Doenças respiratórias crescem no outono e no inverno (Foto: Divulgação)

Saúde

É só mudar o tempo e diminuir a temperatura que as doenças mais comuns do Outono/Inverno começam a aparecer. Resfriados, gripes, rinites, pneumonias, alergias e asma estão entre as doenças que dão a cara nesta época devido não só à mudança de temperatura, mas também a fatores como maior umidade do ar, aumento da concentração de poluentes por causa da inversão térmica e a maior aglomeração de pessoas em ambientes fechados, situação que facilita a transmissão das doenças infecciosas.

Por isso, estar com a imunidade elevada e recorrer a medidas simples, como tomar sol e manter os ambientes arejados e limpos, pode ajudar, e muito, na prevenção destes males. “A imunidade depende de um conjunto de fatores  para se manter em equilíbrio. Entre os emocionais é importante evitar o estresse desnecessário e os descontroles emocionais. Já dentre os físicos podemos citar a atividade física regular, boa qualidade do sono e uma boa alimentação, com produtos menos processados, como frutas e verduras. Um cardápio variado e colorido ajuda o sistema imunológico, pois fornece diferentes nutrientes, essenciais para a manutenção da saúde”, afirma Fabricio Dias, médico da família e consultor da Weleda, empresa de cosméticos orgânicos.

O especialista destaca a luz solar, que faz a conversão da pré-vitamina D na genuína vitamina D, ativa em nosso organismo. “O sol contém raios ultravioletas, que são bactericidas para algumas bactérias causadoras de doenças, como o bacilo da tuberculose.” A exposição deve se dar antes das 10h e no final da tarde, depois das 16h, entre 15 e 30 minutos.

Além da alimentação e do sol regular, evitar o tabagismo e manter distância dos agentes alérgenos (poeira, ácaros, fungos e pelos de animais) são dicas para evitar as temidas doenças alérgicas, comuns nestas estações. Entre elas é possível citar asma, rinite e sinusite, que desencadeiam sintomas como falta de ar, coceira nos olhos, boca e nariz, coriza, espirros, tosse e peito com secreção.

“Esses alérgenos estão presentes na casa toda. É preciso manter o ambiente sempre limpo com um pano úmido. Eles também são comuns em colchões e travesseiros, locais que os ácaros costumam se reproduzir mais. A recomendação é usar capas antiácaros e manter o espaço sempre arejado. Além disso, evite ficar em locais com umidade, onde a proliferação de fungos é muito maior”, ressalta Julinha Lazaretti, especialista em Ciências Biológicas e Imunologia pela Universidade de São Paulo e sócia-diretora da Alergoshop. Há várias formas de se tratar as doenças alérgicas, mas, geralmente, o tratamento é feito com o uso de antialérgicos.

Gripe: vacinação previne contágio

Bastante contagiosa, a gripe costuma se proliferar nas estações mais frias do ano. Normalmente, um indivíduo infectado desenvolve os sintomas de três a cinco dias após ter tido o contato com o vírus, mas, neste período, já pode transmiti-lo. Durante a doença, que dura de sete a dez dias, a transmissão ocorre por meio das gotículas de secreção expelidas no ar pelo doente. “A vacina é a melhor e mais segura forma de se proteger contra o vírus influenza [causador da gripe]”, alertam Adriano Heleno Ribeiro e Thais Morais Pereira, farmacêuticos da rede de farmácias Extrafarma. Ações pontuais, como beber bastante líquido, lavar e higienizar as mãos com frequência, não compartilhar objetos de uso pessoal e evitar contato com pessoas que estejam com sintomas da doença reduzem o risco de contágio. Se surgirem os sintomas típicos da doença, a recomendação é consultar o médico para receber o tratamento adequado.

Confira as 10 dicas:

  1. Deixar o ambiente arejado, se possível com entrada de sol durante um período do dia;
  2. Limpar ambientes com pano úmido (não com aspirador ou vassoura);
  3. Colocar capas em colchões e travesseiros para evitar o contato com os ácaros;
  4. Usar produtos de limpeza para carpetes e tapetes para eliminar o ácaro existente;
  5. Manter a pele e as mucosas hidratadas;
  6. Beber muita água; 
  7. Evitar mudanças bruscas de temperatura;
  8. Alimentar-se bem para manter a imunidade boa e não piorar as alergias;
  9. Tomar sol por, pelo menos, 15 minutos por dia;
  10. Evite acumular objetos que possam reter poeira e desencadear alergias.
BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Sintomas da doença podem confundir especialistas, o que leva à demora do diagnóstico final (Foto:Divulgação)

Saúde

Desde o ano de 2008, em mais de 70 países, o dia 28 de fevereiro é lembrado por ser o Dia Mundial das Doenças Raras. A estimativa é de que existam de seis mil a oito mil tipos destes males, incomuns, singulares, do tipo que, nem mesmo os médicos, veem todos os dias. Estima-se que 80% delas são decorrentes de fatores genéticos, estando os outros 20% associados a fatores imunológicos, infecciosos e ambientais.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças raras afetam até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos em todo o mundo. No Brasil, o número de casos chega a 13 milhões. “Estamos falando de milhares de doenças, com diferentes causas. O teste do pezinho detecta algumas delas, tais como fenilcetonúria, anemia falciforme e fibrose cística. O aumento do conhecimento sobre estas doenças está trazendo à rotina do raciocínio diagnóstico dos médicos problemas até então menos conhecidos, como doença de Gaucher, doença de Fabry, alfa-manosidose, entre outras”, afirma o pneumologista Carlos Eduardo Chueiri, diretor médico da Chiesi.  

Exame do Pezinho DIVULGAÇÃO

Exame do pezinho pode 48 patologias (Foto: Divulgação)

A dificuldade para se chegar ao diagnóstico correto e fazer o tratamento adequado em longo prazo torna a saga de quem possui uma enfermidade rara muito mais difícil. Recentemente, uma pesquisa do jornal científico The Journal of Rare Disorders (JRD) constatou que um paciente passa, em média, por 7,3 médicos e leva de cinco a seis anos até ter o seu diagnóstico fechado. Isso porque, muitas vezes, os sintomas que as doenças raras podem causar variam de pessoa para pessoa e podem se confundir com sintomas de outras moléstias mais recorrentes. “Um aspecto importante que deve ser levado em consideração é que as doenças raras apresentam sintomas multissistêmicos,ou seja, acometem vários órgãos ao mesmo tempo”, ressalta Chueiri. Por conta disso, o tratamento junto ao paciente deve ser multidisciplinar, envolvendo vários profissionais da saúde.

 

Corrida contra o tempo

Ana Lúcia Langer, pediatra e presidente da Associação Paulista de Distrofia Muscular, destaca que, quanto mais precoce for detectada a doença, melhor o resultado. Um dos exames primordiais é o teste genético. “Faz o devido mapeamento e isto é muito importante para dar qualidade de vida para o paciente”, reflete.

Como 80% das doenças raras tem origem genética, o geneticista é o especialista mais adequado para detectá­las e tratá­las. Porém, o médico de entrada desses pacientes muitas vezes são especialistas, como neurologistas, pediatras ou ortopedistas. Não existe cura para doenças raras. Em 95% dos casos, não existe um tratamento específico. Dos 5% que contam com tratamento, 2% necessitam de medicamentos órfãos. “A descontinuidade do tratamento compromete muito a qualidade de vida do paciente, trazendo limitações ao seu dia a dia”, diz o pneumologista Carlos Eduardo Chueiri.

Governo define prioridades

Em todo o Brasil, existem os centros de referência que são, oficialmente, habilitados pelo Ministério da Saúde como modelo no cuidado com doenças raras. O Estado de São Paulo conta atualmente com oito locais. Entre eles, pode­-se mencionar o Hospital das Clínicas de São Paulo da FMUSP e o ambulatório de especialidade da Fundação do ABC (FUABC).

A lista dos locais autorizados que são habilitados junto site do Ministério da Saúde, dentro do Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES).

Diante das dificuldades encontradas em todo o percurso, muitos recorrem ao auxílio de diversas associações. A Associação Brasileira de Doenças Raras (ABDR), por exemplo, auxilia aqueles que precisam agendar exames e necessitam, após receber o diagnóstico, do tratamento adequado.

“Como não temos junta médica, a associação recomenda que, inicialmente, o paciente vá até o posto de saúde ou ao hospital onde foi atendido até então e peça encaminhamento para ir ao geneticista. Caso haja dificuldades neste processo, o papel da associação é fazer a intermediação para que o diagnóstico, o tratamento e o acompanhamento sejam obtidos o mais breve possível”, diz Roberto Sales, da ABDR. Outra entidade importante é a Sociedade Brasileira de Genética Médica, especializada em doenças raras no Brasil.

Coceira, ardor e corrimento genital branco são sintomas da doença: (Foto: Divulgação)

Saúde

Queixa comum dentro dos consultórios ginecológicos, a candidíase vulvovaginal é causada por um fungo chamado Candida e é caracterizada geralmente por intensa coceira, corrimento genital e vermelhidão.

Apesar de fazer parte do organismo, este fungo, quando presente em quantidade elevada, desencadeia a infecção, que atinge cerca de 75% das mulheres. E isso pode ocorrer devido a fatores como desequilíbrio da flora vaginal, baixa imunidade e estresse.


“A Candida está no nosso organismo, às vezes, no trato gastrointestinal, e também fica no meio ambiente. Se nos contaminamos pelo trato gastrointestinal, o fungo, que está neste local, migra para a vagina. É comum termos o fungo também no meio vaginal e não sentirmos nada. Geralmente, os sintomas da candidíase só aparecem quando se tem uma queda na resistência, explica a Dra. Adriana Campaner, responsável pelo Ambulatório de Patologia Genital da Santa Casa de São Paulo.


Existem vários tipos de cândidas, mas a que costuma se manifestar com mais frequência é a Candida albicans, que apresenta os sintomas menos incômodos. Entre eles, estão coceira, ardor e vermelhidão na vulva e na vagina, odor e a presença de um corrimento branco, parecido com nata de leite.


Em algumas situações, também é possível que haja fissuras, que podem surgir por conta do ato de coçar. “Um exame diagnóstico e clínico vai avaliar as características da secreção e o pH da vagina”, descreve o Dr. Renato Oliveira, responsável pela área de Reprodução Humana da Criogênesis e coordenador da disciplina de Saúde Sexual e Reprodutiva da Faculdade de Medicina do ABC.


O tratamento da candidíase é feito com antifúngicos, que são ministrados via medicação oral e associados ao uso de um creme. Dependendo dos sintomas, o tratamento pode durar de um a sete dias.

Parece, mas não é

Nem sempre a coceira vulvovaginal está relacionada a candidíase. Se os sintomas da infecção aparecem mais de quatro vezes ao ano, o problema pode estar associado a outros agentes que desencadeiam sintomas semelhantes. “É preciso solicitar exames, fazer pesquisa das bactérias vaginais e um exame ginecológico adequado. Com isso, se chega à conclusão se a paciente tem mesmo, ou não, a candidíase e, caso a infecção se confirme, que tipo de Candida a está atacando”, explica a Dra. Adriana Campaner.

Segundo ela, neste caso, o tratamento é dividido em dois momentos: inicialmente é feito o tratamento de ataque, com comprimido e medicação vaginal para combater os incômodos sintomas. Depois vem o tratamento preventivo, que pode ser à base de comprimido ou creme vaginal. “Existem vários outros tipos de medicações para uso semanal – geralmente, na véspera da menstruação – para evitar que a Candida volte”, frisa a especialista.

Alimentação e higiene são aliadas para que a candidíase não retorne às mulheres

Quem quer passar longe da candidíase deve associar ao tratamento dois aliados imprescindíveis: alimentação e higiene. Açúcares, doces, gorduras e carboidratos (como pães e massas) devem ser evitados, pois aumentam a incidência da Candida no organismo.

Já a higiene deve ser realizada com sabonete íntimo e as lingeries lavadas à parte, somente com sabão de coco. “O ideal é evitar o sabão em pó e o amaciante, pois eles, geralmente, possuem na formulação uma substância chamada propilenoglicol, que pode causar alergia”, descreve Dr. Renato Oliveira, da Faculdade de Medicina do ABC.  

Evitar roupas apertadas, fazer atividade física e investir em uma alimentação saudável também são conselhos bem-vindos para quem quer se ver livre de uma vez por todas desse desconforto.

Doença possui diferentes tipos de manifestações

A região vulvovaginal não é a única a ser impactada pela candidíase. Ela também pode se manifestar em partes como boca, pele, sangue e garganta. Os homens também podem desenvolver a doença, apesar de ela ser mais recorrente em mulheres devido, principalmente, ao ambiente úmido e quente da região genital feminina.

O tratamento para a candidíase masculina também é feito com comprimidos via oral e pomadas antifúngicas. Vale lembrar que, apesar de também se desenvolver em uma região íntima, a candidíase não é uma doença sexualmente transmissível.

Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, números de casos em 2018 são menores do que os de 2017 (Foto: Cristina Indio do Brasil/Agência Brasil)

Saúde

O Instituto Evandro Chagas apresentou nesta quinta-feira (15), durante coletiva de imprensa no Ministério da Saúde, pesquisa que aponta que o mosquito Aedes albopictus, conhecido como Tigre Asiático, está suscetível ao vírus da febre amarela em ambiente silvestre ou rural. Mosquitos infectados foram capturados, no ano passado, em áreas rurais próximas aos municípios de Itueta e Alvarenga, em Minas Gerais. O instituto é vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde.

Diretor do Evandro Chagas, Pedro Vasconcelos explicou que, se houver transporte do inseto para áreas urbanas, o mosquito pode vir a servir de vetor de ligação entre os dois ciclos possíveis da doença no Brasil: o ciclo urbano, que não tem sido mais registrado no país desde a década de 40, e o silvestre, que é o responsável pelas transmissões atuais. Essa possibilidade, no entanto, ainda não está confirmada.

“Em princípio, é uma evidência. A gente não pode falar em risco ainda pelo encontro do vírus nesse mosquito Aedes albopictus. Ele é um mosquito que, por sua filogenia, é mais silvestre que urbano ou periurbano. Como ele se adapta bem às áreas florestais, ele pode ter sido infectado por macacos, mas não se sabe ainda qual é a capacidade vetorial dele”, afirmou Vasconcelos.

Agora, o instituto deve trabalhar na avaliação dessa capacidade, pois apenas a presença do vírus não significa que o Aedes albopictus tenha adquirido o papel de vetor da febre amarela. Também será estudado, nos próximos dois meses, se mosquitos do gênero continuam apresentando presença do vírus nas cidades mineiras inicialmente investigadas.

A possibilidade desse mosquito atuar como transmissor intermediário já era investigada, dado que papel semelhante é exercido por várias espécies de Aedes na África, continente que ainda registra também a febre amarela urbana. “O encontro do vírus no mosquito, por si só, não autoriza a ninguém a afirmar que ele seja um transmissor da febre amarela, porque vários mosquitos são encontrados na floresta infectados, mas somente o [Aedes] haemagogus e sabethes é que são os transmissores da febre amarela silvestre”, de acordo com pesquisas já confirmadas.

O ministro Ricardo Barros avaliou que a descoberta “mostra que temos sido diligentes na busca de fatos novos e de entender por que houve aumento de casos [de febre amarela] no ano passado”. Para ampliar o escopo do estudo e a capacidade de avaliação, o ministério aprovou a realização de uma força-tarefa de captura de mosquitos em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

“Nós esperamos ter o cuidado e a cautela, como tivemos sempre, de averiguar todas as possibilidades, para que nós possamos controlar todos os episódios de febre amarela no Brasil”, acrescentou Barros. Ele também destacou a importância de a população manter-se vigilante e no combate ao já conhecido Aedes aegypti, que até as primeiras décadas do século 20 foi responsável por transmitir a febre amarela no ambiente urbano.

Número de casos

Na coletiva, o ministro descartou a ocorrência de epidemia de febre amarela neste momento e reiterou que não há registro de febre amarela urbana. O número de casos da doença é, inclusive, menor do que no ano passado. Entre 1° de julho de 2017 e 15 de fevereiro de 2018, foram 407 casos confirmados no Brasil. Em São Paulo, foram 118 até hoje; no Rio, 68; e no Distrito Federal, 1. No mesmo período do ano passado, foram 532 ocorrências.

Quanto aos óbitos, até agora foram 118, contra 166 no mesmo período de 2017. “Nós temos tido menos casos e menos óbitos do que no ano passado. Isso demonstra que as medidas preventivas foram adequadas”, apontou Ricardo Barros.

Mudanças impostas pelo Estado de São Paulo prejudicaram crianças autistas (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Opinião

A insensibilidade do governo estadual ao impor exigências sem diálogo prejudicou mais de 2,5 mil alunos autistas de escolas conveniadas. Ao alterar edital às vésperas do início do ano letivo, o governador Geraldo Alckmin condicionou o repasse de recursos sem garantir o devido tempo para estabelecimentos se readequarem.


As mudanças desrespeitaram e afetaram alunos, pais e unidades credenciadas. Publicado no final de janeiro, algumas escolas não puderam retomar as atividades. Entre as justificativas para melhorar a estrutura e cumprir orientação do Tribunal de Contas do Estado, ficou a dúvida sobre o propósito em cortar o atendimento às crianças especiais.


Pais, educadores e apoiadores se manifestaram contra as medidas e a interrupção de aulas e atividades multidisciplinares e pediram a revogação do decreto. Decisão da Justiça determina que o Governo garanta o transporte e pagamento às conveniadas, entre R$ 1,2 mil e R$ 1,7 mil por aluno, conforme o tempo de permanência.


São apenas 25 escolas conveniadas e o Governo não pode prejudicar o atendimento. Ninguém é contra o avanço da qualidade. Mas aulas adequadas, atividades individuais, rotina escolar e a contínua preparação de autistas para sua autonomia são fundamentais. Não podem ser interrompidas abruptamente sob qualquer pretexto.


A necessidade de educadores especializados, uniforme, alimentação, material escolar e de higiene precisa de um repasse justo. Exigir, sem contrapartida do Estado, só deixa o aluno autista desassistido. Todo tratamento tem métodos e procedimentos específicos elaborados por uma equipe multidisciplinar para o desenvolvimento progressivo.


O Governo mostra a visão rasa sobre os aspectos socioeducativos. Como sempre, apega-se às questões burocráticas para se justificar e interdita e viola direitos, sem propor um sistema educacional público e inclusivo, com o qual educação, terapias e convivência universal com as diferenças sejam garantidas a todos alunos.

*Edmilson Souza é professor de História, educador e vereador em Guarulhos

Atriz foi um dos principais nomes do humor da Globo nos anos 90 e 2000 (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Convivendo há anos com esclerose múltipla, a atriz e comediante Claudia Rodrigues voltou a ser internada, ontem, no centro médico Cevisa, em Engenheiro Coelho (SP) após complicações da doença. Ela teve falta de audição e visão e ainda falou algumas coisas desconexas e precisou ser internada às pressas.


Em entrevista ao portal UOL, a empresária da artista, Adriane Bonatto, informou que Claudia sofreu um surto e não conseguia nem caminhar. De acordo com ela, não há previsão de alta para a atriz. Em junho, ela foi internada para tratamento de reabilitação de células-tronco e só foi liberada em janeiro.


A carreira de Claudia é bastante conhecida, já que ela foi um dos principais nomes dos programas de comédia da Globo. Ela passou, por exemplo, por “Sai de Baixo”, “Escolinha do Professor Raimundo” e “Zorra Total”. Além desses, ela foi protagonista na série “A Diarista”, entre 2004 e 2007.

Vacina é a única garantia de imunização contra a febre amarela (Foto: Lucas Dantas)

Cidade

Após registrar a morte de macacos por febre amarela na divisa entre as regiões Sul e Oeste da capital paulista, a prefeitura decidiu ampliar, a partir desta quarta, 07, a vacinação contra a doença para os distritos do Itaim-Bibi e Morumbi. 

As mortes dos animais aconteceram no início de fevereiro nos distritos de Santo Amaro e Campo Grande, na Zona Sul, que já estavam incluídos na atual fase da campanha de imunização. Como Itaim e Morumbi estão próximos dos endereços onde os macacos foram encontrados mortos, os locais foram adicionados à campanha.

A ação será realizada em três Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos distritos: Real Parque, Dr. José de Barros Magaldi e Meninópolis. Os interessados deverão procurar as unidades e retirar uma senha.

A Secretaria Municipal de Saúde também ampliou a imunização para o distrito de Vila Matilde, na Zona Leste, pela proximidade com o Parque do Carmo, onde também houve mortes de macacos. Pelo menos 125 animais já tiveram o diagnóstico confirmado da doença na Capital desde outubro do ano passado.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

O PT foi omisso em relação à falta de democracia na Venezuela, enquanto Temer não tem dado o suporte necessário para Roraima (Foto: Reprodução/Rede TV/Fotos Públicas)

Opinião

O lamentável episódio na remota cidade de Pacaraima, um dos pontos mais ao Norte do território brasileiro, serviu não apenas para desnudar a crise que representa a imigração venezuelana para o Estado de Roraima e para o País como um todo. Mas também para alinhar o discurso de boa parte dos presidenciáveis. De Geraldo Alckmin (PSDB) a Guilherme Boulos (Psol), de João Amoêdo (Novo) a Marina Silva (Rede), houve um chamamento ao bom-senso e da lembrança da tradição brasileira de acolher os mais diversos povos que aqui chegaram, deixando para trás uma dura realidade de sua nação natal. “Temos uma tradição humanitária no Brasil, de receber as pessoas que estão fugindo, na realidade, do desastre econômico venezuelano”, lembrou Alckmin.  Amoêdo destacou que 87% da população da Venezuela vive na pobreza e que “o Brasil, como nação, tem o dever de ajudar”. Boulos repudiou o que chamou de “atos movidos por ódio e xenofobia” e, na mesma linha, seguiu Álvaro Dias, que considerou ainda que “o Governo federal deveria enviar força-tarefa ao Estado.” Já Marina lembrou que são dois grupos de “desvalidos” que precisam de ajuda: os venezuelanos e os habitantes de Roraima. Por um aspecto, a visão da ex-senadora está precisa. Foi ela quem lembrou que o Brasil negligenciou duplamente a situação da Venezuela, e este silêncio contribuiu, ainda que indiretamente, para o quadro que hoje se assiste. Primeiro, o governo do PT, em função de seu alinhamento político e ideológico fez vistas grossas à situação de falta de democracia no país vizinho, desde a época de Hugo Chávez, se deteriorando ainda mais com Nicolás Maduro. Como a grande potência regional, o Brasil foi omisso e não usou de sua então privilegiada condição para denunciar e tentar dar novos rumos àquela realidade. Agora, sob Temer, lavaram-se simplesmente as mãos e pouco se fez para ajudar o paupérrimo Estado da região Norte, que está longe demais da capital federal. É nítido que Roraima não tem condições de lidar com o problema. A questão é complexa. Mas, certamente, fechar fronteiras, atear fogo em acampamento de imigrantes e expulsá-los a chutes, tiros e pontapés não representa a solução.

Maria Aparecida Pinto é a única negra candidata ao Senado por São Paulo (Foto: Alesp/Divulgação)

Cidade

A média de candidatos negros no Estado de São Paulo é menor do que a média nacional. Entre os paulistas, 72,52% dos 3.737 candidatos são brancos, enquanto os negros são apenas 26,2% dos postulantes paulistas a cargos eletivos. Na análise do Brasil inteiro, 52,78% dos candidatos são brancos, enquanto pretos (como é denominado na pesquisa) e pardos sobem para 46,13%. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral. A maioria dos candidatos paulistas é formada por homens, com 68,1% de representatividade, e exercem as funções de empresário (12,34%) e advogado (7,89%), com índice de curso superior de 54,88%.  Segundo Jacqueline Quaresemin, especialista em opinião pública, o Congresso tem um perfil de branco, rico e conservador, mas não se deve usar isto para um embate entre o branco rico e o negro pobre. Ela avalia que isso se trata de uma questão histórica, com grandes famílias que sempre tiveram recursos e que continuam a se perpetuar no poder, e do interesse de outras classes, como as empreiteiras citadas na Lava Jato, que criam este cenário. “Continuamos em uma visão colonial de classe. Se esse ciclo não for rompido, nada vai mudar”, argumentou. A opinião da especialista vai ao encontro a um estudo dos doutores em Ciência Política Luiz Augusto Campos e Carlos Machado, que concluíram, com base em dados das eleições de 2012 e 2014, que a raça não é o valor determinante para o voto. “A origem da classe [econômica], combinada aos critérios de recrutamento partidário, explicam em grande medida a ausência de não brancos no Parlamento”, afirmam. A Justiça Eleitoral não divulga dados sobre classe econômica.  Mulheres ainda têm menor representatividade A concorrência por uma das 94 cadeiras na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) é de 22 candidatos para cada vaga. Mas, na atual Legislatura, apenas dez mulheres conseguiram votos suficientes para obter o diploma de deputada estadual, sendo que somentes duas são negras. Para muitas candidatas, o problema maior é consolidar as tarefas familiares, a campanha e o trabalho, uma espécie de tripla jornada, que dificulta a participação feminina na Alesp. Pelo menos é isso que ocorre com a candidata Rute Barbosa (PCdoB), que é mulher e autodeclarada negra. Ela não acha que o fato de ter mais brancos impeça a criação de políticas públicas, mas avalia que existe uma diferença de pensamento. “Quando você tem um entendimento real da situação de um grupo social você tem mais condição de defender as necessidades destas pessoas”, disse. Segundo Rute, o principal problema é a representatividade e, mesmo em um partido de esquerda, é difícil para uma mulher conseguir recursos para financiar a campanha. Já na disputa por uma das vagas no Senado, a psicóloga Maria Aparecida Pinto (MDB), conhecida como Cidinha, é a única negra candidata paulista. 

Candidato do Novo acredita que a máquina pública brasileira está inchada (Foto: Reprodução/Instagram)

Nacional

O Partido Novo foi criado em 2011 com um alinhamento liberal, o que significa menor tamanho da máquina pública, redução de privilégios e de números de políticos e uma maior liberdade para empreender. Apesar de apresentar medidas que muitos eleitores elencam como essenciais, a sigla ainda não conseguiu transformar este ideal em voto, segundo João Amoêdo, pré-candidato à Presidência da República, porque “ainda são desconhecidos”. Na última eleição que participou, em 2016, o Novo elegeu quatro vereadores em cinco cidades que disputou vagas ao Legislativo. Este ano, a sigla, que recusa a utilizar o fundo partidário e eleitoral – que deve esvaziar em R$ 2,5 bilhões os cofres públicos –, concorre com cerca de 300 nomes ao pleito de deputado federal e 130 ao estadual. Seis senadores devem se candidatar pela legenda, que conta ainda com seis postulantes à função de governador. Estes políticos se comprometem em reduzir o número de cargos e até da verba utilizada com despesas pessoais. Os 22 mil filiados do Novo, que passam por uma espécie de processo seletivo, contribuem com R$ 29,90 por mês. Para Amoêdo, a meta é conseguir eleger 30 deputados federais para que o partido tenha corpo e “consiga avançar com propostas de renovação da sigla”. Carioca, executivo do setor bancário e com 55 anos, Amoêdo acredita que a alta burocracia e a falta de competitividade complicam a vida do brasileiro, que arca com uma máquina pública inchada e custosa que pesa cada vez mais no bolso do brasileiro. Com 55 anos, João Amoêdo tem como bandeira a facilitação da vida do empreendedor brasileiro (Foto: Reprodução Instagram) Qual o principal diferencial do Novo para com os outros partidos? Tem vários aspectos: o único partido ficha limpa, o único partido que não utiliza dinheiro público, nem fundo partidário, nem fundo eleitoral. Entendemos que temos que ter mais liberdade econômica para o cidadão brasileiro, que hoje paga impostos demais. Nós queremos desburocratizar, para deixar os pequenos e médios empreendedores crescerem e gerarem empregos. Uma diferença é justamente a defesa que a gente faz mais do cidadão, e não do governo. A privatização de todas as empresas estatais. Nós entendemos que seria um bom sistema para reduzir a corrupção, aumentar concorrência e a qualidade dos produtos. Apesar de falar em cortar gastos, o eleitor brasileiro espera assistência do governo em praticamente todas as áreas. Como o senhor pretende atrair o eleitor? O eleitor brasileiro começou a notar que o Estado cresceu muito sobre a justificativa de que iria nos dar muita coisa e foi ficando menos eficiente, tirando nossa poupança. O Estado deveria se concentrar nas áreas essenciais: saúde, educação básica e segurança. Qual seria o número ideal de ministérios para vocês? A gente trabalha com a ideia de dez a doze ministérios. O Estado brasileiro foi sendo inchado pela necessidade dos políticos de se perpetuarem no poder em troca de cargos, indicações política, e toda essa conta acabou indo para o cidadão brasileiro.  Como você faria para reduzir a dívida pública? A primeira coisa é equilibrar as contas. Mais responsabilidade fiscal, Reforma da Previdência, redução do Estado. Algo que tem que estar claro é que o equilíbrio das contas tem que ser via corte de custos, sem aumento de impostos. No liberalismo do Novo, existe espaço para agências reguladoras? Eu entendo que as principais agências reguladoras são os consumidores em um ambiente de livre mercado. Mas, como não temos este modelo, as agências podem ter o seu papel em alguns setores. No entanto, no período em que existirem, tem que ter uma indicação de cargos técnicos. Nós vimos, recentemente, que elas são aparelhadas politicamente. O MDB lidera estas indicações e as agências acabam se desvirtuando, viram um local de atendimento de demandas e negociações políticas. Amoêdo afirma que agências reguladoras não podem ser balcões de negócios (Foto: Reprodução/Instagram) Mas este comportamento traria um descontentamento de muitos políticos. Como você faria para governar neste meio? O nosso principal desafio é ter um grande aliado: a população. Hoje, existem três grandes grupos que precisamos cortar privilégios e benefícios que são pagos pelo povo cujos recursos deviam ir para áreas essenciais. O primeiro grupo é dos políticos. Tem que acabar com dinheiro público para partidos políticos, reduzir em um terço o número de congressistas e diminuir muito a verba de gabinete e o número de assessores. Quando elegemos quatro vereadores, eles cortaram 39 assessores, ficaram apenas com seis, e cada um faz uma economia de R$ 4 milhões por ano. Interessante lembrar que são quase 58 mil vereadores. Um dado que eu gosto de deixar claro é que o Congresso custa, hoje, R$ 29 milhões por dia. E quais seriam os demais grupos? O segundo grupo é a elite do funcionalismo público que recebe, especialmente, pensões muito elevadas. Um estudo feito pelo Banco Mundial mostrou que funcionários federais recebem 67% a mais que o setor privado. Enquanto na área privada não tem reajustes, na iniciativa pública tem sempre reajuste salarial, pressão dos funcionários e outro ponto, na área privada, se você não tem bom desempenho pode ser demitido, mas no serviço público, não. E o terceiro grupo são setores empresariais que têm grandes benefícios do governo, como taxas de juros subsidiadas e isenção de impostos. Tudo isso cria uma distorção na economia e uma transferência de renda. O Estado brasileiro acaba, no fundo, sendo um grande concentrador de renda, fomentando a desigualdade quando se espera o contrário.   Os bancos hoje cobram juros exorbitantes em seus empréstimos, mas pagam valores risíveis nos rendimentos de investimentos. Como mudar isso? O que eu entendo é que a burocracia e a falta de concorrência favorecem os grandes bancos. Vários bancos estrangeiros que estiveram no Brasil decidiram ir embora, fecharam sua operação. Com mais oferta e mais concorrência você vai conseguir baixar os spreads bancários. E como seria a sua relação com o Judiciário? Eu entendo que temos grandes desafios. Aumentar a independência das instituições para que uma não aumente seu poder sobre a outra. O Judiciário, em alguns casos, age de forma correta, mas no Brasil tudo tem sido muito judicializado.  Este é um problema que tem que ser resolvido. Perdemos produtividade, atrasam processos e acaba trazendo instabilidade quando as regras não são muito claras. Deste jeito é difícil atrairmos investimentos. O Judiciário tem autonomia nos seus salários, então temos que começar dando o exemplo, cortando 50% de assessores, verba de políticos eleitos. Pretendo cortar vários gastos do presidente da República, que custa R$ 560 milhões por ano. Candidato se diz a favor da união homoafetiva e contra o Estatuto do Desarmamento (Foto: Reprodução/Facebook) Você acredita no conceito de meritocracia? Eu entendo que as pessoas têm que ter o reconhecimento pelo trabalho que entregam, independentemente do ponto de largada que elas têm. Pessoas com o mesmo ponto de largada podem ter resultados diferentes. O que falta no Brasil, fundamental na educação básica, é permitir que todas as pessoas tenham alguma formação inicial que as permita ter oportunidades, mas o Estado tem deixado muito a desejar neste quesito. Tem que ter uma avaliação meritocrática que valorize os bons funcionários e substitua os maus. Em temas como união entre casais homoafetivos, liberação de armas e aborto, como você se posiciona? Nos dois primeiros temas sigo o entendimento do partido. Sou favorável à união homoafetiva e contra o Estatuto do Desarmamento. O aborto o partido deixa como uma questão pessoal. Eu, particularmente, sou contra, mas não travaria a pauta no Congresso. O que você melhoria no Sistema Único de Saúde (SUS)? O que precisa fazer é melhorar a gestão. O SUS é importante, tem uma estrutura montada, agora a gente quer melhorar a gestão, melhorar a responsabilidade, incluir tecnologia, marcação de consultas, prontuário eletrônico, tudo sendo integrado. E como seria na questão habitacional? A gente tem que melhorar a renda das pessoas para que elas possam ter a capacidade de comprar suas casas, ter uma estabilidade para financiamento em longo prazo. Existem programas de habitação, mas a gente acaba vendo que eles não funcionam.    

Bolsonaro atraiu filiações ao PSL (Foto:Fernando Frazão/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

Apenas partidos pequenos aumentaram o número de candidatos nas eleições deste ano em relação a 2014. Enquanto siglas tradicionais como PT, PSDB, MDB, PDT e PSB reduziram a quantidade total de registrados, houve um aumento expressivo entre as siglas de menor porte. O partido de Jair Bolsonaro, o PSL, é o que mais apresentou candidatos - 1.451, um aumento de 74,4% em relação a 2014. Das 35 siglas existentes, 12 vão ter mais postulantes neste ano do que nas últimas eleições gerais - PSL, PROS, Avante, Podemos, PRB, Solidariedade, PMN, PCO, PSOL, Patriota, PRTB e PPL. Há ainda três partidos que vão estrear nas urnas em âmbito nacional: Rede, Novo e PMB, que, juntos, somam 1.606 candidaturas. Os números têm como base os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É possível que haja pequenas alterações até o dia 20, quando as informações estarão 100% atualizadas. A legenda que registrou a maior variação porcentual no número de candidaturas foi o PCO (142,8%). A sigla, no entanto, é um ponto fora da curva - tinha apresentado somente 49 candidatos em 2014 e, agora, lançou 119. Em seguida, vem o PROS, com 1.018 candidatos, ante 485 em 2014 (aumento de 109,9%, mais que o dobro de um pleito para o outro). Entre os que mais reduziram candidatos, estão PCB (diminuição de 45,2%), PTB (-33,4%) e PSTU (-31,9%). Entre as siglas maiores, PSB (-31,4%), PSDB (-18,3%) e PDT (-16,4%) tiveram os maiores índices de diminuição de candidatos. O PT registrou queda de 6,8% e o DEM, de 5,5%. Segundo o cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, uma das explicações para este cenário pode ser a cláusula de barreira, que, a partir de 2018, impõe aos partidos desempenho mínimo para que sejam autorizados a ter acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV no horário eleitoral. "Os pequenos estão em busca de capilaridade", disse Teixeira. A nova regra exige, para este ano, que as legendas tenham 1,5% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação e com 1% em cada uma dessas unidades. A cláusula aumenta gradativamente até 2030 e busca afunilar o sistema partidário brasileiro, altamente fragmentado. Para a cientista política Luciana Veiga, professora da UNI-Rio, a estratégia faz sentido e pode servir à sobrevivência. "Mesmo que não elejam muitos nomes, os partidos com várias candidaturas têm chance de alcançar a cláusula com uma votação mais pulverizada." Um caso mais específico é o do nanico PSL, que, com a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República, atraiu deputados na janela partidária e, agora, busca se consolidar com a ampliação da bancada no próximo pleito. "O PSL não tinha nada, arranjou meia dúzia de deputados e agora precisa crescer (para se manter vivo)", afirmou Teixeira. Conforme o Estado mostrou na quarta-feira, a nova casa de Bolsonaro registrou mais de 13,6 mil filiações em 2018, impulsionadas pela figura do presidenciável. Trata-se de número quatro vezes maior que o dos partidos adversários na disputa pelo Palácio do Planalto. Concentração Quanto aos partidos tradicionais, o motivo da diminuição de candidaturas passa por um uso mais direcionado dos recursos do fundo eleitoral. Com as regras inéditas de financiamento de campanha, as siglas apostam mais em candidaturas viáveis, com pouca abertura à renovação. É o caso do PSB, a legenda tradicional que mais reduziu o número de postulantes. A estratégia, segundo o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, é concentrar os recursos em campanhas com grandes chances de vitória. "O novo fundo não facilita a renovação", afirmou ele. O PSB não tem candidatura própria à Presidência da República e não compõe nenhuma coligação, mas conta com nomes fortes em eleições regionais. "O fundo eleitoral concentra muitos recursos nos grandes. O problema dos maiores não é dinheiro, não é sobrevivência. É otimizar os cargos que já têm", afirmou Luciana Veiga. 
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

É aconselhável ter cautela nas redes sociais (Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas)

Opinião

O PT foi omisso em relação à falta de democracia na Venezuela, enquanto Temer não tem dado o suporte necessário para Roraima (Foto: Reprodução/Rede TV/Fotos Públicas)

Opinião

Até a Independência, proclamada por Dom Pedro I, a Justiça brasileira era regida pela Família Real portuguesa (Foto: Divulgação)

Opinião

Todos precisam fazer sua parte para que doenças sejam erradicadas e não voltem a aterrorizar crianças brasileiras (Foto: Tomaz Silva/ABR/Fotos Públicas)

Opinião