23
Ter, Out

Ana Paula pediu para disputar a roça com a rival (Fotos: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Antigas amigas e agora grandes rivais em A Fazenda, Ana Paula Renault (ex-BBB 16) e Nadja Pessoa (ex-Power Couple) se enfrentam, hoje, na terceira roça da temporada 10 do reality show. Ambas eram bastante próximas até a semana passada, quando uma briga geral no Grupo Água acabou as colocando como centro das atenções de toda a casa.

A formação da roça foi bastante tensa e polêmica, já que Ana Paula pediu para ser colocada na berlinda com a adversária. A mulher do cantor D’Black, por sua vez, não disse explicitamente que queria enfrentar diretamente a preferência do público com a jornalista. No entanto, na disputa da Prova do Fazendeiro, anteontem, após perder a salvação para Evandro Santo (ex-Pânico), ela demonstrou ter ficado bastante abalada.

Depois da definição da roça, as duas permaneceram distantes uma da outra. Quem roubou a cena foi o novo fazendeiro: ele revelou que vai mandar a funkeira Perlla para a próxima roça, reclamou dos peões que pouco ajudam nas tarefas diárias e ainda confabulou uma forma de colocar um besouro na cama de Ana Paula.

Depois disso tudo, ele ainda se esqueceu de colocar o microfone durante a madrugada e a casa acabou punida. Eles ficarão 24 horas sem água encanada, o que pode deixar os ânimos ainda mais aflitos nos próximos dias.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Segunda, 12/03
Vittorio questiona a conversa que ouviu entre Stefano e Ricardo. Melina apresenta a nova androide. César prende Gláucia. Ricardo fecha aliança com um líder religioso. Débora diz que não perdoou a família. Joice e Dylan descobrem que o filho está vivo e que foi levado para Gideon. Stefano pede para ficar a sós com a governanta e a ameaça. César prende Gláucia.

Terça, 13/03
Ângela pergunta se Natália prenderia o próprio pai. Adriano se espanta ao saber que Stefano é pai de Vittorio. Todos ficam na expectativa do encontro entre Ricardo e os líderes árabe e judeu. Arthur manda os jornalistas ficarem de olho no encontro. Dois motoqueiros chegam armados no local e atiram contra os dois líderes religiosos, que caem mortos. Joice é baleada.


Quarta, 14/03
Ricardo finge estar desesperado diante dos corpos dos líderes religiosos. Dylan implora para Noah salvar Joice. Muitas pessoas seguem Ricardo pelas ruas e o chamam de Messias. Dylan agradece a ajuda de Noah e se surpreende ao ouvir o nome dele. Muitos israelenses seguem Ricardo e o chamam de Messias. Gláucia entrega provas contra Henrique.

Quinta, 15/03
Ricardo faz discurso contra a violência no mundo e é ovacionado. Dylan chora a morte de Joice. Zé Bento percebe o início de um incêndio na sede da seita Filhos do Amanhã enquanto todos dormem. Estela flagra Henrique tentando fugir. Na casa de Noah, Dylan se surpreende ao ouvir o nome de Gideon. Zé Bento joga as chaves fora e diz que chegou a hora de todos.

Sexta, 16/03
César, Henrique e Estela chegam ao local do incêndio. Em Roma, Stefano inicia a cerimônia de consagração de Vittorio. Susana marca jantar para oficializar o namoro de Ricardo e Isabela. Ricardo fala a Benjamin sobre criar um exército de robôs. Natália descobre grampo no telefone do pai. Gláucia pede ajuda a Henrique para fugir do Brasil. Dylan procura Gideon e diz ser pai de Noah.

 

Segunda, 05/03

Zoe recebe os cuidados dos beduínos. Ricardo leva Isabela para a sua mansão. Henrique conversa com o contador do hospital sobre o interrogatório. Estela pede para Felipe levá­la até a seita Filhos do Amanhã. Robinson diz que quer mudar de vida. Em Jerusalém, Gideon pede para Oziel afastar Isabela de Noah. Uma multidão tenta atacar Moisés e Elias e um milagre acontece.

Terça, 06/03

Zoe fala sobre o arrebatamento com Soraya. Gideon vê as águas do rio virarem sangue. Natália descobre que Henrique é amante da Dra. Gláucia. Ricardo se surpreende ao saber que Ariela descobriu sobre o atentado aéreo. Adriano diz que encontrou fotos comprometedoras de Débora e Luca nas coisas de Ricardo. Vittoria vê Stefano dizer que as testemunhas precisam morrer.

Quarta, 07/03

Celeste diz que sairá com Dudu. Ricardo confessa que investigou Débora e Luca. Luca se desespera ao saber que Ricardo e Adriano descobriram sobre o caso que mantém com Débora. Zoe lê alguns jornais e descobre que o acidente foi uma sabotagem. Ela recorda da conversa com Ricardo e deduz que o Anticristo tentou matá­la. Em Jerusalém, Ricardo é ovacionado como o novo Messias.

Quinta 08/03

Stefano consegue convencer Vittorio. Melina apresenta a nova androide. Gideon se emociona com a liderança exercida pelo neto. César vai até o hospital e anuncia a prisão de Gláucia. Ricardo fecha aliança com um líder religioso. Joice encontra Dylan e diz ter novidade sobre o sumiço do filho. Natália interroga Glaucia e pergunta se a médica é amante de Henrique.

Sexta, 09/03

Joice e Dylan descobrem que o filho foi levado a Gideon. Stefano diz saber que Glória é mãe de Vittorio. O sacerdote pede para ficar a sós com a governanta e a ameaça. César prende Gláucia. Dylan e Joice descobrem que são pais de Noah. Uri permite que Dylan vá em busca do filho. Ricardo tenta brincar com os sentimentos de Noah. Stefano quer mandar Vittorio para fora de Roma.

 

Segunda, 26/02

César tenta, incessantemente, ligar para Natália, mas ela não atende, distraída com Lúcio. Lúcio é surpreendido com o ataque de Nicanor. Natália se dá conta da verdade. César e Guido seguem para o apartamento do vilão. Natália sente o efeito do sonífero colocado em sua bebida. Noah sente ciúmes de Isabela e Ricardo. Lúcio é assassinado por Nicanor.

Terça, 27/02

Nicanor ameaça Natália com uma faca e a joga pela janela. Ele ainda atira no peito de César, mas a bala para no colete. Nicanor começa a fugir e Guido diz saber seu destino. Nicanor abandona um carro roubado e foge em direção a uma floresta. Ele vai para a mesma cabana onde assassinou o pai de César. Os policiais chegam ao local. César entra no casebre e encontra Nicanor.

Quarta, 28/02
Nicanor ameaça atirar em César e é atingido por Natália. Guido chega ao local e mata Nicanor. Zoe liga para Bárbara e diz estar grávida. Ricardo surpreende Isabela e a beija. Benjamin desconfia que Ricardo seja o Anticristo. Ricardo pergunta a Zoe se ela está com medo do Anticristo. As nuvens começam a se movimentar no céu de Jerusalém. De repente, Moisés e Elias surgem na rua.

Quinta, 1o/03

Ricardo finge estar brincando com Zoe e se reúne com o sheik Omar para pedir que ele derrube o avião em que a mocinha viajará. Moisés e Lucas são os profetas do Apocalipse e, durante sua pregação, entrarão em conflito com soldados israelenses. Um avião cai no Oriente Médio. Em Nova York, Ricardo liga a televisão e fica satisfeito ao ver a notícia do acidente aéreo.

Sexta, 02/03

Benjamin se desespera. Zé Bento segue enganando os seguidores da seita Filhos do Amanhã. Benjamin descobre que Zoe estava grávida e fica em choque. As pessoas tentam atacar Elias e Moisés e acabam sofrendo um castigo. César diz que Zoe pode ter sido atacada. As buscas às vítimas do acidente começam. Próximo ao local da queda, em uma duna de areia, Zoe, muito ferida, dá sinais de vida.

Gugu Liberato tem contrato por mais três anos com a Record TV (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Hoje eu inicio a minha coluna comentando a demissão de Roberto Justus, da Rede Record de Televisão. A coluna publicou na semana passada que o contrato dele não seria renovado.  A emissora de Edir Macedo optou por demiti-lo em virtude dos maus resultados do apresentador no comando de seus programas, o que já era previsto.

A Record ainda não comunicou oficialmente ao publicitário que virou apresentador. Entretanto, a cúpula da emissora já reafirmou que não tem mais projetos para Justus, que foi uma grande decepção no comando dos programas a ele confiado. Com isso, gradativamente, foram lhe tirando espaço na grade de programação.

Primeiro foi o reality show Power Couple, que, a partir de abril, será apresentado por Gugu Liberato, que continua na Record por mais três anos.  Com a demissão de Justus, a emissora tem duas opções para apresentar A Fazenda:  Marcos Mion ou o próprio Gugu Liberato. Essa decisão será tomada numa reunião ainda hoje, no período da tarde.

Essa demissão de Roberto Justus chega na hora errada para ele que, aos 62 anos, resolveu se dedicar totalmente à carreira artística, abrindo mão definitivamente de comandar a sua agência de publicidade, uma das mais importantes do Brasil. A coluna obteve informações exclusivas sobre essa demissão.

A avaliação dos executivos da Record é que Justus não foi bem como apresentador do reality A Fazenda,  sendo muito criticado pelos internautas, que o consideraram um robô no comando da atração. Com isso, ele foi se desgastando, até porque, quando foi chamado pela direção para reduzir seu salário, que era de R$ 600 mil, ele não abriu mão dos seus direitos.

Com isso, Justus está negociando a compra dos direitos de O Aprendiz. Ele já ofereceu o programa para o SBT, mas os executivos da emissora de Silvio Santos ainda não aceitaram a proposta,  porque temem o desgaste do formato e o alto custo da produção. 

A atriz Maitê Proença, que atualmente está sem contrato, depois de ter sido demitida da Globo, disse no programa do Ronnie Von (Gazeta) que é totalmente contrária ao machismo e que as mães de hoje são as verdadeiras culpadas do problema, em razão da forma como educam e criam seus filhos. Quanto a voltar à TV, ela não tem perspectiva, pois o mercado, no momento, está muito fechado.

O Outro Lado do Paraíso, novela das 21h da Globo, já é considerada o folhetim mais visto nos últimos cinco anos na emissora. Com a audiência crescendo a cada capítulo, a emissora chegou até a pensar em esticar a história, fato esse que só não foi aprovado pela diretoria para não prejudicar a grade de programação.

Frase final :  “Amigo é quem te socorre, não quem tem pena de ti.” 

Geraldo Luís não deve mais apresentar programa dominical na Record TV (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Hoje eu inicio a minha coluna comentando as prováveis mudanças na grade de programação da Rede Bandeirantes de Televisão. A emissora, que amarga o 4º lugar no Ibope, não vem apresentando novidades para seus telespectadores já há muito tempo, razão principal de sua queda de desempenho.

A coluna apurou que algumas contratações que a emissora vem fazendo, como Cátia Fonseca para apresentar um programa à tarde, ainda não surtiram efeito pela falta de audiência da emissora. A coluna soube que ficou definido, na última reunião realizada pela diretoria, que a ordem é entrar na competição para pontuar melhor no Ibope.

A ideia é que nas tardes de sábados a emissora reviva a Discoteca do Chacrinha, com a apresentação do ator Stepan Nercessian, que hoje tem contrato com a Globo. Porém, o próprio ator já se mostrou interessado na proposta da emissora e estaria apenas aguardando o acerto financeiro e o tempo de contrato para fazer a sua transferência.

Os gênios da Band também já pensam em produzir uma novela brasileira, experiência que não foi bem-sucedida na emissora, até porque ela não tem tradição em dramaturgia, e isso pesa na balança. A bem da verdade, para a emissora se tornar competitiva no mercado, a primeira coisa a ser feita é mudar totalmente a sua grade de programação.

Mas, pelo o que a coluna apurou, essa mudança está muito longe de acontecer, até porque a Band se acomodou com o que está no ar. Muito embora o forte da emissora seja o seu jornalismo, que traz uma boa audiência, a realidade é que a Bandeirantes não dá nenhuma opção aos telespectadores para assistirem a uma nova atração.

Segundo Sol, próxima novela das 21h na Globo, terá Deborah Secco, que vai despertar muito ódio com o seu papel. A atriz interpretará a prostituta Karola, na trama de João Emanuel Carneiro, que substitui O Outro Lado do Paraíso. O folhetim promete muitas emoções.

Gugu Liberato deve mesmo substituir Geraldo Luís no Domingo Show, na Record, que está há quatro anos na emissora. Essa opção foi imposta pela direção da emissora em decorrência da falta de ambiente que o apresentador tem na Record. Geraldo está afastado por decisão médica, mas não deve voltar a apresentar o programa.

Por outro lado, a direção da Record resolveu manter o reality-show A Fazenda na sua grade de programação, mas com uma grande dúvida, já que não tem certeza ainda se o apresentador será Roberto Justus. Ele tem contrato até maio com a emissora, mas deve-se transferir para o SBT.

Frase final: “Não sejas como aqueles que só agem tendo por alvo o lucro.”

"Cuida do seu netinho aí em cima, como a senhora sempre fez!", escreveu apresentador

Fora dos Trilhos

O apresentador Rodrigo Faro, da Record TV,  publicou uma homenagem em seu Instagram a sua avó, Benedicta Lourdes Alcazar, que morreu aos 94 anos, de morte natural.

"Descansa em paz, minha vó Di querida. Obrigado por ter feito de mim o homem que sou. Vou te amar para sempre, vó. Cuida do seu netinho aí em cima, como a senhora sempre fez!", escreveu ele na legenda de várias fotos ao lado da avó.

Por conta disso, ele cancelou a gravação do Hora do Faro que seria realizada nesta quinta. De acordo com a assessoria do apresentador, o enterro de Benedicta ocorre nesta quinta às 17h no Cemitério Vila Mariana.a

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Doria foi em manifestação pró-Bolsonaro no último domingo (Foto: Reprodução/Twitter)

Cidade

O candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, acertou em cheio na sua estratégia de se aproximar de Jair Bolsonaro (PSL), utilizando termos como “BolsoDoria” durante a campanha. Esta é a análise de dois especialistas no assunto, o cientista político Gleibe Pretti, professor da UNG, Philippe Franco Scerb (mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo) e a cientista social Marina Pequeneza de Moraes. “Ele reavaliou sua estratégia e aproveitou-se da polarização que permeia a candidatura à presidência, vinculando sua campanha ao discurso anti-PT”, avaliou Marina. De acordo com levantamento divulgado ontem pelo Instituto Paraná Pesquisas, o tucano cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Para o cientista político Gleibe Pretti, professor da UNG, o ex-prefeito conseguiu vincular sua imagem à de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência. “Com isso, ele conquistou muitos votos. O eleitorado de São Paulo já é historicamente contra o PT e o Doria está conseguindo personificar isso com suas ações de marketing”, explicou. Após o primeiro turno das eleições, João Doria tentou se aproximar à imagem de Bolsonaro. A campanha dele criou, por exemplo, o termo “BolsoDoria”, presente até em adesivos distribuídos no Estado. França está ‘travado’, analisa especialista De acordo com o mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), Philippe Franco Scerb, a candidatura de Doria acertou ao vincular sua imagem à de Bolsonaro, forçando com que França tenha que rechaçar, a todo momento, um apoio velado do PT à sua eleição. “O Doria faz um esforço gigantesco para falar que França é um candidato da esquerda. Isso o obriga a discordar e permanecer neste tema durante o programa eleitoral e nos debates”, analisou. Segundo o especialista, ao contrário da corrida presidencial, ainda pode haver uma reviravolta na disputa do Estado. “Os eleitores se concentraram muito no embate entre Bolsonaro e Haddad, deixando França e Doria em segundo plano. Isso pode mudar nesta reta final”, concluiu.

Bolsonaro é visto como um candidato "teflon", pois nada gruda nele (Fotos: Tãnia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Nacional

Especialistas em Ciência Política acreditam que muito dificilmente a vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) poderá ser revertida nos próximos dias, que precedem a eleição presidencial. De acordo com o cientista político Eduardo Grin, professor da FGV EAESP, nada “cola” no candidato preferido dos eleitores – segundo pesquisa do BTF/FSB, ele tem 60% dos votos válidos, contra 40% de Fernando Haddad (PT). “Já teve declaração desastrosa de companheiros políticos, aquela denúncia do pacote do Whatsapp, mas nada parece abalar a candidatura do Bolsonaro”, disse. Neste momento, 94% dos que votariam em Bolsonaro afirmaram que estão convictos da decisão. Nos eleitores do petista, o índice é de 90%. Foram entrevistados 2 mil eleitores, entre 20 e 21 de outubro, segundo o levantamento. A margem de erro segue sendo de dois pontos percentuais. O mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), Philippe Franco Scerb, analisou que a imagem “antissistema” do ex-capitão o favorece muito nesta corrida presidencial. “A denúncia de um possível Caixa 2, por exemplo, se tornou motivo de ironia entre o eleitorado”. No último estudo, publicado em 14 de outubro, Bolsonaro aparecia com 59% das intenções de voto, contra 41% do petista. Na intenção de voto estimulada, o candidato do PSL cresceu um ponto percentual, de 51 para 52%. Haddad permaneceu com 35%. Votos brancos e nulos somaram 4%, não souberam 4% e 5% responderam que não escolheriam nenhum dos dois.Votação expressiva pode gerar capital político maior Segundo Grin, a ideia da campanha de Bolsonaro, agora, é de vencer com maior número de votos do que os últimos presidentes eleitos no Brasil. Luís Inácio Lula da Silva (PT) obteve 52,7 milhões de votos (61,27%) em 2002 e 58,2 (60,83%) em 2006. Já Dilma Rousseff (PT) ganhou com 55,7 milhões (56,05%) em 2010 e 54,5 milhões (51,64%) em 2014. “Se obtiver maior percentagem do que Lula em 2002, por exemplo, ele terá um poder político maior para negociar com o Congresso no início do mandato”, explicou o especialista. “Sem dúvidas, uma votação bastante expressiva pode levar Bolsonaro a aprovar sua pauta junto a partidos que nem o apoiaram formalmente”, disse Scerb. “Candidatos com uma base semelhante entendem que seus eleitores querem que aquela agenda seja aprovada e isso gera mais força ao governo”. Ibope e Datafolha também divulgarão pesquisas Hoje será a vez do Ibope divulgar sua segunda pesquisa deste turno das eleições. Em 15 de outubro, Bolsonaro tinha 59% dos votos válidos, contra 41% de Haddad. O Datafolha vai publicar levantamento na quinta-feira, 25. No último estudo, os candidatos contavam com o mesmo percentual levantado pelo Ibope.

Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Opinião

No último domingo, apesar de boa parte da mídia ignorar, por questões de interesse, milhões de pessoas foram às ruas, por vontade própria, num admirável gesto de democracia, apoiar o candidato que, de forma extremamente inovadora, com praticamente custo zero perto do que se gastam com campanhas políticas, lidera as pesquisas. Ao que parece, o povo se desprendeu das garras do quarto poder e democraticamente exige mudança. Se esta será boa ou não, o tempo vai dizer, mas uma coisa é fato: a alternância de poder é saudável em qualquer democracia e por aqui já se passou da hora de mudar. A dita esquerda no Brasil tentou a todo custo um projeto criminoso de poder que, graças à Operação Lava Jato, resultou na prisão de diversos políticos poderosos e apresentou ao Brasil os bastidores sujos e asquerosos da política que desviou trilhões da educação, segurança, saúde, etc... A todo custo tentam ainda agarrar-se ao poder com mentiras, ataques e o velho jogo sujo da política sifilítica. Culpar o aplicativo de mensagem WhatsApp pelas atrocidades que o próprio partido cometeu é tão estúpido e absurdo quanto tentar comparar Bolsonaro com Trump. O norte-americano venceu apenas no colégio eleitoral, mas Bolsonaro pode vir a vencer na maioria absoluta de votos, o que numa democracia é literalmente a voz e o desejo do povo. Se você não enxerga isto, precisa urgente sair da bolha, e se não respeita, está muito próximo do palavrão que costuma xingar os colegas que discordam de você. Trump é bilionário e teve total apoio da máquina do Partido Republicano na campanha. Bolsonaro está em um partido anão e possuía oito segundos na TV. Trump tem as nuances e vícios de todo gênio comunicador, pois por anos liderou a audiência na TV americana. Bolsonaro é um sujeito simples com discurso coloquial, por vezes até rasteiro, mas que vai ao encontro das massas, sem esforço para tal.Goste você ou não, é um fenômeno popular maior ainda até do que Lula, que diferentemente do “capitão” foi programado e produzido por esquemas publicitários, a custo de ouro do dinheiro público, para transformá-lo num “mito”. Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução, como comprovou a manifestação gigantesca no domingo. Isto chama-se democracia, senhores. Aprendam com isto e deixem o País seguir. Bolsonaro foi o primeiro brasileiro, em campanha, a sofrer um atentado político; o primeiro a não fazer os velhos acordos; o primeiro a ter um nome (até aqui) limpo, algo que nem sonharíamos existir na política; e pode vir a ser o primeiro presidente a vencer uma eleição com o menor investimento já feito em campanha, comprovando que o tal fundo partidário é desnecessário e deveria ser direcionado para o que importa à população. O sujeito com uma caneta Bic nas mãos, um relógio Cassio e roupas simples, sozinho, sem verba, peitou a maior emissora do País, desafiou a imprensa e toda turma arrogante que se diz intelectual sem nunca ter produzido nada que valha o adjetivo. Amigos, se isto não é, no mínimo, uma expressiva revolução política e total quebra de paradigmas do status quo, você realmente precisa sair do jardim da infância e viver no mundo real.

Na capital, tucano tem rejeição de quase 40% (Fotos: Reprodução/Twitter e Carlos Bassan/Fotos Públicas)

Cidade

De acordo com levantamento divulgado nesta segunda, 22,  pelo Instituto Paraná Pesquisas, o candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Dentre o eleitorado paulistano, 37,6% afirmaram que votariam com certeza em Doria, enquanto 21,7% poderiam votar nele. O índice de rejeição do tucano é de 38,9%. No caso de Márcio França, 31,7% contaram que têm convicção na escolha por ele, 25,8% disseram que poderiam votar e 40% não votariam de jeito nenhum. Ainda segundo a pesquisa, a grande maioria dos paulistas acredita que João Doria será o próximo governador do Estado: 58,5% dos entrevistados têm essa percepção. Apenas 31,6% imaginam que França pode ganhar a eleição.No caso da opção de voto para presidente, Jair Bolsonaro (PSL) tem 69,1% do eleitorado paulista, enquanto Fernando Haddad (PT) te, 30,9%. Foram entrevistados 2.010 eleitores, entre os dias 18 e 21 de outubro, em 88 municípios do Estado.
or
or

Articulistas

Colunistas

Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Opinião

Profissionais consagram suas vidas ao serviço da humanidade (Foto: ASCOM SUSIPE/Fotos Públicas)

Opinião

O último bastião do PT ainda é o Nordeste, mas este já não é tão inexpugnável (Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas)

Opinião

Apesar de constar no ordenamento jurídico pátrio, o Princípio da Isonomia quase não é observado e aplicado (Foto: Nelson Jr./SCO/STF )

Opinião