós vamos criar a UBS completa. Hoje, quando se chega a uma UBS, se você chega com uma infecção, dor nas costas, vão te dar um dipirona, quando tem, e um papel para um exame dali a seis meses. Nós vamos fazer a UBS completa, investindo de verdade em cada delas, onde o cidadão vai fazer o exame e já vai sair com o resultado na mão. Para procedimentos complexos, como ressonância, tomografia, que não dá para fazer ali, vamos estabelecer um teto de espera de, no máximo, um mês. Mas, para isso precisamos investir, e nós vamos dobrar o orçamento do SUS. E qual a receita para dobrar o orçamento do SUS? Tirando de quem tem mais. Fazendo com que o rico comece a pagar impostos no Brasil. Taxar grandes fortunas, lucros e dividendos. Só esta reforma tributária vai dar mais de R$ 100 bilhões ao ano.  Tem algum projeto na área de esporte? A primeira delas é colocar o esporte e o lazer como um direito. Onde tem oportunidade de esportes, lazer e cultura para a juventude se reduz a violência e a criminalidade. Todos os índices mostram isso. Nós queremos tratar o esporte como direito dentro do programa “Meu Bairro, Minha Vida”. Além de dar moradia com regularização fundiária, o programa vai levar serviços públicos com qualidade para cada periferia do País. Vai ter quadra esportiva e atendimento de esportes para a comunidade.  Pretende também taxar a venda de jogadores de futebol? A proposta que nós colocamos é estabelecer uma taxação para a exportação de jogadores, que é feita sem critério. O clube europeu vem, pega um menino de 17 anos, leva embora, e depois valorizava o talento milionariamente na Europa. Nós temos de garantir que os jogadores brasileiros e que a formação de atletas brasileiros recebam a atenção pública, para que estes profissionais possam também atuar no Brasil.

Candidato quer mais quatro anos na Câmara dos Deputados (Foto: Nilson Bastian/Câmara dos Deputados/Fotos Públicas)

Nacional

O candidato a deputado federal Tiririca (PR-SP) apareceu no horário eleitoral gratuito desta sexta-feira, 31, pedindo votos aos paulistas. De forma bem-humorada, ele cobriu o rosto com as mãos e fez uma brincadeira de adivinhação: "Adivinha quem voltou? Duvido você adivinhar".  Na sequência, o humorista emendou: "Enganei você", referindo-se ao seu anúncio, feito no ano passado, de que havia desistido da política. Tiririca recuou no início de agosto de 2018, quando afirmou que disputaria as eleições deste ano.  Recuo O deputado federal Tiririca (PR-SP) anunciou oficialmente no dia 4 de agosto que desistiu de desistir da política. "Estou declarando que vou voltar atrás e vou disputar mais uma eleição", disse o parlamentar em discurso na convenção nacional do PR. Aos correligionários do partido, Tiririca disse que quer ser o deputado "mais votado na história do País". O deputado explicou que decidiu tentar a reeleição após ouvir os "pedidos do povo". Francisco Everardo Oliveira Silva, que é mais conhecido pelo nome artístico, disse que, nos shows que fez como humorista pelo Brasil, a plateia sempre pedia para que ele não desistisse da política. Ao lado do ex-governador Geraldo Alckmin, Tiririca anunciou que apoia o tucano na disputa presidencial. "Geraldo, você tem o meu apoio. O País está precisando de gente honesta como você." Em seguida, Alckmin discursou no mesmo palco e respondeu ao deputado que, com o apoio do PR, conseguirá chegar ao Palácio do Planalto. "Tenho certeza de que com a força do PR, nós vamos chegar lá, Tiririca", disse o tucano. "Estou mais preparado (que em 2006) e agora estou do lado do campeão de votos Tiririca, para ver se passa um pouquinho para mim."

Durante as crises de asma, pacientes costumam apelar para as bombinhas para conseguir respirar (Foto: Divulgação)

Saúde

Seis pessoas morrem diariamente no Brasil por causa da asma, uma doença respiratória crônica, de origem genética, e que causa inflamação e obstrução das vias aéreas. Entre os principais sintomas de asma estão chiado, tosse, sensação de aperto no peito e falta de ar, sinal este que pode levar à morte, dependendo da gravidade. Geralmente, estes incômodos costumam se manifestar à noite, no meio da madrugada, quando os brônquios fecham. “Tem doentes que têm crises diferentes, com sintomas mais ou menos comuns. Indivíduos que têm tosse persistente, ou apresentam somente falta de ar podem ter asma. Tem gente que chama a asma de bronquite, bronquite asmática, tudo isso é asma, são formas diferentes de chamar a mesma doença. Por isso ao apresentar qualquer sintoma respiratório é necessário procurar um médico”, explica Roberto Stirbulov, pneumologista e médico docente da Santa Casa de São Paulo.  Estima-se que cerca de 20 milhões de brasileiros convivam com a doença, sendo atualmente a quarta causa de internação do País. A asma não tem cura e pode surgir em qualquer idade. No entanto, na maioria das vezes, costuma se manifestar na infância. Para a realização do diagnóstico é feito, além do exame clínico, o teste de espirometria, para avaliar a função dos pulmões, e, em alguns casos, o teste alergênico para identificar quais fatores desencadeiam as crises, uma vez que 80% dos pacientes com asma são alérgicos. “É preciso identificar os fatores e eliminá-los do dia a dia. Entre eles é possível citar, ácaros, carpetes, cortinas, travesseiros, animais domésticos e bolores”, diz o pneumologista Mauro Gomes, diretor da Comissão de Infecções Respiratórias da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).  Radiografia e tomografia dos pulmões também podem ser necessárias para completar a avaliação diagnóstica. “A predisposição para asma resulta da interação de vários fatores: herança genética, prematuridade, infecções respiratórias virais nos primeiros anos de vida, exposição a alérgenos e poluentes, entre outros. Quando ocorre a interação entre os genes e os fatores ambientais, a asma se manifesta”, afirma Faradiba Sarquis Serpa, alergista, professora da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (Emescam) e coordenadora da Comissão de Políticas Públicas da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai).  Como combater os efeitos da asma?  O tratamento da asma se divide em ações contra as crises e ações para o tratamento e controle da inflamação. De acordo com a Dra. Faradiba, coordenadora da Asbai, a manutenção é dividida em cinco etapas e quanto mais intensos forem os sintomas maiores serão as doses e a quantidade de medicamentos necessários para o controle. “Nos últimos anos, novas terapias surgiram para o controle de casos mais graves. Nesses casos são indicados os imunobiológicos que são medicamentos que bloqueiam diretamente a inflamação responsável pela reação alérgica e podem reduzir o número de incidências e hospitalizações, melhorando significativamente a qualidade de vida”, descreve.  O tratamento da asma costuma, muitas vezes, ser relacionado ao uso de bombinhas. No entanto, essa prática deve permanecer por tempo indeterminado, com uso corticosteroides inalatórios, que podem ser associados a broncodilatadores de ação prolongada, sempre prescritos com recomendação médica. “Vale ressaltar que os corticosteroides inalatórios são absolutamente diferentes dos corticoides orais e são extremamente seguros. E os broncodilatadores de ação prolongada são absolutamente diferentes dos broncodilatadores de alívio, que se costuma utilizar quando se tem sintoma ou chiado. O objetivo do tratamento é fazer a manutenção de maneira adequada para que o paciente não precise utilizar os remédios de alívio e consiga manter a asma controlada, podendo fazer as suas atividades diárias ou esportivas de forma natural, sem necessitar das bombinhas de alívio”, finaliza Dr. Stirbulov, pneumologista da Santa Casa de São Paulo.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Manter o voto em sigilo é garantia de paz (Foto: Antônio Cruz/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Na década de 1950, a teoria da “unanimidade burra”, de Solomon Asch, comprovou a tese de que  algumas pessoas, quando em grupo, acreditam nas coisas mais absurdas e patéticas, ignorando a lógica e a verdade. A experiência colocava um inocente voluntário dentro de um grupo formado por atores, todos dispostos a um teste que consistia em examinar uma placa com uma linha vertical à direita e três linhas verticais díspares à esquerda, onde apenas uma delas era igual à da direita. O examinador perguntava qual das alternativas era a idêntica e, por mais óbvia que fosse a resposta, os atores, cúmplices e combinados, respondiam a alternativa errada. A cobaia, mesmo tendo absoluta certeza do correto, duvidada da própria razão e concordava com a maioria, escolhendo a alternativa falsa, confirmando a tendência humana da maioria seguir a opinião dos outros. O poder da mídia sobre a opinião pública é um bom exemplo disto, pois desvia a atenção para a verdade, dando foco a inverdades tendenciosas. A propaganda induz o estúpido, mas não convence a mente atenta. Quanto mais se promove opiniões medíocres e ignorantes, mais as pessoas abandonam por convicção a racionalidade e o senso crítico, transformando-se em massa de manobra a ser conduzida por um caminho pavimentado por mentiras rumo ao final de um arco-íris, onde não há pote de ouro, mas sim uma ratoeira à espera. Em tempos de eleições isto fica muito mais evidente quando o grupo dominante ignora os desejos da população e cria, em conluio com que há de mais nefasto, uma tendência a se seguir. Talvez você não se recorde, mas, na eleição passada, a tendência era “mulher votar em mulher”, afinal, sem a força da militância, a presidente, que afundou o País, jamais seria reeleita. Hoje, a única mulher candidata não recebe este apelo, talvez por não fazer parte do grupo de interesse, que aliás contém uma candidata que se diz empoderada e independente, mas se rendeu às ordens de um presidiário, macho opressor, aceitando abandonar sua própria candidatura para ser vice decorativa numa chapa confusa na qual sequer aparece em algumas propagandas oficiais da campanha. O candidato líder nas pesquisas, mesmo sem apelo algum de publicidade, vai na contramão do establishment e recebe adjetivos depreciativos até quando atacado violentamente num atentado à sua própria vida. O trinômio “machista-racista-homofóbico” foi tatuado a contragosto em suas costas, já que a população nada questiona e tudo aceita. Ironicamente, seu mais forte adversário é publicamente conhecido por ser autoritário, arrogante, violento e representar o que há de pior e mais retrógrado na política brasileira. Mas, apesar das diversas provas de seu real machismo, racismo, homofobia, coronelismo, e suas constantes declarações polêmicas, estúpidas e discrepantes, é blindado pela mídia e acariciado pela bolha asquerosa e egoísta de uma medíocre parte da classe artística e “intelectual” brasileira. Tudo é um jogo sujo e inescrupuloso de interesses que em nada compartilham com os da população. Não se deixe levar pela minoria que se finge maioria. Não acredite no que lê, no que ouve. Esteja atento, não tema a discordância e vote sabiamente. Para se viver em paz, vote calado, vote em segredo, pois esta é a única arma que você possui.

Não devemos temer uma ideologia radical no próximo governo (Foto: Reprodução/Flickr)

Opinião

Esta eleição se apresenta como uma das mais importantes de nossa historia. De um lado, trata-se da oportunidade de escolher a pessoa mais capaz de comandar o País, governantes dos Estados que o compõem e representantes na esfera parlamentar. De outro, trata-se de eleger os núcleos ideológicos que definirão políticas de Estado.   Portanto, no caso da eleição para a Presidência, o pleito leva em consideração uma visão de mundo, o modo como os protagonistas  enxergam as tarefas do Estado, o mercado e a economia (cunho mais estatal e/ou mais privado), programas sociais, infraestrutura, potenciais e riquezas naturais etc. Numa tentativa de sumarizar tais visões,  chega-se às três principais correntes políticas que governam os Estados modernos: o socialismo, a social-democracia e o capitalismo.   O primeiro tem seu eixo fincado na transformação social por meio da distribuição de riquezas e da propriedade, abarcando a luta de classes, a extinção da propriedade privada, a igualdade de todos. Na teoria marxista, o socialismo encarna a fase intermediária entre o fim do capitalismo e a implantação do comunismo. O capitalismo se ancora na propriedade privada e na acumulação do capital, tendo como motivação a busca pelo lucro. Portanto, constitui o contraponto do socialismo. Já a social-democracia abriga a intervenção do Estado na economia (distribuição de renda mais igualitária) e nos programas sociais, sob o escopo do bem-estar social e, no território político, dá guarida à democracia representativa. Emerge como sistema que combina aspectos do socialismo e do capitalismo. O fato é que a derrocada do socialismo clássico, a partir do desmantelamento da URSS e a queda do Muro de Berlim, em 1989, estendeu o território da social-democracia, sendo este o modelo de nações democráticas, principalmente no continente europeu.Seja qual for o vencedor dessa eleição, a real política brasileira imporá barreiras intransponíveis para a instalação de uma ideologia radical. Disso não devemos ter receio. *Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP e consultor político e de comunicação

Num possível segundo turno contra Haddad, Bolsonaro deve ganhar apoio de outros partidos (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

A cada pesquisa divulgada mais se revela um cenário polarizado entre o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Assim, quem pode ficar de fora já começa a pensar nas alternativas após 7 de outubro. Um deles é o bloco de partidos que apostou no ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Formados por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade, essa aliança garantiu ao tucano um gordo tempo na TV, mas que, pelos menos até agora, não se reverteu em intenção de votos. O deputado federal gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM) é um dos que nunca escondeu sua preferência pelo ex-capitão do Exército. Foi ele, por exemplo, quem idealizou a viagem de Bolsonaro à Asia, em fevereiro deste ano, e esteve lá, ao lado do colega de Câmara. Outro que já disse que não tem como apoiar Haddad em um ainda hipotético segundo turno foi o ex-ministro da Educação de Michel Temer e atual candidato ao Senado Mendonça Filho, de Pernambuco. Ele foi um dos primeiros do DEM a sugerir o caminho em direção a Alckmin, sendo, inclusive, apontado com alternativa a vice na chapa. Ontem, foi a vez de Major Olímpio, um dos coordenadores da campanha bolsonarista em São Paulo, declarar que “muitos quadros” do Centrão devem se debandar da campanha de Alckmin e declarar apoio ao candidato do PSL. “Já estão fazendo missa de corpo presente há alguns dias”, ironizou. Dentro do governo Temer, que oficialmente apoia Henrique Meirelles, também já tem gente olhando para depois do primeiro turno. Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo, segundo o blog Radar, da Veja, defende que, em havendo o confronto PSL-PT, que o MDB e o presidente declarem apoio a Bolsonaro. Duílio Malfatti, secretário de Publicidade e Promoção do Planalto foi mais específico em sua página no Facebook, ao se referir ao pesselista logo após o atentado: “Tomara [que] ganhe no 1º turno”. E assim, os organizadores da campanha de Bolsonaro vão reiterando a confiança. E o reforço natural de sua base de apoiadores revela que esta percepção extravasou o núcleo mais leal, podendo desta forma fazer o fiel da balança pender para o lado deles. Assim, aquilo que estava tão distante até alguns meses, já parece bem factível a essa altura da disputa.

Vice de presidenciável do PSL acredita que lar com presença paterna seria diferente (Foto: Reprodução/Facebook)

Politica

Vice na chapa de Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) disse na segunda-feira, 17, em São Paulo, que famílias pobres "onde não há pai e avô, mas, sim, mãe e avó" são "fábricas de desajustados" que fornecem mão de obra ao narcotráfico. "A partir do momento em que a família é dissociada, surgem os problemas sociais. Atacam eminentemente nas áreas carentes, onde não há pai e avô, mas, sim, mãe e avó, por isso é fábrica de elementos desajustados que tendem a ingressar nessas narcoquadrilhas", disse ele, durante palestra a empresários, fazendo um paralelo entre formação da família e ação de bandidos em áreas carentes. Mourão também criticou a política externa adotada nos governos petistas de aproximação com outras economistas emergentes. Ele se referiu a esses países como "mulambada". "E aí nos ligamos com toda a mulambada, me perdoem o termo, existente do outro lado do oceano, do lado de cá, que não resultou em nada, só em dívidas que foram contraídas e que nós estamos tomando calote disso aí." Na semana passada, Mourão já havia feito declarações consideradas polêmicas. Ele disse que o País precisaria de uma nova Constituição, mais enxuta e focada em "princípios e valores imutáveis", mas não necessariamente por meio de uma Assembleia Constituinte. Para ele, o processo ideal envolveria uma comissão de notáveis, que depois submeteria o texto a um plebiscito, para aprovação popular - o que, hoje, não se enquadra nas hipóteses previstas em lei. Nesta segunda, ele voltou a citar o tema da Constituição. Segundo o candidato a vice, a reforma da Carta representaria a "mãe de todas as reformas", uma vez que ela está desatualizada, apesar das emendas que sofreu. Bolsonaro Adotando um tom presidencial, o candidato a vice discursou por cerca de uma hora no evento promovido pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) com outras 21 entidades, que se reuniram num grupo chamado Reformar Para Mudar. Em sua fala, Mourão citou apenas uma vez Bolsonaro, que continua internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, se recuperando do atentado que sofreu em Juiz de Fora (MG). "Bolsonaro é um estadista, não pensa apenas nesta eleição, mas nas próximas gerações", afirmou ele. Mourão reclamou também da forma como as forças policiais são criticadas quando atuam, na sua definição, "como polícia". "Temos de lembrar que direitos humanos são para humanos direitos", disse o general. "Se a polícia age como polícia, é duramente criticada: é o genocídio, o martírio da população brasileira. É trabalho enfrentar isso daí", disse ele, que foi aplaudido pela plateia. O militar foi aplaudido outras duas vezes enquanto discursava, ambas ao defender o livre mercado e a iniciativa privada. Ele defendeu, por exemplo, a privatização das áreas de refino e distribuição da Petrobras.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Manter o voto em sigilo é garantia de paz (Foto: Antônio Cruz/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Não devemos temer uma ideologia radical no próximo governo (Foto: Reprodução/Flickr)

Opinião

Num possível segundo turno contra Haddad, Bolsonaro deve ganhar apoio de outros partidos (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Legislação deve ser mudada, pois a violência cresce a cada dia no Brasil (Foto: Wilson Dias/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Publicidade

Sao Paulo Brazil vento agitado, 22 °C
Condições atuais
Nascer do sol: 6:0 am   |   Pôr do sol: 6:1 pm
75%     40.2 km/h     30.916 atm
Previsão
TER Baixa: 17 °C Alta: 21 °C
QUA Baixa: 17 °C Alta: 27 °C
QUI Baixa: 16 °C Alta: 26 °C
SEX Baixa: 17 °C Alta: 25 °C
SáB Baixa: 16 °C Alta: 26 °C
DOM Baixa: 16 °C Alta: 30 °C
SEG Baixa: 17 °C Alta: 29 °C
TER Baixa: 18 °C Alta: 29 °C
QUA Baixa: 18 °C Alta: 21 °C
QUI Baixa: 17 °C Alta: 28 °C
Guarulhos Brazil Nublado, 22 °C
Condições atuais
Nascer do sol: 6:0 am   |   Pôr do sol: 6:1 pm
72%     35.4 km/h     30.782 atm
Previsão
TER Baixa: 16 °C Alta: 21 °C
QUA Baixa: 17 °C Alta: 27 °C
QUI Baixa: 17 °C Alta: 26 °C
SEX Baixa: 17 °C Alta: 24 °C
SáB Baixa: 16 °C Alta: 26 °C
DOM Baixa: 15 °C Alta: 29 °C
SEG Baixa: 17 °C Alta: 29 °C
TER Baixa: 19 °C Alta: 28 °C
QUA Baixa: 17 °C Alta: 21 °C
QUI Baixa: 17 °C Alta: 28 °C
Osasco Brazil vento agitado, 21 °C
Condições atuais
Nascer do sol: 6:1 am   |   Pôr do sol: 6:2 pm
76%     40.2 km/h     30.916 atm
Previsão
TER Baixa: 17 °C Alta: 22 °C
QUA Baixa: 17 °C Alta: 27 °C
QUI Baixa: 16 °C Alta: 27 °C
SEX Baixa: 17 °C Alta: 25 °C
SáB Baixa: 16 °C Alta: 25 °C
DOM Baixa: 15 °C Alta: 29 °C
SEG Baixa: 17 °C Alta: 29 °C
TER Baixa: 18 °C Alta: 29 °C
QUA Baixa: 18 °C Alta: 21 °C
QUI Baixa: 18 °C Alta: 28 °C