Atenção: chá verde e mel não solucionam acne de graus 3 e 4 (Foto: Reprodução/Twitter)

Saúde

Um tratamento esquisito para acne ganhou destaque no Twitter. Segundo a usuária @hildapazrobles, as espinhas sumiram após o uso de chá verde e mel, parte aplicada nas feridas e outra, bebida. Seria mais uma notícia falsa?

Segundo a dermatologista Larissa Viana, não. A especialista reitera que beber e aplicar chá verde e mel pode, de fato, ajudar no tratamento do problema.

“O mel é um esfoliante e anti-inflamatório natural. Ele desobstrui os poros. O chá verde também tem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, que reduzem a vermelhidão, protege a pele e melhora a circulação sanguínea”, explica.

Mas a Dra. Larissa alerta que, no caso de acne de grau 3 e 4, é necessário recorrer a tratamento mais eficaz. “Não seria possível alcançar os resultados das fotos apenas com uma solução caseira. Seria preciso receitar medicamentos via oral, como antibióticos.”

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

VEJA NOSSA EDIÇÃO DO DIA

Atacante marcou em seu 100º jogo com a camisa uruguaia (Foto: Reprodução/Instagram/aufoficial)

Copa 2018

Atletas de Portugal abraçam Cristiano Ronaldo, que marcou quatro gols em dois jogos na Copa do Mundo (Foto: Divulgação/www.fpf.pt)

Copa 2018

Cheryshev marcou novamente para a Rússia e seleção anfitriã se aproxima da vaga (Foto: Reprodução/ Twitter Team Rússia)

Copa 2018

Senegal divide liderança do Grupo H com o Japão (Foto; Reprodução/Facebook FSF)

Copa 2018
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

População idosa cresce a cada dia no Brasil (Foto: Arnaldo Felix / Prefeitura de Caruaru/Fotos Públicas)

Opinião

Presidente norte-americano foi questionado até pela primeira-dama dos EUA (Foto: G7 Organização/Fotos Públicas)

Opinião

Museu dedicado a Mazzaropi em Taubaté. Ele foi um dos grandes nomes do cinema nacional (Foto: Miguel Schincariol/GESP/Fotos Públicas)

Opinião

Romero Jucá deve concorrer novamente a uma cadeira no Senado, mesmo com inquéritos abertos no STF (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Opinião