Tempo seco é chamariz para incêndio, como ocorreu na segunda-feira, 16, no Pico do Jaraguá (Foto: Ivo Lindbergh)

Saúde

O tempo seco que atinge a capital paulista deve continuar nesta semana e não há previsão de chuva. O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) prevê que os baixos índices de umidade dos últimos dias continuem, com qualidade do ar prejudicada e potencial para queimadas.

Um incêndio atingiu a região do Pico do Jaraguá, na zona norte de São Paulo, na manhã desta segunda-feira, 16. O pico é conhecido por ser o ponto mais alto da região metropolitana.

De acordo com o CGE, uma massa de ar seco seguirá atuando na região centro-sul do Brasil. Os dias serão ensolarados, com baixos índices de umidade do ar durante as tardes e grande amplitude térmica.

O CGE alerta que persistem os problemas relacionados à saúde, principalmente com crianças e idosos. Há ainda possibilidade de formação de queimadas e incêndios florestais, o que pode prejudicar ainda mais a qualidade do ar.

Em São Paulo, esta semana será diferente da anterior, quando a capital teve a madrugada mais fria do ano. Nos próximos dias, as temperaturas baixas ocorrerão durante a madrugada e terão rápida elevação no decorrer do dia, com predomínio de sol e poucas nuvens.

Nesta segunda-feira, as mínimas oscilaram em torno dos 13º C e máximas podem chegar aos 29º C. Já na terça-feira, 17, a mínima permanece na faixa de 13º C, com máxima que pode chegar a 28ºC.

Já a quarta-feira será marcada mais uma vez pelo predomínio de sol entre poucas nuvens e sem expectativa de chuva. A previsão de temperatura mínima será de 14°C e a máxima, de 28°C. Os percentuais de umidade do ar seguirão baixos, variando entre 30% e 80%.

Como se prevenir

- Não faça exercícios físicos em grandes avenidas.

- Tome bastante líquido.

- Evite ir a parques entre as 10h e 17h quando a umidade do ar estiver baixa.

- Deixe um recipiente com água ou uma toalha molhada no quarto antes de dormir.

- Não use o umidificador elétrico por muitas horas seguidas. O ambiente pode ficar muito úmido e causar mofo e bolor.

- Lave as narinas com soro fisiológico e/ou faça inalações com o mesmo produto.

- Mantenha os ambientes arejados e livres de tabaco e poeira.

- Evite permanecer por muito tempo em lugares fechados em que haja grande concentração de pessoas, como shopping centers, cinemas e supermercados.

- Se tiver cachorro ou gato, evite deixar seu animal dentro de casa. O pelo pode causar alergia.

- Substitua cobertores por mantas de tecido sintético ou algodão.

- O consumo de bebidas muito geladas deve ser eliminado ou, ao menos, evitado.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Fogo foi controlado na manhã desta segunda (Foto: Reprodução/Facebook)

Mundo

Subiu para 64 o número de mortos no incêndio ocorrido em um shopping em Kemerovo, cidade da Sibéria,  3 mil quilômetros a leste de Moscou. As chamas foram extintas na manhã desta segunda-feira.

Alguns dos mortos estavam dentro de um cinema, que segundo uma testemunha estava trancado. Havia ainda crianças entre os mortos e dez pessoas estavam hospitalizadas. Cerca de 200 animais também devem ter morrido, segundo as autoridades. A agência de notícias Tass informou que um zoológico de bichos de estimação do local tinha, por exemplo, coelhos, porcos, tartarugas, cabras e roedores.

As autoridades investigam o episódio, para apurar as causas do fogo. Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov disse a repórteres nesta segunda-feira que ainda é muito cedo para tirar conclusões sobre eventuais responsabilidades no incêndio e por problemas na resposta ao fogo.

O papa Francisco disse estar "profundamente entristecido" com o episódio. Ele enviou nesta segunda-feira um telegrama de condolência às vítimas, "especialmente as muitas crianças que perderam suas vidas". Também mandou uma bênção aos feridos e aos que ajudam nas buscas dos desaparecidos

Empresa afirma que notícias sobre inverno rigoroso são falsas (Foto: ABR)

Nacional

A Climatempo não vê possibilidade alguma de termos um inverno rigoroso, muito menos o mais rigoroso do que os últimos cem anos, como vem sendo veiculado de forma irresponsável por alguns sites. Climatologicamente, estaremos em uma situação de Pacífico ligeiramente mais quente do que o normal, sem pensar em formação de El Niño por enquanto. Sob esta condição, espera-se por um inverno dentro da normalidade, ou até mesmo ligeiramente mais quente do que o normal.


Nem El Niño, nem La Niña


Os principais centros de análise do clima global e de monitoramento de fenômenos como El Niño e La Niña concordam que não teremos nenhum destes fenômenos oceânicos no decorrer do outono/inverno (primavera/verão) de 2018 no Hemisfério Sul (Norte). A situação é de neutralidade com tendência de aquecimento. Assim, não há nenhuma mudança oceânico-atmosférica que force um resfriamento ou aquecimento fora do normal sobre a América do Sul no outono/inverno de 2018.


"Estas condições oceânicas são parecidas com o que se observou no outono/inverno do ano passado, que não teve eventos extremos", explica o meteorologista Alexandre Nascimento, um dos especialistas em análise climática da Climatempo.

Nascimento completa que "não há expectativa de frio extremo para o Brasil este ano. Vamos ter, sim, alguns eventos de frio intenso, alguns dias de geada forte no Sul, algum evento de geada em estados como Mato Grosso do Sul e São Paulo, mas nada muito fora do que normalmente ocorre nestas estações.

Incêndio começou na madrugada desta terça-feira (Foto: Divulgação/Twitter Bombeiros)

Cidade

Segundo o Corpo de Bombeiros, o homem que caiu do prédio em chamas durante o desabamento ainda é considerado desaparecido. A corporação ainda busca por outras vítimas. 31 viaturas e 96 homens trabalham no local. O edifício de 24 andares localizado no Largo do Paissandu, no centro de SP, desabou durante um incêndio de grandes proporções na madrugada desta terça-feira, 1º. Outro imóvel e uma igreja também foram afetados. Inicialmente, autoridades chegaram a dizer que uma pessoa havia morrido, mas recuaram. 

Segundo o secretário estadual da Segurança Pública, Mágino Alves, ao todo 270 bombeiros, policiais e agentes da Defesa Civil estão no local. Bombeiros fazem trabalho de rescaldo e remoção dos escombros. "Tudo isso precisa ser feito com muito cuidado porque há a possibilidade de pessoas estarem aí, sob os escombros", diz Mágino Alves.

O prédio em frente ao que desabou voltou a pegar fogo. Bombeiros entraram no prédio para apagar o novo foco, que já foi controlado. Vidros foram quebrados para o vento circular dentro da edificação.

Segundo o secretário municipal de Assistência Social, Filipi Sabará, 90 famílias já foram atendidas, no total de 248 pessoas. Elas serão encaminhadas para abrigos.

Segundo o secretário municipal de Segurança Urbana, coronel José Roberto Rodrigues, de quatro a cinco prédios foram interditados no entorno do edifício que desabou.

Homem caiu bem na hora em que estava sendo resgatado (Foto: Reprodução/Twitter Bombeiros)

Cidade

Sobre o homem que estava sendo resgatado por um bombeiro e caiu no momento em que o prédio desabou, o capitão do Corpo de Bombeiros, Marcos Palumbo, disse que "só um milagre" para que ele esteja vivo. Ele estava com um cinto de resgate e uma corda e ainda não foi localizado. O edifício desabou durante um incêndio de grandes proporções no Largo do Paissandu, no centro da cidade, na madrugada desta terça-feira, 1º.

"Mantemos um fio de esperança, mas ele caiu do nono andar e todo o prédio de 22 andares desabou. Precisaria de um milagre. Mas trabalhamos incessantemente apesar disso. Nosso trabalho é garantir a segurança e continuar no objetivo de encontrá-lo."

Sobre as causas do incêndio e desabamento do prédio o capitão do Corpo de Bombeiros disse que ainda não há uma hipótese. Segundo ele, a polícia levantará as informações necessárias e a causa será apontada no inquérito.

O porta-voz da corporação reforçou o fato de que o prédio passou por vistoria e que o relatório foi encaminhado ao Ministério Público para que as ações fossem tomadas. "Todos os órgãos não vão sozinhos resolver o problema. A gente espera que esses relatórios possam ser empregados para tirar as pessoas da situação de risco", disse.

Segundo o tenente Guilherme Derrite, não há risco de desabamento em nenhuma das outras três edificações atingidas pelo desabamento, que seriam a igreja, o prédio ao lado e o da frente.

O Corpo de Bombeiros disse que a assistência social da Prefeitura informou que no prédio moravam 317 pessoas de 118 famílias. Dessas, 45 pessoas não foram localizadas após o desabamento, mas não são consideradas oficialmente desaparecidas porque não há confirmação de que no momento da queda elas estavam no local. O prédio tinha dois andares de subsolo que também era ocupado por moradores

O Corpo de Bombeiros informou que os trabalhos devem continuar durante a noite desta terça-feira e já foi providenciada iluminação artificial para a área. Sobre o prazo de 48 horas para uso de maquinário pesado o capitão Palumpo explicou que, nesse período, os bombeiros vão trabalhar para remover entulhos do entorno da área do desabamento.

"Depois desse prazo é que começaremos a remover lajes com ajuda de maquinário e dar continuidade às buscas. Agora, isso não pode ser feito por questões de segurança", disse. Os trabalhos na área podem se estender por mais de uma semana, disse o oficial.

Por questões de segurança, imóveis na região central de São Paulo são interditados pelo poder público (Foto: Reprodução/ Google Street View)

Cidade

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou nesta terça-feira, 1º, que tomou providências de segurança no entorno do prédio que desabou hoje no Largo do Paissandu, em São Paulo, após um incêndio. Pelo risco de novos acidentes, cinco edificações próximas estão interditadas, assim como algumas ruas ao redor vão permanecer bloqueadas pelos próximos dias para ajudar na remoção dos escombros.

"Foram feitas cinco interdições de prédios ali do entorno, próximo ao prédio que caiu", disse Covas durante entrevista coletiva. "As ruas do entorno estão sendo combinadas com o Corpo de Bombeiros sobre quais delas devem ser isoladas e interditadas", completou. As vias devem ficar fechadas para a circulação de pessoas pelos próximos 15 dias. A prefeitura pretende comunicar em breve quais são os bloqueios.

Covas afirmou na entrevista que lamenta o grave incidente no centro de São Paulo principalmente pela Prefeitura ter tentado meses atrás pedir para os moradores deixarem o local. "Só neste ano foram seis reuniões feitas entre a Secretaria de Habitação e as pessoas que lá moravam. Fizemos cadastro, tentamos convencê-los a sair. Tinha um processo conjunto para que as famílias desocupassem aquele espaço. Sabíamos que não era o local adequado para receber aquelas famílias", comentou.

Incêndio

O incêndio que atingiu o prédio de 24 andares no Largo do Paissandu começou à 1h30 e logo tomou conta do edifício. Os bombeiros foram chamados e trabalhavam para apagar o fogo e resgatar as vítimas quando ocorreu o desabamento. Oficialmente há uma pessoa desaparecida. As famílias que moravam no local foram enviadas para abrigos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, não houve vítimas (Foto: Reprodução/TV Globo)

Cidade

Um incêndio no pátio da CET, na Praça Alberto Lion, 100, no Cambuci, queimou 22 carros que estavam apreendidos no local, segundo informações do Corpo de Bombeiros. 

Ainda de acordo com a corporação, que usou 11 viaturas para a ocorrência, o fogo começou a se alastrar por volta das 12h. Por volta das 15h, o incêndio foi extinto pelos bombeiros. Não houve vítimas. As causas do fogo não foram informadas. 

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Bolsonaro atraiu filiações ao PSL (Foto:Fernando Frazão/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

Apenas partidos pequenos aumentaram o número de candidatos nas eleições deste ano em relação a 2014. Enquanto siglas tradicionais como PT, PSDB, MDB, PDT e PSB reduziram a quantidade total de registrados, houve um aumento expressivo entre as siglas de menor porte. O partido de Jair Bolsonaro, o PSL, é o que mais apresentou candidatos - 1.451, um aumento de 74,4% em relação a 2014. Das 35 siglas existentes, 12 vão ter mais postulantes neste ano do que nas últimas eleições gerais - PSL, PROS, Avante, Podemos, PRB, Solidariedade, PMN, PCO, PSOL, Patriota, PRTB e PPL. Há ainda três partidos que vão estrear nas urnas em âmbito nacional: Rede, Novo e PMB, que, juntos, somam 1.606 candidaturas. Os números têm como base os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É possível que haja pequenas alterações até o dia 20, quando as informações estarão 100% atualizadas. A legenda que registrou a maior variação porcentual no número de candidaturas foi o PCO (142,8%). A sigla, no entanto, é um ponto fora da curva - tinha apresentado somente 49 candidatos em 2014 e, agora, lançou 119. Em seguida, vem o PROS, com 1.018 candidatos, ante 485 em 2014 (aumento de 109,9%, mais que o dobro de um pleito para o outro). Entre os que mais reduziram candidatos, estão PCB (diminuição de 45,2%), PTB (-33,4%) e PSTU (-31,9%). Entre as siglas maiores, PSB (-31,4%), PSDB (-18,3%) e PDT (-16,4%) tiveram os maiores índices de diminuição de candidatos. O PT registrou queda de 6,8% e o DEM, de 5,5%. Segundo o cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, uma das explicações para este cenário pode ser a cláusula de barreira, que, a partir de 2018, impõe aos partidos desempenho mínimo para que sejam autorizados a ter acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV no horário eleitoral. "Os pequenos estão em busca de capilaridade", disse Teixeira. A nova regra exige, para este ano, que as legendas tenham 1,5% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação e com 1% em cada uma dessas unidades. A cláusula aumenta gradativamente até 2030 e busca afunilar o sistema partidário brasileiro, altamente fragmentado. Para a cientista política Luciana Veiga, professora da UNI-Rio, a estratégia faz sentido e pode servir à sobrevivência. "Mesmo que não elejam muitos nomes, os partidos com várias candidaturas têm chance de alcançar a cláusula com uma votação mais pulverizada." Um caso mais específico é o do nanico PSL, que, com a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República, atraiu deputados na janela partidária e, agora, busca se consolidar com a ampliação da bancada no próximo pleito. "O PSL não tinha nada, arranjou meia dúzia de deputados e agora precisa crescer (para se manter vivo)", afirmou Teixeira. Conforme o Estado mostrou na quarta-feira, a nova casa de Bolsonaro registrou mais de 13,6 mil filiações em 2018, impulsionadas pela figura do presidenciável. Trata-se de número quatro vezes maior que o dos partidos adversários na disputa pelo Palácio do Planalto. Concentração Quanto aos partidos tradicionais, o motivo da diminuição de candidaturas passa por um uso mais direcionado dos recursos do fundo eleitoral. Com as regras inéditas de financiamento de campanha, as siglas apostam mais em candidaturas viáveis, com pouca abertura à renovação. É o caso do PSB, a legenda tradicional que mais reduziu o número de postulantes. A estratégia, segundo o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, é concentrar os recursos em campanhas com grandes chances de vitória. "O novo fundo não facilita a renovação", afirmou ele. O PSB não tem candidatura própria à Presidência da República e não compõe nenhuma coligação, mas conta com nomes fortes em eleições regionais. "O fundo eleitoral concentra muitos recursos nos grandes. O problema dos maiores não é dinheiro, não é sobrevivência. É otimizar os cargos que já têm", afirmou Luciana Veiga. 

Candidatos ao governo fizeram questão de mencionar presidenciáveis (Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Cidade

Os candidatos ao governo de São Paulo presentes no primeiro debate televisionado, na Band, aproveitaram o último bloco do programa para nacionalizar a discussão. Houve menções ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), bem como contra a polarização política no País. O ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT) disse ser, com orgulho, amigo de Lula e candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes. No fim do bloco anterior, Marinho havia feito a primeira menção dele a Lula no debate. Em embate com Rodrigo Tavares (PRTB), ele disse que os governos petistas combateram a corrupção e afirmou que o PT "é a grande esperança" do povo brasileiro. Tavares citou a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), cujo vice, general Hamilton Mourão, é do PRTB. Marinho citou ainda acusações de corrupção contra o PSDB. O tucano João Doria o rebateu nas considerações finais e falou que o petista não pode comparar Alckmin a Lula. "Alckmin tem mais de 40 anos de vida pública ilibada. Lula está preso em Curitiba", afirmou. Ele cobrou ainda "respeito" do petista, que no final do bloco anterior havia mencionado o nome da esposa do ex-prefeito paulistano, Bia Doria. "Ela não é ré como o senhor", disse. Na despedida do público, Rodrigo Tavares também atacou Alckmin. "Ele fez bom trabalho sim no Estado de São Paulo, mas como anestesista. Ele anestesiou o Estado de São Paulo", afirmou. Nos apontamentos finais, Márcio França (PSB) levou novamente a discussão para o nível nacional. Ele disse que a população de São Paulo vê os exemplos do PT, do PSDB e do MDB e que só ele representa a mudança. O governador paulista lembrou também a mediação dele na greve dos caminhoneiros. Paulo Skaf (MDB) encerrou o debate exaltando as escola do Sesi, que ele usou para criticar ensino estadual de São Paulo. Antes disso, coube ao empresário a primeira das duas únicas menções a Deus no debate. A segunda foi de Lisete Arelalo (PSOL), que disse que o povo "deu graças a Deus" pela renúncia de alguns candidatos. Ela afirmou ainda que vai seguir com o legado da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em 14 de março. Marcelo Cândido (PDT) ressaltou a experiência como prefeito de Suzano (SP).

Para a maioria dos eleitores, Bolsonaro e Alckmin são os favoritos para avançarem na disputa (Foto: Daniel Teixeira e Adriana Spaca/AE)

Nacional

Uma nova pesquisa sobre as intenções de voto à Presidência da República, divulgada na quarta-feira, 15, pelo Instituto Paraná, mostra que o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) devem se enfrentar no 2º turno, caso o ex-presidente Lula (PT) tenha sua candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Questionados sobre percepção de quais candidatos vão para a segunda fase das eleições, 43,3% apostam em Bolsonaro e 26,7% no tucano. Neste quesito, Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com a expectativa de 21% dos eleitores. Em seguida aparece Marina Silva, com 20,7%, e Fernando Haddad (PT), provável substituto de Lula, tem 10,1% das apostas.  Mas nas intenções de voto, Lula, mesmo preso, ainda lidera com 30,8%, um crescimento de quase 2% na comparação com a pesquisa anterior feita pelo mesmo instituto. No cenário com Lula, Bolsonaro é o segundo colocado, com 22%, e Alckmin, que na pesquisa anterior tinha uma desvantagem de 3% para Marina Silva (Rede), viu a diferença para ela cair pela metade. Marina tem 8,1% das intenções de voto e ele 6,6%. No cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 23,9% das intenções de voto. Com a saída do ex-presidente da disputa, Marina Silva e Ciro Gomes (PDT) parecem receber parte de seu eleitorado, e ficam à frente do tucano. Marina chega a 13,2%, Ciro fica com 10,2% e Alckmin  8,5%. Esta é a primeira pesquisa divulgada após o debate realizado pela Rede Bandeirantes, na semana passada, e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o no BR-02891/2018. O levantamento foi feito com 2.002 eleitores, em 168 municípios brasileiros, entre os dias 9 e 13 de agosto de 2018. A margem de erro, para mais ou para menos, é de 2%.  

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião

Depois que alguns presidenciáveis apresentaram suas propostas para o País, no debate da semana passada, hoje é a vez de sete candidatos ao Governo do Estado de São Paulo fazerem o mesmo na Band, a partir da 22h. É uma grande chance para alguns deles saírem da obscuridade e mostrarem seus programas de gestão e, principalmente, seus rostos, para um eleitorado que não tem dado tanta atenção a eles. É uma brecha aberta inclusive para o governador Márcio França, que, embora no cargo desde abril –, quando Alckmin deixou o posto para concorrer à Presidência –, ainda luta para se fazer mais conhecido entre os eleitores, que podem dar a ele a chance de continuar ocupando o Palácio dos Bandeirantes, como chefe do Executivo. E o que não falta na história política paulista é a figura de vice que conseguiu alçar voo solo e ganhou o papel de protagonista. O próprio Alckmin é um destes, que, com o agravamento da doença de Mario Covas, em janeiro de 2001, assumiu interinamente o governo e, depois, ratificou nas urnas sua permanência. Há semelhanças entre os dois, como o fato de eles terem iniciado na política longe da Capital, sendo vereador e prefeito de suas respectivas cidades natais, depois deputado federal, até serem convidados para comporem a chapa que venceria o governo paulista. Mas, certamente, o desafio de França é bem maior do que aquele encarado por Alckmin, 16 anos atrás. A começar pelo enfrentamento com dois fortes concorrentes, que até outro dia era também seus aliados: Paulo Skaf e João Doria. O emedebista e o tucano lideram com folga a corrida ao Bandeirantes e, se nada mudar até 7 de outubro, estarão no segundo turno. E o problema do atual governador é justamente se interpor entre seus concorrentes. Terá a primeira chance hoje. Para isso precisa mostrar à audiência que é diferente de ambos, e dos demais, e que tem mais a oferecer. Só que do outro lado estarão dois experientes debatedores, já testados em eleições anteriores. Já França faz sua estreia em um programa deste nível. É mais um obstáculo para o político de São Vicente superar, se quiser seguir adiante na disputa.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Vale a reflexão sobre o desarmamento no Brasil (Foto: Arquivo/ABR)

Opinião

Juntos, os hospitais filantrópicos, como é o caso das santas casas, acumulam uma dívida de R$ 21 bilhões (Foto: Edson Lopes Jr/ (Arquivo) – A2 Comunicações/Fotos Públicas)

Opinião

Excessos nas redes sociais podem ser prejudiciais (Foto: USP Imagens/Fotos Públicas)

Opinião

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião