14
Qua, Nov

Grid List

Silvio Santos foi criticado por relembrar mensagem usada na ditadura (Foto: SBT)

Nacional

"Brasil, ame-o ou deixe-o". Este foi o slogan divulgado pelo SBT na terça-feira, 6. O bordão foi transmitido pela primeira vez durante o intervalo do programa Fofocalizando. Ao som do hino nacional, a vinheta tinha 15 segundos. A frase "Brasil, ame-o ou deixe-o" era dirigida aos opositores da ditadura militar no País, no período de 1964 a 1985. Após a reação negativa nas redes sociais, o SBT retirou o slogan do ar. Assista ao vídeo: "A emissora cometeu um equívoco de não se aten ...

Moro acredita que pode institucionalizar o combate à corrupção e afirma que PT cria "fantasia" ao criticar sua nomeação (Foto: Henry Milleo/Fotoarena/AE)

Nacional

O juiz Sérgio Moro, futuro superministro da Justiça do governo Bolsonaro, disse nesta terça-feira, 6, que pretende criar forças-tarefas ao estilo da Operação Lava Jato para combater o crime organizado em todo o País. Em entrevista na sede da Justiça Federal em Curitiba, Moro afirmou que pretende "avançar na pauta do enfrentamento não apenas à corrupção como ao crime organizado". "Pretendo utilizar forças-tarefas não só contra esquema de corrupção, mas contra o crime organizad ...

Semana deve ser aproveitada para rever matérias (Foto: Divulgação)

Nacional

O primeiro dia de aplicação de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) terminou e, agora, os candidatos devem se preparar para a avaliação de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias. Os temas do próximo domingo, 11, envolvem as matérias de Física, Química, Biologia e, claro, Matemática. É preciso ter conhecimento sobre, por exemplo, fundamentos da mecânica, como tempo, espaço, velocidade e aceleração; carga e circuitos elétricos; transfor ...

Apesar do dado, Enem de 2018 também teve os atrasados (Foto: Mister Shadow/ASI/AE)

Nacional

O primeiro dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio teve o menor índice de abstenção da história da prova: 24,9%. Dos 5.513.749 inscritos, foi constatada a presença de 4.139.319 candidatos, o equivalente a 75,1%. No ano passado, a abstenção foi de 29,9%. Ao comentar os dados, o ministro da Educação, Rossieli Soares, afirmou que o número pode ser melhorado na próxima semana, uma vez que a falta no primeiro dia de prova não impede que o candidato realize a segunda etapa da prov ...

Moro falou sobre avançar no combate contra o crime no Brasil (Foto: Wilton Júnior/AE)

Nacional

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, aceitou na manhã desta quinta-feira, dia 1°, o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o Ministério da Justiça. Ele disse ter sido motivado pela perspectiva de "implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado". Na tarde de quarta-feira, 31, a colunista Sonia Racy, do jornal O Estado de S. Paulo, havia antecipado a informação de que o magistrado aceitaria a pasta. Veja, abaixo, a not ...

Redação será avaliada por regras gramaticais, fidelidade ao tema, coerência, coesão e conclusão (Foto: Sérgio Castro/AE)

Nacional

Conforme o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se aproxima, adivinhar o tema da redação se torna atividade habitual nos cursinhos de todo o País. A coordenadora de Língua Portuguesa do Grupo Etapa, Simone Motta, explicou que acertar é bastante difícil, mas é possível especular quais são os assuntos que podem ser objeto principal do exame. “Normalmente, eles pedem um tema brasileiro, vigente e que tenha um problema, para que o candidato apresente uma intervenção na conclusão”, ...

Presidente eleito deseja trabalhar com máquina enxuta (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Nacional

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou que reduzirá o número de ministérios do Executivo Federal de 29 para até 15. A confirmação pelo deputado federal Onix Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil que se reuniu nesta terça-feira, 30, com representantes do governo Temer para tratar da transição. O economista Paulo Guedes teve a confirmação de que será um superministro da Economia, pasta que vai se originar da fusão dos Ministérios da Fazenda, do Planejamento e da In ...

Candidato do PSL assume a Presidência no dia 1º de janeiro (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Nacional

Desde o período pré-eleitoral, sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa, o mestre em saltos da brigada paraquedista do Exército, Jair Messias Bolsonaro, candidato da coligação PSL-PRTB, liderou todas as pesquisas de intenções de voto para a Presidência da República. E venceu o primeiro turno, e conquistou a presidência no segundo turno com mais de 55% dos votos válidos.   Com apoio até de defensores da monarquia, o capitão da reserva, nascido em Campinas ( ...

segundo lugar, com 39,32%. Em sua primeira eleição para um cargo público, Witzel passou boa parte do primeiro turno com menos de 5% das intenções de voto nas pesquisas eleitorais (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Nacional

O ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC) foi eleito hoje (28) governador do Rio de Janeiro. Com 87,24% das urnas apuradas, Witzel está eleito com 60,68% dos votos válidos. Eduardo Paes (DEM) ficou em segundo lugar, com 39,32%. Em sua primeira eleição para um cargo público, Witzel passou boa parte do primeiro turno com menos de 5% das intenções de voto nas pesquisas eleitorais.  Apenas na última semana antes das eleições as pesquisas registraram a disparada de Witzel, que terminou o ...

Zema derrotou Antônio Anastasia, do PSDB (Foto: Reprodução/Facebook)

Nacional

O candidato do partido Novo, Romeu Zema, será o novo governador de Minas Gerais a partir de 2019. O postulante derrotou o senador Antônio Anastasia, do PSDB. Após surpreender no primeiro turno, Zema se manteve na liderança da disputa do segundo turno, que foi marcada por diversos ataques entre os candidatos. Com 77,14% dos votos apurados, Zema está matematicamente eleito, com 71,40% dos votos válidos. Anastasia tem 28,60%. Em sua primeira disputa eleitoral, Zema procurou se colocar como a ...

Redução da vantagem de Bolsonaro ainda não ameaça a sua liderança (Foto: Charles Sholl/Raw Image/AE e Fábio Motta/AE)

Nacional

A terceira pesquisa Datafolha do segundo turno da eleição presidencial mostra que as intenções de voto válidos do candidato Jair Bolsonaro (PSL) caíram e as de Fernando Haddad (PT) subiram. O capitão reformado do Exército passou de 59% das intenções de voto válidas para 56% em relação ao levantamento da semana passada, enquanto o petista foi de 41% para 44%. Considerando os votos totais, Bolsonaro tem 48%, contra 38% de Haddad. Votos em branco e nulos somaram 8% e indecisos, 6%. ...

De acordo com o laudo, a jovem teria se marcado ou alguém fez a suástica com o seu consentimento (Foto: Reprodução)

Nacional

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu que os cortes em forma de suástica feitos em uma jovem que disse ter sido atacada na rua, há duas semanas, em Porto Alegre, é um caso de "autolesão". Segundo o delegado Paulo Sérgio Jardim, há indícios de automutilação ou de que tenham sido feitos de forma consentida. A jovem será indiciada por falso testemunho. O laudo técnico da Polícia Civil conclui que "pode se afirmar com convicção que as lesões produzidas na vítima não são ...

Presidente eleito deseja trabalhar com máquina enxuta (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Nacional

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou que reduzirá o número de ministérios do Executivo Federal de 29 para até 15. A confirmação pelo deputado federal Onix Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil que se reuniu nesta terça-feira, 30, com representantes do governo Temer para tratar da transição. O economista Paulo Guedes teve a confirmação de que será um superministro da Economia, pasta que vai se originar da fusão dos Ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria e Comércio Exterior. Bolsonaro chegou a pensar em manter o Ministério da Indústria e Comércio Exterior, mas recuou. Segundo o futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal (DEM-RS) Onix Lorenzoni, também serão fundidas as pastas de Agricultura e Meio Ambiente. O Ministério das Cidades, criado em 2003 pelo então presidente Lula (PT) será extinto.  Segundo o presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar, será feita “uma linha direta com as cidades e os Estados”. Segundo o advogado Gustavo Bebianno, ex-presidente do PSL e braço direito de Bolsonaro, cerca de 80% dos ministérios já foram definidos. "Hoje, já foram decididos alguns dos nomes (ministérios). Por uma questão estratégica, nós vamos divulgar os nomes um pouquinho mais para frente”. Entre outros nomes já postos estão o do astronauta Marcos Pontes, cotado para a pasta de Ciência e Tecnologia, o general Augusto Heleno para Defesa, e até mesmo o do juiz Sérgio Moro, o qual Bolsonaro afirmou, em entrevista à Record TV, que pode vir a ser seu ministro da Justiça. 

Candidato do PSL assume a Presidência no dia 1º de janeiro (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Nacional

Desde o período pré-eleitoral, sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa, o mestre em saltos da brigada paraquedista do Exército, Jair Messias Bolsonaro, candidato da coligação PSL-PRTB, liderou todas as pesquisas de intenções de voto para a Presidência da República. E venceu o primeiro turno, e conquistou a presidência no segundo turno com mais de 55% dos votos válidos.   Com apoio até de defensores da monarquia, o capitão da reserva, nascido em Campinas (SP) há 63 anos, fez uma campanha popular, que reuniu grandes grupos de simpatizantes nas ruas, mas também foi alvo de muitas críticas e contraofensivas. Ocupando o espaço de principal rival do PT, Bolsonaro firmou-se como defensor de propostas que se enquadram no arco da extrema-direita e nunca se intimidou com os limites impostos pelo politicamente correto. Sua trajetória parlamentar é marcada pela virulência de seus discursos - que ele considera como livre opinião, protegida pela imunidade parlamentar.  Fez, por exemplo, declarações consideradas ofensivas e discriminatórias contra negros e quilombolas. Em 11 de setembro, o STF julgou Bolsonaro por acusação de racismo – inocentando-o por um placar de 3 a 2 na Primeira Turma. Publicamente, se opôs às ações afirmativas, como a adoção de cotas étnicas para o ensino superior. Demonstrou também ser contrário às leis de proteção ao público LGBT. Como deputado, combateu sem trégua, em 2011, quando Fernando Haddad (PT) era ministro da Educação, o que chamou de “kit gay” - um material didático contra homofobia que seria distribuído pelo governo para as escolas públicas. Bolsonaro sempre se insurgiu ainda contra a proteção que os direitos humanos conferem aos que estão sob custódia do Estado. Já disse ser a favor da pena de morte e contra o Estatuto do Desarmamento. Condena a descriminalização das drogas e quer que o cidadão comum possa se armar, em legítima defesa, contra ação de bandidos. Esse foi o seu principal recado aos eleitores na área de segurança. Durante a campanha, seu discurso foi se tornando mais moderado. Teve inclusive que enviar carta ao STF para prestigiar a Corte depois que seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (SL), apareceu em vídeo dizendo que “bastava um cabo e soldado para fechar o STF”. Jair Bolsonaro condenou a violência entre eleitores e conclamou os brasileiros à pacificação. Mulheres Com o sucesso de suas propostas e de sua pregação, Bolsonaro virou um fenômeno de massa, mas encontrou resistência, segundo demonstraram as pesquisas de opinião, no eleitorado feminino. Ele afirmou considerar questão de mercado a diferença salarial entre homens e mulheres – posição da qual mais tarde recuou. O candidato já foi condenado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por apologia ao estupro. Em 2014, da tribuna da Câmara, ele disse à colega deputada Maria do Rosário (PT-RS) que ela não merecia ser estuprada. Ele recorreu e o caso aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). Por causa dessa decisão do STJ, ele se elege como o primeiro presidente que é réu na Justiça.   Memória  Um fato rumoroso marca o início da vida pública de Bolsonaro. Em 1987, reportagem publicada pela revista Veja informou que havia um plano denominado "Beco Sem Saída" para explodir bombas em banheiros da Vila Militar, da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ), quartéis e locais estratégicos do Rio. O objetivo seria protestar contra os baixos salários. O então capitão publicara um artigo em que reivindicava a melhoria dos soldos – o que lhe rendeu, posteriormente, punição disciplinar. Na ocasião, Bolsonaro foi identificado como fonte da reportagem, que exibia croquis feitos a mão supostamente pelo próprio militar. Ele negou as acusações, recorreu ao Superior Tribunal Militar (STM) e foi absolvido. Em 1988, foi para reserva. Já conhecido e identificado inicialmente como porta-voz de reivindicações militares, iniciou então a carreira política no Rio de Janeiro. Com a pauta ampliada para segurança e temas “contra a ideologia esquerdista”, foi eleito sete vezes deputado federal, permanecendo quase três décadas no Congresso Nacional, período em que apresentou mais de 170 projetos, mas teve apenas dois aprovados. Foi o mais votado no Rio para a Câmara em 2014, obtendo 464 mil votos. Corrida Presidencial Na corrida ao Palácio do Planalto, o candidato teve dificuldade para ampliar alianças e negociar um nome para vice-presidente - cargo entregue ao polêmico general Mourão (PRTB), que trouxe consigo o apoio de alas da elite das Forças Armadas. Bolsonaro já negou várias vezes que tenha existido golpe militar e tortura política no Brasil. Desde o início, ele apresentou o banqueiro Paulo Guedes como o fiador de seu programa econômico. Com o aumento de sua popularidade e a entrada de Guedes na campanha, cresceu também o apoio de setores empresariais e financeiros ao PSL. Fiel ao discurso anticorrupção, diz que vai combatê-la acabando com ministérios e estatais. Casado três vezes, tem cinco filhos, dos quais três estão na vida política – Carlos é vereador no Rio, Flávio é deputado estadual no Rio e Eduardo é deputado federal por São Paulo. O PSL é o seu nono partido. À Justiça Eleitoral, declarou patrimônio de R$ 2,3 milhões. Atentado Com apenas oito segundos de propaganda eleitoral, o candidato e seus filhos, que costumam criticar a imprensa, usaram as redes sociais intensamente e terminaram acusados pelos adversários de liderarem a produção de fake news nessas eleições. Denúncia sobre o uso impulsionado de mensagens em aplicativos, supostamente pago por empresários pró-Bolsonaro, está sendo investigada pela Justiça Eleitoral. Pelas redes, detalharam até o estado de saúde de Bolsonaro quando esteve hospitalizado durante o primeiro turno, alvo de atentado a faca – algo que nunca aconteceu a presidenciáveis em campanha, após a redemocratização no Brasil. Ferido em 6 de setembro quando participava de ato público em Juiz de Fora (MG), Bolsonaro passou 22 dias internado, recuperando-se de uma hemorragia e de duas cirurgias no intestino. Ele foi atacado pelo desempregado Adélio Bispo – que hoje é réu por “atentado pessoal por inconformismo político”. Nos últimos dias de campanha, Bolsonaro, que votou com colete à prova de bala e forte esquema de segurança, voltou a dizer que não acredita que Adélio agiu sozinho.

Moro falou sobre avançar no combate contra o crime no Brasil (Foto: Wilton Júnior/AE)

Nacional

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, aceitou na manhã desta quinta-feira, dia 1°, o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o Ministério da Justiça. Ele disse ter sido motivado pela perspectiva de "implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado". Na tarde de quarta-feira, 31, a colunista Sonia Racy, do jornal O Estado de S. Paulo, havia antecipado a informação de que o magistrado aceitaria a pasta. Veja, abaixo, a nota oficial divulgada por Moro no final da manhã desta quinta-feira: "Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Após reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão", diz Moro na nota. "Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes", finaliza o juiz. Bolsonaro O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou oficialmente na manhã desta quinta-feira, 1º, que o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, aceitou o convite para assumir Ministério da Justiça e Segurança Pública."O juiz federal Sérgio Moro aceitou nosso convite para o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Sua agenda anticorrupção, anticrime organizado, bem como respeito à Constituição e às leis será o nosso norte!", disse o presidente eleito no Twitter.Moro aceitou pessoalmente o convite de Bolsonaro após reunião na casa do presidente eleito, no Rio, que durou cerca de 1 hora e meia. O juiz disse ter sido motivado pela perspectiva de "implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado".  Outros ministériosO juiz Sérgio Moro é o quinto ministro a ser anunciado pelo governo Bolsonaro. Além dele, o futuro presidente já anunciou os nomes do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para a Casa Civil, do economista Paulo Guedes para o Ministério da Economia, pasta que englobará os ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria e Comércio Exterior, e também do general Augusto Heleno para chefiar o Ministério da Defesa. Na quarta-feira, confirmou o astronauta Marcos Pontes como ministro da Ciência e Tecnologia. 

Zema derrotou Antônio Anastasia, do PSDB (Foto: Reprodução/Facebook)

Nacional

O candidato do partido Novo, Romeu Zema, será o novo governador de Minas Gerais a partir de 2019. O postulante derrotou o senador Antônio Anastasia, do PSDB. Após surpreender no primeiro turno, Zema se manteve na liderança da disputa do segundo turno, que foi marcada por diversos ataques entre os candidatos. Com 77,14% dos votos apurados, Zema está matematicamente eleito, com 71,40% dos votos válidos. Anastasia tem 28,60%. Em sua primeira disputa eleitoral, Zema procurou se colocar como alternativa para "os mesmos políticos de sempre" e se apresentou como gestor. Sua principal proposta é promover um enxugamento da máquina pública, com corte de cargos, secretarias e privilégios. Em um Estado onde os salários dos servidores são escalonados, o candidato assinou um compromisso, em cartório, de que só receberá o salário de governador, após todos os servidores terem recebido. Analistas políticos ouvidos pela reportagem afirmam que a eleição de Zema se explica por um desgaste à polarização entre PT e PSDB, partidos que comandaram o Estado nos últimos 16 anos, o que abriu margem para uma busca de uma candidatura que representasse a "renovação". "Renovação esta que não possui um conteúdo político determinado, mas que expressa a vontade da população em superar as crises", afirmou o pesquisador do Centro de Estudos Legislativos da UFMG, Lucas Cunha. Para o professor de Ciências Políticas da PUC-MG, Malco Camargos, a marca da campanha eleitoral em Minas foi a busca por uma terceira via, e o empresário de Araxá se impulsionou pela ausência de outras forças alternativas. "É uma vitória anti-sistêmica. O Zema é alguém que se considerou de fora da política e agora vem trazer sua experiência para promover a boa política", afirmou. A partir de 2019, Romeu Zema terá como principal desafio resolver a grave crise financeira que assola o Estado mineiro, que está em situação de calamidade financeira desde dezembro de 2016, e herdará um orçamento com previsão de déficit de R$ 11,4 bilhões. O governo de Minas também tem uma dívida com as prefeituras mineiras estimada em R$ 9,4 bilhões pela Associação Mineira de Municípios. Além da questão financeira, Malco Camargos acredita que o candidato vitorioso terá dificuldades em conseguir apoio na Assembleia Legislativa, já que conseguiu eleger três deputados e propõe uma forma diferente de governar, que não envolveria negociações com bancadas, mas sim com cada parlamentar. "Vai ser um cenário de negociação individual, que traz incertezas, e não dá para prever o que cada deputado vai querer", analisa o cientista político. Empresário de 54 anos, Romeu Zema nasceu em Araxá, na região do Triângulo Mineiro, e comandou por mais de 15 anos o Grupo Zema, empresa familiar que atualmente tem mais de 850 estabelecimentos em nove Estados brasileiros e que é composto por lojas de eletrodomésticos, distribuição de combustíveis, concessionárias e financeiras.

Bolsonaro administra vantagem confortável sobre Haddad (Fotos: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR e Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas)

Nacional

A cinco dias da eleição presidencial, o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, tem 57% das intenções de voto, contra 43% de Fernando Haddad (PT), segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta terça-feira, 23. Desde o último dia 15, Bolsonaro oscilou dois pontos porcentuais para baixo (tinha 59%), e Haddad oscilou dois para cima (tinha 41%). As duas variações estão dentro da margem de erro. A vantagem do candidato do PSL passou de 18 para 14 pontos porcentuais. Os números consideram apenas os votos válidos, ou seja, excluem os nulos, brancos e indecisos. Levando em conta o eleitorado total, a taxa de Bolsonaro passou de 52% para 50%, enquanto a preferência por Haddad se manteve estável em 37%. Há ainda 10% dispostos a anular ou votar em branco, e 3% que não souberam responder. Na pesquisa espontânea, na qual os eleitores indicam sua opção antes de receber um disco de papel com os nomes dos candidatos, Bolsonaro lidera por 42% a 33%. Na pesquisa anterior, o placar era de 47% a 31% - ou seja, a vantagem caiu de 16 pontos para 9. No primeiro turno da eleição presidencial, realizado no dia 7, o candidato do PSL ficou à frente do principal adversário por 46% a 29%. O Ibope ouviu 3.010 eleitores nos dias 21 a 23 de outubro. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança é de 95%. Isso significa que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. O registro na Justiça Eleitoral foi feito sob o protocolo BR-07272/2018. Os contratantes foram o Estado e a TV Globo.

Redação será avaliada por regras gramaticais, fidelidade ao tema, coerência, coesão e conclusão (Foto: Sérgio Castro/AE)

Nacional

Conforme o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se aproxima, adivinhar o tema da redação se torna atividade habitual nos cursinhos de todo o País. A coordenadora de Língua Portuguesa do Grupo Etapa, Simone Motta, explicou que acertar é bastante difícil, mas é possível especular quais são os assuntos que podem ser objeto principal do exame. “Normalmente, eles pedem um tema brasileiro, vigente e que tenha um problema, para que o candidato apresente uma intervenção na conclusão”, disse. Por isso, ela aposta que a questão possa ser ligada à demarcação de terras indígenas, campanhas de vacinação e até notícias falsas que circulam pelas redes sociais. “Este último é bastante forte e atual, é uma matéria social muito presente no cotidiano”, afirmou a especialista. O professor de Língua Portuguesa do Colégio Santo Ivo, Ronan Colombi Gava, esclareceu que o gênero textual pedido pelo exame é dissertativo-argumentativo, o que exige a defesa de um ponto de vista por meio de argumentação consistente. “O corretor vai analisar o texto a partir de cinco competências e é muito importante que elas deem o norte para a produção textual”, disse. Os pontos avaliados são: regras gramaticais, fidelidade ao tema, coerência textual, uso correto de elementos coesivos e conclusão de texto. “É preciso de muita leitura e análise linguística de textos, treinar problematização do tema e argumentos, além de ter conhecimento das conjunções e preposições e de como usá-las corretamente”, orientou Gava. As apostas Thiago Braga, professor de redação do sistema de ensino pH Bullying nas escolas; Obesidade no Brasil; Os limites do humor; Fake news; Desmatamento na Amazônia; Sistema carcerário; Mobilidade urbana.  Simone Motta, coordenadora de Língua Portuguesa do Grupo Etapa Demarcação de terras indígenas; Campanhas de vacinação; Fake news; Terceira idade e o mercado de trabalho; Reforma da grade curricular.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

A solução dos problemas começa com um diálogo franco e aberto. Daí ser louvável a reunião agendada para hoje, em Brasília, entre o presidente eleito Jair Bolsonaro e os 27 novos governadores do País. Todos eles têm um grande desafio pela frente, mas, evidentemente, se trabalharem em parceria, e não boicotando o que pode ser bom para o Brasil, haverá grande chance de que os remédios necessários sejam encontrados e o trabalho seja bem feito. Os futuros chefes do Executivo estadual têm muito a contribuir com o presidente eleito. E, politicamente, também têm muito a ganhar, quando o projeto deste novo Brasil der certo. Percebe-se que, aos poucos, as nuvens negras de uma campanha desgastante vão se dissipando, a razão começa a prevalecer e, ao invés de torcer contra, é cada vez maior o número daqueles que preferem alimentar a esperança que a descrença. Aliás, uma célebre frase do escritor latino Públio Siro, diz que “quem perdeu a confiança não tem mais o que perder.” A hora não é para isso. Na verdade, o momento pede que se dê crédito aos novos condutores da Nação e que se guardem as pedras previamente preparadas para serem jogadas na vidraça. E muitos dos novos governadores estão dispostos a ajudar Bolsonaro, inclusive na aprovação da reforma da Previdência, essencial para o ajuste das contas públicas do País. Por sua vez, a maioria das Unidades da Federação também está com suas contas no vermelho, por gastarem mais do que arrecadam, e esperam suporte da União para manter a máquina funcionando. Relatório do Tesouro Nacional, por exemplo, apontou que 16 Estados mais o DF descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal no ano passado, ao destinar mais de 60% da receita para o pagamento de salários e aposentadorias. Assim, sobra cada vez menos para serviços básicos, como segurança e educação. Os problemas são complexos, daí a necessidade do diálogo e da busca por novas perspectivas. E a reunião de hoje em Brasília, com Bolsonaro e os governadores, oferece exatamente esta oportunidade. Desde agora, a capacidade de cada um deles estará colocada à prova, mas já começam bem, buscando o apoio e o entendimento mútuo, ao invés da divisão pura e simples. No final, quem ganha mesmo com isso é o Brasil e os brasileiros. Ainda bem!
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião