13.7 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 19, 2022

Editorial: Bolsonaro quer reforma da Previdência. Mas qual reforma?









Paulo Guedes tem apreço pelo modelo com regime de capitalização, que falhou no Chile (Foto: Reprodução/Twitter)


Opinião

Governo novo, desejo antigo. Assim volta à pauta a importante reforma da Previdência, tida pelo economista Paulo Guedes, futuro superministro do presidente eleito Jair Bolsonaro, como “a mais importante” entre aquelas que serão propostas pela nova administração. E se é importante, não pode esperar. Portanto, para Guedes, deveria ser aprovada ainda neste ano a proposta que já se encontra paralisada no Congresso Nacional, que aumenta a idade mínima para a aposentadoria e eleva o tempo de contribuição. Isso representaria uma redução nos gastos de R$ 500 bilhões em dez anos.

“Passei dois anos dizendo: ‘aprovem a reforma da Previdência’. Evidente que não posso, só agora que passei para o governo, dizer ‘não aprovem a reforma da Previdência’”, afirmou Guedes. Isso ajudaria no controle dos gastos públicos e do déficit primário, que, em setembro, chegou a R$ 22,979 bilhões. Mas, antes, seria necessária a suspensão da intervenção federal na área de segurança pública do Estado do Rio do Janeiro, que tem previsão de durar até 31 de dezembro. A ideia do economista é criar um sistema previdenciário para os novos trabalhadores, com regime de capitalização, inspirado no modelo chileno. Mas seria este o melhor?

O país andino fez sua reforma em 1981, idealizado pelo então ministro José Piñera, irmão do atual presidente local, Sebastián Piñera. Ele aposentou o velho modelo, parecido com o do Brasil, e resolveu privatizar a previdência, após ler o economista norte-americano Milton Friedman (1912-2006). Friedman foi um importante defensor do liberalismo econômico, cujos princípios também são seguidos por Paulo Guedes. Assim, todos os trabalhadores chilenos foram obrigados a depositar 10% do salário por, ao menos, 20 anos, para terem o direito à aposentadoria (homens, aos 65 anos; mulheres, aos 60), sem contribuição dos empregadores ou do Estado.

A surpresa veio décadas depois, quando mais de 90% dos beneficiários recebem apenas cerca de R$ 700, ao passo que o salário mínimo do país é de quase R$ 1.500 (276 mil pesos). Assim, apesar de ser uma das nações latino-americanas com maior renda per capita, o Chile também é um dos que mais maltratam seus aposentados. Fica o exemplo para o novo governo. É consenso que é preciso reformar a nossa Previdência, mas também é preciso garantir provimento digno aos nossos futuros aposentados.




BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

 





Deputado, no entanto, diz que discussão sobre Previdência deve ser mantida (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)


Política

Maia: se votar decreto da intervenção dia 21, será difícil Previdência até dia 28

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira (16) que, com a votação do decreto da intervenção no Rio, será difícil votar a reforma da Previdência nas próximas semanas. Segundo ele, como a intervenção restringe a possibilidade de atuação do Legislativo, a votação das mudanças das regras de aposentadoria terá que ser adiada. “Se votar o decreto da intervenção dia 21, vai ser difícil votar a Previdência até o dia 28. Não dá para num dia votar o decreto, e no outro dia suspender”, comentou.

Maia disse, no entanto, que vai continuar o debate sobre a reforma da Previdência, e que a reunião com os governadores na próxima segunda-feira (19) está mantida. “Nós vamos continuar trabalhando nossa agenda de despesas do Estado brasileiro independente das condições de votação”, afirmou.

Segundo ele, o decreto impede a votação e não a discussão de pauta que gere convergência entre Estados e União sobre redução de despesas.

Maia voltou a admitir que hoje a base aliada do governo não tem os 308 votos necessários para aprovar as mudanças nas regras previdenciárias, mas disse que vai continuar trabalhando para alcançar os votos. “Quando tiver os votos, vamos avaliar o que fazer. Eu espero que esse momento chegue e chegue rápido”, afirmou.

 







Na contramão da maioria, setor de transportes registrou alta em 2017 (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)


Economia

Serviços fecham 2017 com queda de 2,8%, segundo IBGE

O volume de serviços no Brasil caiu 2,8% em 2017, na comparação com o ano anterior. Já a receita nominal fechou o ano com alta de 2,5%. Os dados constam da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em dezembro de 2017, o setor de serviços cresceu 1,3% em volume na comparação com novembro. Na comparação com dezembro de 2016, o volume cresceu 0,5% e interrompeu uma sequência de 32 quedas consecutivas.

“Estávamos desde março de 2015 sem resultados positivos [na comparação do mês com o mesmo período do ano anterior]. É um resultado só, não podemos ainda afirmar que se trata de uma recuperação. Mas, lógico, é um fato positivo. Por enquanto, só podemos ver essa reação no segmento de transportes”, disse o gerente da pesquisa, Roberto Saldanha.

A receita nominal cresceu 0,9% na comparação com novembro e 5% na comparação com dezembro de 2016.

Serviços em 2017

Cinco dos seis segmentos do setor de serviços tiveram queda no volume no ano de 2017, com destaque para os outros serviços, com recuo de 8,9%, e os serviços profissionais, administrativos e complementares, que caíram 7,3%.

Também tiveram queda os serviços prestados às famílias (-1,1%), os serviços de informação e comunicação (-2%) e as atividades turísticas (-6,5%). Os serviços de transporte, auxiliares de transporte e correios foram os únicos com alta em 2017: 2,3%.

Segundo Saldanha, o segmento dos transportes foi impulsionado pelo setor industrial, “que é o grande demandante desse serviço”.

Na comparação de dezembro com novembro de 2017, quatro segmentos tiveram alta: atividades turísticas (2,8%); serviços de transportes, auxiliares de transportes e correios (2,3%); serviços profissionais, administrativos e complementares (0,6%) e outros serviços (0,7%).

 







Foto: Eduardo Ogata / SECOM


Economia

Carnaval vai injetar R$ 500 milhões na capital paulista

Muitos dizem que o ano só começa depois do Carnaval, mas o que muitos não sabem é que, mesmo na Capital, o evento é responsável por movimentar milhões na economia. Este ano, segundo a São Paulo Turismo (SPTuris), as atrações do Sambódromo e do Carnaval de Rua devem movimentar R$ 500 milhões na cidade.

No ano passado, a festa injetou R$ 464 milhões, o que mostra uma espectativa de crescimento de 8% para 2018. Segundo a jornalista Bruna Antunes, que acompanha os blocos desde 2016, muita coisa mudou no Carnaval. Ela e o noivo Shelton Chagas estão em fase de economia para o casamento, portanto, vão curtir as atrações locais. “A gente aproveita para reunir os amigos e conhecer artistas que fazem poucos shows gratuitos, como é o caso do Alceu Valença e da Elba Ramalho”, contou.

Levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), aponta que cada brasileiro gasta, em média, R$ 847,35, valor que sobe para R$ 969,10 entre os homens e para R$ 1.185,42 entre as pessoas das classes A e B.

“É necessário estabelecer um limite para os gastos e planejá-los com antecedência”, orientou o educador financeiro José Vignoli.

Multidão no carnaval

 





Greve começou e acabou na manhã desta segunda-feira (Foto: Reprodução/ Twitter)


Cidade

Greve de ônibus prejudica cerca de 190 mil pessoas na Grande SP, afirma a EMTU

Cerca de 100 mil pessoas que utilizam o Corredor ABD, no horário de pico da manhã, e mais 90 mil passageiros de linhas intermunicipais que operam em Guarulhos tiveram seu percurso de ida ao trabalho prejudicado nas primeiras horas desta segunda-feira (19). As informações são da EMTU, empresa reponsável pela administração dos ônibus.  

Isto porque houve uma paralisação comandada por sindicatos de motoristas de ônibus locais. Segundo a EMTU, a ação não tem nenhuma relação com questões salariais.

De acordo com os grevistas, a iniciativa foi um protesto contra a Reforma da Previdência, que saiu da pauta da Câmara dos Deputados por causa da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

 Em Guarulhos, os ônibus de 85 linhas não puderam sair das garagens e a situação só começou a se normalizar a partir das 6h30. No Corredor ABD, o bloqueio do Terminal Santo André, por parte dos sindicalistas, paralisou os trólebus na entrada do terminal até às 9h15 e ainda provoca atrasos na operação de todo o Corredor. Só os ônibus a diesel puderam operar. No total, oito linhas foram afetadas com o bloqueio.

No ABC, os veículos trafegaram por caminhos alternativos, próximo ao Terminal, na tentativa de transportar os usuários ao longo do Corredor ABD. Em nota, a EMTU considerou a atitude “lamentável”.

Bancos

Os bancários também aderiram à paralisação. Segundo o sindicato, 885 dos bancários votaram pela participação na greve em assembleias realizadas nos dias 8, 9, 14 e 15 deste mês nas agências e centros administrativos dos bancos nas sete regionais do sindicato em São Paulo e Osasco.


VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Notícias de última hora

Governo vai restringir concursos públicos

Ibovespa abre sem entusiasmo e recua em meio a dúvidas sobre Previdência

 

Geral

Metroviários de SP suspendem greve, mas passageiros relatam operação mais lenta

 

Geral

Após 5 anos, licitação de ônibus de SP abre sem concorrência

Marcos Mion mostra reação dos filhos ao vê-lo sem barba pela 1ª vez

Foto de ovo que quebrou recorde no Instagram era campanha de saúde mental

Incêndio em prédio residencial em Paris mata ao menos 10 e fere cerca de 30

UE anuncia assistência humanitária adicional para Venezuela

Mourinho é condenado a um ano de prisão por fraude fiscal, mas não cumprirá pena

Scheidt desiste de aposentadoria e vai tentar vaga nos Jogos de Tóquio-2020

PF mira em servidores de Alagoas por desvio de R$ 4,5 milhões

MP Eleitoral já defendeu cassação de Alcolumbre; TSE vai analisar caso

  • Create an account

  • Forgot your username?

  • Forgot your password?

or

or




Articulistas

  • Sample avatar

    Cristiano Medina Rocha

    Articulista

  • Sample avatar

    Célia Leão

    Articulista

  • Sample avatar

    Edmilson Souza

    Articulista

  • Sample avatar

    Jorge Tadeu Mudalen

    Articulista

  • Sample avatar

    Leandro Cano

    Articulista

  • Sample avatar

    Rodrigo Merli Antunes

    Articulista

  • Sample avatar

    Sandra Tadeu

    Articulista

Colunistas

  • Sample avatar

    Mauricio Nunes

    Colunista

  • Sample avatar

    Tony Auad

    Colunista

 







O Tribunal de Justiça de São Paulo tem a maior demanda do País e, ainda assim, é o mais ágil (Foto:


Opinião

 





Renan Calheiros perdeu o braço de ferro com Onyx Lorenzoni (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)


Opinião

Editorial: Renan não é oposição desde Collor; agora terá de cumprir este papel

 






Retração na economia mundial trará ainda mais dificuldades para os pequenos empresários (Foto: Divulgação)


Opinião

 






É preciso que o Congresso analise as propostas de forma séria e comprometida (Foto: Lula Marques/Fotos Públicas)


Opinião

LEIA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS