Winnie foi ativista e utilizou táticas violentas contra o Apartheid (Foto: Reprodução/Facebook)

Mundo

Ativista anti-Apartheid e ícone da igualdade racial, Winnie Mandela morreu nesta segunda-feira, aos 81 anos, vítima de uma “longa doença”. Ela foi mulher de Nelson Mandela, ex-presidente sul-africano.

Descrita por muitos sul-africanos como “Mãe da Nação”, ela foi casada com Mandela durante 1958 e 1996, período que engloba os 27 anos em que o ex-presidente esteve preso. Winnie e Mandela se separaram em 1992, dois anos depois da libertação de seu marido.

No entanto, além de sua luta e de seu casamento com Mandela, Winnie viveu outras histórias, que, provavelmente, você não sabia. Veja dez curiosidades sobre a ativista.

 1 - Nascida em 26 de setembro de 1936 em Bizana, na província do Cabo Oriental, Winnie Mandela se tornou politizada ainda jovem em seu trabalho como assistente social de um hospital. As informações são da Agência Reuters.

 2 –Winnie foi muito mais do que a mulher de Mandela. Por sua ideologia, ela foi torturada e passou por sérios problemas financeiros para criar suas duas filhas, segundo o jornal “El País”. Winnie chegou a ficar presa em sua casa, mesmo sem ser julgada.

 3 – Ela conheceu Mandela em 1957, aos 22 anos, em um ponto de ônibus, e se casou com ele no ano seguinte. Durante este período, o ex-presidente sul-africano ficou preso por 27 anos. Eles se separaram em 1992, mas o divórcio foi efetivado mesmo em 1996. Juntos, tiveram duas filhas: Zenani e Zindzi

 4 – Winnie foi condenada à prisão perpétua, mas o máximo que cumpriu da pena foi o período de um ano e quatro meses (maio de 1969 a setembro de 1970). A polícia realizou a prisão em sua casa, em Soweto, e a levou para detenção de Pretória.

 5 – Para acabar com o Apartheid, movimento que separava negros e brancos na África do Sul, Winnie defendia táticas violentas. Inclusive, sofreu muitas críticas por isto. Neste aspecto, sua ideologia destoava da de Mandela, que, em certos momentos, pregava uma reconciliação pacífica.

 6 – Depois das primeiras eleições democráticas na África do Sul, em 1994, foi nomeada como vice-ministra de Artes e Cultura do país. Também foi deputada.

 7 -  De acordo com a Agência Reuters, o fim do Apartheid, algo tão desejado por Winnie, também lhe causou problemas, já que histórias de atos violentos, supostamente praticados por seu grupo de capangas, o Soweto United Football Club, começaram a surgir. Chamada até então de “mãe”, ganhou o apelido de “vândala” de alguns sul-africanos.

8 - Em 1991, ela foi condenada a seis anos de prisão pela morte do jovem suposto informante Stompie Seipei, de 14 anos, encontrado com a garganta cortada próximo à casa da ex de Mandela. A pena foi revertida em pagamento de fiança.

9 – O cantor e compositor brasileiro Milton Nascimento escreveu a canção “Lágrimas do Sul”, em homenagem a Winnie, em 1985.

10 -  Ela era bisavó de Zenani Mandela, morta aos 13 anos em um acidente automobilístico em 2010. Na ocasião, a jovem havia saído do show de abertura da Copa do Mundo realizada na África do Sul. Chegaram a dizer que Winnie estava no mesmo carro que a bisneta, mas a informação foi negada pela Fundação Nelson Mandela.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

VEJA NOSSA EDIÇÃO DO DIA

Ator, cantor e compositor, Will Smith foi chamado pela Fifa para encerrar mundial (Foto: Reprodução/Youtube)

Copa 2018

Alemanha não tomou conhecimento da Seleção (Foto: Clayton de Souza/AE)

Copa 2018

Coutinho também poderia estar na final da Champions, mas foi para o Barcelona e já se apresentou a Tite (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Copa 2018

Mesmo com queda na Copa de 2010, Dunga ainda teve mais uma oportunidade na Seleção, mas decepcionou novamente (Foto: Rodolfo Buhrer/AE)

Copa 2018
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Animais são tratados como membros de família e merecem toda a atenção (Foto: Diogo Moreira / A2img/Fotos Públicas)

Opinião

Preço do frete não acompanhou o aumento do valor do diesel (Foto: Marcelo Camargo/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Como advogado-geral da União, Dias Toffoli defendeu que denúncias duvidosas não fossem incorporadas formalmente ao processo (Foto: Reprodução/Flickr)

Opinião

Paulistas criticam parlamentares, mas não mudam voto nas eleições (Foto: Elza Fiúza/ABR)

Opinião