Grid List

A amamentação depende da dedicação das mães (Foto: Divulgação)

Saúde

Mais do que um ato de amor, a amamentação traz benefícios não só para o bebê que a recebe, mas também para a mãe, principalmente se o gesto acontece por um tempo superior a seis meses. Para o recém-nascido, a amamentação é comparada como uma primeira vacina, já que a mãe passa, juntamente com o leite, não só nutrientes essenciais para o desenvolvimento, como também diversos anticorpos capazes de prevenir o bebê de uma série de doenças.  Já para as mamães, a amamentaç ...

Crianças de um a quatro anos precisam procurar postos de vacinação a partir deste sábado (Foto: Edmar Barros/AE)

Saúde

O cirurgião-dentista Ricardo Gadelha, 44 anos, foi diagnosticado com poliomielite pouco antes de completar dois meses de vida. Em meio às sequelas que a doença deixou, sobretudo nos membros inferiores, ele garante fazer a sua parte para que a chamada paralisia infantil não volte a fazer novas vítimas. Os filhos de Gadelha, Samuel, 14 anos, e Davi, 11 anos, foram devidamente imunizados contra a pólio. “Não quero nem desejo essa sequela pra ninguém. Filho protegido é filho vacinado. Nó ...

Ao pegar produtos na prateleira do supermercado, consumidor deve verificar as informações contidas na etiqueta (Foto: Tânia Rêgo / ABR/Fotos Públicas)

Saúde

Se o leitor não tem costume de ler a etiqueta de informações nutricionais e a lista de ingredientes dos alimentos que consome, é melhor começar a mudar de hábito. Isto porque toda a embalagem de um alimento industrializado traz informações valiosas, como quantidade de vitaminas, açúcares, sódio (sal), gorduras, corantes, conservantes e outros componentes que mostram quão saudável (ou não) é o alimento em questão. E estes dados são importantes não só para aqueles que procuram ...

Pressão tem causado doenças psiquiátricas nos estudantes (Foto: Divulgação)

Saúde

Em meio a preparação para os vestibulares de inverno e para o Exame Nacional do Ensino Médio é necessário colocar a cabeça no lugar, relaxar e manter a saúde mental para evitar que o cansaço e o stress comprometam o desempenho na prova desejada. De acordo com a pesquisa divulgada pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), 30% dos alunos das Universidades federais do Brasil procuram atendimento psicológico e 10% fazem uso de medic ...

Descansar é fundamental, mas com prudência (Foto: Reprodução/PX Here)

Saúde

No tão esperado período de férias, os vestibulandos podem desacelerar o ritmo intenso de estudos vivido nos últimos meses. Porém, devido à maior proximidade com a data das provas mais importantes do ano, o candidato tem que destinar um tempo desse período às matérias em que possui maior dificuldade de assimilação. Segundo o coordenador do Curso Poliedro, Vinícius de Carvalho Haidar, a fase é preponderante e pode ser utilizada pelo estudante para rever conteúdo do primeiro semestre ...

Febre alta, surge antes das mãos vermelhas, que são as principais características do sarampo (Foto: Divulgação)

Saúde

Após os surtos de febre amarela e gripe, outra doença tem preocupado a população brasileira: o velho sarampo. Erradicado no Brasil em 2016, ele voltou à tona com casos nos Estados do Amazonas e Roraima, além de registros isolados no Rio de Janeiro e São Paulo. Altamente transmissível, a doença é passada de uma pessoa para outra por meio das secreções, como tosse, espirro, fala e até mesmo contato com as fezes. Causada pelo Morbilivírus, o sarampo permanece no organismo do inf ...

Mal de Alzheimer atinge, principalmente, a melhor idade (Foto: Reprodução/PX Here)

Saúde

Baixas doses de aspirina podem enfrentar a doença de Alzheimer, protegendo a memória dos pacientes, de acordo com estudo feito por cientistas americanos da Universidade Rush, em Chicago. A pesquisa foi publicada na semana passada, na revista The Journal of Neuroscience. Um dos principais mecanismos responsáveis pela progressão da doença é a perda de capacidade do organismo em remover placas formadas no cérebro, formadas pela proteína beta amiloide. O medicamento reduziu o problema em ca ...

Tempo seco é chamariz para incêndio, como ocorreu na segunda-feira, 16, no Pico do Jaraguá (Foto: Ivo Lindbergh)

Saúde

O tempo seco que atinge a capital paulista deve continuar nesta semana e não há previsão de chuva. O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) prevê que os baixos índices de umidade dos últimos dias continuem, com qualidade do ar prejudicada e potencial para queimadas. Um incêndio atingiu a região do Pico do Jaraguá, na zona norte de São Paulo, na manhã desta segunda-feira, 16. O pico é conhecido por ser o ponto mais alto da região metropolitana. De acordo com o CGE, uma massa ...

As mamadas noturnas, sem a devida higienização, podem causar as cáries da mamadeira (Foto: Divulgação)

Saúde

Quando um bebê nasce, a lista de cuidados junto ao mais novo integrante da família é extensa e passa pelas idas ao pediatra, a regularização da carteirinha de vacinação e o cumprimento exemplar no que se refere à alimentação e medicamentos, se necessários. Contudo, os cuidados com a higienização bucal dos pequenos muitas vezes passam despercebidos. E enganam-se os que acreditam que cárie é problema só de gente grande. A doença pode atingir bebês ainda no primeiro ano de vida e ...

Boa alimentação da mãe reflete diretamente nos hábitos dos filhos (Foto:Reprodução/PX Here)

Saúde

A designer Camila Muffo, de 39 anos, sempre teve hábitos saudáveis e eles aumentaram depois de sua primeira gravidez. "Nunca bebi nem fumei. Quando a minha primeira filha nasceu, comecei a me alimentar melhor." A designer conta que já percebe o impacto da vida saudável nos hábitos da filha mais velha, Alice, de 7 anos. "Ela se acostumou a comer coisas diferentes. Na minha casa não tem refrigerante, nem 'junk food'." As conclusões de um novo estudo feito por cientistas da Universidade Har ...

Há vários tipos de sintomas para enxaqueca, como dor pulsátil, latejante e crescente, náuseas, vômitos, e incômodos com cheiro e luz (Foto: Divulgação)

Saúde

Queixa frequente nos consultórios médicos, a enxaqueca é um tipo de dor de cabeça com características bem marcantes, que costuma atingir mais mulheres do que homens, principalmente as que estão em idade fértil, entre 12 e 50 anos. A estimativa é de que a doença afete, no mundo, cerca de 300 milhões de pessoas – uma média de um entre sete indivíduos. Especificamente no Brasil, este é um mal presente na vida de 15% da população. Entre os principais incômodos desencadeados pela en ...

Sem perceber, portador de celular pode ter contato com mais de 20 mil fungos (Foto: Divulgação)

Saúde

Difícil imaginar o dia a dia sem o uso do telefone celular. Afinal, o aparelho tornou-se peça-chave em diversas situações, já que, cada vez mais, vem agregando funções por conta das inovações tecnológicas e dos múltiplos aplicativos que são, diariamente, lançados no mercado. O problema é que, exatamente por estar presente de forma intensa no cotidiano, usar celular demais faz mal, sendo o aparelho também capaz de se tornar vilão quando o assunto é saúde. Isso porque além de m ...

Ao pegar produtos na prateleira do supermercado, consumidor deve verificar as informações contidas na etiqueta (Foto: Tânia Rêgo / ABR/Fotos Públicas)

Saúde

Se o leitor não tem costume de ler a etiqueta de informações nutricionais e a lista de ingredientes dos alimentos que consome, é melhor começar a mudar de hábito. Isto porque toda a embalagem de um alimento industrializado traz informações valiosas, como quantidade de vitaminas, açúcares, sódio (sal), gorduras, corantes, conservantes e outros componentes que mostram quão saudável (ou não) é o alimento em questão. E estes dados são importantes não só para aqueles que procuram manter uma alimentação saudável, mas também para os que possuem determinados problemas de saúde e, necessariamente, devem seguir uma dieta personalizada para obter melhor qualidade de vida. “A nossa alimentação deve ter como base os produtos mais naturais possíveis. A dica é: desembale menos e descasque mais. Portanto, sempre que houver nos rótulos nomes muito estranhos e um excesso de ingredientes que não se reconhece, é sinal que o produto é altamente processado”, afirma Cyntia Maureen, nutricionista e consultora da empresa Superbom. A especialista explica que, na lista de ingredientes, os itens aparecem de acordo com a quantidade. Assim, o primeiro item é o que possui maior quantidade e o último, menor quantidade.  No entanto, em algumas situações, o mesmo ingrediente pode aparecer mais de uma vez, mas com nomes diferentes. É o caso do açúcar e do sódio, que possuem múltiplas designações e são vilões de diabéticos, hipertensos e portadores de doenças cardiovasculares. “O açúcar invertido, por exemplo, é um açúcar de fácil e rápida absorção, muito processado, que causa um pico de insulina muito maior no corpo. É um açúcar que está praticamente digerido”, afirma Cyntia.  Outro item que está presente em quase todos os alimentos industrializados (sejam salgados ou doces) é o glutamato monossódico, um tipo de sal derivado do ácido glutâmico que tem como função realçar o sabor dos alimentos. Por isso, essa substância aparece em grande quantidade em temperos prontos, congelados, enlatados, macarrão instantâneo e biscoitos. Alguns estudos ligam o consumo exagerado do glutamato a doenças cerebrais e degenerativas da retina. “Na natureza, o glutamato pode ser visto em alimentos como tomate, cogumelos, soja, carnes e queijos e está associado ao sabor que chamamos de umami. Existe muita controvérsia sobre ele, porque não há estudos que digam exatamente os malefícios deste item ao consumidor. No entanto, sabemos que o excesso com certeza vai trazer algum problema. Muita gente fala de enxaqueca e enjoo”, comenta Matheus Motta, nutricionista do Vigilantes do Peso.    Corantes e gorduras Responsáveis por deixar os alimentos com uma aparência mais atraente aos olhos, os corantes não devem ser vistos como meros coadjuvantes. O corante carmim, por exemplo, é proveniente de um inseto chamado cochonilha e faz parte da lista de ingredientes de diversos iogurtes, geleias e sobremesas, nas quais tem a função de dar uma cor avermelhada/rosada quando acrescentado. Como é muito pequeno e costuma ser utilizado em grande escala, são necessários mais de 70 mil destes insetos para fazer cerca de 500 gramas de corante carmim, que, para algumas pessoas, pode causar reação alérgica. Outro corante bastante assíduo na mesa do consumidor brasileiro é o caramelo IV – presente em refrigerantes tipo cola. “Já é sabido que consumir muito desse corante pode causar doenças como o câncer. E diferente do que ocorre em outros países, no Brasil não há limite para a adição do caramelo IV”, explica Motta, do Vigilantes do Peso, que também faz ressalva à gordura vegetal hidrogenada. Originalmente, este componente está presente na natureza na forma líquida, assim como os óleos e os azeites. No entanto, cotidianamente, a gordura vegetal hidrogenada é vendida na forma sólida, após ser modificada pela indústria. Dessa maneira, além de garantir um prazo maior de validade, confere uma consistência mais cremosa às receitas que utilizam este ingrediente, que aparece com frequência em sorvetes, congelados e biscoitos recheados. “O excesso do consumo desse produto pode desencadear doenças cardiovasculares, doença no fígado e obesidade”, alerta o nutricionista. Vale lembrar que gordura vegetal hidrogenada é uma espécie de gordura trans, outro tipo prejudicial ao organismo por elevar o colesterol ruim. No dia a dia, a gordura trans pode ser encontrada em sorvetes, salgadinhos, bolos, biscoitos e margarinas.    Os muitos nomes do açúcar Glicose Frutose Lactose Xarope de milho de alta frutose Mel Melado Néctar de ágave Xarope de arroz Açúcar invertido Suco de cana evaporado Maltose Maltodextrina Galactose Malte de cevada Açúcar mascavo Açúcar de coco Açúcar de confeiteiro Xarope de alfarroba Dextrose Etil maltol Açúcar bruto orgânico Açúcar de beterraba Concentrado de suco de fruta Frutose cristalina Xarope de bordo Açúcar dourado Açúcar demerara  

Pressão tem causado doenças psiquiátricas nos estudantes (Foto: Divulgação)

Saúde

Em meio a preparação para os vestibulares de inverno e para o Exame Nacional do Ensino Médio é necessário colocar a cabeça no lugar, relaxar e manter a saúde mental para evitar que o cansaço e o stress comprometam o desempenho na prova desejada. De acordo com a pesquisa divulgada pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), 30% dos alunos das Universidades federais do Brasil procuram atendimento psicológico e 10% fazem uso de medicamento psiquiátrico. Soma-se a isto a ansiedade e a intensidade dos estudos e pronto: temos uma bomba-relógio capaz de travar qualquer aluno. O fato é que é preciso se aplicar nos estudos, mas o lazer e ter bons relacionamentos nessa transição é o que fará esse jovem, que a partir dos 17 anos já tem de escolher a profissão, ser feliz antes de tudo e conseguir optar por uma profissão que realmente faça sentido para ele. Segundo o psicólogo Augusto Jimenez, da Minds Idiomas, existem cinco dicas que podem facilitar muito a vida dos alunos.  1) É importante fazer "nada" e não se sentir culpado (a) Na era tecnológica em que tudo é para agora e ganha "likes" quem está fazendo algo, não fazer nada é um ato revolucionário e bom para o seu cérebro. Recomenda-se. após um dia de trabalho e estudos, tirar pelo menos uma hora para relaxar e não se cobrar por isso. Lembre-se que a criatividade é fruto do descanso mental e não do excesso de ações. 2) Organize as horas que dedicará para os estudos e monte uma grade de disciplinas Quando você organiza a sua semana e a quantidade de tempo que despenderá com os estudos e trabalho fica mais fácil cumprir com o combinado. Além disso, você enxergará quais as janelas que tem, ou seja, quais os períodos que pode incluir uma atividade de lazer ou mesmo o descanso mencionado na primeira dica. 3) Participe dos grupos de apoio nas redes sociais Há alguns grupos organizados por alunos de várias universidades para debaterem como se sentem no período do vestibular e enquanto cursam a faculdade. É aberto ao público e, caso o seu tempo esteja apertado, há vários relatos e debates nas próprias redes que podem te ajudar. Lembre-se que ansiedade e depressão são assuntos sérios e buscar ajuda com quem está vivendo a mesma situação pode te ajudar. Um desses grupos que faz ciclo de palestras periodicamente é a Frente Universitária de Saúde Mental. 4) Busque a ajuda de um psicólogo A boa saúde mental é bem mais do que a ausência de alguma doença psíquica ou neurológica. Ela também está associada ao seu bem-estar e serenidade. Assim, se você está tendo picos de ansiedade, está travando uma batalha diária para se sentir feliz ou encontrar significado no dia a dia procure um psicólogo. E caso a grana esteja curta opte pelos atendimentos psicológicos das universidades. É gratuito. 5) Docentes: façam a sua parte Uma das principais queixas dos estudantes é a falta de compreensão dos professores. Muitos não sabem o porquê de o estudante estar com faltas, muitas vezes frequentes, e não compartilham a ausência ou mudança de comportamento do jovem com os dirigentes e colegas da escola. Observem os seus estudantes e qualquer indício de mudança de atitudes deles, converse na escola para tomar as atitudes necessárias, entre elas conversar com o aluno e, caso seja necessário, envolver os pais.

A amamentação depende da dedicação das mães (Foto: Divulgação)

Saúde

Mais do que um ato de amor, a amamentação traz benefícios não só para o bebê que a recebe, mas também para a mãe, principalmente se o gesto acontece por um tempo superior a seis meses. Para o recém-nascido, a amamentação é comparada como uma primeira vacina, já que a mãe passa, juntamente com o leite, não só nutrientes essenciais para o desenvolvimento, como também diversos anticorpos capazes de prevenir o bebê de uma série de doenças.  Já para as mamães, a amamentação diminui a incidência de câncer de mama, ovário e útero, tendo também um papel importante na volta do peso pré-gestação e na diminuição da incidência de osteoporose. Estima-se que, o risco de a mãe desenvolver câncer de mama reduza em 2% a cada cinco meses de amamentação. Hélio Pinczowsky, oncologista do Hemomed Instituto de Oncologia e Hematologia, explica que um estudo da comunidade europeia sugere que parte do aumento da incidência de câncer de mama se deve à redução na amamentação. E que também há relação entre a menor incidência de câncer de ovário e endométrio com a prática da amamentação. “Além disso, existe o conceito de que se a mãe consegue amamentar por mais de seis meses ajuda a prevenir futuros casos de câncer no filho, bem como reduzir o risco de obesidade infantil”, diz Pinczowsky.  O leite materno deve ser dado até os seis meses de idade de forma exclusiva. Após este período, inicia-se a inserção de outros alimentos. No entanto, vale lembrar que, desde o nascimento do bebê, é imprescindível o acompanhamento do pediatra, que irá verificar se existe a necessidade (ou não) de suplementação e orientará quanto à introdução de novos alimentos. “O leite materno envia para a criança imunoglobulinas responsáveis pela defesa do organismo de infecções virais, respiratórias e do trato gastrointestinal. O ideal é que a amamentação seja exclusiva até os seis meses de vida e seja feita até os dois anos junto com outros alimentos”, diz Anastasio Berretini Júnior, presidente da comissão de aleitamento materno da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM).  O mastologista diz que a produção de leite é desencadeada pelo estímulo e que quem amamenta necessita de um ambiente tranquilo para produzir a quantidade de leite necessária. “Não existe medicamento ou hormônio que faça a mulher produzir mais leite. É importante sim que a hidratação da mãe seja adequada, com a ingestão de dois a três litros de água por dia e que a higiene dos mamilos seja feita com sabonete neutro logo após cada mamada. “Para as mulheres que desenvolvem fissuras, a substância mais eficaz é a lanolina, que hidrata sem irritar o estômago da criança”, orienta Berretini Júnior, que recentemente realizou um estudo junto a 350 mulheres prestes a darem à luz na região de Bragança Paulista e constatou que 60% das entrevistadas não tiveram as mamas examinadas no pré-natal. Vale lembrar que a consulta de pré-natal deve ser feita no mínimo a cada trimestre e que o exame das mamas é importante antes e durante a amamentação, para evitar problemas com a mastite, infecção que ocasiona intensa dor nos seios.    Bancos de leite salvam vidas e estimulam a doação consciente  Desta quarta-feira, 1, até o dia 7 de agosto acontece a Semana Mundial do Aleitamento Materno.  No Brasil, esse período é apoiado por campanha elaborada pelo Ministério da Saúde e, desde 2017, o assunto ganha destaque com o #agostodourado, incentivando o aleitamento materno em todo o País.  Para auxiliar nesta tarefa, o Brasil também conta com a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH-BR), criada em 1998 e que, hoje, dispõe de 220 postos espalhados pelo Brasil. As mulheres que possuem uma produção excessiva de leite podem fazer a doação de leite humano. Dentro dos bancos de leite, o material é avaliado, selecionado, classificado e pasteurizado.  Somente após este processo, o material é congelado e ganha um prazo de validade de seis meses. As lactantes que quiserem doar ou buscam mais informações sobre a rBLH-BR podem encontrar o banco mais próximo no link https://producao.redeblh.icict.fiocruz.br/portal_blh/blh_brasil.php.   Aplicativos dão dicas e ajudam no controle da amamentação  Diante das modernidades da atualidade, os aplicativos surgem como uma opção a mais para auxiliar nas atividades para com o bebê. Na maioria dos casos, é possível fazer um diário de atividades bem detalhado, com registro para horários de mamadas, troca de fraldas, horário de sono, inserção de novos tipos de alimentação, retirada de leite da mãe, quando necessário, e até mesmo uma calculadora de aleitamento. Tudo isso de forma gratuita. Abaixo listamos os mais populares nas lojas de aplicativos.   Baby Tracker: bem completo, além de se poder colocar informações como horários das mamadas e de sono, trocas de fraldas e retirada de leite, ele também possibilita fazer gráficos comparativos após 14 dias de atividades. Amamentação – Diário de atividades do bebê: diário virtual com registro de mamadas, alimentação, fraldas, sono, altura e peso, para registrar todo o dia a dia do bebê. Easy Baby Care: a ideia é simplificar a vida das mamães com os cuidados para com o bebê, dando uma ferramenta para controle de amamentação, sono e trocas de fraldas.   Calculadora de aleitamento: ajuda a determinar a quantidade correta de leite por dia e por mamada.  

Descansar é fundamental, mas com prudência (Foto: Reprodução/PX Here)

Saúde

No tão esperado período de férias, os vestibulandos podem desacelerar o ritmo intenso de estudos vivido nos últimos meses. Porém, devido à maior proximidade com a data das provas mais importantes do ano, o candidato tem que destinar um tempo desse período às matérias em que possui maior dificuldade de assimilação. Segundo o coordenador do Curso Poliedro, Vinícius de Carvalho Haidar, a fase é preponderante e pode ser utilizada pelo estudante para rever conteúdo do primeiro semestre, além de descansar com a finalidade de recuperar energias que foram gastas nos meses anteriores. Além disso, é importante se preparar psicologicamente para a reta final dos estudos.Opções de Publicação De acordo com o professor, antes de entrar nas férias, o ideal é destinar uma parte do tempo para listar conteúdo que precisa ser revidado, levando em consideração pendências do primeiro semestre. Deve-se mostrar um plano de estudos, equilibrando rotina de estudos com momentos de descanso. As férias também representam uma temporada valiosa para alunos que não conseguiram engrenar na primeira metade do ano. Neste caso, deve-se seguir as mesmas recomendações, priorizando conteúdos de maior dificuldade, tanto na primeira, quanto na terceira semana.  Primeira semana – Utilize esse tempo precioso a seu favor Ao começar as férias, não pense que chegou o momento de descansar. De acordo com Haidar, a primeira semana deve ser utilizada para colocar, de fato, a casa em ordem. Tenha um planejamento do que vai ser feito já definido.  Segunda semana – Aproveite para descansar Já na segunda semana de férias, chegou a hora de desfrutar de um período de descanso e recarregar as energias para o restante do ano. “Na semana do meio é aconselhável um descanso completo, principalmente mental”, afirmou.  Terceira semana – Retome o ritmo de estudos Por fim, a terceira semana é fundamental para a retomada do ritmo de estudos, porque o segundo semestre é rápido e as aulas tendem a começar com bastante conteúdo. É importante também voltar a acordar cedo nesta semana, para não haver um impacto grande na questão dos horários no início das aulas.

Fatores psicossociais, como dupla jornada e excesso de trabalho, podem levar à depressão (Foto: Divulgação)

Saúde

Tristeza, cansaço extremo, falta de disposição e interesse, perda ou ganho de peso excessivo, pessimismo. Estes são alguns dos sintomas de depressão, que atinge mais de 322 milhões de pessoas em todo o mundo e 11,5 milhões de brasileiros (cerca de 5,8% de pessoas), segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O Brasil, aliás, é o quinto país mais depressivo do mundo, ficando atrás somente de Ucrânia (6,3%), Austrália (5,9%), Estônia (5,9%) e Estados Unidos (5,9%).  Chamada também de mal do século, a doença foi responsável por afastar mais de 75 mil pessoas do mercado de trabalho brasileiro em 2016. Por isso, é importante estar atento e detectar os sinais iniciais tão logo eles comecem a surgir. “A depressão é um termo que alude a estado de desânimo, falta de interesse ou prazer de um modo geral, lentificação no que se refere a pensamentos, atividades e ações, crises de choro, humor melancólico e até mesmo ideias de suicídio”, define José Alberto Del Porto, professor titular do departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina. A depressão pode ter como causas fatores internos e externos, e as mulheres costumam ser as mais atingidas pela doença. Estima-se que entre 3% e 5% das mulheres sofram desse mal, o dobro, se comparado ao público masculino. Fatores biológicos, hormonais e psicossociais, como a dupla jornada de trabalho, excesso de atividades diárias e os cuidados para com os filhos são indicadores para explicar esta diferença. “Muitos pacientes não admitem ou percebem os sintomas por receio de serem estigmatizados. Por este motivo, sugere-se que a busca seja ativa por familiares, amigos e médicos generalistas, por meio de anamnese dirigida”, explica Adriana Pessoa, especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. A avaliação de um médico é necessária para gerar o diagnóstico, bem como para ministrar o tratamento adequado da depressão, que pode seguir as linhas de farmacoterapia, psicoterapia ou ambas. Tudo vai depender do tipo da depressão e do diagnóstico fechado de cada paciente. De forma bem simplificada, se a depressão apresentar os sintomas clássicos e não vier acompanhada de alternância de estados de humor, é chamada de unipolar.  “As depressões unipolares mais graves precisam de medicamento farmacológico por um tempo mínimo de seis meses. No entanto, existem pacientes que precisam tomar o remédio por mais tempo para que não haja recidiva [reaparecimento] dos estados depressivos”, afirma Dr. José Alberto Del Porto, professor titular do departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina.  Várias psicoterapias estão disponíveis para tratar a depressão unipolar. Para pacientes com depressão maior, que são inicialmente tratados com psicoterapia, a recomendação é a terapia cognitivo-comportamental (TCC) ou a psicoterapia interpessoal. Já o transtorno bipolar é caracterizado por períodos de alternância de estados depressivos com estados de exaltação do humor, com tendência à euforia, hiperatividade, aceleração do pensamento. Nesse caso, o tratamento é dividido em fases e costuma ser mais extenso, podendo se alargar por anos.   Exercícios e alimentação ajudam no tratamento  A prática de exercícios regulares, associadas a uma alimentação saudável e boa qualidade de sono, são ferramentas importantes para prevenir e melhorar o estado depressivo. No caso dos exercícios físicos, estes aumentam o nível de endorfinas e neurotransmissores relacionados à melhoria do estado de ânimo, como a serotonina. No que se refere à alimentação, é indicado evitar alimentos açucarados e processados, e investir em verduras, legumes, carnes brancas e alimentos ricos em ômega 3, além de estar com os níveis de vitamina D em dia.  Depressão: sintomas recorrentes Humor depressivo; Perda de interesse ou prazer por quase todas as atividades; Insônia ou sono excessivo; Perda ou ganho de peso de uma hora para outra; Cansaço; Pensamentos recorrente de morte, suicídio, culpa e inutilidade; Retardo psicomotor ou agitação quase todos os dias.  

Hospitais recorrem à filantropia para captar doações (Foto: Ascom/Hol/Fotos Públicas)

Saúde

Com o objetivo de conseguir doações alguns hospitais estão investindo na forma de capitação, para assistência, ensino e pesquisa contra o câncer. Hospitais como A.C. Camargo Câncer Cente, Incor e Hospital das Clinicas desenvolveram métodos para incentivar a filantropia. O primeiro está abrindo um escritório somente para buscar doadores. O Incor planeja lançar até o final desse semestre o programa Incor+100, que tem a expectativa de alcançar um volume de R$ 100 milhões em doações por ano, em um futuro próximo. O Hospital das Clínicas, depois de receber algumas doações, desenvolveu um método de elaboração de projetos para fazer captação em diversas áreas. O casal José Lamacchia e Leila Pereira, proprietário da Crefisa/FAM, foi um dos doadores do HC. Após fazer seu tratamento contra o câncer em um hospital particular, José Lamacchia reconheceu que o setor de Hematologia do HC precisava de ajuda e doou cerca R$ 35 milhões para o hospital. Essa prática no Brasil ainda é pouco usada, mas o passo de algumas pessoas podem mudar uma mentalidade e salvar vidas.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Bolsonaro atraiu filiações ao PSL (Foto:Fernando Frazão/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

Apenas partidos pequenos aumentaram o número de candidatos nas eleições deste ano em relação a 2014. Enquanto siglas tradicionais como PT, PSDB, MDB, PDT e PSB reduziram a quantidade total de registrados, houve um aumento expressivo entre as siglas de menor porte. O partido de Jair Bolsonaro, o PSL, é o que mais apresentou candidatos - 1.451, um aumento de 74,4% em relação a 2014. Das 35 siglas existentes, 12 vão ter mais postulantes neste ano do que nas últimas eleições gerais - PSL, PROS, Avante, Podemos, PRB, Solidariedade, PMN, PCO, PSOL, Patriota, PRTB e PPL. Há ainda três partidos que vão estrear nas urnas em âmbito nacional: Rede, Novo e PMB, que, juntos, somam 1.606 candidaturas. Os números têm como base os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É possível que haja pequenas alterações até o dia 20, quando as informações estarão 100% atualizadas. A legenda que registrou a maior variação porcentual no número de candidaturas foi o PCO (142,8%). A sigla, no entanto, é um ponto fora da curva - tinha apresentado somente 49 candidatos em 2014 e, agora, lançou 119. Em seguida, vem o PROS, com 1.018 candidatos, ante 485 em 2014 (aumento de 109,9%, mais que o dobro de um pleito para o outro). Entre os que mais reduziram candidatos, estão PCB (diminuição de 45,2%), PTB (-33,4%) e PSTU (-31,9%). Entre as siglas maiores, PSB (-31,4%), PSDB (-18,3%) e PDT (-16,4%) tiveram os maiores índices de diminuição de candidatos. O PT registrou queda de 6,8% e o DEM, de 5,5%. Segundo o cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, uma das explicações para este cenário pode ser a cláusula de barreira, que, a partir de 2018, impõe aos partidos desempenho mínimo para que sejam autorizados a ter acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV no horário eleitoral. "Os pequenos estão em busca de capilaridade", disse Teixeira. A nova regra exige, para este ano, que as legendas tenham 1,5% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação e com 1% em cada uma dessas unidades. A cláusula aumenta gradativamente até 2030 e busca afunilar o sistema partidário brasileiro, altamente fragmentado. Para a cientista política Luciana Veiga, professora da UNI-Rio, a estratégia faz sentido e pode servir à sobrevivência. "Mesmo que não elejam muitos nomes, os partidos com várias candidaturas têm chance de alcançar a cláusula com uma votação mais pulverizada." Um caso mais específico é o do nanico PSL, que, com a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República, atraiu deputados na janela partidária e, agora, busca se consolidar com a ampliação da bancada no próximo pleito. "O PSL não tinha nada, arranjou meia dúzia de deputados e agora precisa crescer (para se manter vivo)", afirmou Teixeira. Conforme o Estado mostrou na quarta-feira, a nova casa de Bolsonaro registrou mais de 13,6 mil filiações em 2018, impulsionadas pela figura do presidenciável. Trata-se de número quatro vezes maior que o dos partidos adversários na disputa pelo Palácio do Planalto. Concentração Quanto aos partidos tradicionais, o motivo da diminuição de candidaturas passa por um uso mais direcionado dos recursos do fundo eleitoral. Com as regras inéditas de financiamento de campanha, as siglas apostam mais em candidaturas viáveis, com pouca abertura à renovação. É o caso do PSB, a legenda tradicional que mais reduziu o número de postulantes. A estratégia, segundo o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, é concentrar os recursos em campanhas com grandes chances de vitória. "O novo fundo não facilita a renovação", afirmou ele. O PSB não tem candidatura própria à Presidência da República e não compõe nenhuma coligação, mas conta com nomes fortes em eleições regionais. "O fundo eleitoral concentra muitos recursos nos grandes. O problema dos maiores não é dinheiro, não é sobrevivência. É otimizar os cargos que já têm", afirmou Luciana Veiga. 

Candidatos ao governo fizeram questão de mencionar presidenciáveis (Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Cidade

Os candidatos ao governo de São Paulo presentes no primeiro debate televisionado, na Band, aproveitaram o último bloco do programa para nacionalizar a discussão. Houve menções ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), bem como contra a polarização política no País. O ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT) disse ser, com orgulho, amigo de Lula e candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes. No fim do bloco anterior, Marinho havia feito a primeira menção dele a Lula no debate. Em embate com Rodrigo Tavares (PRTB), ele disse que os governos petistas combateram a corrupção e afirmou que o PT "é a grande esperança" do povo brasileiro. Tavares citou a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), cujo vice, general Hamilton Mourão, é do PRTB. Marinho citou ainda acusações de corrupção contra o PSDB. O tucano João Doria o rebateu nas considerações finais e falou que o petista não pode comparar Alckmin a Lula. "Alckmin tem mais de 40 anos de vida pública ilibada. Lula está preso em Curitiba", afirmou. Ele cobrou ainda "respeito" do petista, que no final do bloco anterior havia mencionado o nome da esposa do ex-prefeito paulistano, Bia Doria. "Ela não é ré como o senhor", disse. Na despedida do público, Rodrigo Tavares também atacou Alckmin. "Ele fez bom trabalho sim no Estado de São Paulo, mas como anestesista. Ele anestesiou o Estado de São Paulo", afirmou. Nos apontamentos finais, Márcio França (PSB) levou novamente a discussão para o nível nacional. Ele disse que a população de São Paulo vê os exemplos do PT, do PSDB e do MDB e que só ele representa a mudança. O governador paulista lembrou também a mediação dele na greve dos caminhoneiros. Paulo Skaf (MDB) encerrou o debate exaltando as escola do Sesi, que ele usou para criticar ensino estadual de São Paulo. Antes disso, coube ao empresário a primeira das duas únicas menções a Deus no debate. A segunda foi de Lisete Arelalo (PSOL), que disse que o povo "deu graças a Deus" pela renúncia de alguns candidatos. Ela afirmou ainda que vai seguir com o legado da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em 14 de março. Marcelo Cândido (PDT) ressaltou a experiência como prefeito de Suzano (SP).

Para a maioria dos eleitores, Bolsonaro e Alckmin são os favoritos para avançarem na disputa (Foto: Daniel Teixeira e Adriana Spaca/AE)

Nacional

Uma nova pesquisa sobre as intenções de voto à Presidência da República, divulgada na quarta-feira, 15, pelo Instituto Paraná, mostra que o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) devem se enfrentar no 2º turno, caso o ex-presidente Lula (PT) tenha sua candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Questionados sobre percepção de quais candidatos vão para a segunda fase das eleições, 43,3% apostam em Bolsonaro e 26,7% no tucano. Neste quesito, Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com a expectativa de 21% dos eleitores. Em seguida aparece Marina Silva, com 20,7%, e Fernando Haddad (PT), provável substituto de Lula, tem 10,1% das apostas.  Mas nas intenções de voto, Lula, mesmo preso, ainda lidera com 30,8%, um crescimento de quase 2% na comparação com a pesquisa anterior feita pelo mesmo instituto. No cenário com Lula, Bolsonaro é o segundo colocado, com 22%, e Alckmin, que na pesquisa anterior tinha uma desvantagem de 3% para Marina Silva (Rede), viu a diferença para ela cair pela metade. Marina tem 8,1% das intenções de voto e ele 6,6%. No cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 23,9% das intenções de voto. Com a saída do ex-presidente da disputa, Marina Silva e Ciro Gomes (PDT) parecem receber parte de seu eleitorado, e ficam à frente do tucano. Marina chega a 13,2%, Ciro fica com 10,2% e Alckmin  8,5%. Esta é a primeira pesquisa divulgada após o debate realizado pela Rede Bandeirantes, na semana passada, e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o no BR-02891/2018. O levantamento foi feito com 2.002 eleitores, em 168 municípios brasileiros, entre os dias 9 e 13 de agosto de 2018. A margem de erro, para mais ou para menos, é de 2%.  

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião

Depois que alguns presidenciáveis apresentaram suas propostas para o País, no debate da semana passada, hoje é a vez de sete candidatos ao Governo do Estado de São Paulo fazerem o mesmo na Band, a partir da 22h. É uma grande chance para alguns deles saírem da obscuridade e mostrarem seus programas de gestão e, principalmente, seus rostos, para um eleitorado que não tem dado tanta atenção a eles. É uma brecha aberta inclusive para o governador Márcio França, que, embora no cargo desde abril –, quando Alckmin deixou o posto para concorrer à Presidência –, ainda luta para se fazer mais conhecido entre os eleitores, que podem dar a ele a chance de continuar ocupando o Palácio dos Bandeirantes, como chefe do Executivo. E o que não falta na história política paulista é a figura de vice que conseguiu alçar voo solo e ganhou o papel de protagonista. O próprio Alckmin é um destes, que, com o agravamento da doença de Mario Covas, em janeiro de 2001, assumiu interinamente o governo e, depois, ratificou nas urnas sua permanência. Há semelhanças entre os dois, como o fato de eles terem iniciado na política longe da Capital, sendo vereador e prefeito de suas respectivas cidades natais, depois deputado federal, até serem convidados para comporem a chapa que venceria o governo paulista. Mas, certamente, o desafio de França é bem maior do que aquele encarado por Alckmin, 16 anos atrás. A começar pelo enfrentamento com dois fortes concorrentes, que até outro dia era também seus aliados: Paulo Skaf e João Doria. O emedebista e o tucano lideram com folga a corrida ao Bandeirantes e, se nada mudar até 7 de outubro, estarão no segundo turno. E o problema do atual governador é justamente se interpor entre seus concorrentes. Terá a primeira chance hoje. Para isso precisa mostrar à audiência que é diferente de ambos, e dos demais, e que tem mais a oferecer. Só que do outro lado estarão dois experientes debatedores, já testados em eleições anteriores. Já França faz sua estreia em um programa deste nível. É mais um obstáculo para o político de São Vicente superar, se quiser seguir adiante na disputa.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Vale a reflexão sobre o desarmamento no Brasil (Foto: Arquivo/ABR)

Opinião

Juntos, os hospitais filantrópicos, como é o caso das santas casas, acumulam uma dívida de R$ 21 bilhões (Foto: Edson Lopes Jr/ (Arquivo) – A2 Comunicações/Fotos Públicas)

Opinião

Excessos nas redes sociais podem ser prejudiciais (Foto: USP Imagens/Fotos Públicas)

Opinião

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião