Além de evitar alimentos gordurosos, crianças devem fazer duas horas e meia de atividades físicas por semana (Foto: Divulgação)

Saúde

Diabetes, colesterol elevado, pressão alta, problemas cardíacos, estresse, depressão. Problemas de gente grande que cada vez mais têm chegado ao cotidiano de crianças e adolescentes por conta da obesidade infantil, que cresceu drasticamente.

Dados da Organização Mundial da Saúde e do Imperial College de Londres, mostram que o contingente de obesos nessa faixa etária chegou a 124 milhões em 2017, número dez vezes maior se comparado aos 11 milhões da década de 1970. No Brasil, os indicadores não são animadores. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma em cada três crianças está fora do peso recomendado para a idade.

Vários aspectos costumam ser levados em conta. Entre eles estão o peso da mulher durante a gestação, o peso da criança ao nascer, o tipo de parto, a presença ou ausência do aleitamento materno, a alimentação nos primeiros mil dias (contando gestação e os primeiros dois anos), se houve alimentação complementar após o aleitamento materno e a rotina da educação alimentar a partir de então. Em alguns casos, fatores genéticos e o uso de determinados medicamentos também influenciam.

No entanto, na maioria das vezes, o aumento se deve a uma alimentação inadequada associada a pouca – ou nenhuma – prática de atividade física. “A atividade física vai muito além do controle de peso, pois é importante para a promoção da saúde como um todo”, afirma o pediatra Hugo Ribeiro, especializado em Gastroenterologia e Nutrologia.

Outro equívoco é culpar determinados alimentos quando se fala em ganho de peso e, muitas vezes, abolir até o café da manhã da dieta. “O alimento não pode ser considerado mau. O que de fato existem são dietas más. O importante é ter moderação, diversidade e proporcionalidade”, explica.

Exemplo vem dos pais

A educação alimentar nos primeiros anos é primordial, não só para garantir o peso corporal adequado, como também para prover o corpo dos nutrientes necessários. O papel dos responsáveis na rotina dos pequenos é fundamental. “Pais com hábitos inadequados inserem a criança nesse cenário e isso é um grande risco”, diz o nutrólogo Caiaque Souza, da Clínica da Obesidade. O segredo para manter o equilíbrio, de acordo com o especialista, é manter a alimentação balanceada, evitando ao máximo açúcares, gordura saturada, sal e itens industrializados.

Criança saudável, adulto também

Mais do que promover a perda de peso, a prática de atividade física promove a melhoria motora e cognitiva das crianças. Principalmente se a mesma for inserida no cotidiano dos pequenos de maneira lúdica. “Uma criança saudável, que gosta de se movimentar, se tornará um adulto saudável, e não sedentário. É uma mudança no estilo de vida”, afirma a professora italiana Caterina Pesce, que, junto com o grupo Ferrero, traz para o Brasil a metodologia Joy of Moving. A iniciativa consiste em trabalhar com jogos físicos que demandam poucas ferramentas e podem ser feitos em espaços reduzidos junto a outras crianças e adultos. 

Calculo para verificar o peso ideal

 Uma das ferramentas utilizadas para saber se a criança está ou não dentro do peso ideal é calcular o Z-IMC. Para isso, é necessário ter em mãos dados como sexo da criança, idade, peso e altura. A medida pode ser feita por meio do site www.abeso.org.br/atitude-saudavel/z-imc-criança.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Após conversar com especialistas, a jornalista Carolina Thomeu tira as principais dúvidas dos pais sobre sexualidade infantil. Confira!

Raimundo entrou no Metrô há 30 anos e ajudou a filha Naiana a ingressar, ela auxiliou o marido Christian, que depois incentivou o pai, Josenildo (Foto: Ivo Lindbergh)

Cidade

Uma história de amor entre pais e filhos para lá de curiosa, envolvendo a vida profissional de integrantes das famílias Silva e Torres, aconteceu no Metrô. O patriarca da primeira, Raimundo Nonato Cândido da Silva, 56, quando ainda era bastante jovem, iniciou sua jornada na empresa, há mais de 30 anos. Ele teve duas filhas: Naiana e Caroline.

Durante a criação das meninas, elas escutavam o pai contar histórias curiosas e interessantes que ele via e vivia nas linhas, como OTM – sigla utilizada para caracterizar o funcionário que auxilia os passageiros nas plataformas. profissional

Quando as duas chegaram à adolescência, ele deu uma forcinha para que elas seguissem pelo mesmo caminho. “Ele nunca nos obrigou, mas incentivou para que a gente entrasse no Metrô também”, contou Naiana. Ela iniciou sua carreira na área de manutenção em 2006, como aprendiz. Depois, estudou, prestou concurso público e, desde 2008, é funcionária da empresa.

Acontece que, durante os estudos, ela conheceu Christian Silva Torres, 29, na sala de aula. Eles iniciaram o namoro e o rapaz trabalhava em outra companhia, também com a manutenção de equipamentos. “Quando abriu um novo concurso, há cinco anos, ela começou a me incentivar a entrar também”, disse.

Nesse momento, ele começou a estudar mais intensamente para a prova. E teve a essencial ajuda do seu pai, Josenildo Vieira Torres Júnior. “Ele foi muito importante, porque me auxiliou na hora dos estudos”, disse.

O casal se realizou profissionalmente, mas a história do sogro de Naiana, e pai de Christian, sofreu um baque quando ele ficou desempregado. “Eu atuava na área de telecomunicações, que foi muito afetada pela crise. Acabei perdendo o emprego e, com 53 anos, fica mais difícil de achar alguma vaga”, falou.

Foi então que filho, nora e até o consogro tiveram uma ideia: no próximo concurso, avisariam Josenildo e o ajudariam a passar na prova. Dito e feito: este ano, ele conseguiu sair da fila dos desempregados e entrou para o Metrô. “É muito curioso, porque normalmente os pais que ajudam os filhos a conseguirem uma carreira. No nosso caso, foi o contrário”, disse Christian, rindo. 

Próximas gerações

Christian conversou com o Metrô News em seu posto de trabalho, na estação Tamanduateí. Já Naiana estava na Corinthians-Itaquera. No entanto, a grande distância entre os dois não os impediu de dar a mesma resposta para uma pergunta em comum: vão incentivar os filhos a entrarem no Metrô. “É uma empresa que nos deu tudo, desde o meu pai, até nós, agora”, falou Naiana. “Não tem porque dizer não. A gente é muito feliz aqui. Claro que, se eles quiserem seguir outras carreiras, não vamos impedir”, disse Christian. Os dois moram em Guarulhos, na Grande São Paulo, onde Josenildo também tem uma casa. Já Cândido vive em São Mateus. 

Treinamento árduo antes de começar 

Josenildo está há três semanas em treinamento, que ocorre no pátio da estação Jabaquara. Ele contou que se trata de um período de três meses, difícil, mas sabe que valerá a pena. “Estou muito feliz e realizado com tudo isso”, disse.  

Raimundo Nonato Cândido da Silva

“O que eu quero dizer para minhas filhas é que elas são o meu orgulho. Fico muito feliz de ver que elas estão bem, trabalhando, conquistando suas coisas.” 

Naiana Rodrigues Cândido

“Eu queria agradecer pelo incentivo que meu pai me deu. Ele me guiou. Desejo que a gente fique muitos e muitos anos contando nossas histórias engraçadas um para o outro. Eu te amo, pai!” 

Christian Silva Torres

“Eu e meu pai temos uma relação que é de parceria, fazemos piadas, brincamos. Somos muito amigos. Eu desejo toda a sorte do mundo para ele nessa nova caminhada.”

 
Josenildo Vieira Torres Júnior

“O Christian é o meu motivo de orgulho. Eu o admiro muito e sou muito grato pelo que ele fez por mim. Por toda a ajuda que ele me deu nesse momento da minha vida.”

Cada jovem tem sua forma de estudar. Pais devem respeitar possíveis diferenças (Foto: Divulgação)

Nacional

Todos os pais sonham em ver seus filhos formados, com bons empregos, salários altos e até em funções importantes da sociedade. Mas a ansiedade e mesmo algumas atitudes paternas e maternas podem repercutir de forma negativa no caminho do filho.

Cada pessoa tem uma forma diferente de estudar e se concentrar, de modo que, segundo a coach Valéria Ribeiro os pais devem respeitar a forma como o filho estuda e tentar auxiliá-lo da melhora maneira possível. "As pessoas têm canais de aprendizagem diferentes e dessa forma aprendem de forma diferentes e isso precisa ser respeitado."

Para a especialista, não adianta apenas focar em métodos tradicionais ou naqueles que os pais acreditam. “Se o vestibulando gosta de estudar com música, deixe isso acontecer, se ele estuda melhor em lugares organizados e silenciosos, propicie isso. Se ele estuda melhor vendo os vídeos de explicação na internet, também está tudo certo. Se a melhor forma de estudar são os mapas mentais, isso também é bom", argumenta a especialista.

Para Valéria, independente do resultado do vestibular, uma atitude positiva é sempre o melhor caminho. “É importante deixar claro para o filho que independente do resultado o amor que os pais sentem por eles continuará o mesmo”, concluiu a coach. 

Veja algumas dicas da profissional

 - Quando conversar com seu filho, busque conversar sobre outros assuntos que não sejam só vestibular, afinal ele já está vivendo isso 24 horas por dia.

 -Tenha cuidado quando tratar da escolha do curso que o filho fará na graduação.

- Lembre-se que essa é uma escolha dele e não sua, ele não tem obrigação nenhuma de cursar um curso que você sonhou para você ou mesmo seguir uma profissão da família.

- Mantenha uma postura de orientação, busquem informações juntos sobre as diferentes carreiras, leve-o para conversar com profissionais da área, mas não faça a escolha por ele

- É preciso lembrar que hoje estamos formando jovens para profissões que talvez ainda nem exista ou profissões que os pais não conhecem muito bem o que fazem, afinal o número de graduações aumentou muito e isso acaba tornando a escolha mais complexa.

- Os pais devem ressaltar quais são as qualidades, habilidade, competências e talentos do filho. Isto aumenta a confiança do estudante, pois revela ao jovem seu potencial e consequentemente o auxiliará a conseguir notas melhores nos vestibulares.

- O estudante está ansioso, tendo insônia, se sente muito angustiado, vale a pena procurar um profissional (psicólogo, homeopata, terapeuta ou outro) que possa ajudá-lo a lidar melhor com a pressão do vestibular. O lado emocional é decisivo, pois fortalece a confiança do jovem e auxilia nas escolhas realizadas

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Bolsonaro atraiu filiações ao PSL (Foto:Fernando Frazão/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

Apenas partidos pequenos aumentaram o número de candidatos nas eleições deste ano em relação a 2014. Enquanto siglas tradicionais como PT, PSDB, MDB, PDT e PSB reduziram a quantidade total de registrados, houve um aumento expressivo entre as siglas de menor porte. O partido de Jair Bolsonaro, o PSL, é o que mais apresentou candidatos - 1.451, um aumento de 74,4% em relação a 2014. Das 35 siglas existentes, 12 vão ter mais postulantes neste ano do que nas últimas eleições gerais - PSL, PROS, Avante, Podemos, PRB, Solidariedade, PMN, PCO, PSOL, Patriota, PRTB e PPL. Há ainda três partidos que vão estrear nas urnas em âmbito nacional: Rede, Novo e PMB, que, juntos, somam 1.606 candidaturas. Os números têm como base os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É possível que haja pequenas alterações até o dia 20, quando as informações estarão 100% atualizadas. A legenda que registrou a maior variação porcentual no número de candidaturas foi o PCO (142,8%). A sigla, no entanto, é um ponto fora da curva - tinha apresentado somente 49 candidatos em 2014 e, agora, lançou 119. Em seguida, vem o PROS, com 1.018 candidatos, ante 485 em 2014 (aumento de 109,9%, mais que o dobro de um pleito para o outro). Entre os que mais reduziram candidatos, estão PCB (diminuição de 45,2%), PTB (-33,4%) e PSTU (-31,9%). Entre as siglas maiores, PSB (-31,4%), PSDB (-18,3%) e PDT (-16,4%) tiveram os maiores índices de diminuição de candidatos. O PT registrou queda de 6,8% e o DEM, de 5,5%. Segundo o cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, uma das explicações para este cenário pode ser a cláusula de barreira, que, a partir de 2018, impõe aos partidos desempenho mínimo para que sejam autorizados a ter acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV no horário eleitoral. "Os pequenos estão em busca de capilaridade", disse Teixeira. A nova regra exige, para este ano, que as legendas tenham 1,5% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação e com 1% em cada uma dessas unidades. A cláusula aumenta gradativamente até 2030 e busca afunilar o sistema partidário brasileiro, altamente fragmentado. Para a cientista política Luciana Veiga, professora da UNI-Rio, a estratégia faz sentido e pode servir à sobrevivência. "Mesmo que não elejam muitos nomes, os partidos com várias candidaturas têm chance de alcançar a cláusula com uma votação mais pulverizada." Um caso mais específico é o do nanico PSL, que, com a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República, atraiu deputados na janela partidária e, agora, busca se consolidar com a ampliação da bancada no próximo pleito. "O PSL não tinha nada, arranjou meia dúzia de deputados e agora precisa crescer (para se manter vivo)", afirmou Teixeira. Conforme o Estado mostrou na quarta-feira, a nova casa de Bolsonaro registrou mais de 13,6 mil filiações em 2018, impulsionadas pela figura do presidenciável. Trata-se de número quatro vezes maior que o dos partidos adversários na disputa pelo Palácio do Planalto. Concentração Quanto aos partidos tradicionais, o motivo da diminuição de candidaturas passa por um uso mais direcionado dos recursos do fundo eleitoral. Com as regras inéditas de financiamento de campanha, as siglas apostam mais em candidaturas viáveis, com pouca abertura à renovação. É o caso do PSB, a legenda tradicional que mais reduziu o número de postulantes. A estratégia, segundo o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, é concentrar os recursos em campanhas com grandes chances de vitória. "O novo fundo não facilita a renovação", afirmou ele. O PSB não tem candidatura própria à Presidência da República e não compõe nenhuma coligação, mas conta com nomes fortes em eleições regionais. "O fundo eleitoral concentra muitos recursos nos grandes. O problema dos maiores não é dinheiro, não é sobrevivência. É otimizar os cargos que já têm", afirmou Luciana Veiga. 

Candidatos ao governo fizeram questão de mencionar presidenciáveis (Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Cidade

Os candidatos ao governo de São Paulo presentes no primeiro debate televisionado, na Band, aproveitaram o último bloco do programa para nacionalizar a discussão. Houve menções ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), bem como contra a polarização política no País. O ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT) disse ser, com orgulho, amigo de Lula e candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes. No fim do bloco anterior, Marinho havia feito a primeira menção dele a Lula no debate. Em embate com Rodrigo Tavares (PRTB), ele disse que os governos petistas combateram a corrupção e afirmou que o PT "é a grande esperança" do povo brasileiro. Tavares citou a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), cujo vice, general Hamilton Mourão, é do PRTB. Marinho citou ainda acusações de corrupção contra o PSDB. O tucano João Doria o rebateu nas considerações finais e falou que o petista não pode comparar Alckmin a Lula. "Alckmin tem mais de 40 anos de vida pública ilibada. Lula está preso em Curitiba", afirmou. Ele cobrou ainda "respeito" do petista, que no final do bloco anterior havia mencionado o nome da esposa do ex-prefeito paulistano, Bia Doria. "Ela não é ré como o senhor", disse. Na despedida do público, Rodrigo Tavares também atacou Alckmin. "Ele fez bom trabalho sim no Estado de São Paulo, mas como anestesista. Ele anestesiou o Estado de São Paulo", afirmou. Nos apontamentos finais, Márcio França (PSB) levou novamente a discussão para o nível nacional. Ele disse que a população de São Paulo vê os exemplos do PT, do PSDB e do MDB e que só ele representa a mudança. O governador paulista lembrou também a mediação dele na greve dos caminhoneiros. Paulo Skaf (MDB) encerrou o debate exaltando as escola do Sesi, que ele usou para criticar ensino estadual de São Paulo. Antes disso, coube ao empresário a primeira das duas únicas menções a Deus no debate. A segunda foi de Lisete Arelalo (PSOL), que disse que o povo "deu graças a Deus" pela renúncia de alguns candidatos. Ela afirmou ainda que vai seguir com o legado da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em 14 de março. Marcelo Cândido (PDT) ressaltou a experiência como prefeito de Suzano (SP).

Para a maioria dos eleitores, Bolsonaro e Alckmin são os favoritos para avançarem na disputa (Foto: Daniel Teixeira e Adriana Spaca/AE)

Nacional

Uma nova pesquisa sobre as intenções de voto à Presidência da República, divulgada na quarta-feira, 15, pelo Instituto Paraná, mostra que o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) devem se enfrentar no 2º turno, caso o ex-presidente Lula (PT) tenha sua candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Questionados sobre percepção de quais candidatos vão para a segunda fase das eleições, 43,3% apostam em Bolsonaro e 26,7% no tucano. Neste quesito, Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com a expectativa de 21% dos eleitores. Em seguida aparece Marina Silva, com 20,7%, e Fernando Haddad (PT), provável substituto de Lula, tem 10,1% das apostas.  Mas nas intenções de voto, Lula, mesmo preso, ainda lidera com 30,8%, um crescimento de quase 2% na comparação com a pesquisa anterior feita pelo mesmo instituto. No cenário com Lula, Bolsonaro é o segundo colocado, com 22%, e Alckmin, que na pesquisa anterior tinha uma desvantagem de 3% para Marina Silva (Rede), viu a diferença para ela cair pela metade. Marina tem 8,1% das intenções de voto e ele 6,6%. No cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 23,9% das intenções de voto. Com a saída do ex-presidente da disputa, Marina Silva e Ciro Gomes (PDT) parecem receber parte de seu eleitorado, e ficam à frente do tucano. Marina chega a 13,2%, Ciro fica com 10,2% e Alckmin  8,5%. Esta é a primeira pesquisa divulgada após o debate realizado pela Rede Bandeirantes, na semana passada, e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o no BR-02891/2018. O levantamento foi feito com 2.002 eleitores, em 168 municípios brasileiros, entre os dias 9 e 13 de agosto de 2018. A margem de erro, para mais ou para menos, é de 2%.  

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião

Depois que alguns presidenciáveis apresentaram suas propostas para o País, no debate da semana passada, hoje é a vez de sete candidatos ao Governo do Estado de São Paulo fazerem o mesmo na Band, a partir da 22h. É uma grande chance para alguns deles saírem da obscuridade e mostrarem seus programas de gestão e, principalmente, seus rostos, para um eleitorado que não tem dado tanta atenção a eles. É uma brecha aberta inclusive para o governador Márcio França, que, embora no cargo desde abril –, quando Alckmin deixou o posto para concorrer à Presidência –, ainda luta para se fazer mais conhecido entre os eleitores, que podem dar a ele a chance de continuar ocupando o Palácio dos Bandeirantes, como chefe do Executivo. E o que não falta na história política paulista é a figura de vice que conseguiu alçar voo solo e ganhou o papel de protagonista. O próprio Alckmin é um destes, que, com o agravamento da doença de Mario Covas, em janeiro de 2001, assumiu interinamente o governo e, depois, ratificou nas urnas sua permanência. Há semelhanças entre os dois, como o fato de eles terem iniciado na política longe da Capital, sendo vereador e prefeito de suas respectivas cidades natais, depois deputado federal, até serem convidados para comporem a chapa que venceria o governo paulista. Mas, certamente, o desafio de França é bem maior do que aquele encarado por Alckmin, 16 anos atrás. A começar pelo enfrentamento com dois fortes concorrentes, que até outro dia era também seus aliados: Paulo Skaf e João Doria. O emedebista e o tucano lideram com folga a corrida ao Bandeirantes e, se nada mudar até 7 de outubro, estarão no segundo turno. E o problema do atual governador é justamente se interpor entre seus concorrentes. Terá a primeira chance hoje. Para isso precisa mostrar à audiência que é diferente de ambos, e dos demais, e que tem mais a oferecer. Só que do outro lado estarão dois experientes debatedores, já testados em eleições anteriores. Já França faz sua estreia em um programa deste nível. É mais um obstáculo para o político de São Vicente superar, se quiser seguir adiante na disputa.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Vale a reflexão sobre o desarmamento no Brasil (Foto: Arquivo/ABR)

Opinião

Juntos, os hospitais filantrópicos, como é o caso das santas casas, acumulam uma dívida de R$ 21 bilhões (Foto: Edson Lopes Jr/ (Arquivo) – A2 Comunicações/Fotos Públicas)

Opinião

Excessos nas redes sociais podem ser prejudiciais (Foto: USP Imagens/Fotos Públicas)

Opinião

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião