Grid List

Dores na região pélvica e após a relação sexual podem indicar a presença de miomas (Foto: Divulgação)

Saúde

Quando de uma hora para outra a mulher passa a sentir dores pélvicas, mais precisamente na região mais baixa do abdome, e percebe que o fluxo menstrual está muito mais intenso e irregular, é bom acender o sinal de alerta: é possível que esteja com mioma uterino, doença que costuma atingir mulheres em idade reprodutiva – na faixa dos 30 a 50 anos – e que forma tumores pélvicos benignos, dentro ou fora do útero. Estima-se que 75% das mulheres desenvolverão este problema ao longo da v ...

Controle de peso e do nível de gordura ajudam mulheres (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Saúde

Cerca de 10 mil novos casos de câncer, entre eles o de mama e o de cólon, poderiam ser evitados no Brasil se houvesse mais adesão à prática da atividade física entre a população. Os resultados fazem parte de uma pesquisa feita no Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em parceria com a Universidade de Harvard, Universidade de Cambridge e Universidade de Queensland. Um artigo sobre o assunto foi publicado na revista científica internacional Cancer Ep ...

Souza e Letícia estão na expectativa da chegada de Liv (Foto: Arquivo Pessoal)

Saúde

Você está tranquilo e calmo quando, de repente, um acontecimento impactante muda a sua vida e permeia seus pensamentos pelos próximos nove meses: você vai ser pai! Foi essa notícia que transformou a rotina de Danilo Souza, que vai ser pai em setembro, aos 19 anos de idade. “Foi uma surpresa! Descobrimos a gravidez quando ela [Letícia, também de 19 anos, namorada de Danilo] já estava com dois meses de gestação. Mas eu sabia que era uma grande responsabilidade. Quando contei à minha ...

Antônio busca fazer Bruno feliz a cada dia (Foto: Rômulo Magalhães)

Saúde

Quando Antônio Marques de Carvalho decidiu ter mais um filho, aos 60 anos, ele não estava pensando nele, mas na mulher, Raquel Matias, de 39 anos. Ele já tinha dois filhos, mas a companheira ainda não havia experimentado a maternidade. Até que, depois de quase dez anos de relacionamento, a vontade dela de ser mãe se tornou realidade e, o pai, mais experiente e com mais tempo disponível do que na criação dos dois primeiros filhos, revelou que o garoto, Bruno Martins de Carvalho, de sete ...

Fatores psicossociais, como dupla jornada e excesso de trabalho, podem levar à depressão (Foto: Divulgação)

Saúde

Tristeza, cansaço extremo, falta de disposição e interesse, perda ou ganho de peso excessivo, pessimismo. Estes são alguns dos sintomas de depressão, que atinge mais de 322 milhões de pessoas em todo o mundo e 11,5 milhões de brasileiros (cerca de 5,8% de pessoas), segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O Brasil, aliás, é o quinto país mais depressivo do mundo, ficando atrás somente de Ucrânia (6,3%), Austrália (5,9%), Estônia (5,9%) e Estados Unidos (5,9%).  Chamada ta ...

Massoterapeuta só respondeu uma pergunta na delegacia (Foto: ARMANDO PAIVA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Saúde

Policiais do 42º DP (Recreio) prenderam nesta segunda-feira, 6, a massoterapeuta Patrícia Silvia dos Santos, conhecida Paty Bumbum, de 47 anos. Segundo informações da TV Globo, a prisão foi feita no bairro de Curicica, na zona oeste do Rio de Janeiro. Patrícia já havia sido presa no dia 25, acusada de realizar procedimentos estéticos irregulares em uma clínica localizada na região de Jacarepaguá. Na quarta-feira, ela prestou depoimento à Delegacia do Consumidor (Decon) do Rio de Ja ...

Hospitais recorrem à filantropia para captar doações (Foto: Ascom/Hol/Fotos Públicas)

Saúde

Com o objetivo de conseguir doações alguns hospitais estão investindo na forma de capitação, para assistência, ensino e pesquisa contra o câncer. Hospitais como A.C. Camargo Câncer Cente, Incor e Hospital das Clinicas desenvolveram métodos para incentivar a filantropia. O primeiro está abrindo um escritório somente para buscar doadores. O Incor planeja lançar até o final desse semestre o programa Incor+100, que tem a expectativa de alcançar um volume de R$ 100 milhões em doaçõ ...

A amamentação depende da dedicação das mães (Foto: Divulgação)

Saúde

Mais do que um ato de amor, a amamentação traz benefícios não só para o bebê que a recebe, mas também para a mãe, principalmente se o gesto acontece por um tempo superior a seis meses. Para o recém-nascido, a amamentação é comparada como uma primeira vacina, já que a mãe passa, juntamente com o leite, não só nutrientes essenciais para o desenvolvimento, como também diversos anticorpos capazes de prevenir o bebê de uma série de doenças.  Já para as mamães, a amamentaç ...

Crianças de um a quatro anos precisam procurar postos de vacinação a partir deste sábado (Foto: Edmar Barros/AE)

Saúde

O cirurgião-dentista Ricardo Gadelha, 44 anos, foi diagnosticado com poliomielite pouco antes de completar dois meses de vida. Em meio às sequelas que a doença deixou, sobretudo nos membros inferiores, ele garante fazer a sua parte para que a chamada paralisia infantil não volte a fazer novas vítimas. Os filhos de Gadelha, Samuel, 14 anos, e Davi, 11 anos, foram devidamente imunizados contra a pólio. “Não quero nem desejo essa sequela pra ninguém. Filho protegido é filho vacinado. Nó ...

Ao pegar produtos na prateleira do supermercado, consumidor deve verificar as informações contidas na etiqueta (Foto: Tânia Rêgo / ABR/Fotos Públicas)

Saúde

Se o leitor não tem costume de ler a etiqueta de informações nutricionais e a lista de ingredientes dos alimentos que consome, é melhor começar a mudar de hábito. Isto porque toda a embalagem de um alimento industrializado traz informações valiosas, como quantidade de vitaminas, açúcares, sódio (sal), gorduras, corantes, conservantes e outros componentes que mostram quão saudável (ou não) é o alimento em questão. E estes dados são importantes não só para aqueles que procuram ...

Pressão tem causado doenças psiquiátricas nos estudantes (Foto: Divulgação)

Saúde

Em meio a preparação para os vestibulares de inverno e para o Exame Nacional do Ensino Médio é necessário colocar a cabeça no lugar, relaxar e manter a saúde mental para evitar que o cansaço e o stress comprometam o desempenho na prova desejada. De acordo com a pesquisa divulgada pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), 30% dos alunos das Universidades federais do Brasil procuram atendimento psicológico e 10% fazem uso de medic ...

Descansar é fundamental, mas com prudência (Foto: Reprodução/PX Here)

Saúde

No tão esperado período de férias, os vestibulandos podem desacelerar o ritmo intenso de estudos vivido nos últimos meses. Porém, devido à maior proximidade com a data das provas mais importantes do ano, o candidato tem que destinar um tempo desse período às matérias em que possui maior dificuldade de assimilação. Segundo o coordenador do Curso Poliedro, Vinícius de Carvalho Haidar, a fase é preponderante e pode ser utilizada pelo estudante para rever conteúdo do primeiro semestre ...

Idosos são os mais afetados por este tipo de câncer e dor nas costas pode ser sinal de alerta (Foto: Divulgação)

Saúde

De uma hora para outra uma dor nas costas persistente começa a chamar a atenção. Se o incômodo for acompanhado de anemia e alteração na função renal, acenda o sinal de alerta. Estes são os principais sinais do mieloma múltiplo, um tipo de câncer raro, que não tem cura, e que atinge, na maioria dos casos, pessoas idosas, com mais de 60 anos. Estima-se que no mundo existam cerca de 230 mil pessoas convivendo com a doença, número que, no Brasil, oscila entre 7 mil e 8 mil casos anuais, aproximadamente. Dentro desse montante, 65% dos pacientes possuem mais de 60 anos e 20% acima dos 80. O mieloma múltiplo está no segundo lugar entre as doenças neoplásicas malignas hematológicas, perdendo somente para o linfoma. A doença ataca as células chamadas plasmócitos, responsáveis pela produção de imunoglobulina, que produz os anticorpos. A célula doente pode surgir em diversas áreas do osso, causando dor, perda óssea e fraturas. Estes incômodos, porém, nem sempre vem à tona. A doença pode ser de desenvolvimento lento e muitas vezes silenciosa, levando anos para ser diagnosticada, seja por não apresentar sintomas, seja devido à demora para se fechar o diagnóstico. Os exames iniciais que costumam ser pedidos são hemograma completo, cálcio, provas de função renal e eletroforese de proteínas, procedimento que consiste em medir a quantidade de imunoglobulina no sangue. “Com este procedimento consegue-se detectar cerca de 80% dos casos de mieloma, pois este exame marca a presença de qualquer proteína anormal presente no sangue do paciente”, explica Walter Moisés, hematologista responsável pelo laboratório de mieloma múltiplo da Universidade Federal de São Paulo da Escola Paulista de Medicina (Unifesp). Segundo o especialista, por ser uma doença rara, os sinais e sintomas iniciais costumam confundir bastante e, muitas vezes, a patologia só começa a ser investigada após a realização de exames de imagem como raio-x, tomografia e ressonância, quanto estes são pedidos para detecção de outras doenças e acabam mostrando lesões ósseas significativas. “Por isso é preciso estar bastante alerta. Ao sinal de dor nas costas (lombalgia) e anemia, é necessário fazer uma investigação mais aprofundada”, diz o hematologista. Mieloma múltiplo e expectativa de vida Apesar de ser uma doença crônica e não ter cura, o mieloma múltiplo possui tratamento, e este deve ser feito de maneira contínua e esporádica, de acordo com as suas reativações. A linha de tratamento que será utilizada dependerá da idade e do tipo de mieloma desenvolvido, e passa por diversos tipos de quimioterapia. Parte dos pacientes jovens também pode passar pelo transplante de medula óssea. Contudo, vale ressaltar que o transplante não trará a cura. Durante o tratamento, é importante que o paciente seja atendido junto a uma equipe multidisciplinar, composta de profissionais como enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e nutrólogos. No que se refere a alimentação, é necessário que o mesmo faça uma dieta balanceada e tenha uma alimentação saudável, com redução na ingestão de açúcar e sal. “Não tem nenhum alimento proibido, a gente tem que equilibrar e individualizar caso a caso. Essa atitude trará impacto e fará muita diferença no prognóstico da doença e na resposta ao tratamento”, conclui Andréa Pereira, médica nutróloga do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein e da Obesidade e Cirurgia Bariátrica da Unifesp. Mieloma: sintomas principais Dores ósseas e fraturas ósseas espontâneas Cansaço, fraqueza, palidez e perda de peso Mau funcionamento dos rins Infecções constantes Fonte: Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia

Produtos devem estar dentro do prazo de validade e não podem ser usados por outras pessoas (Foto: Divulgação)

Saúde

Eles têm a tarefa de embelezar e ressaltar a beleza das pessoas. No entanto, nem sempre os produtos de maquiagem conseguem cumprir este papel. Isso porque muitas vezes estes cosméticos podem desencadear irritações e alergias, além de manchas, acnes e flacidez em todo o rosto. Geralmente, este tipo de reação ocorre por conta de algum componente alérgeno presente na formulação, determinados conservantes e até mesmo fragrâncias. No entanto, nem sempre a culpa pela reação é exclusivamente da fórmula. Utilizar produtos fora do prazo de validade, ou compartilhar batons, sombras, máscara de cílios e outros itens com uma ou muitas pessoas (caso das maquiagens de provador) são atitudes que contribuem para a transmissão de doenças, como conjuntivite e herpes. “Maquiagens de provador não são apropriadas para serem utilizadas porque pode haver contaminação cruzada. Se uma pessoa que estava com conjuntivite usou a máscara de cílios do provador, aquele produto estará contaminado e assim que outra pessoa aplicar poderá desenvolver a conjuntivite. O mesmo pensamento vale para o batom. Se uma pessoa que estava com herpes utilizou o batom, a próxima que o aplicar poderá desenvolver a doença. Isso é muito mais frequente com agentes virais do que com agentes bacterianos”, analisa a dermatologista Tatiana Gabbi, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). A dermatologista explica que, além das alergias e da acne cosmética, determinados tipos de maquiagem também podem provocar manchas, dermatites, envelhecimento precoce da pele, flacidez e até mesmo intoxicação, se utilizados por longo prazo, devido à presença de substâncias contaminantes. Por isso, o ideal é verificar no rótulo do produto não só a data de validade, mas também os itens que compõem a formulação e descartar maquiagens de procedência duvidosa. A irritação, geralmente, acontece assim que o produto entra em contato com a pele. Já a alergia, muitas vezes, pode se desenvolver apenas depois de muito tempo de o produto ter entrado em contato com a derme. “Antes de utilizar qualquer maquiagem, é importante verificar se esta tem aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), se foi testada dermatologicamente e se não é comedogênica (com propensão a entupir os poros e desenvolver acne cosmética). O uso de substâncias prejudiciais à pele por um tempo demorado pode também levar ao envelhecimento, flacidez e à própria intoxicação do organismo, por estar em contato com alguns metais que não são interessantes à nossa saúde”, comenta Tatiana.  Alergia à maquiagem nos olhos: como lidar A dermatite de contato alérgica é a causa mais comum de alergia na pele das pálpebras e atinge de 30% a 77% das mulheres. Como os olhos são um dos pontos preferidos do rosto quando o assunto é maquiagem, é frequente encontrar casos de irritações e alergias. Principalmente porque o local tem a pele mais fina do corpo e determinados itens de maquiagem para a região podem conter metais como alumínio, níquel, cromo, chumbo e cobalto. No caso do rímel, o risco é da formulação ter uma substância conservante chamada timerosal, um tipo de mercúrio capaz de ocasionar alergias nos olhos e nas pálpebras. “A alergia à maquiagem pode se manifestar tanto em pessoas que apresentam diversos tipos de reações alérgicas quanto naquelas que nunca tiveram histórico do problema. Geralmente, pó, lápis e rímel causam bastante alergia, mas isso vai depender da sensibilidade de cada um”, descreve a oftalmologista Tatiana Nahas, chefe do Serviço de Plástica Ocular da Santa Casa de São Paulo. Quando o quadro é desencadeado, é comum ocorrer sintomas como coceira, inchaço e vermelhidão. Ao primeiro sinal, a recomendação é retirar toda a maquiagem e fazer compressa com água gelada filtrada. “Não é gelo, nem água boricada ou soro fisiológico. Deve-se usar água mineral geladinha do filtro, embebê-la em uma gaze ou algodão e fazer compressas geladas em cima dos olhos”, aconselha a oftalmologista. Se os sintomas persistirem, deve-se procurar atendimento médico imediato e entrar em contato com o fabricante para expor o ocorrido. De acordo com Tatiana, muitos tratamentos são feitos com corticoide tópico, por meio da administração de cremes na região afetada. Vale lembrar que, uma vez alérgico, sempre alérgico. Mas, felizmente, para este grupo existe maquiagem específica, que não desencadeia alergia, chamada de hipoalergênica. Substâncias perigosas nos produtos Alérgenos mais comuns nas fórmulas de maquiagens: Igarsan DP 300, lanolina, ácido benzoico, ácido oleico, bálsamo de benjoim, cera de carnaúba, eritrosina, resinas naturais, corante vermelho brilhante, anilina, goma arábica, goma tragacanto, cloreto de cobalto, fragrâncias, níquel e cobalto. Alérgeno sintético: citronela Alérgenos naturais: lavanda, limão e benjoim Conservantes: metilisotiazolinona (MIT) e parabenos, que são acusados de serem desreguladores endócrinos. Atrapalham os hormônios naturais e podem iniciar precocemente, por exemplo, a menstruação em meninas. Alérgenos mais comuns em batons: óleo de mamona, óleo de rícino, eosina, ácido ricinoleico, ácido benzoico, ltol, rubino, BCA (pigmento vermelho), cera microcristalina, oxibenzona, propril galato, produtos alifáticos C, butilidroxitolueno, octilgalato, lanolina, cera de abelha, óleo de castor, cutilidroxianisol, butilidroquinona terciária, corantes, conservantes.

Cigarro traz sérias complicações à saúde, apontam especialistas (Foto: Divulgação)

Saúde

Quase três a cada quatro pacientes diagnosticados com câncer de bexiga no Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo são ou eram fumantes, segundo levantamento feito pela própria instituição e divulgado ontem.   Entre as 1.130 cirurgias realizadas no hospital para retirada deste tipo de tumor, desde 2013, 854 foram feitas em homens e 276 em mulheres. No total, 823 pacientes relataram ter o vício, sendo 657 do gênero masculino e 169 do feminino, o equivalente a 73% dos pacientes.  De acordo com Cláudio Murta, coordenador do Departamento Urologia do hospital, os homens têm mais propensão a ter a bexiga afetada pelo tumor do que as mulheres, devido a fatores genéticos ou hormonais. Segundo a literatura médica, o câncer de bexiga é o segundo tumor do trato urinário mais frequente depois do que acomete a próstata, afetando tanto homens quanto mulheres. A principal causa é o tabagismo. “Estes pacientes chegam ao nosso hospital sem ter ideia de que o hábito de fumar pode prejudicar outras áreas além do pulmão”, disse. Na unidade, o tratamento consiste na remoção do tumor por meio de raspagem da bexiga e, em casos mais graves, a retirada do órgão, com tratamento e acompanhamento posterior.

Índices de vacinação apresentam queda entre as crianças paulistas nos últimos anos (Foto: Marcelo Camargo/ABR)

Saúde

A vacinação infantil no Brasil sempre foi vista como algo importante para garantir a saúde das crianças. No entanto, de uns tempos para cá, o assunto foi perdendo relevância, resultando na pior taxa de adesão dos últimos 16 anos, segundo dados do Ministério da Saúde. Parte desta queda se deve ao próprio sucesso do programa de imunizações. Isto porque muitas doenças, antes comuns no passado, foram erradicadas ou tiveram uma diminuição significativa no número de casos, dando a impressão de que patologias como sarampo, coqueluche, meningite e poliomielite não são tão perigosas ou transmissíveis quanto de fato são.  Somada a esta falsa sensação de segurança, as notícias falsas – popularmente chamadas de fake news – têm ajudado a diminuir a aceitação da vacinação, por conta da propagação de informações inadequadas e desencontradas, sem nenhum tipo de comprovação ou embasamento científico. “As pessoas não veem a doença hoje e acham que ela não existe mais. O fato de estas moléstias não estarem em evidência é exatamente porque no passado houve vacinação. É necessário se vacinar e não acreditar em mentiras publicadas na Internet”, diz Sheila Homsani, diretora médica da Sanofi Pasteur. A especialista ressalta que a vacinação é fundamental, pois os bebês, quando nascem e são expostos ao ambiente, ficam suscetíveis a várias doenças. “A criança que é vacinada corretamente protege não só a si mesma, mas também a outras crianças que ainda não têm idade de se vacinar. Afinal, ela não vai contrair a doença da qual está imune e nem vai transmitir o vírus/bactéria a outros. Por isso, quanto mais pessoas vacinadas, melhor”, declara. Cláudio Barsanti, presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) e responsável médico pela UTI pediátrica do Hospital Santa Marcelina, explica que, em alguns casos, a vacina ultrapassa em 95% a possibilidade de proteção. No que se refere a possíveis reações, o especialista afirma que podem existir algumas complicações relacionadas a determinadas vacinas, mas são mínimas. “Existem contraindicações em relação a alguns tipos de vacina, como não dar vacina de vírus vivo em pacientes com baixa imunidade ou com determinados tipos de alergia. Por isso é importante questionar e ver quais as indicações e medidas que devem ser tomadas para minimizar tais desconfortos”. As principais mentiras  Vacinação e autismo: desde 1998, após a divulgação, em Londres (Inglaterra), de uma pesquisa realizada pelo médico Andrew Wakefield, publicada na revista Lancelot, o mundo passou a ver o ato de se vacinar de outra forma. Na ocasião, o especialista associou o fato de 12 crianças apresentarem problemas como autismo e inflamação intestinal ao vírus do sarampo, presente na vacina MMR, que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola. “Isso trouxe uma repercussão muito negativa contra as vacinas. Esse trabalho foi banido da literatura médica, mas ainda corre pelas mídias sociais e assusta pais e responsáveis. Vale lembrar que a vacinação previne de doenças que podem levar a sequelas graves”, diz Cláudio Barsanti, presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) e responsável médico pela UTI pediátrica do Hospital Santa Marcelina.  Vacina da gripe dá reação: de acordo com o pediatra Cláudio Barsanti, é impossível isso ocorrer, porque a vacina da gripe não é feita com vírus vivo e sim com vírus mortos (inativados). “Muitos deixam para se vacinar em épocas que se têm surtos de gripe e a vacina leva certo tempo para gerar resposta no organismo. Então a pessoa se vacina – e ou ela já está incubando a gripe ou ela se contamina logo em seguida – e atribui à gripe a vacina. Isso acaba levando a um entendimento falso de que a vacina da gripe pode causar a doença, quando na verdade ela não transmite, e sim, protege contra a doença”, analisa.  Vacinas da rede privada são mais seguras que as da rede pública: a principal diferença entre as vacinas está na formulação de algumas delas. Geralmente, as da rede pública são produzidas com vírus-bactérias inativadas e inteiras e as das clínicas privadas apenas com pequenas porções, reduzindo significativamente a ocorrência de possíveis efeitos adversos após a vacinação.  “Em termos de eficácia, ambas são eficazes e seguras. Porém, as vacinas de células inteiras estão relacionadas um pouco mais a eventos adversos como soropersistência, febre mais alta, irritabilidade. São reações mais comuns nas vacinas de células inteiras do que nas vacinas acelulares, que contêm apenas fragmentos da bactéria”, reflete Sheila Homsani, diretora médica da Sanofi Pasteur.  Vacinas combinadas podem causar doenças: estas vacinas não são capazes de causar doença em quem toma a injeção, já que o imunizante é suficiente apenas para levar o organismo a produzir anticorpos para se proteger. “As vacinas são compostas por substâncias de cada bactéria ou vírus que, quando introduzidas no organismo, geram uma resposta do nosso sistema imunológico, que vai produzir células específicas para aquele vírus ou bactéria, que são os anticorpos. Assim, o organismo já terá defesa pronta para combater a infecção”, afirma Sheila Homsani.

Vários fatores podem aumentar as chances de ataque cardiovascular; consulta ao médico é recomendada (Foto: Divulgação)

Saúde

As doenças cardiovasculares ainda são as que mais matam no mundo, segundo levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS).  São mais de 17,5 milhões mortes por ano, sendo o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC) as patologias mais frequentes dentro desse contexto. No Brasil, as estatísticas também não são animadoras. Dados da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI) revelam que, só entre os meses de janeiro e agosto de 2018, 260 mil pessoas morreram por conta de algum tipo de doença cardiovascular, número que, até o final do ano, deve chegar a 400 mil. Entre as patologias relacionadas ao coração que mais atingem os brasileiros está a insuficiência cardíaca. A doença afeta quase 3 milhões de pessoas, mata até três vezes mais que os casos de câncer avançado e 50% dos acometidos não sobrevivem após cinco anos do diagnóstico. Aumento da expectativa de vida, sedentarismo, obesidade, estresse e uma má alimentação estão entre os fatores para o surgimento do problema, que costuma vitimar pessoas acima de 60 anos, mas também pode ocorrer em crianças e adolescentes, em situações mais raras. “A insuficiência cardíaca é a condição onde o músculo cardíaco passa a não ser capaz de estabelecer um bombeamento adequado de sangue para os outros órgãos. Ela tem várias causas e uma delas é a necrose de parte desse músculo devido ao infarto. Quanto maior o infarto, maior o grau de comprometimento muscular e maior a chance de se desenvolver a insuficiência cardíaca pós-infarto”, diz César Rocha Medeiros, cardiologista intervencionista e diretor de comunicação da SBHCI.  A insuficiência cardíaca não é uma doença única e pode ser ocasionada por vários problemas. A principal causa ainda são as doenças coronarianas, seguida das doenças ligadas a pressão alta (hipertensão) e não tratadas, além de cardiomiopatias dilatadas idiopáticas que podem ocorrer devido a infecções, por exemplo. “No Brasil, especificamente, cerca de 10% dos casos de insuficiência cardíaca também ocorre por conta da doença de Chagas”, relata Paulo Bertini, doutor em cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e fellow pelo Colégio Americano de Cardiologia.  Segundo ele, entre os sintomas mais frequentes estão a sensação de cansaço aos pequenos esforços, falta de ar (mais acentuada durante a noite, quando se está deitado), pernas inchadas e coração acelerado. O diagnóstico é realizado por intermédio de exame clínico e de exames laboratoriais como eletrocardiograma, ecocardiograma, um exame de sangue para medir o BNP (peptídeo natriurético cerebral) e, em alguns casos, raios X de tórax, para averiguar se existe líquido nos pulmões. Em casos mais específicos, cateterismo e ressonância magnética também são solicitados. “Primeiramente, é necessário tratar as causas e descobrir o que está causando a insuficiência cardíaca, para realizar o tratamento adequado. No que se refere a medicação, geralmente o tratamento é feito com betabloqueadores, espironolactona e inibidores da enzima de conversão. Recentemente, outro medicamento, Sacubitril/Valsartana (cujo nome comercial é Entresto), tem sido indicado para o tratamento da doença com excelentes resultados”, afirma Bertini.  Insuficiência cardíaca: como prevenir  Atividade física e alimentação adequada são primordiais para reduzirem as chances do acometimento de doenças cardiovasculares, já que essas ações reduzem diretamente os fatores de risco para esse evento. Uma alimentação balanceada (contendo mais produtos naturais e menos produtos industrializados), aliada a exercícios físicos regulares e redução do consumo de sal ajudam a controlar pressão arterial, diabetes, colesterol, obesidade e o estresse. César Rocha Medeiros, cardiologista intervencionista e diretor de Comunicação da SBHCI, esclarece algumas dúvidas no que se refere às doenças cardíacas.  Mulheres com problemas cardíacos podem tomar pílula anticoncepcional? Sob supervisão médica, sim. Há que se avaliar individualmente a medicação e a gravidade do problema cardíaco.  Amamentar faz a mulher ter menos chances de ter uma doença cardiovascular? A mulher em período fértil está relativamente protegida das doenças cardiovasculares pelos hormônios comuns nessa fase, o que não quer dizer que os fatores de risco não devam ser controlados.  É possível limpar naturalmente artérias do coração que estão ficando entupidas? É possível retardar ou mesmo frear o processo de aterosclerose com o controle dos fatores de risco. Alimentação adequada e atividade física podem ser encaradas como métodos naturais de fazê-lo. Remover placas de gordura que já estão estabelecidas não é possível senão por métodos invasivos.  

É fundamental falar com um especialista antes de iniciar sequência de treinos (Foto: Orlando Kissner/ Fotos Públicas)

Saúde

Com a aproximação do verão, muitas pessoas passam a se preocupar mais com a aparência. É nesta estação que homens e mulheres costumam frequentar praias e piscinas, exibindo mais os seus corpos. Para aqueles que não estão satisfeitos com o que vem no espelho, a hora da mudança já é agora, com o início da primavera.  Por isto, o Metrô News entrevistou dois especialistas para que o leitor atinja o seu objetivo o mais rápido possível e de uma forma saudável. Segundo o personal trainer Gui Albernaz, o exercício de agachamento é um dos que mais dão resultados em curto prazo. “Quando bem-feito, ele aumenta a coordenação e a força, trabalhando o corpo inteiro”, argumentou o especialista. “Mas é preciso cuidado e contar com o acompanhamento de um profissional capacitado, já que cada pessoa tem suas características próprias. O agachamento não é o mais indicado para quem possui problemas nos joelhos ou na coluna, por exemplo”, alertou. “Além disto, é necessário saber se controlar. Não adianta fazer o exercício todos os dias, o máximo que conseguir, em três meses, acreditando que alcançará o objetivo, porque isto não funcionará”, ressaltou. Já a educadora física Tamiris Costa sugeriu o método HIIT (High-Intensity Interval Training ou Treinamento Intervalado de Alta Intensidade) para as pessoas que desejam modificar o corpo rapidamente. “O treino se baseia em realizar exercícios aeróbicos, de forma intensa, por um curto período de tempo. Intercalando movimentos breves de descanso. Ele é vantajoso porque alia ganho de músculos e queima de calorias de maneira rápida. Lembre-se que a intensidade é algo individual.  Então é preciso adaptar a atividade à sua realidade”, explicou.  Outros cuidados Gui Albernaz salientou que o planejamento, o descanso e a alimentação são tão importantes quanto o exercício em si. “O ideal é que a pessoa também procure um (a) nutricionista para otimizar os resultados”. Para quem é sedentário, o personal indicou uma mudança gradual no estilo de vida. “Esta pessoa precisa se alimentar melhor, estressar-se menos e se exercitar aos poucos. Ela pode caminhar e subir escadas, por exemplo. Para quem não está acostumado a praticar atividades físicas, o importante, no início, é focar mais na consistência do que na intensidade”, disse. As dicas de Albernaz são compartilhadas por Tamiris Costa. “Tem que ficar atento para não exagerar na intensidade, principalmente, durante a fase de adaptação. E nunca se esquecer de medir os batimentos cardíacos”, concluiu. 

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Plataforma da Justiça Eleitoral garante o anonimato de denunciantes (Foto: Ivo Lindbergh)

Cidade

Desde a disponibilização do aplicativo Pardal pela Justiça Eleitoral em agosto, o sistema recebeu, no Estado de São Paulo, 953 comunicações. Desse total, 69% referem-se à propaganda eleitoral e as demais denúncias se relacionam a crimes eleitorais, uso da máquina pública, compra de votos, entre outras. As informações foram divulgadas pela Assessoria de Comunicação Social do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP). Além da opção de download do Pardal para uso em dispositivos móveis, eleitores podem acessá-lo também em sua versão web no site do TRE paulista, que atua no maior colégio do País, com 33 milhões de eleitores. O sistema Pardal, ferramenta de fiscalização e denúncia, possibilita ao eleitor denunciar diferentes irregularidades durante as eleições de 2018, como propagandas eleitorais, compra de votos, uso da máquina pública, crimes eleitorais, doações e gastos de campanha. Infrações nas propagandas veiculadas em emissoras de TV e rádio e na internet não serão processadas pelo sistema. Para realizar a denúncia, o autor deve inserir elementos que indiquem a existência do fato, como vídeos, fotos ou áudios, além do nome e CPF. As denúncias são encaminhadas ao Ministério Público Eleitoral, que é uma das partes legítimas para ajuizar representações perante o TRE-SP contra supostas infrações eleitorais. Além do Pardal, o eleitor pode denunciar irregularidades no sistema de Denúncia online. Entretanto, por meio desse sistema, é possível denunciar somente propagandas de rua consideradas fixas, ou seja, veiculadas por meio de outdoors, balões, bonecos, cavaletes, pichações e de inscrições a tinta em muros e fachadas. A denúncia enviada por esse sistema é encaminhada diretamente ao juiz eleitoral que, caso constate a irregularidade, notificará o responsável para retirar a propaganda irregular no prazo de 48 horas. Se a ordem for cumprida, o procedimento será arquivado, mas se persistir a irregularidade, o expediente será encaminhado ao Ministério Público Eleitoral. O sistema recebeu, desde a sua implementação em junho, 461 denúncias.

Fala do General Mourão, vice na chapa de Bolsonaro, causou polêmica (Foto: Henrique Barreto/AE)

Opinião

Nesta semana, a polêmica da vez foi a declaração de um militar acerca dos malefícios de uma criança crescer longe da figura do pai ou do avô. De acordo com ele, jovens nesta condição ficam mais vulneráveis à criminalidade, principalmente se viverem em áreas dominadas pelo tráfico. Sinceramente, não entendi o porquê de tanta celeuma para uma afirmação tão óbvia. Ao contrário do que a grande mídia propagou por aí, a assertiva do tal general não constitui qualquer ofensa às mulheres e às mães em geral. Trata-se, apenas e tão somente, de uma constatação empírica. Crescer em uma família desestruturada (sem pai ou mãe) contribui, sim, para que o jovem venha a trilhar no mundo do crime, bastando para tanto analisar os estudos e pesquisas sobre o tema. O fato de o militar ter feito referência somente à ausência da figura masculina não significa que o contrário não seja também verdadeiro. Isso só não foi explicitado porque a grande maioria dos jovens com famílias cindidas vive na companhia da mãe e da avó, e não do pai ou do avô. E, na ausência destes últimos, surge então a necessidade de um referencial paterno, de uma figura masculina, que, infelizmente, pode vir a ser o traficante do morro, vez que dotado de autoridade, poder e dinheiro. Alguma incoerência em tal discurso? Creio que não! No ano de 2007, inclusive, um grande jornal do país divulgou um trabalho com esta mesma conclusão. No entanto, ninguém reclamou de nada. Já em 2008, foi a vez de Barack Obama dizer que crianças sem pai têm 20 vezes mais chances de acabarem na prisão. Todavia, mais uma vez o silêncio foi sepulcral. Por fim, em 2016, um estudo de minha instituição revelou não só que dois em cada três jovens infratores vêm de lares sem pai, como também que 60% deles não professam nenhuma religião. Em outras palavras, Deus e família (pai e mãe) são sim inibidores do crime, não havendo como se negar o óbvio. Na realidade, o problema não foi o conteúdo do que foi dito, mas sim por quem foi dito. E isso já bastou para se dar início a um verdadeiro assassinato de reputações. Lamentável! Hoje em dia, creio que tão ou mais grave que a corrupção material e financeira, é a corrupção espiritual, intelectual e de personalidade de alguns. Definitivamente, o maior problema do Brasil é a corrupção da inteligência! Rodrigo Merli Antunes é Promotor de Justiça do Tribunal do Júri de Guarulhos e pós-graduado em Direito Processual Penal*

157 candidatos já foram barrados pela Justiça com base na Ficha Limpa, incluindo Lula (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é o único barrado pela Lei da Ficha Limpa para as eleições deste ano. Até agora, foram 157 candidatos impedidos de prosseguirem na disputa com base em dados ainda parciais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O número representa 6% de todas as 2.599 candidaturas rejeitadas pela Justiça Federal. Restam 27.402 consideradas aptas, entre presidenciáveis, governadores, senadores e deputados federais e estaduais. Em 2014, foram 250 nomes tirados da lista, cerca de 60% a mais do que neste pleito. Ainda assim, não conseguiu barrar Paulo Maluf como deputado federal, que, em 2013, fora condenado em segunda instância por improbidade administrativa. Já se vão mais de oito anos desde que a Lei Complementar 135/10, mais conhecida como Ficha Limpa, entrou em vigor, em 4 de junho de 2010. Passou a valer já nas eleições de 2012, proibindo candidaturas de condenados em segunda instância e sentenciando a oito anos de inelegibilidades aqueles que renunciassem ao cargo para evitar processo de cassação. O texto, que revolucionou a história eleitoral brasileira, é de uma clareza singular, embora ainda não falte quem ouse questioná-lo. Mas esta lei segue viva e atual, cumprindo o seu papel de depuração e ajudando a separar o joio do trigo. Pode até parecer pouco que apenas 6% do total de candidatos seja retido. Mas, sem a Lei da Ficha Limpa, o número de fichas sujas seria certamente bem maior. Cientes das restrições legais, os próprios partidos já fazem sua triagem, impedindo inscrições daqueles que seriam enquadrados pela legislação. Assim, a lei de iniciativa popular, nascida a partir da assinatura de mais de 1,6 milhão de cidadãos, vai mostrando sua importância no processo eleitoral. Seus efeitos são limitados no que diz respeito aos resultados finais, mas é um sopro de esperança para que os eleitores tenham opções de mais qualidade na disputa.

Candidato do PT foi atacado em debate da TV Aparecida (Foto: Reprodução/TV Aparecida)

Nacional

Com a ausência de Jair Bolsonaro (PSL), o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, foi o alvo principal dos adversários durante o debate realizado na noite desta quinta-feira, 20, pela TV Aparecida, na cidade do interior paulista. Estreante num encontro entre os presidenciáveis, Haddad foi questionado sobre denúncias de corrupção envolvendo petistas e a crise econômica originada no governo da presidente cassada Dilma Rousseff. Haddad assumiu a candidatura presidencial do PT somente no dia 11 deste mês, em substituição a Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato e barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Conforme as mais recentes pesquisas, ele está em segundo lugar nas intenções de voto, atrás do líder Bolsonaro - o candidato do PSL permanece internado se recuperando de uma facada. O debate desta quinta-feira foi promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no Santuário Nacional de Aparecida. O Ibope, em sua mais recente pesquisa, mediu as intenções de voto entre os católicos. Jair Bolsonaro lidera e, no dia 18, tinha 25%. Fernando Haddad estava com 21%, mas tinha 9% na pesquisa anterior. A transferência dos votos do ex-presidente Lula lhe deu 12 pontos entre os católicos. Ciro Gomes oscilou para cima, com 13% do eleitorado desta religião. 
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Fala do General Mourão, vice na chapa de Bolsonaro, causou polêmica (Foto: Henrique Barreto/AE)

Opinião

157 candidatos já foram barrados pela Justiça com base na Ficha Limpa, incluindo Lula (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, é uma das maiores representantes do empoderamento feminino no Brasil (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião