Testes serão iniciados até o final de 2018 (Foto: Divulgação)

Saúde

Pesquisadores do Centro Médico Shaare Zedek e da Universidade Bar-Ilan, em Jerusalém, desenvolveram um colírio que pode tratar e curar a miopia.

Na prática, a miopia é um defeito na córnea que dificulta a nitidez à longa distância. A visão de objetos próximos permanece perfeita. Existem níveis de desfoque para lugares mais longes, estes são chamados de graduação, que definirá o grau de dificuldade de enxergar.

Ela se desenvolve durante a infância e adolescência, quando a criança reclama de dores de cabeça e não consegue visualizar com perfeição objetos, letras e pessoas. Miopia é um decorrente de um fator hereditário.

O remédio ainda está em fase de testes, mas apresentou melhorias nas condições da doença e também na hipermetropia – prejudica enxergar de perto. A substância se mostrou apta a tratar a doença em córneas de porcos. Os experimentos com humanos devem ocorrer até o final de 2018.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

VEJA NOSSA EDIÇÃO DO DIA

Atacante marcou em seu 100º jogo com a camisa uruguaia (Foto: Reprodução/Instagram/aufoficial)

Copa 2018

Atletas de Portugal abraçam Cristiano Ronaldo, que marcou quatro gols em dois jogos na Copa do Mundo (Foto: Divulgação/www.fpf.pt)

Copa 2018

Cheryshev marcou novamente para a Rússia e seleção anfitriã se aproxima da vaga (Foto: Reprodução/ Twitter Team Rússia)

Copa 2018

Senegal divide liderança do Grupo H com o Japão (Foto; Reprodução/Facebook FSF)

Copa 2018
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

População idosa cresce a cada dia no Brasil (Foto: Arnaldo Felix / Prefeitura de Caruaru/Fotos Públicas)

Opinião

Presidente norte-americano foi questionado até pela primeira-dama dos EUA (Foto: G7 Organização/Fotos Públicas)

Opinião

Museu dedicado a Mazzaropi em Taubaté. Ele foi um dos grandes nomes do cinema nacional (Foto: Miguel Schincariol/GESP/Fotos Públicas)

Opinião

Romero Jucá deve concorrer novamente a uma cadeira no Senado, mesmo com inquéritos abertos no STF (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Opinião