16
Sex, Nov

Construção civil começa a reagir, após três anos seguidos de quedas por conta da crise (Foto: Ivo Lindbergh)

Imóveis

Apesar de a recessão e o desemprego seguirem assombrando os brasileiros, este é o momento de avaliar uma compra no setor imobiliário. Principalmente para quem tem dinheiro na mão, o ideal é aproveitar condições que raríssimas vezes aconteceram simultaneamente no Brasil: queda de juros e crédito sobrando.

Essa é a avaliação do professor Marcelino David, especialista em comércio de imóveis da Universidade Presbiteriana Mackenzie. E ela se justifica, já que, em julho, a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) fez estimativa acerca de uma “sobra” de dinheiro para o mercado imobiliário e chegou à conclusão de que os bancos têm R$ 100 bilhões de crédito para esse setor.

Também houve uma queda nos juros para esse tipo de negociação. Em abril, a Caixa reduziu a taxa para financiamento da casa própria de 10,25% para 9% ao ano. O banco também voltou a financiar 80% do preço de imóveis usados. “Vale colocar na ponta do lápis para ver se vale a pena dar uma entrada maior e reduzir o número de parcelas, ou guardar a sobra em um investimento para as últimas quitações”, disse o professor David.

Apesar de o momento ser favorável à compra de imóveis, o especialista alertou que é preciso pesquisar bastante. “As construtoras têm um estoque grande, pode-se conseguir bons descontos. Esse cenário tende a mudar com as eleições, seja qual for o candidato vencedor”, analisou. “O mais importante é não comprometer muito da renda. Fazer os cálculos e só entrar na negociação certo do que fazer”, concluiu.   

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Filme não provoca medo, mas agrada quem gosta de terror (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Filmes de terror e suspense tendem a chamar mais a atenção quando possuem algum vínculo com a vida real. Este é o principal atrativo de A Maldição da Casa Winchester, filme que estreia nesta quinta-feira, 1º, nos cinemas e que reúne uma série de clichês de outros filmes de terror.

A casa em questão realmente existiu.Ffica localizada em San José, na Califórnia, e pertenceu à viúva Sarah Winchester, interpretada pela ganhadora do Oscar, Helen Mirren, uma mulher atormentada pela morte do marido e de uma filha e de milhares de almas vítimas de disparos dos rifles produzidos pela fábrica Winchester.

No filme, Helen detém 51% das ações da empresa e se sente culpada pelas vidas perdidas com o mercado de armas. Para tentar aliviar sua dor, Helen começa a construir cômodos em sua mansão para acalmar as almas que morreram violentamente em conflitos com armas de fogo, em construções que se prolongam dia e noite, incessantemente.

Assim, como na vida real, muitos dos cômodos construídos possuem janelas para outros quartos, sem janelas, com portas que levam a lugar nenhum, entre outras bizarrices. Ciente da insatisfação da sócia majoritária com os reflexos do próprio negócio, os demais proprietários da fábrica decidem pedir ao psiquiatra Eric Price (Jason Clarke) elaborar um perfil de sanidade da viúva, com intuito de afastá-la de suas funções.

Com uma história acelerada, resumida em 1h39min, o filme traz clichês como um espírito vingativo, um inocente que sofre com a influência dos demais espíritos e um desconhecido que chega para resolver um problema ao qual tinha alguma ligação. Price tem um vício em uma substância médica, fato utilizado que talvez não fosse necessário, uma vez que não causa impacto na história.  

O filme não assusta tanto, mas vale ser visto pelos amantes do gênero e pelos que buscam mais informações sobre a Casa Winchester. A obra é dirigida pelos irmãos Peter e Michael Spierig.

Craque se recupera em casa de R$ 28 milhões (Foto: Reprodução/Instagram)

Futebol

O atacante Neymar passou por uma cirurgia para reparar uma fratura no quinto metatarso (osso que se conecta ao dedo mindinho) do pé direito, no último sábado, em Belo Horizonte. De acordo com o médico responsável pela operação, Rodrigo Lasmar, o procedimento foi bem-sucedido e o camisa 10 do PSG já recebeu alta.

Enquanto o craque se recupera no Rio de Janeiro, em uma casa avaliada em R$ 28 mi, alguns internautas produziram memes sobre a situação vivida pelo jogador. A atriz Bruna Marquezine, namorada do atleta, e até o anúncio de um “possível feriado nacional” foram utilizados em montagens compartilhadas nas redes sociais.

Marquezine deu vida à pequena Salete na novela “Mulheres Apaixonadas”, que foi ao ar na Globo em 2003. Na trama, a menina, de sete anos, tinha visões ruins e chorava com frequência. Inclusive, ela pressentiu a morte de sua mãe, interpretada pela atriz Vanessa Gerbelli.

Aproveitando as características da personagem de Bruna, um internauta fez uma montagem com Salete e Neymar numa cama de hospital. A criança parece consolar o craque por causa da lesão.

Vale ressaltar que a atriz acompanha o jogador desde a sua chegada ao Brasil. Segundo o jornal Agora S. Paulo, ela até teve folga nesta segunda para visitar o namorado. A assessoria de imprensa da TV Globo negou a informação e afirmou que Marquezine gravou cenas da novela “Deus Salve o Rei”.

meme Neymar 2

Feriado nacional

A repercussão sobre a lesão e a cirurgia de Neymar foi muito grande na imprensa brasileira. O canal de TV fechada, SporTV, da Globosat, chegou a interromper por alguns segundos a transmissão da partida entre Ferroviária x Mirassol, válida pelo Campeonato Paulista, para mostrar a chegada do craque ao hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, na noite da última sexta-feira, 2. Por conta deste alarde, alguns internautas sugeriram que deveria ser feriado nacional no Brasil.

meme Neymar 4

 

meme neymar 5

meme neymar 1

Até uma possível operação de Neymar no SUS virou meme (Foto: Reprodução/Facebook)

Recuperação

A pouco mais de cem dias da estreia do Brasil na Copa do Mundo na Rússia, o jogador mais caro da história do futebol terá uma mansão avaliada em R$ 28 milhões como seu "quartel-general" no início da recuperação da fratura no quinto metatarso do pé direito, lesão sofrida em 25 de fevereiro e que se tornou um empecilho na tentativa de Neymar de conduzir a seleção ao hexacampeonato. 

Foi para essa mansão, localizada em Mangaratiba, no litoral fluminense e a 130 quilômetros do Rio, que Neymar seguiu neste domingo, após receber a alta hospitalar do Mater Dei, em Belo Horizonte, onde foi operado, em intervenção bem-sucedida, realizada no sábado por Rodrigo Lasmar, da seleção brasileira e do Atlético-MG, que cedeu outros dois médicos para a operação. 

Embora tenha sofrido uma lesão assustadora nas quartas de final da Copa do Mundo de 2014 contra a Colômbia, quando fraturou duas vértebras, Neymar agora começa a se recuperar da contusão mais grave da sua carreira, ao menos em tempo de afastamento dos gramados, pois Lasmar, antes mesmo da operação, havia afirmado que ele ficaria entre dois meses e meio e três meses sem jogar.

*Com informações da Agência Estado

Cantora conta "segredo" em programa nos EUA (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Além da possibilidade de voltarem aos palcos, as Spice Girls anunciaram uma novidade na terça-feira, 27: elas foram convidadas para o casamento do príncipe Harry com a atriz americana Meghan Markle. A festa está marcada para 19 de maio, no castelo de Windsor, em Londres.

Em entrevista ao programa "The Real", talk show dos Estados Unidos, a cantora Mel B contou que as cinco Spice Girls foram convidadas para cantar na cerimônia. "Não sei se deveria ter dito isso, mas...", brincou a cantora. "Por que sou tão sincera?". Apesar disso, não há anúncio oficial confirmando a presença das cantoras na cerimônia.

Em novembro de 2017, uma notícia do jornal inglês The Sun  levantou a possibilidade do grupo britânico lançar um novo álbum. Elas estariam organizando o retorno, mas a dificuldade seria conciliar a agenda das cinco integrantes.

O grupo, formado por Emma Bunton, Victoria Beckham, Geri Halliwell, Mel B e Mel C nasceu em 1994, fez sucesso ao redor do mundo com hits como "Wannabe" e teve uma pausa em 2000. Elas fizeram uma nova turnê entre 2007 e 2008, e até então estiveram separadas. A última apresentação das artistas foi nas Olimpíadas de Londres, em 2012.

Casão cita Panteras Negras, Muhammad Ali e Democracia Corinthiana para justificar sua opinião (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

O ex-jogador e atual comentarista Walter Casagrande Jr. rebateu o seu companheiro de Globo, Tiago Leifert. Em texto publicado na revista GQ nesta terça, 27, Casão defendeu que atletas se posicionem politicamente durantes eventos esportivos. Uma visão completamente contrária à exposta por Leifert, na mesma publicação, na última segunda-feira, 26. 

Apesar de claramente contrariar o apresentador, o ex-atleta não o citou em nenhum momento em sua coluna. Casão mencionou que participou ativamente do movimento conhecido como “Democracia Corinthiana”, do qual era um dos líderes ao lado de Sócrates, no início da década de 80.

“Hoje, eu não poderia ter feito o que fiz? A manifestação do Corinthians em prol da democracia, assim como os Panteras Negras na Olimpíada de 1968, contribuíram para um mundo melhor”, escreveu Casagrande.

O comentarista, indiretamente, referiu-se ao deputado federal Jair Bolsonaro, que, provavelmente, concorrerá à Presidência nas eleições de outubro. Casão o criticou, sem citar seu nome, por ele apoiar a ditadura militar.

“Lamentar é a solução mais óbvia. Prefiro enfrentar com diálogo. Afinal, esta é a grande conquista da democracia. Foi por isso, para ter liberdade de pensar, falar, vestir-se como quiser, de ter o partido político que preferir e defender as bandeiras em que acreditar que lutamos durante 21 anos. Todas essas manifestações, desde que feitas dentro da lei, com respeito e valores, fazem parte de uma democracia madura”, pontuou Casagrande.

Então, o ex-jogador voltou a falar sobre esporte e política, defendendo que os dois assuntos se misturem. ‘Daí a importância do esporte como palco, sim, de discussões políticas. Por que os atletas deveriam se abster? A democracia dá o direito a donas de casa, cabeleireiros, taxistas, apresentadores de televisão e também a atletas profissionais de se manifestarem politicamente. Faz parte do jogo”, afirmou.

Para justificar sua opinião, Casão recordou o gesto dos americanos Tommie Smith e John Carlos, medalhistas na Olimpíada de 1968, na Cidade do México. Ao subirem no pódio, os velocistas ergueram os braços com os punhos cerrados, gesto característico de membros do Partido dos Panteras Negras, fundado em 1966, nos EUA.

“Mostraram o quão urgente era a discussão sobre o racismo”, avaliou o comentarista, que, também, citou o boxeador Muhammad Ali, morto em 2016. “[...] negou-se a combater no Vietnã justamente por saber o valor que a decisão de um ídolo do esporte teria em torno do debate da guerra[...]”.

Ao contrário de Leifert, Casão mostrou apoio aos atletas que se ajoelhavam durante a execução do hino americano em eventos esportivos, como jogos da NFL e da NBA. O ato era um prostesto contra a morte de negros em ações policiais. O comentarista ainda disse que quem é contra a manifestações de esportistas, possui “ideias reacionárias”.

“Quem proíbe o jogador de participar disso está, indiretamente, apoiando ideias reacionárias.E o caminho é inverso. Em um momento tão polarizado, extravasar isso é essencial. Só com o diálogo chegaremos a algum lugar. Espero que o esporte em geral continue exercendo sua função de servir de palco para ampliar as grandes discussões de um país, do mundo, para além da diversão. Viva a democracia”, finalizou.

 

 

Leilão de imóveis é um negócio transparente e seguro, mas nem sempre rápido (Foto: Lucas Dantas)

Cidade

 O sistema de leilões tem expandido cada vez mais seus horizontes e tem se tornado uma opção para quem sonha em adquirir casa própria. O problema é que muitas pessoas ainda possuem dúvidas sobre como funciona este modelo de negócio.

Segundo André Zukerman, diretor da Zukerman Leilões, ao contrário do que muitos pensam, o leilão de imóveis é um processo de venda transparente e seguro. Este modelo de plataforma comercial atualiza o valor da propriedade em tempo real, de acordo com os lances, com intuito de permitir uma quantia que o mercado está disposto a pagar.

Uma das principais dúvidas dos interessados, porém, é o fato de a maioria dos imóveis estarem ocupadas e o risco de a unidade se achar habitada, o que pode vir a gerar um prejuízo financeiro e emocional ao comprador.

No caso da desocupação, para pregões extrajudiciais, o processo tornou-se mais ágil. Nele, o novo dono pode requerer a disponibilidade junto à Justiça e uma liminar pode definir um prazo de até 60 dias, na maioria dos casos. “Já nos judiciais, dez dias após a homologação do pregão, caso a transação amigável não seja bem-sucedida, o comprador deve requerer ao juiz da causa a desocupação. Nessas situações, quando a propriedade já está envolvida em algum processo judicial, significa que um juiz a colocou em leilão para utilizar o valor arrecadado na quitação das dívidas das mais diversas naturezas”, explicou Zukerman. 

Segundo o especialista, o cliente deve procurar empresas que possuem uma boa estrutura, composta por profissionais capacitados, o que garante a transparência por meio de canais de atendimento especializados, assegurando que não ficará nenhuma dúvida

Imóveis sustentados viram nova tendência

A procura por imóveis residenciais e comerciais ganhou um item a mais. A geração atual de compradores não busca apenas por localização, lazer, tamanho ou preço. O cuidado com o meio ambiente também é um fator decisório, segundo especialistas ouvidos pela reportagem.

“A preocupação com o futuro do planeta e o aumento da conscientização ambiental têm feito as pessoas optarem por imóveis que reutilizam recursos como água, reduzam o gasto com energia, optem por materiais menos poluentes, madeiras de reflorestamento com selo verde, entre outros”, disse Daniel Katz, presidente da Katz Construções.

Daniel Katz Katz Construções DIVULGAÇÃO

Eficiência - Kratz afirma que eficiência energética atrai clientes (Foto:Divulgação) 

Um exemplo é o bairro Jardim das Perdizes, que conta com eficiência energética e vagas para veículos híbridos e elétricos. Já o Edifício Eco Berrini, em bairro de mesmo nome, tem um sistema de ar-condicionado inteligente, que controla vazão de ar de acordo com a necessidade

Em outros Estados, merecem destaque o Edifício Eurobusiness, em Curitiba, que tem elevadores inteligentes para economizar energia, e o Beverly Hills, de Minas Gerais, que conta com dispositivos para economia de água, captação de águas pluviais, aquecimento de água com uso de energia solar e iluminação com LED.

“O empreendimento também disponibiliza medição individual de consumo de água, luz e gás, o que permite que cada morador pague exatamente o que consumir, evitando assim o desperdício”, explicou o engenheiro responsável pelo Beverly Hills, Lucas Horta. O prédio ainda garante a acessibilidade de pessoas com deficiências.

Contemplação pode ocorrer por lance ou por sorteio (Foto: Divulgação)

Cidade

Com exigências cada vez mais difíceis para o financiamento de imóveis, o consórcio tem se tornado uma opção para quem quer realizar o sonho da casa própria. Segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), foram vendidas 284,7 mil cotas de consórcio de imóveis, resultado 26,4% superior às vendas de 2016. O crescimento do volume de crédito gerado por este negócio é maior ainda, com alta de 45,1%, ou seja, em R$ 38,77 bilhões.

Somente neste ano, ocorreram 74,5 mil contemplações, com R$ 7,3 bilhões de crédito liberados em um ano que se encerrou com 832 mil participantes ativos. Para o diretor-geral da BR Consórcios, Rodolfo Montosa, o consórcio é mais acessível ao bolso do brasileiro por não ter juros e cobrar apenas uma taxa administrativa embutida no valor da parcela. “Hoje trabalhamos com o prazo máximo de 200 meses para imóveis. Esses tipos de consórcios possuem vários grupos com características diferentes para atender à necessidade de cada pessoa”, explicou Montosa.

Quando se compra uma cota de consórcio, seja de carro, moto, imóvel ou serviço, a administradora coloca o cliente em um grupo de pessoas que desejam o mesmo bem e que pagam antecipadamente por ele. Diferentemente do financiamento, o consorciado não entrega o objeto de desejo na hora, por isso a taxa cobrada pela administradora é mais barata que os juros de financiamento.

Para receber o bem, o cliente precisa ser contemplado por sorteio ou por lance. A segunda opção é um de leilão, na qual quem ofertar o maior valor tem o montante abatido da dívida e recebe uma carta de crédito. Sem contemplação, o valor pago é devolvido no final ao cliente.

Venda de imóveis em SP tem reação e surpreende

Após três anos consecutivos com vendas em queda, o mercado imobiliário da cidade de São Paulo voltou a crescer no ano passado. As vendas de imóveis atingiram 23.629 unidades em 2017, uma expansão de 46,1% em relação a 2016. O resultado surpreendeu o setor, que esperava um crescimento de 5% a 10% ao ano.

A pesquisa foi divulgada, na terça-feira, 20, pelo Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) e considera apenas os imóveis residenciais novos. “Os números do mercado imobiliário em 2017 nos surpreenderam”, disse o presidente do Secovi-SP, Flávio Amary. O executivo atribuiu o forte crescimento do setor à recuperação da economia brasileira, com redução dos juros e estabilidade no nível de empregos, o que ajudou a recompor parcialmente a confiança de consumidores. “Houve uma melhora do cenário macroeconômico. Vemos nos plantões de venda a percepção de melhora entre os consumidores e o aumento da confiança em assinar o cheque”, comentou.

predio SP

Resultado superou a expectaiva do setor de venda de imóveis. (Foto: Rafael Nedodermeyer/Fotos públicas)

O lançamento de novos projetos também cresceu, totalizando 28.657 unidades – aumento de 48% em relação a 2016, ano em que o mercado imobiliário registrou a menor quantidade de vendas e lançamentos desde 2004.

Segundo Amary, parte significativa dos novos projetos está relacionada ao crescimento do programa Minha Casa Minha Vida, que está com demanda aquecida e com boas condições de crédito. O programa foi responsável por 4.154 lançamentos em São Paulo em 2016, ou 23% do total. Já em 2017, subiu para 10.343 unidades, 36%.

*Com informações da Agência Estado

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

or
or