Endometriose atrapalha o dia a dia das mulheres e pode dificultar uma desejada gravidez (Foto: Divulgação)

Saúde

Considerada uma das principais doenças do aparelho reprodutor feminino, a endometriose atinge até 15% das mulheres brasileiras em idade fértil e é caracterizada pela presença de tecido endometrial – semelhante ao que reveste a cavidade uterina – fora do útero. Este tecido pode surgir em locais como tubas uterinas, vagina, bexiga, peritônio, intestino, ligamentos útero-sacros e, em casos mais raros, até mesmo em regiões como nervos, diafragma e pulmões.

Os sintomas da endometriose incluem forte dor pélvica, infertilidade, dores durante ou logo após a relação sexual, fluxo menstrual abundante e cólica menstrual. Contudo, como o tecido pode aparecer em muitos locais diferentes, tais sinais variam, de acordo com o caso. Este é um dos motivos que leva, muitas vezes, à demora do diagnóstico, que pode exigir anos para que seja fechado (veja gráfico).

“Nem todas as mulheres com endometriose irão apresentar sintomas. Muitas, inclusive, só descobrem quando estão tentando engravidar, já que a infertilidade pode afetar cerca de 50% das pacientes com a doença, que também pode ocasionar dores ao urinar, dor na região lombar, sangramento anal na época da menstruação e problemas gastrointestinais”, conta Edvaldo Cavalcante, ginecologista e cirurgião ginecológico do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.

Segundo ele, que acaba de divulgar uma pesquisa em parceria com o Grupo de Ajuda às Portadoras de Endometriose e Infertilidade (Gapendi), o quadro é crônico, não tem cura e afeta a qualidade de vida como um todo. “Muitas pacientes precisam ir ao pronto-socorro para controle da dor. Esta é, sem dúvida, o tópico que mais afeta a produtividade, sem contar as ausências para o tratamento, consultas e exames”, ressalta o especialista, que ouviu 3 mil mulheres entre os meses de janeiro e fevereiro de 2018.

De acordo com a pesquisa realizada, a endometriose afeta a qualidade de vida e a produtividade. Tanto, que 73% admitem já ter se ausentado do trabalho por causa da doença; 38% levaram de cinco a oito anos para receber o diagnóstico; e 80,9% disseram que já se sentiram impedidas de executar determinadas ações por conta da doença. “É muito importante que a paciente busque, além do tratamento dos sintomas, apoio psicoterápico para lidar com as consequências emocionais que o problema causa”, frisa o Dr. Cavalcante.

Tratamento requer cuidados pontuais

Além da avaliação clínica, o diagnóstico da endometriose é realizado por meio de exames de imagem, como ultrassonografia transvaginal e ressonância magnética. Já o tratamento, na maioria dos casos, baseia-se em medicamentos para controlar os sintomas e suspender a menstruação, com uso de terapia hormonal. A cirurgia é recomendada, principalmente, nos casos de dor crônica ou quando a mulher deseja engravidar. Nesse caso, é necessária internação de 24 a 48 horas e utilização de anestesia geral.

“O tratamento depende da gravidade da doença. Ele pode ser feito com a remoção dos focos da doença por videolaparoscopia ginecológica e com o uso de hormônios sexuais, como a gestrinona (implante hormonal), progestágenos (dispositivo intrauterino – DIU) ou anticoncepção oral”, afirma Maria Rita Curty, ginecologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão.

A médica ressalta que o desenvolvimento do tecido fora do útero só é evitado após a menopausa. “O que conseguimos antes disso é estabilizar a doença para que não surjam novos focos”, descreve.    

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Consulta com especialista é o caminho para decidir sobre vacinação (Foto: Divulgação)

Saúde

Muitas mulheres diagnosticadas com endometriose têm dúvidas se podem tomar a vacina da febre amarela porque ouviram falar que se trata de uma doença autoimune. Mas, não é bem assim. Segundo o cirurgião ginecológico, especialista no tratamento clínico e cirúrgico da endometriose, Dr. Edvaldo Cavalcante, atualmente, há evidências levantadas por estudos científicos de que nas mulheres afetadas pela doença parece haver produção de autoanticorpos, disfunção de linfócitos T e B, exacerbação das citocinas inflamatórias.

A recomendação é verificar junto ao seu médico seu estado de saúde e confirmar ou descartar a presença de doenças autoimunes, como lúpus, artrite reumatoide, doenças da tireoide. Na ausência delas, ou ainda de gravidez, a mulher pode tomar a vacina e ficar tranquila.

Cerca de 180 milhões de mulheres sofrem com endometriose (Foto: Divulgação)

Saúde

Março, além de ser o mês da mulher, também é o período escolhido para chamar a atenção da endometriose.

A doença acomete aproximadamente 180 milhões de mulheres em todo o mundo. A endometriose é uma doença inflamatória crônica que acomete no sistema reprodutor feminino. De acordo com o Dr. Patrick Bellelis, especialista no assunto, a causa da doença ainda é incerta.

 A teoria mais aceita é sobre a menstruação retrógrada, em que o endométrio, tecido que reveste o interior do útero, sofre alterações durante o ciclo menstrual para que o óvulo fertilizado possa se implantar.

Ela não é doença maligna. Existem tratamentos eficazes e que devolvem a leveza para a vida dessas mulheres. 

VEJA NOSSA EDIÇÃO DO DIA

Atacante marcou em seu 100º jogo com a camisa uruguaia (Foto: Reprodução/Instagram/aufoficial)

Copa 2018

Atletas de Portugal abraçam Cristiano Ronaldo, que marcou quatro gols em dois jogos na Copa do Mundo (Foto: Divulgação/www.fpf.pt)

Copa 2018

Cheryshev marcou novamente para a Rússia e seleção anfitriã se aproxima da vaga (Foto: Reprodução/ Twitter Team Rússia)

Copa 2018

Senegal divide liderança do Grupo H com o Japão (Foto; Reprodução/Facebook FSF)

Copa 2018
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

População idosa cresce a cada dia no Brasil (Foto: Arnaldo Felix / Prefeitura de Caruaru/Fotos Públicas)

Opinião

Presidente norte-americano foi questionado até pela primeira-dama dos EUA (Foto: G7 Organização/Fotos Públicas)

Opinião

Museu dedicado a Mazzaropi em Taubaté. Ele foi um dos grandes nomes do cinema nacional (Foto: Miguel Schincariol/GESP/Fotos Públicas)

Opinião

Romero Jucá deve concorrer novamente a uma cadeira no Senado, mesmo com inquéritos abertos no STF (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Opinião