16
Sex, Nov

Sem perceber, portador de celular pode ter contato com mais de 20 mil fungos (Foto: Divulgação)

Saúde

Difícil imaginar o dia a dia sem o uso do telefone celular. Afinal, o aparelho tornou-se peça-chave em diversas situações, já que, cada vez mais, vem agregando funções por conta das inovações tecnológicas e dos múltiplos aplicativos que são, diariamente, lançados no mercado. O problema é que, exatamente por estar presente de forma intensa no cotidiano, usar celular demais faz mal, sendo o aparelho também capaz de se tornar vilão quando o assunto é saúde.

Isso porque além de muitas doenças serem causadas pelo uso excessivo do celular, o smartphone também pode ser portador de mais de 20 mil tipos de fungos, bactérias e vírus, que podem desencadear doenças no ser humano. Algumas pesquisas apontam, inclusive, que o telefone móvel chega a conter dez vezes mais bactérias que o vaso sanitário. “Qualquer bactéria, vírus, fungo ou parasita pode ser identificado no celular, pois, quando nossas mãos são contaminadas por estes agentes, ao segurarmos o celular, o contaminamos também.

Entre as moléstias que podem ser provocadas estão as infecciosas de uma maneira geral, como micoses, furúnculos, gastroenterites e viroses respiratórias”, afirma Lycia Mara Jenné Mimica, professora de Microbiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. De acordo com a especialista, o mais seguro para evitar este tipo de contaminação está em duas ações simples e básicas: lavar as mãos e fazer a limpeza do aparelho celular com um pano umedecido com desinfetante.

“É importante que o dispositivo esteja desligado durante este processo. E, com relação à lavagem das mãos, é necessário fazê-la de forma cuidadosa, sempre que tocarmos em alguma superfície potencialmente contaminada. Se tivermos atenção a estes cuidados, não há risco no manuseio de celulares”, ressalta.

Além de ajudar na transmissão de agentes causadores de doenças, o uso constante do celular também é capaz de provocar disfunções ortopédicas, oftalmológicas, auriculares, dermatológicas e psicológicas. Se o envio de mensagens de texto for intenso, por exemplo, pode ocorrer desgaste da articulação dos dedos e outras lesões por esforços repetitivos.

Já se o costume é atender o celular segurando-o com o ombro, a postura inadequada cria uma sobrecarga nas vértebras da coluna, o que pode gerar lesões, além de dores nos braços, cabeça e coluna. E quem fica muito com o celular no ouvido tem chances de desenvolver desde pequenas dermatites – devido ao contato da capinha e do aparelho com a pele – a infecções de ouvido – como otites.

24 horas conectado

A conectividade excessiva também pode atrapalhar a qualidade do sono e provocar ansiedade e nomofobia, que é a dependência ao telefone celular. “Se não consigo passar mais de 40 minutos sem olhar o smartphone é sinal de que algo está errado. Muitos ainda acordam à noite para checar mensagens no celular. Com isso, o sono fica fracionado e sem qualidade, não há o sono restaurador, tão importante para a nossa saúde e imunidade”, descreve Marcus Gaz, cardiologista e clínico geral do Hospital Israelita Albert Einstein. A dica, nesse caso, é prática: “Não durma com o celular ao lado da cama, a não ser que extremamente necessário.

Coloque-o para carregar em outro cômodo da casa e não fique ligado até altas horas. Isso melhorará, e muito, a qualidade do sono”, completa. Com relação aos olhos, André Luís Alvim, oftalmologista diretor da rede Horus e consultor da Óticas Diniz, diz que existe uma diferenciação com relação ao uso do celular entre crianças e adultos. Como o desenvolvimento da visão ocorre até os sete anos de idade, a recomendação é que a exposição dos pequenos frente a aparelhos eletrônicos (celulares, tablets, computadores e aparelhos de TV) seja de, no máximo, duas horas por dia.

“A criança fica muito mais focada que o adulto. Com isso, ela acaba se entretendo de tal forma com o objeto que, muitas vezes, se esquece de piscar e a pálpebra não joga mais lágrima para lubrificar o olho, que fica seco e se irrita fácil. Também existem estudos que demonstraram que o excesso de esforço dos olhos nessa fase pode causar uma miopia precoce em crianças”, ressalta.

Para os adultos, a sugestão, para evitar incômodos é diminuir o brilho, aumentar o contraste e aumentar o tamanho da letra do smartphone. “Para saber qual o tamanho ideal da letra, deixe o celular a cerca de 40 centímetros de distância e coloque em uma fonte confortável para leitura. Isso evitará que os olhos fiquem cansados e também dores de cabeça que poderiam ser ocasionadas por conta o uso constante do aparelho”, conclui.

Dicas valiosas

- Diminuir brilho e aumentar contraste e o tamanho da letra;

- Não levar o celular para o banheiro;

- Não fazer as refeições ao lado do smartphone;

- Dedicar um tempo para leitura e convivência com os familiares;

- Limpar o aparelho regularmente;

- Não dormir ao lado do telefone celular.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Reconhecimento facial pode aumentar monitoramentos (Foto: Divulgação)

Tecnologia

A Microsoft se tornou a primeira gigante da tecnologia a pedir uma regulamentação para o reconhecimento facial. No blog da empresa, o presidente e diretor jurídico global, Brad Smith, afirmou que um mundo com regulação ativa dos produtos que são úteis, mas potencialmente problemáticos, é melhor do que um desprovido de padrões legais.

O executivo destacou que há possibilidade de uso abusivo da ferramenta, como, por exemplo, no monitoramento de cidadãos comuns. Para ele, os governos devem criar regras para que seja impossibilitado o abuso desse tipo de tecnologia, tanto por empresas, quanto por órgãos públicos.

A Microsoft tem uma ferramenta própria de reconhecimento facial. Um de seus clientes é o aplicativo Uber, que verifica a identidade de motoristas pelas fotos tiradas na câmera do smartphone.

Segundo Smith, é necessário acompanhar se a ferramenta está ferindo a privacidade e a liberdade de expressão dos usuários.  

Aplicativos gratuitos podem auxiliar nos estudos (Foto: Arquivo MN)

Tecnologia

A tecnologia pode ser uma grande aliada na hora da preparação para os tecnologia. Seja em um aplicativo com o qual se pode estudar uma língua gratuitamente, desde o básico até o avançado, a uma ferramenta que impeça o desbloqueio do smartphone, caso não saiba a resposta de uma questão de conhecimentos gerais, idiomas ou matemática.

No primeiro caso, destaca-se o Duolingo. Ele oferece aprendizado em inglês e espanhol, por exemplo, solicitados em provas como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).  O Memrise tem a mesma proposta. Ambos são gratuitos e estão disponíveis para Android e iOS. No caso do SpeakingPal, a lição traz vídeos de pessoas conversando, sem legenda, para melhorar a compreensão.

Para quem pretende estudar conhecimentos gerais, o Semper pode ser um enorme auxílio. Ele pede para você resolver uma questão toda vez que é necessário desbloquear o smartphone. Apenas a resposta certa permite que o usuário continue sua tarefa. Pode ser baixado de graça para Android e iOS.

E os candidatos que têm dificuldades com física podem baixar o aplicativo Física Interativa. Ele possui um banco de questões do Enem resolvidas em vídeos. Ele está disponível apenas para Android. Outros destaques semelhantes são o RevisApp, para revisão, Geekie Games Enem, com um cronograma de estudos para a prova, e o Stoodi, com conteúdo gratuito para estudos.

Esportivo – Motor desenvolve 400 CV, tem aceleração de 0 a 100 km/h e é feita em apenas 3,7 segundos. Foto: Divulgação

Autos e Afins

Chega ao País o novo Audi TT RS Coupé, versão mais apimentada do TT Coupé. Equipado com motor 2.5 de cinco cilindros capaz de desenvolver 400 CV, o esportivo tem desempenho poderoso, dirigibilidade incrível e oferece boa estabilidade e segurança. Seu preço sugerido é de R$ 424.990.

Graças à utilização de ligas de metais leves, diminuição dos atritos internos e aprimorado desdobramento de potência, o novo motor 2.5 TFSI entrega um desempenho 17% maior, apesar de não haver mudança no deslocamento volumétrico de 2.480 cm³. O cárter e bloco do motor foram concebidos em ligas de alumínio, o que reduz seu peso em 18 kg. O propulsor 2.5l é compacto, medindo menos de 50 cm de comprimento, além de ser, no total, 26 kg mais leve que o anterior. Com 400 cv, ele oferece um nível de potência nunca antes atingido. 

O torque máximo de 480 Nm é oferecido entre 1.700 e 5.850 rpm, o que garante uma força surpreendente, acompanhada de um som inconfundível. Devido à sequência de ignição 1-2-4-5-3, alternando entre os cilindros externos e, por fim, no central, impõe um ritmo de funcionamento característico e especial.

O TT RS Coupé acelera de 0 a 100 km/h em 3,7 segundos, o que corresponde aos níveis alcançados pelos superesportivos. A velocidade máxima é de 250 km/h, limitada eletronicamente. Apesar do aumento no desempenho, o modelo reduz o consumo de combustível.

 

Potência e diversão

A potência do motor 2.5 TFSI alcança o asfalto por meio do sistema de tração integral quattro acoplado à transmissão S tronic de sete velocidades, com trocas de marchas feitas em frações de segundo. A embreagem multidisco eletro-hidráulica, do sistema de tração, distribui a força de forma variável entre os dois eixos e conforme a necessidade. Isso assegura uma alta aderência ao piso aumentando ainda mais a diversão ao volante. A vetorização de torque contribui para uma condução ainda mais ágil, eficiente e segura.

Audi TT Motor

 

Ampla lista de equipamentos

A lista de equipamentos inclui Audi virtual cockpit, bancos esportivos de couro napa fina, acabamento interno em fibra de carbono, volante multifuncional esportivo com base aplanada revestido em couro, capas dos retrovisores na cor preto brilhante, escapamento esportivo RS, faróis Full LED, lanternas traseiras em Oled, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, além de câmera de ré, Audi drive select, sistema Keyless-Go, suspensão esportiva RS, Audi smartphone interface, sistema de som Bang & Olufsen e rádio MMI com sistema de navegação.

Audi TT Painel

Eletrônicos estão em alta no Dia das Mães (Foto: Divulgação)

Economia

Levantamento exclusivo do Zoom, realizado a pedido do Metrô News, mostrou que os produtos mais procurados na internet para o Dia das Mães são smartphones, aparelhos televisores e tênis. A pesquisa levou em consideração o período de 2 à 9 de maio.

De acordo com Leonardo Oliveira, especialista de produtos do Zoom, isso evidencia que há uma tendência maior a esquecer produtos para a casa em dias de comemoração e trocá-los por presentes mais pessoais. “Por isso, é importante pesquisar antes de comprar, porque há uma oferta muito grande de várias marcas”, explicou. “Assim, fica mais fácil acertar na hora de presentear quando há certeza do que sua mãe precisa”, disse.

Depois das três categorias mais buscadas, segundo o portal, os notebooks, as geladeiras, os fogões e as lavadoras de roupa também foram lembrados pelos filhos. “O investimento é bastante grande na maioria dessas seções e, por isso, é preciso ser assertivo. Se a mamãe gosta de tirar fotos, o celular ou o tablet deve ser voltado para isso”, afirmou Oliveira.

Completam o top 10 dos itens mais procurados no comparador de preços jogos de PlayStation 4, livros e fones de ouvido. O portal conta com especialistas para ajudar na compra dos presentes, que podem ajudar e recomendar um produto mais adequado às necessidades da pessoa.

Livros, flores e ingressos possuem menos impostos

De acordo com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), os produtos com menor carga tributária são livros, flores e ingressos de teatro ou cinema, quando comparados com perfumes, relógios e cosméticos. Dos R$ 50 pagos por um livro, R$ 7,76 equivalem a impostos. É o presente com menor tributação (15,52%) no ranking de mais de 30 itens que a ACSP encomendou ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT).

Quem for levar a mãe ao teatro ou cinema irá desembolsar 20,85% de impostos sobre o preço do ingresso. Presentes tradicionais têm as cargas mais elevadas do levantamento: perfume (69,13%), relógio (56,14%), cosmético (55,27%), maquiagem (51,41%), joia (50,44%), calçado (36,17%) e roupa (34,67%). “A diferença de taxação entre os produtos ocorre em razão da atribuição de impostos. Sobre o preço final do perfume há incidência de ICMS (25%) e IPI (30%). Por outro lado, sobre o livro e a flor não incidem esses encargos”, explicou Alencar Burti, presidente da ACSP.   

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

A solução dos problemas começa com um diálogo franco e aberto. Daí ser louvável a reunião agendada para hoje, em Brasília, entre o presidente eleito Jair Bolsonaro e os 27 novos governadores do País. Todos eles têm um grande desafio pela frente, mas, evidentemente, se trabalharem em parceria, e não boicotando o que pode ser bom para o Brasil, haverá grande chance de que os remédios necessários sejam encontrados e o trabalho seja bem feito. Os futuros chefes do Executivo estadual têm muito a contribuir com o presidente eleito. E, politicamente, também têm muito a ganhar, quando o projeto deste novo Brasil der certo. Percebe-se que, aos poucos, as nuvens negras de uma campanha desgastante vão se dissipando, a razão começa a prevalecer e, ao invés de torcer contra, é cada vez maior o número daqueles que preferem alimentar a esperança que a descrença. Aliás, uma célebre frase do escritor latino Públio Siro, diz que “quem perdeu a confiança não tem mais o que perder.” A hora não é para isso. Na verdade, o momento pede que se dê crédito aos novos condutores da Nação e que se guardem as pedras previamente preparadas para serem jogadas na vidraça. E muitos dos novos governadores estão dispostos a ajudar Bolsonaro, inclusive na aprovação da reforma da Previdência, essencial para o ajuste das contas públicas do País. Por sua vez, a maioria das Unidades da Federação também está com suas contas no vermelho, por gastarem mais do que arrecadam, e esperam suporte da União para manter a máquina funcionando. Relatório do Tesouro Nacional, por exemplo, apontou que 16 Estados mais o DF descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal no ano passado, ao destinar mais de 60% da receita para o pagamento de salários e aposentadorias. Assim, sobra cada vez menos para serviços básicos, como segurança e educação. Os problemas são complexos, daí a necessidade do diálogo e da busca por novas perspectivas. E a reunião de hoje em Brasília, com Bolsonaro e os governadores, oferece exatamente esta oportunidade. Desde agora, a capacidade de cada um deles estará colocada à prova, mas já começam bem, buscando o apoio e o entendimento mútuo, ao invés da divisão pura e simples. No final, quem ganha mesmo com isso é o Brasil e os brasileiros. Ainda bem!
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião