17.8 C
São Paulo
segunda-feira, junho 17, 2024

Editorial: Mudar a Lei de Zoneamento da Capital favorece a quem?










Situação não recebe a devida atenção dos paulistanos (Foto: Reprodução/Facebook)


Opinião

Ainda restam duas audiências públicas voltadas à discussão sobre as mudanças na Lei de Zoneamento. Ambas estão programadas para acontecer hoje (na Rua Oscar Freire, 2.500, às 18h30) e na quarta, 28 (Sesc Consolação, às 18h30). Outras três já foram realizadas na semana passada. O assunto, infelizmente, não tem ganhado o devido destaque, mas é dos mais importantes para a cidade e seus cidadãos, uma vez que está relacionado a um conjunto de regras que estipula o que pode ser construído e funcionar em cada bairro. Portanto, tem a ver com a realidade e rotina de mais de 12 milhões de paulistanos.


Essa questão volta à tona menos de dois anos depois de ser debatida, definida e sancionada na gestão Fernando Haddad. No entanto, o atual chefe do Executivo, João Doria, resolveu retomar o assunto, com vistas a aprovar alterações até a metade deste ano. Não são poucas as entidades que criticam a atitude da atual administração, tendo inclusive um grupo de 156 delas assinado uma carta aberta ao prefeito repudiando a urgência em mudar algo que, de tão recente, ainda não foi nem implementado. Diante disso, elas cobram a apresentação dos estudos técnicos que motivaram a revisão.


E entre os pontos que causam tanta celeuma estão a permissão para se construir prédios em maior número e mais altos no miolo de bairros “já saturados”; ampliação da área para o estabelecimento de shoppings, universidade e hospitais; e a concessão de um desconto de 30% no valor que as construtoras pagam para poder erguer edifícios maiores (chamada de outorga onerosa). Na prática, a Prefeitura abre mão de aproximadamente R$ 150 milhões por ano, ou R$ 2 bilhões em 15 anos, conforme o colunista Américo Sampaio, da rádio CBN. Se esse valor é muito ou se é muita generosidade para quem não precisa; se as mudanças favorecem à cidade ou apenas ao setor imobiliário, é isso que a população é convidada a debater e se posicionar nestas audiências públicas. Trata-se de uma oportunidade rara de se ouvir a voz do cidadão, que terá a chance real de contribuir para a construção de uma cidade que acolhe a todos e que não pode ser ignorada por ninguém.




BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

 





Dorival cumprimenta Cueva pós-vitória sobre o CSA (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)


Esporte

Dorival destaca evolução do São Paulo em início exaustivo

O São Paulo venceu o CSA, de Alagoas, por 2 a 0, em jogo válido pela segunda fase da Copa do Brasil 2018, no estádio Rei Pelé, em Maceió, na noite desta quinta-feira (15). Para o técnico Dorival Júnior, a equipe tem evoluído, apesar do início de ano cansativo. 

Os gols foram marcados somente no segundo tempo pelos meias Nenê (3’, 2º) e Cueva (16’, 2º), garantindo acesso do tricolor na próxima fase do torneio – inédito no museu de troféus do Morumbi. A partida não foi de empolgar, principalmente no primeiro tempo, quando o SP procurava brechas na zaga do time da União e da Força. Porém, na segunda etapa, a equipe voltou mais consciente e conseguiu colocar em prática o que faz nos treinos.

“Voltamos para o segundo tempo mais conscientes. Isso foi importante para ter mais posse de bola. As jogadas que foram treinadas exaustivamente, as triangulações e conseguimos os gols. A marcação estava toda lá atrás, erramos nos passes, mas quando acertamos a movimentação, o Diego Souza saindo e alguém entrando no corredor, com uma marcação individualizada, começamos a atacar o espaço e a criar uma nova condição para o time”, disse Dorival.

Cueva comemorando gol contra o CSA Foto Rubens Chiri

Foto: Rubens Chiri – Divulgação São Paulo FC.NET

O comandante do time do Morumbi destacou o desgaste físico que o início de temporada causa. O São Paulo treinou por 10 dias e fez 8 jogos, o que dá uma média de três partidas por semana e embalou a quarta vitória consecutiva.

“Um jogo como este contra o CSA mostra tudo isso. As dificuldades do primeiro tempo e a mudança para segunda etapa. As críticas vão acontecer. Com 10 dias de treino não existe milagre. Se tem alguém a ser criticado não são os jogadores. Estamos no caminho certo. Vamos fazer um bom Paulista e uma boa Copa do Brasil”, completou o técnico.

O próximo compromisso da agenda do São Paulo é diante do Santos, às 17h, no Morumbi. Rodrigo Caio cumpre suspensão automática e Anderson Martins deve substituí-lo.

SP registra 5,1 milhões de pessoas no Carnaval

O Carnaval de Rua de São Paulo reuniu cerca de 5,1 milhões de pessoas nos quatro dias de feriado. A soma inclui o público dos blocos de rua, dos palcos e dos desfiles das escolas de samba no Anhembi.
O balanço do Carnaval foi divulgado, na quarta-feira, 14, pela Prefeitura de São Paulo.

Ele mostra que de sábado, 10, a terça-feira, 13, foram 180 desfiles de blocos de rua na Capital. Somente a Avenida 23 de Maio, de domingo, 11, a terça, concentrou mais da metade do público do Carnaval de Rua: 2,6 milhões de foliões passaram pela avenida. No local, ocorreram sete desfiles.

Apesar do sucesso de público, o Carnaval na Avenida 23 de Maio registrou problemas. Uma das maiores queixas de foliões e moradores dos bairros próximos foi a quantidade de pessoas urinando, vomitando ou consumindo drogas nas ruas.

Site teste Luiz Guadagnoli Secom PMSP

(Crédito: Luiz Guadagnoli/SecomPMSP)

Fiscalização

 

A lateral do Centro Cultural São Paulo, de frente para a 23, virou o ponto favorito para o xixi. Desde o dia 3, foram autuadas 396 pessoas urinando na rua. Segundo a Prefeitura, havia 580 banheiros públicos, mas os foliões reclamaram de filas.

Enfermeiras contaram que foliões tentaram forçar a entrada em hospitais da região para tentar usar os banheiros. No Hospital Sancta Maggiore, no Paraíso, meninas passaram a gritar e xingar, depois que foram impedidas de entrar pelos seguranças. Famílias de pacientes reclamaram de barulho e houve atraso na movimentação de ambulâncias.

O período oficial do Carnaval é de 3 a 18 de fevereiro, com previsão de 491 desfiles na cidade. No próximo fim de semana, estão previstos mais 104 desfiles. Segundo números da Prefeitura, somente no final de semana de pré-carnaval o público foi de 4 milhões.

 

 







Acadêmicos do Tatuapé retorna à avenida com enredo que homenageia o Estado do Maranhão (Foto: Reprodução/Facebook)


Fora dos Trilhos

Oito escolas de samba fazem o Desfile das Campeãs de São Paulo nesta sexta-feira

A escola de samba campeã do carnaval de São Paulo, Acadêmicos do Tatuapé, desfila novamente no Sambódromo do Anhembi, nesta sexta-feira (16), em apresentação que começa a partir das 21h. Além da primeira colocada, mais quatro escolas do Grupo Especial e três do Grupo de Acesso 2 e Grupo de Acesso voltam ao sambódromo. A campeã, da zona leste, entra na avenida às 4h da madrugada.

Quem abre o desfile das campeãs é a vencedora do Grupo de Acesso 2, Mocidade Unida da Mooca. A segunda a se apresentar é a Colorado do Brás, vice-campeã do Grupo de Acesso, seguida pela campeã da categoria, a Águia de Ouro. Em seguida, vêm as cinco primeiras colocadas do Especial: Dragões da Real, Tom Maior, Mancha Verde, Mocidade Alegre e Acadêmicos do Tatuapé.

Com seu azul e branco, a Acadêmicos do Tatuapé ficou com os mesmos 270 pontos de Mocidade Alegre, Mancha Verde e Tom Maior, mas teve melhor pontuação no quesito de desempate mestre-sala e porta-bandeira. Assinado pelo carnavalesco Wagner Santos, o desfile da Acadêmicos do Tatuapé exaltou as belezas do Maranhão, com o samba enredo Maranhão. Os Tambores vão ecoar na terra da encantaria, entoado por seus 2.761 mil componentes.

A vice-campeã Mocidade Alegre retorna com o samba A voz marrom que não deixa o samba morrer, que homenageou a cantora Alcione. Com 70 anos de vida e 45 de carreira, Alcione deu a introdução para o grito de guerra no começo do desfile e depois subiu no carro em que foi destaque, o último do cinco da noite. O samba e as fantasias da agremiação citaram músicas conhecidas da cantora: Juízo final, O que eu faço amanhã, À flor da pele, Delírios de amor e principalmente Não deixe o samba morrer, que foi a base do refrão.

A terceira colocada, Mancha Verde, volta à passarela com o samba A amizade. A Mancha agradece do Fundo Do Nosso Quintal, que homenageou os 40 anos de história do grupo Fundo de Quintal. A Tom Maior, última a entrar na avenida no primeiro dia dos desfiles, repete a exibição que a colocou em quarto lugar com o enredo O Brasil de duas Imperatrizes: De Viena para o novo mundo, Carolina Josefa Leopoldina; de Ramos, Imperatriz Leopoldinense. Com o samba enredo Minha música, minha raiz! Abram a porteira para essa gente caipira e feliz! também se apresenta a quinta colocada, Dragões da Real, que falou da música caipira e sertaneja.

Ainda desfila a Águias de Ouro, rebaixada para o Grupo de Acesso em 2017, divisão que não disputava desde 2009. A escola volta para o Grupo Especial depois de apresentar um desfile com o tema Mercadores de Sonhos, que falou sobre as influências árabes no Brasil e em São Paulo. A segunda colocada, Colorado do Brás, mostra o samba Axé – Caminhos que levam à Fé, e sobe para o Grupo Especial depois de quase alcançar o posto em 2017, quando ficou em terceiro lugar e perdeu a chance por 0,1 ponto. A vencedora do Grupo de Acesso 2, Mocidade Unida da Mooca, entra com o enredo A Santíssima Trindade de Oyó, que propagou a mensagem de tolerância entre os povos. No ano que vem, a escola disputará o título no Grupo de Acesso.

Os ingressos estão à venda na bilheteria do Sambódromo e na loja da Liga SP na estação São Bento do Metrô. Os valores variam de acordo com o setor, com preços a partir de R$ 70. O horário de atendimento é das 10h às 20h no Sambódromo e das 10h às 19h na estação São Bento do metrô.

Programação:

21:00 – Mocidade Unida da Mooca (Campeã do Grupo de Acesso 2)

22h00: Colorado do Brás (2ª lugar no Grupo de Acesso)

23h00: Águia de Ouro (Campeã do Grupo de Acesso)

00h00: Dragões da Real (5º lugar no Grupo Especial)

01h00: Tom Maior (4º lugar no Grupo Especial)

02h00: Mancha Verde (3º lugar no Grupo Especial)

03h00: Mocidade Alegre (Vice-campeã do Grupo Especial)

04h00: Acadêmicos do Tatuapé (Campeã do Grupo Especial)

 







No Estado, o número de casos triplicou (Foto: Fábio Arantes/SECOM)


Cidade

Casos de Dengue caem 400% na cidade de São Paulo

Diferente do resultado do Estado de São Paulo, o número de casos de dengue na Capital apresentou uma queda de quase 400% neste ano. De 1º de janeiro a 3 de fevereiro foram registrados 46 casos autóctones (quando o contágio ocorre na própria cidade) de dengue contra 176 no mesmo período de 2017. Em ambas as datas não ocorreram mortes pela doença, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde.

Balanço divulgado anteontem pelo Ministério da Saúde revelou que o número de casos de dengue trazia preocupação e quase triplicou no Estado, com 2,3 mil casos nas três primeiras semanas do ano contra 674 na comparação com o mesmo período de 2017.

A Secretaria Municipal de Saúde também informou em nota que não há registros de casos de dengue ou Chikungunya ou Zika. Todas as três doenças são transmitidas pelo Aedes aegypti, que também é vetor da febre amarela urbana.   

7 mil itens são perdidos por mês no Metrô

Mais de 6,8 mil itens são perdidos mensalmente no Metrô de São Paulo. Em sua maioria, documentos, que completam quase 63% do total de itens. O número já supera a média mensal registrada no ano passado, de 6,6 mil objetos – no total de 2016, foram 80 mil artefatos enviados à Central de Achados e Perdidos. O índice de recuperação era de 24% e teve uma pequena queda para 22% este ano. 

Segundo Marcos Borges, coordenador de Atendimento e Serviços ao Usuário do Metrô, a taxa ainda é baixa. “As pessoas acabam não acreditando que existe uma consciência boa, que vá entregar um objeto achado para os funcionários”, disse. De acordo com ele, qualquer trabalhador, desde o setor de limpeza até a segurança, está treinado para agir. 

O pequeno espaço da central não estava lotado, como costuma ficar, no dia em que a reportagem visitou o local, pois os itens ficam por dois meses disponíveis ali, até que são entregues ao Fundo Social de Solidariedade do Estado, que decide a destinação de cada material. 

Dentre o que foi encontrado pelo Metrô News, muitos documentos, celulares, carteiras, mochilas e bolsas. “É importante destacar que os usuários podem confiar e devem nos procurar sempre que precisarem de ajuda, seja encontrando um item ou procurando por algo”, explicou o coordenador. Hoje o Metrô conta com 4,5 milhões de usuários por dia.

Inusitado – Até próteses de perna foram esquecidas por usuários do Metrô de São Paulo recentemente (Foto: Lucas Dantas)

 

Espada e até máquina de escrever 

Dentaduras, próteses de perna, um alcorão escrito em árabe e intacto, uma espada com inscrições japonesas, um violão elétrico, algemas e várias muletas. Tudo isso está dentre os objetos perdidos nos vagões do Metrô. “Tem algumas histórias engraçadas”, alerta o coordenador Marcos Borges, enquanto entra na sala. 

Ele contou que um dos acontecimentos mais hilários foi quando um senhor procurou o espaço questionando sobre uma dentadura. Depois de algumas perguntas e um teste feito pelo próprio usuário, finalmente ele teria encontrado o objeto desejado e levou de volta a sua preciosa prótese dentária. “Só que ele retornou, três dias depois, para devolver. Não era a dele, que nunca foi achada”, contou, gargalhando, o coordenador.

 

Documentos são maioria 

Os objetos mais encontrados são cartões, documentos, bilhetes de transporte, artigos de papelaria, artigos pessoais e peças de vestuário. Só que algumas coisas são bem curiosas: no alto de uma prateleira, um isopor de motoboy, com a inscrição do Uber Eats, aguarda o dono talvez voltar para recuperá-lo.

 

Despercebido – Dentaduras e instrumentos musicais são esquecidos (Foto: Lucas Dantas)

  

Foto: Lucas Dantas

 

Consulta informatizada 

A Central de Achados e Perdidos do Metrô foi inaugurada em 15 de junho de 1975, na estação São Judas da Linha 1-Azul (Jabaquara/Tucuruvi). Em 1981, o posto foi transferido para a estação Sé, onde permanece até hoje. O local conta com um sistema informatizado, que permite a consulta de um item esquecido a partir de qualquer estação.

  

Foto: Lucas Dantas

 

Falta atenção 

De acordo com a professora do curso de Psicologia da Universidade UNG, Solange Rodrigues Martins Camargo dos Santos, os smartphones são os “vilões” das distrações. “Se tem gente que é até atropelada na rua porque não presta atenção ao trânsito, imagina esquecer um documento no Metrô? Isso distrai muito e a nossa memória precisa de atenção. Se a pessoa não está focada no que ocorre à sua volta, vai perder um monte de coisas mesmo”. O professor de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Eduardo Fraga, concordou. “No mundo moderno, com os acessórios eletrônicos, é muito mais fácil dispersar a atenção e perder as coisas”, falou. “O importante é que, mesmo em uma sociedade competitiva, em que todos querem ganhar, os objetos são devolvidos”, afirmou o especialista.

  

 

Quem procura, acha! 

O atendimento pessoal é feito na estação Sé, de segunda a sexta-feira, exceto feriados, das 7h às 20h, e abrange todas as linhas, inclusive a Linha 4-Amarela. As consultas de documentos e objetos identificados também podem ser realizadas na Central de Informações do Metrô pelo telefone 0800-7707722, todos os dias, das 5h30 às 23h30, ou ainda pelo site do Metrô (www.metro.sp.gov.br).

 

Foto: Lucas Dantas 

  

Foto: Lucas Dantas

 

Foto: Lucas Dantas


VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Notícias de última hora

IPC-S desacelera em 6 das 7 capitais analisadas na 2ª quadrissemana de fevereiro

IGP-M sobe 0,55% na 2ª prévia de fevereiro, revela FGV

 

Geral

Ministros do Supremo defendem equiparar homofobia a racismo

 

Geral

Ao avaliar caso de empresária espancada no Rio, especialista sugere cuidados

Reedição de ‘Grande Sertão’ deve atrair e formar novos leitores

Mudança de editoras dá novo fôlego à obra de Guimarães Rosa

Ex-chanceler israelense Tzipi Livni deixa a política

Votação online livra Salvini de processo

Cuca evita falar em reforços para o São Paulo e ‘descarta’ Pato

Com dois gols de Jean Mota, Santos vence Guarani e mantém folga no Paulistão

PF põe Operação Fantoche contra fraudes em convênios com Turismo e Sistema S

Raquel pede para ‘baixar’ apuração de caixa 2 de Lorenzoni

  • Create an account

  • Forgot your username?

  • Forgot your password?

or

or




 






Novelas

O Sétimo Guardião

 






Novelas

Verão 90

 






Novelas

Espelho da Vida

 






Novelas

Malhação

Articulistas

  • Sample avatar

    Cristiano Medina Rocha

    Articulista

  • Sample avatar

    Célia Leão

    Articulista

  • Sample avatar

    Edmilson Souza

    Articulista

  • Sample avatar

    Jorge Tadeu Mudalen

    Articulista

  • Sample avatar

    Leandro Cano

    Articulista

  • Sample avatar

    Rodrigo Merli Antunes

    Articulista

  • Sample avatar

    Sandra Tadeu

    Articulista

Colunistas

  • Sample avatar

    Mauricio Nunes

    Colunista

  • Sample avatar

    Tony Auad

    Colunista

 




Governantes devem dar a real importância ao meio ambiente e aos direitos humanos (José Cruz/Agência Brasil)


Opinião

Ponto de vista: Proteger a sociedade ou facilitar negócios

 





Só em 2018, mais de mil pessoas foram libertadas desta vergonhosa condição (Cris Fraga/AE)


Opinião

Editorial – Trabalho escravo: uma triste realidade em pleno século XXI

 





O ativismo judicial e a engenharia comportamental do Estado brasileiro são impressionantes (Foto: EDUARDO TEIXEIRA/RAW IMAGE/ESTADÃO CONTEÚDO)


Opinião

Ponto de vista: Criminalização da homofobia

 





Governo precisa conciliar os interesses diversos, principalmente de quem será afetado com a reforma (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)


Opinião

Editorial: Congresso demonstra boa vontade para com a reforma da Previdência

LEIA TAMBÉM

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Índice

Índice