15
Qui, Nov

Superfaturamento pode superar R$ 450 milhões, segundo a PF (Foto: José Cruz/ABR)

Nacional

O ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) está entre os investigados da Operação Cartão Vermelho, deflagrada nesta segunda-feira, 26, pela Polícia Federal para investigar possíveis irregularidades em contratos envolvendo as obras do Estádio Arena Fonte Nova, em Salvador, na Bahia.Um dos mandados de busca e apreensão foram feitos em sua casa, localizada em Salvador, informou por meio de nota o Partido dos Trabalhadores.

A Superintendência da Polícia Federal na Bahia informou que o ex-governador teria recebido R$ 82 milhões dos cerca de R$ 450 milhões desviados de obras da Arena Fonte Nova. 

Em nota, o PT classificou o episódio como “invasão”, relacionando-o ao que chama de “campanha de perseguição contra o Partido dos Trabalhadores e suas principais lideranças”.

De acordo com a PF, há suspeitas de irregularidades em contratos envolvendo serviços de demolição, reconstrução e gestão do estádio. Um laudo pericial da PF informa que o caso pode ter resultado em um superfaturamento que, em valores corrigidos, superaria R$ 450 milhões.

Segundo a Polícia Federal, grande parte desses recursos teve como destino o pagamento de propina e financiamento de campanhas eleitorais. Ao todo, sete mandados de busca e apreensão foram cumpridos em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso.

As suspeitas são de que, na prestação desses serviços, foram cometidas irregularidades como fraude em licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro.

Na nota divulgada há pouco pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PT-PR), a senadora diz que “a sociedade brasileira está cada vez mais consciente de que setores do sistema judicial abusam da autoridade para tentar criminalizar o PT e até os advogados que defendem nossas lideranças e denunciam a politização do Judiciário”.

De acordo com apurações feitas pela PF, as irregularidades beneficiaram o consórcio Fonte Nova Participações (FNP) – formado pelas empresas Odebrecht e OAS. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com o objetivo de localizar e apreender “provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro”.

*Matéria atualizada às 16h03

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Meia Shaylon fez um golaço nos acréscimos (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Futebol

O São Paulo foi a Salvador com a expectativa de vencer a primeira partida fora de casa no Campeonato Brasileiro. Não conseguiu, mas dentro das circunstâncias voltou com o empate por 2 a 2 com o Bahia na bagagem graças a um gol nos acréscimos. Com o resultado, o time do Morumbi chegou aos sete pontos, em cinco partidas disputadas, e continua sem perder no campeonato, no qual ocupa a 10ª posição.

Os dois times entraram em campo com um esquema semelhante, congestionando o meio de campo com muitos atletas e com um jogador de referência na frente. No caso do Bahia, com Edigar Junio, enquanto o São Paulo apostava em Tréllez. E desde o início o confronto foi pegado, com entradas duras, principalmente vindas do time da casa.

Só que em pouco tempo o Bahia marcou seu gol, quando Hudson chegou junto de Zé Rafael e o juiz marcou pênalti. Edigar Junio mandou no canto, Sidão quase pegou, mas o artilheiro do Bahia levou a melhor e comemorou. Pouco depois, Zé Rafael mandou uma bola na trave, quase marcando o segundo.



A partir daí, o São Paulo se encontrou mais em campo e quase fez com Nenê, que passou pelo goleiro e, quando era só tocar para o gol e comemorar, Everson salvou. O time do Morumbi até tomou um susto em chute de Elton, parado por ótima defesa de Sidão. Mas festejou aos 30, quando Nenê lançou Tréllez, que mandou de primeira e empatou.

A igualdade no marcador deu um certo alívio ao São Paulo, que reduziu o ritmo e numa desatenção da defesa acabou tomando o segundo gol. Em um lançamento de Elton, Élber desviou de cabeça e Edigar Junior chegou chutando de primeira. A bola desviou um pouco em Bruno Alves e Sidão não conseguiu defender.

Na volta do intervalo, o São Paulo começou buscando o empate enquanto o Bahia recuou e pouco produziu. Aos 6, Lucas Fernandes teve uma boa chance, chutando com perigo para fora. Mas foi só. Mesmo com o adversário apenas tentando segurar o resultado, a equipe paulista não conseguia engrenar.

O técnico Diego Aguirre ainda colocou Valdivia e Régis, a fim de ganhar mais poder ofensivo. Só que o time abusava dos erros e desperdiçava muitos passes na frente. Para piorar, corria grandes riscos nos contra-ataques do Bahia. Nos minutos finais, o São Paulo pressionou, até que Shaylon acertou um chute no ângulo, empatando a partida nos acréscimos.

Com o empate amargado no finalzinho do duelo, o Bahia ficou com cinco pontos, em 16º lugar, e corre o risco de entrar na zona de rebaixamento ainda neste domingo, caso o Santos, que tem três pontos, vença o Paraná em duelo na Vila Belmiro.

FICHA TÉCNICA:

BAHIA 2 x 2 SÃO PAULO

BAHIA - Douglas; João Pedro, Everson, Lucas Fonseca e Léo; Gregore, Elton, Vinicius (Régis), Zé Rafael e Élber (Mena); Edigar Junio (Kayke). Técnico: Guto Ferreira.

SÃO PAULO - Sidão; Militão (Régis), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Hudson, Nenê (Shaylon), Lucas Fernandes (Valdivia) e Everton; Tréllez. Técnico: Diego Aguirre.

GOLS - Edigar Junio, aos 11 e 37, e Tréllez, aos 30 minutos do primeiro tempo; Shaylon, aos 47 minutos do segundo.

ÁRBITRO - Dewson Freitas (PA).

CARTÕES AMARELOS - Élber, Everson, Lucas Fonseca, Gregore, Elton, Arboleda, Everton e Régis (SP).

RENDA - R$ 529.597,50.

PÚBLICO - 20.847 pagantes.

LOCAL - Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Desabamento aconteceu por conta de fortes chuvas (Foto: Romildo de Jesus/Futura Press/AE)

Nacional

Quatro pessoas morreram após o desabamento de um prédio de três andares na manhã desta terça-feira, 13, em Pituaçu, bairro localizado na zona leste de Salvador. São elas: Robert de Jesus, de 12 anos,  Artur de Jesus, de um ano de idade, Rosemeire Pereira de Jesus, de 34 anos, e Alan Pereira de Jesus, de 31 anos. As quatro vítimas fatais pertenciam a uma mesma família. Rosângela Santana de Jesus, avó das crianças, passou mal e foi levada ao hospital.

Segundo a Defesa Civil do município (Codesal), o edifício ficava em uma área de ocupação informal e desabou devido às fortes chuvas que atingiram a cidade na manhã desta terça, sendo que em alguns locais o índice pluviométrico chegou a 100 milímetros.

O Corpo de Bombeiros informou que, ainda, pelo menos três pessoas foram atendidas por moradores e encaminhadas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o hospital: Sabrina Menezes, de menos de 1 ano de idade, Alex Pereira de Jesus, de 29 anos, e uma mulher identificada como Beatriz, de 30 anos.

Segundo os vizinhos, pelo menos seis pessoas viviam no imóvel, mas ainda não se sabe quantas delas estavam no local no momento do desabamento. Os trabalhos de busca continuam e o Samu montou uma estrutura emergencial na área, com seis ambulâncias e 15 profissionais, entre médicos, enfermeiros e técnicos.

Fortes chuvas atingem Salvador

Segundo a Defesa Civil de Salvador (Codesal), a queda do prédio foi a ocorrência mais grave registrada na capital da Bahia em função da forte chuva que atinge a cidade nesta terça-feira. A tempestade ainda provocou acidentes de trânsito, deslizamentos e alagamentos em diversos pontos.

Em nota, a Prefeitura lamentou a tragédia e garantiu que a Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza vai prestar toda a assistência necessária às famílias atingidas, incluindo as de seis residências vizinhas embargadas temporariamente. As famílias serão cadastradas e vão receber auxílio-moradia.

Segundo o Serviço Nacional de Meteorologia, o tempo ficará instável em Salvador até quarta-feira,14, com nebulosidade, chuvas isoladas e trovoadas.

*Com informações da Agência Brasil. Matéria atualizada às 14h04. 

Cidades do interior da Bahia possuem vários outdoors de Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Nacional

O vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, apresentou recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em que pede a retirada imediata de outdoors com suposta propaganda eleitoral antecipada em favor do deputado federal e pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Os outdoors são veiculados nos municípios baianos de Paulo Afonso, Glória e Santa Brígida. O artigo 36 da Lei das Eleições impede expressamente a propaganda eleitoral antes de 15 de agosto. Já o artigo 39, veda a propaganda eleitoral mediante outdoors, inclusive eletrônicos, sujeitando-se a empresa responsável, os partidos, as coligações e os candidatos à imediata retirada da propaganda irregular e ao pagamento de multa no valor de R$ 5 mil a R$ 15 mil.

Segundo Humberto Jacques, os outdoors têm "o objetivo de massificar a imagem do pré-candidato para o pleito futuro, retirando o equilíbrio da disputa". No agravo interno, vice-procurador-geral eleitoral questiona decisão do ministro Luiz Fux, que, no exercício da presidência do TSE durante o período de recesso, negou liminar do Ministério Público Eleitoral que pedia a retirada dos outdoors, alegando não haver pedido expresso de votos nas peças. 

"Imaginar que peças publicitárias de um candidato em uma eleição não contenham pedido explícito de votos é subestimar a inteligência dos publicitários, de candidatos e eleitores", afirmou. De acordo com ele, o pedido explícito de votos exigido pela lei como caracterizador da irregularidade não está vinculado, necessariamente, à expressão "vote no candidato x".

Histórico

No documento enviado ao TSE, Humberto Jacques lembra que outros outdoors foram localizados em outros 33 municípios de 13 estados com mensagens de apoio a Bolsonaro. Segundo ele, ao admitir a prática, a decisão do TSE pode dar ensejo à utilização indiscriminada desse tipo de propaganda.

Após a decisão que manteve provisoriamente os outdoors em circulação, Bolsonaro publicou um vídeo na internet defendendo que o uso do artifício estaria liberado pela Justiça Eleitoral. "Ora, qual seria a finalidade de tantos outdoors espalhados pelo País, com escritos similares entre si, que não a eleitoral, especialmente tratando-se de notório pré-candidato? A busca explícita de votos, ainda que disfarçada de apoio ao candidato, levando à massificação de sua imagem, constitui propaganda duplamente irregular, tanto por sua extemporaneidade quanto pela utilização de meio vedado", sustenta Jacques.

Para ele, imaginar que mensagem positiva de pré-candidatos, exposta em outdoors - posteriormente replicada em redes sociais - não se configura em propaganda eleitoral antecipada "é fazer letra morta da legislação eleitoral que, como já reconhecido por essa Corte Superior Eleitoral, tem por escopo proteger o próprio processo eleitoral", afirma Jacques, no documento.

Santos ficará 15 dias sem jogar pelo Brasileirão (Foto: Felipe Oliveira/Bahia)

Futebol

Derrotado pelo Bahia no último sábado em seu segundo compromisso no Campeonato Brasileiro, o Santos não pensará tão cedo novamente no torneio nacional. Afinal, uma peculiaridade nas tabelas das competições da equipe a fará disputar dois jogos seguidos pela Copa Libertadores, ficando 15 dias sem entrar em campo pela principal competição do País.

Ao definir a tabela da Libertadores, a Conmebol determinou que o Santos atue nas duas próximas terças. O time primeiro receberá o Estudiantes, na Vila Belmiro, e depois vai ao Uruguai visitar o Nacional, no Parque Central, em 1º de maio. E entre um jogo e outro não atuará pelo Brasileirão.

Jogar no próximo fim de semana se tornou inviável para o Santos pela tabela do torneio continental e da competição nacional. A CBF definiu que o adversário do time na terceira rodada do Brasileirão será o Vasco. Só que se o Santos atuará nesta terça pela Libertadores, a equipe carioca só jogará por ela na quinta, quando receberá o Racing, em São Januário.

Além de inviabilizar a realização do jogo entre Santos e Vasco no próximo fim de semana, o apertado calendário acabou levando o confronto a ser adiado para uma data inusitada. Ele será realizado em 16 de julho, uma segunda-feira, no estádio do Pacaembu. O dia é o seguinte ao da final da Copa do Mundo na Rússia.



Até lá, o Santos ficará com um jogo a menos na tabela de classificação do Brasileirão, assim como o Vasco. Até por isso, o técnico Jair Ventura não contava com o tropeço diante do Bahia, pois agora o risco de o time figurar longe das primeiras posições do Brasileirão se tornou maior. "Como o nosso próximo jogo foi adiado, provavelmente a gente não vai ficar entre os primeiros. Queríamos ter uma gordura para brigar na parte de cima", lamentou.

Agora, no entanto, o foco do treinador está na Libertadores. Com seis pontos em três jogos, o Santos lidera o Grupo F, seguido por Estudiantes e Nacional, exatamente os próximos adversários, ambos com quatro. Dependendo dos resultados, o time poderá até entrar em campo no dia 6 de maio, em Porto Alegre, diante do Grêmio, pelo Brasileirão, já garantido nas oitavas de final da Libertadores.

Jair espera ver o Santos repetindo a vitória que teve sobre o Estudiantes na Argentina. "Será uma decisão. Vem para tentarmos a vitória na nossa casa. Temos de ter equilíbrio, jogo coletivo. É muito importante vencer em casa na Libertadores, não vai adiantar nada se a gente não fazer o nosso dever de casa", comentou.

O treinador também fez um apelo para a torcida lotar a Vila Belmiro na terça-feira. Em 2018, o maior público do Santos no seu estádio foi diante do Bragantino, quando 7.508 pessoas acompanharam a derrota por 1 a 0, no primeiro jogo do time como mandante nesta temporada.

"É uma competição em que somos os líderes da chave e contra o rival direto pela classificação. Aproveito a oportunidade para convocar a torcida a encher nosso estádio. Que possamos dar um passo grande para nossa classificação", disse.

"A empresa contratada por aquela finalidade estava praticando sobrepreço, recebia por serviços não prestados e seu contrato vinha sendo aditivado sem justificativa plausível", diz promotor (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Nacional

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou uma ação civil pública contra o ex-governador Sérgio Cabral, três ex-secretários estaduais de saúde, quatro executivos, um consórcio, uma empresa e 12 servidores do estado. O MP viu superfaturamento de contratos para serviços que não foram prestados adequadamente entre 2007 e 2015, gerando desperdício de materiais hospitalares e remédios para tratamentos de média e alta complexidade.

A ação é movida pela 8ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva e aponta crime de improbidade administrativa. O prejuízo causado aos cofres estaduais teria sido superior a R$ 173 milhões em contratos para manutenção de serviços de estocagem, distribuição, armazenamento e destinação final de medicamentos, insumos, produtos e materiais médico-hospitalares.

O Ministério Público pede também a suspensão dos direitos políticos dos réus e das dívidas estaduais com as empresas contratadas, o ressarcimento do Fundo Estadual de Saúde e a proibição de ter contratos com o poder público.  Além disso, a promotoria pediu, de forma cautelar, a devolução dos valores recebidos ilicitamente pelos réus, a quebra dos sigilos fiscal e bancário e o sequestro de bens em um montante suficiente para sanar o prejuízo causado aos cofres estaduais.

Segundo o promotor de Justiça Vinícius Cavalleiro, as empresas foram contratadas com sobrepreço e causaram desperdício de medicamentos e materiais hospitalares ao não condicioná-los corretamente, ao não contratar pessoal com capacitação adequada e ao não manter uma rotina eficiente de comunicação com as unidades de saúde onde esses produtos eram necessários. Mais de 600 toneladas de remédios e materiais que poderiam estar em condições de uso foram incineradas e cerca de R$ 85 milhões em valores atuais se tornaram inservíveis dentro da Coordenação Geral de Armazenamento do estado, em Niterói.

"A empresa contratada por aquela finalidade estava praticando sobrepreço, recebia por serviços não prestados e seu contrato vinha sendo aditivado sem justificativa plausível", disse o promotor, que lembrou que o prejuízo causado pelo esquema é ainda maior porque os medicamentos desperdiçados precisavam ser repostos, onerando ainda mais os cofres públicos. O Ministério Público também vai pedir uma indenização por danos morais coletivos e aguarda a conclusão de um inquérito policial para levar o caso também à esfera criminal.

Serviços não prestados

A acusação narra que o esquema começou quando o ex-secretário Sérgio Côrtes teria aproveitado um decreto de calamidade pública assinado pelo ex-governador em 2007 para firmar um contrato de R$ 18 milhões com a TCI BPO Tecnologia, Conhecimento e Informação S.A. para prestação de serviços de gestão de informações e estoques de medicamentos e insumos. Contratada em regime de urgência por 180 dias, a empresa depois venceu pregão presencial para prestar o serviço por mais 12 meses, recebendo mais R$ 51 milhões por isso.

O contrato foi aditado e estendido por mais um ano, porém, em 2009, ficou comprovado que os serviços não eram prestados devidamente. A empresa foi informalmente substituída pela Facility Tecnologia LTDA, do empresário Arthur César de Menezes, conhecido como “Rei Arthur". No mesmo ano, outra empresa da qual Menezes é sócio-presidente ganhou a licitação para prestar os mesmos serviços, a Vex Tecnologia LTDA.

O Ministério Público Estadual teve como uma das testemunhas o ex-subsecretário Cesar Romero, que já havia assinado acordo de colaboração com o Ministério Público Federal para as investigações da Lava-Jato no estado do Rio de Janeiro. Segundo o MP-RJ, com o depoimento dele foi possível descobrir que 10% do valor do contrato superfaturado se convertia em propina, sendo 5% para o ex-governador, 2% para o ex-secretário, 1% para o Tribunal de Contas do Estado, 1% para o próprio delator e mais 1% para pagar vantagens a pessoas de menor escalão necessárias para fazer "a máquina funcionar".

Uma mesa e duas cadeiras custaram R$ 5 mil. Valor chamou a atenção (Foto: André Moura /CMSP)

Cidade

A Controladoria da Prefeitura de São Paulo investiga 73 eventos esportivos, apadrinhados por 18 vereadores, que podem ter sido alvo de superfaturamento no que ficou conhecido como “escândalo das emendas infladas”, conforme informações divulgadas pela Rádio CBN.

De acordo com os auditores da Prefeitura, foram aplicados R$ 11,8 milhões nestes eventos. Entre alguns dos exageros citados pela reportagem da rádio estão a locação de patins, a R$ 45 mil, e das pistas de madeira, R$ 68 mil. Em outro evento, a Prefeitura pagou R$ 198 mil para alugar uma pista de skate e R$ 33 mil em tatames para um evento de karatê.

Em um caso gritante, uma mesa e duas cadeiras de ferro custaram quase R$ 5 mil. Segundo a investigação, diretores e presidentes de entidades possuem acordos comerciais e ligações entre si. Muitas das instituições se instalaram nos mesmos endereços, com telefone e e-mail compartilhados, CNPJ e nomes diferentes.

Questionados pela reportagem da CBN, a maioria dos vereadores afirmou não ter comparecido aos eventos e reforçado que não tratam da parte de execução das verbas, apenas a destinam. Já a maioria dos organizadores dos eventos informou que devolveu os valores não utilizados à Prefeitura.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

A solução dos problemas começa com um diálogo franco e aberto. Daí ser louvável a reunião agendada para hoje, em Brasília, entre o presidente eleito Jair Bolsonaro e os 27 novos governadores do País. Todos eles têm um grande desafio pela frente, mas, evidentemente, se trabalharem em parceria, e não boicotando o que pode ser bom para o Brasil, haverá grande chance de que os remédios necessários sejam encontrados e o trabalho seja bem feito. Os futuros chefes do Executivo estadual têm muito a contribuir com o presidente eleito. E, politicamente, também têm muito a ganhar, quando o projeto deste novo Brasil der certo. Percebe-se que, aos poucos, as nuvens negras de uma campanha desgastante vão se dissipando, a razão começa a prevalecer e, ao invés de torcer contra, é cada vez maior o número daqueles que preferem alimentar a esperança que a descrença. Aliás, uma célebre frase do escritor latino Públio Siro, diz que “quem perdeu a confiança não tem mais o que perder.” A hora não é para isso. Na verdade, o momento pede que se dê crédito aos novos condutores da Nação e que se guardem as pedras previamente preparadas para serem jogadas na vidraça. E muitos dos novos governadores estão dispostos a ajudar Bolsonaro, inclusive na aprovação da reforma da Previdência, essencial para o ajuste das contas públicas do País. Por sua vez, a maioria das Unidades da Federação também está com suas contas no vermelho, por gastarem mais do que arrecadam, e esperam suporte da União para manter a máquina funcionando. Relatório do Tesouro Nacional, por exemplo, apontou que 16 Estados mais o DF descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal no ano passado, ao destinar mais de 60% da receita para o pagamento de salários e aposentadorias. Assim, sobra cada vez menos para serviços básicos, como segurança e educação. Os problemas são complexos, daí a necessidade do diálogo e da busca por novas perspectivas. E a reunião de hoje em Brasília, com Bolsonaro e os governadores, oferece exatamente esta oportunidade. Desde agora, a capacidade de cada um deles estará colocada à prova, mas já começam bem, buscando o apoio e o entendimento mútuo, ao invés da divisão pura e simples. No final, quem ganha mesmo com isso é o Brasil e os brasileiros. Ainda bem!
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião