16
Sex, Nov

Casais com dificuldade de gerar filho podem contar com ajuda eficaz da ciência (Foto: Divulgação)

Saúde

As mulheres que desejam engravidar e, para isso, necessitam recorrer à ajuda da ciência para atingirem o seu objetivo, devem ficar atentas: desde o final de 2017, o Conselho Federal de Medicina (CFM) atualizou e anunciou nova resolução (n0 2.168/2017) para utilização dos métodos de reprodução assistida. Entre as técnicas mais conhecidas estão procedimentos como fertilização in vitro, inseminação artificial, injeção intracitoplasmática de espermatozoides (Icsi), relação sexual programada e doação de óvulos.

O documento aborda temas como gestação compartilhada, idade máxima para as mulheres passarem pelo procedimento, cessão temporária de útero e descarte de embriões. “Apesar de vários projetos tramitarem no Congresso, não existe legislação no Brasil sobre o assunto”, explica Joanna Porto, advogada do escritório Porto, Guerra & Bitetti Advogados.

Desde 1984 – quando nasceu no Brasil o primeiro bebê gerado via reprodução assistida – o número de procedimentos só tem aumentado. Entre os anos de 2011 e 2016 foram 33.790, de acordo com o relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A resolução do CFM permitiu a doação voluntária de gametas; diminuiu o tempo de criopreservação compulsório de embriões de cinco para três anos; entre outros casos”, contou o Dr. Edson Borges Júnior, especialista em Reprodução Humana e diretor científico da Fertility Medical Group. 

Confira os principais pontos que foram atualizados com a resolução do CFM

Idade da gestante: A idade máxima recomendada pelo CFM para as mulheres passarem por técnicas de reprodução assistida é de 50 anos. No entanto, há exceções. Estas serão aceitas baseadas em critérios fundamentados pelo médico responsável e após esclarecimento quanto aos riscos envolvidos à paciente e aos descendentes eventualmente gerados. “A resolução deixa o critério médico como balizador para a indicação ou não do procedimento”, afirma o Dr. Edson Borges Júnior, especialista em Reprodução Humana e diretor científico da Fertility Medical Group.

Quantidade de embriões: A transferência máxima de embriões estará estritamente ligada à idade da paciente, sendo dois – para mulheres com até 35 anos; três – para mulheres entre 36 e 39 anos; e quatro – para mulheres com 40 anos ou mais. “Cada vez mais transferimos menos embriões, tentando minimizar e evitar as gestações múltiplas, principal agravante das Técnicas de Reprodução Assistida”, explica o Dr. Borges. Caso haja uma gravidez múltipla, fica proibida a utilização de qualquer tipo de procedimento que promova a redução embrionária.

Gestação compartilhada: A medida beneficia casais homoafetivos femininos. Neste caso, o embrião obtido a partir da fecundação do oócito de uma mulher é transferido para o útero da parceira, ainda que não exista diagnóstico de infertilidade.

Cessão temporária do útero: Até então, o procedimento era permitido entre mãe, avó, irmã, tia e prima. Agora, filha e sobrinha entram na lista e podem, caso desejem, ceder os úteros de forma temporária, para o procedimento de gestação de substituição. “Quando isso acontece, as partes assinam um contrato, onde a pessoa que cedeu o útero reconhece ser apenas a parte capaz de gestar e não a mãe propriamente dita, já que não possui a intenção de formar família. Por esse motivo, a gestante deve entregar a criança aos seus pais, e estes deverão aceitá­la independentemente de suprir ou não suas expectativas”, afirma a advogada Danielle Bitetti, especializada em Direito à Saúde.

Descarte de embriões: O limite de tempo para descarte dos embriões criopreservados foi diminuído de cinco para três anos.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Barbara Toscano falou sobre inteligência artificial (Foto: Ale Oliveira/Divulgação)

Economia

Inteligência Artificial

Grandes Nomes da Propaganda foi até Cancún, no México, para acompanhar a conferência anual da LG, o Innofest Latin América 2018. Refrigeradores, máquinas de lavar e secar roupas, smartphones e TVs Oled estavam entre as novidades da LG. A empresa sul-coreana reforçou seu compromisso com “Inovação para uma vida melhor”, oportunidade para que Barbara Toscano, diretora de Marketing da empresa, desse destaque para seus produtos com inteligência artificial. Assista esta entrevista em www.grandesnomesdapropaganda.com.br, na aba Destaques na TV.

Rádio&Jornal
A Rádio Transamérica e o jornal PropMark acabam de firmar parceria para promoverem uma série de ações conjuntas. A primeira será a Arena PropMark, com boletins semanais e quadros focados em cases de comunicação e marketing esportivo.

Outubro Rosa
Para apoiar a campanha Outubro Rosa, de sensibilidade para a prevenção de câncer de mama, a dupla de criativos Romulo Caballero e Lui Lima, da agência DM9, desenvolveram um projeto em parceria com a Suntime, com o foco de promover a recuperação da autoestima. Cinco mulheres que superaram a neoplastia mamária foram convidadas para contar suas histórias.

Inovação poupará vida de alguns cachorros (Foto: Reprodução/Pixabay)

Saúde

O curso de medicina veterinária da Faculdade das Américas (FAM) está com um diferencial em suas aulas práticas em relação ao mercado. A instituição possui um cachorro sintético para as atividades. Este é o primeiro modelo no País. O sistema vascular do cachorro possui uma bomba controlada eletronicamente, que simula os batimentos cardíacos do animal.

“O uso do cachorro sintético favorece a associação da tecnologia com as metodologias de vanguarda para uma melhor aprendizagem e formação das competências profissionais necessárias para as melhores práticas”, destacou Rodrigo Varotti, professor e coordenador do curso de medicina veterinária da FAM.

Tudo parece tão real no laboratório que o animal até sangra durante os procedimentos. O microprocessador que controla a frequência dos batimentos pode ser acionado e modificado via Wi-Fi, a partir de um aplicativo no tablet à disposição dos alunos. É importante destacar que, o modelo sintético, em diversas ocasiões, é melhor para se estudar do que o cadáver real.

“Este recurso permite ao aluno aprender a anatomia e seus aspectos morfofuncionais, assim como as técnicas operatórias, sem a necessidade do sacrifício do animal, como ocorre quando utilizado o modelo biológico", concluiu Varotti. Mais informações em vemprafam.com.br

Empresa estipulou meta para 2022 (Foto: Divulgação/McDonald's)

Saúde

O McDonald’s anunciou nesta terça-feira (20) um compromisso de reduzir as calorias do menu infantil McLanche Feliz em 120 países, incluindo o Brasil, até 2022. A ideia da empresa é oferecer refeições mais balanceadas para as crianças, com ingredientes mais saudáveis, obedecendo os novos critérios globais de nutrição: 600 calorias ou menos - sendo 10 % das calorias a partir de gordura saturada, 650mg de sódio e 10% de calorias a partir de açúcar adicionado.

“Nós reconhecemos a oportunidade que temos de ajudar famílias por sermos um dos restaurantes mais frequentados do mundo e continuamos comprometidos em avaliar nossa comida”, afirmou Steve Easterbrook, presidente e CEO do McDonald’s.

Atualmente, 28% das combinações do McLanche Feliz, em 20 países, atendem aos novos critérios. Para atingir a meta de 50% em 120 nações, até 2022, o McDonald’s já iniciou uma reformulação do cardápio em alguns países, como Itália, Austrália e França. Nestes locais, a empresa passou a oferecer opções com frango grelhado (proteína magra) e verduras.

Além disto, o McDonald’s pretende simplificar ingredientes, removendo aromas, corantes e conservantes artificiais. Nos EUA, na França e no Canadá, os nuggets já estão sendo preparados de uma maneira mais saudável.

A empresa ainda se comprometeu a ser mais transparente em relação às informações nutricionais de seu cardápio, bem como, realizar uma publicidade mais responsável para as crianças.

Em 2013, a empresa, num acordo com a ONG Alliance for a Healthier Generation, colocou alternativas ao refrigerante no McLanche Feliz nos EUA, o que resultou no aumento de 14% na quantidade de pedidos com água, leite ou suco como opção de bebida.

“Desde o começo, a Healthier Generation sabia que nosso trabalho com o McDonald’s poderia influenciar melhorias de larga escala para crianças de todo o mundo”, disse Howell Wechsler, diretor executivo da Alliance for a Healthier Generation.

Recrutador pode descobrir eloquência dos candidatos por vídeo (Foto: Divulgação)

Economia

A inteligência artificial agora é uma aliada para quem busca emprego e para quem pretende empregar. A Jobecam é um sistema on-line criado para gerenciar currículos em vídeo que ficam armazenados e, por meio de algoritmos, a inteligência artificial avalia o conteúdo com base nos interesses dos recrutadores e encaminha os perfis com mais proximidade ao que é desejado.

O sistema conta com mais de 17 mil usuários e mais de 90 empresas de médio e grande porte. Segundo a fundadora Camila Yochabell, a ideia surgiu há dois anos, quando ela percebeu não existir algo que reunisse currículos no formato de vídeo. “O currículo tradicional não mostra a essência do candidato”, explicou.

Segundo ela, a Jobecam elimina gastos como o transporte e alimentação para uma entrevista de emprego.
O interessado pode acessar o site https://jobecam.com/login e fazer seu vídeo currículo de 30 segundos gratuitamente. Se houver interesse de alguma empresa, ele será notificado e gravará um novo vídeo com respostas a questões dos recrutadores.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

A solução dos problemas começa com um diálogo franco e aberto. Daí ser louvável a reunião agendada para hoje, em Brasília, entre o presidente eleito Jair Bolsonaro e os 27 novos governadores do País. Todos eles têm um grande desafio pela frente, mas, evidentemente, se trabalharem em parceria, e não boicotando o que pode ser bom para o Brasil, haverá grande chance de que os remédios necessários sejam encontrados e o trabalho seja bem feito. Os futuros chefes do Executivo estadual têm muito a contribuir com o presidente eleito. E, politicamente, também têm muito a ganhar, quando o projeto deste novo Brasil der certo. Percebe-se que, aos poucos, as nuvens negras de uma campanha desgastante vão se dissipando, a razão começa a prevalecer e, ao invés de torcer contra, é cada vez maior o número daqueles que preferem alimentar a esperança que a descrença. Aliás, uma célebre frase do escritor latino Públio Siro, diz que “quem perdeu a confiança não tem mais o que perder.” A hora não é para isso. Na verdade, o momento pede que se dê crédito aos novos condutores da Nação e que se guardem as pedras previamente preparadas para serem jogadas na vidraça. E muitos dos novos governadores estão dispostos a ajudar Bolsonaro, inclusive na aprovação da reforma da Previdência, essencial para o ajuste das contas públicas do País. Por sua vez, a maioria das Unidades da Federação também está com suas contas no vermelho, por gastarem mais do que arrecadam, e esperam suporte da União para manter a máquina funcionando. Relatório do Tesouro Nacional, por exemplo, apontou que 16 Estados mais o DF descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal no ano passado, ao destinar mais de 60% da receita para o pagamento de salários e aposentadorias. Assim, sobra cada vez menos para serviços básicos, como segurança e educação. Os problemas são complexos, daí a necessidade do diálogo e da busca por novas perspectivas. E a reunião de hoje em Brasília, com Bolsonaro e os governadores, oferece exatamente esta oportunidade. Desde agora, a capacidade de cada um deles estará colocada à prova, mas já começam bem, buscando o apoio e o entendimento mútuo, ao invés da divisão pura e simples. No final, quem ganha mesmo com isso é o Brasil e os brasileiros. Ainda bem!
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião