12.4 C
São Paulo
sábado, agosto 13, 2022

Justiça mantém prisão preventiva para procurador responsável por espancar a chefe

O pedido de revogação da prisão preventiva do procurador Demétrius Oliveira de Macedo recebeu, na última segunda-feira (4), negativa do juiz Raphael Ernane Neves, da 1ª Vara de Registro. O procurador é acusado de espancar a procuradora-geral da cidade, Gabriela Samadello Monteiro de Barros.

Detido desde o último dia 23 de junho quando foi preso em flagrante, ele teve seu pedido de defesa solicitado para que pudesse cumprir a custódia em sala do estado maior, em domicílio ou fosse encaminhado para um hospital ou clínica psiquiátrica. Contudo, o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) respondeu de forma contrária.

Na premissa da decisão, o juiz indicou que a custódia precisa ser aguçada e que a prisão do procurador é fundamental para permanecer com a ordem pública em vigência.

“(…) A liberdade do réu segue implicando risco para aplicação da lei penal, porque quando preso já havia ele deixado o distrito da culpa, mostrando que poderia tomar um rumo para onde não seria localizado para responder aos termos da acusação que lhe pesa”, alegou o magistrado na decisão.

Demétrius acabou preso por agredir fisicamente de forma brutal a chefe em Registro, interior de São Paulo. O ato foi filmado e viralizou nas redes sociais. Além do espancamento, o procurador também xingou a vítima várias vezes.

Gabriela teve ferimentos pelo corpo e precisou de atendimento médico. Acima de tudo, o caso segue em investigação pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) do município paulista.

LEIA MAIS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS