23
Ter, Out

Silvio tenta entrar em assunto polêmico, mas logo desiste (Foto: Lourival Ribeiro/SBT)

Fora dos Trilhos

Silvio Santos recebeu em seu programa o médico Marcos Harter e a modelo Monique Amin, que participaram tanto do BBB como da Fazenda, realities shows da Globo e da Record, respectivamente. A atração da SBT vai ao ar no próximo domingo, 25, a partir das 20h.

Durante o quadro “Jogo das 3 Pistas”, Silvio descobriu que Marcos é um cirurgião plástico e brincou: “Eu vou lá na sua clínica e quero sair parecido com o Tom Cruise”. O apresentador também conversou sobre as polêmicas em que os dois convidados se envolveram nos confinamentos.

Inclusive, Monique contou que manteve um contrato de dois anos com uma emissora após sair de um reality show. “Pagaram para você dois anos sem você fazer nada? ”, indagou Silvio, que também questionou a modelo sobre relacionamentos e a polêmica acerca de um suposto estupro sofrido pela morena dentro do BBB, em 2012. “Você não pode falar, né?”, conformou-se o dono da SBT.

Além dos dois convidados, o apresentador recebeu as modelos Ju Isen, Jéssica Lopes e Erika Canela, bem como, as drag queens Penelopy Jean, Ikaro Kadoshi e Rita Von Hunty, que comandam o programa “Drag Me as a Queen”.

Ikaro aproveitou a participação no quadro “Não Erre a Letra” para agradecer a Silvio: “Se nós estamos apresentando um programa de TV hoje é porque muito tempo atrás um ser humano teve a ousadia de trazer o transformismo, as travestis e as drag queens para o palco de um programa chamado “Show de Calouros”, disse.

“Então, Silvio, muito, muito, muito obrigado! Se não fosse você mostrar para a população brasileira a nossa arte lá atrás, talvez a gente não estivesse aqui hoje”, completou.

 

 

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Segunda, 26/02

Franciely surpreende Silvestre e o beija pela primeira vez na boca. Silvestre desmaia de emoção. Fátima conversa com Estefânia e diz que Cristóvão pediu demissão. Fabiana e Didi colocam o plano em ação para desmascarar Bárbara e Frida. A mãe de Juju convida Fátima para ser sua sócia na loja de bolos. Gustavo promove Leonardo ao cargo de assessor pessoal dele.

Terça, 27/02

Cassandra diz para Fernando que irá conseguir fazer Vitor se separar de Estefânia. Bárbara diz que a partir de agora não é mais amiga de Frida, que a dedurou para Fabiana e Didi. Leonardo conta para Silvana que foi promovido na Rey Café. Zé Felipe descobre que não passou no teste de futebol. Cassandra leva Fernando para jantar na casa do pai com Estefânia.

Quarta, 28/02

Fátima diz que Cristóvão precisa oficializar sua saída da Rey Café para pegar os seus direitos após tantos anos de trabalho. Vitor descobre que perdeu Fátima para Silvana. Cristóvão conta para Fátima como foi tratado na empresa e que Gustavo não quis nem recebê­lo. Madre Superiora anuncia a divisão de grupos na escola para participarem do concurso de talentos.

Quinta, 1o/03

Vitor diz para Cassandra que está pensando em fazer uma festa para tentar enturmar ela com as pessoas da cidade, como Juju e Zeca. Gustavo conta para Cecília que gostaria de ter um filho com ela. Leonardo revela que vai acabar com Gustavo atacando seus dois pontos fracos, a esposa e a filha. Estefânia fica enjoada com o cheiro da geladeira, mesmo que Franciely não ache.

Sexta, 02/03

Lulu passa o final de semana na casa de Fátima e Cristóvão. Dr. André pede vários exames para que Haydee faça após Flávio afirmar que a mulher está com graves esquecimentos. Fátima afirma que têm certeza que Cecília irá se arrepender de acreditar nessas mentiras e que Leonardo é o responsável por tudo isso. Gustavo sugere para Cecília se afastar de Fátima.

 

Turma do Chaves passa por várias confusões no Natal e no Ano Novo (Foto: Roberto Nemanis/ SBT)

Fora dos Trilhos

A Globo comprou os direitos da série mexicana “Chaves”, no último mês de janeiro, para passar no canal Multishow, da TV fechada. Segundo a SBT, que historicamente transmitiu a atração no Brasil, os direitos para a TV aberta permanecem com a emissora de Silvio Santos – pelo menos até 2020.

Mesmo assim, o SBT anunciou uma versão brasileira do programa. A produção vai ao ar na madrugada de domingo, à 0h, com direção de Marcelo de Nóbrega. O humorista Alexandre Porpetone interpretará Chaves, personagem eternizado por Roberto Bolaños, morto no dia 28 de novembro em 2014.

Já o apresentador Celso Portiolli dará vida ao Professor Girafales, enquanto Lívia Andrade será Dona Florinda. Felipe Levoto (Sr. Madruga), Ratinho (Sr. Barriga), Chistina Rocha (Dona Clotilde), Marlei Cevada (Chiquinha0 e Zé Américo (Kiko) completam o elenco.

História de Natal e Ano Novo

Na noite de Natal, o Sr. Madrugada recebe a notícia de que a Vila está dando muito prejuízo. Sr. Barriga, então, diz que todos precisam se mudar. Diante deste cenário devastador, o Professor Girafales chega com a solução e salva a ceia da turma.

Já no Ano Novo, Sr. Madruga, achando que vai morrer, decide pagar o jantar para todos os seus vizinhos. No entanto, ele descobre que a notícia do óbito próximo era um alarme falso e toma um baita susto com a conta que precisa pagar.

Casal Breno e Paula trocaram beijos quentes durante festa no reality show (Foto: Divulgação/TV Globo)

Fora dos Trilhos

Mesmo não tendo como tema principal o amor, a festa de quarta-feira, 21, levou um clima romântico ao Big Brother Brasil 18. Os participantes reproduziram uma brincadeira em que levavam um papel, com a boca, entre eles. Gleici, que está com os dois olhos em Wagner, aproveitou para trocar vários selinhos com o affair.


Ambos saíram da festa, a certa altura, e foram para debaixo do edredrom. Não é possível saber se rolou algo a mais ali. Enquanto isso, Mahmoud também não ficou de fora das beijocas. Ele foi com tudo para cima de Caruso e tascou-lhe um beijo no canto da boca. Lucas e Diego também deram um selinho durante a brincadeira.


Durante a festa, o galã Breno finalmente ficou com Paula. Ela se justificou com Ana Clara, da Família Lima, que garantiu não ter ficado chateada. Pouco depois de irem dormir, Lucas e Jéssica também foram flechados pelo cupido, mas resistiram bravamente e ficaram só nas carícias. Depois de quase beijá-lo, ela admitiu. “Estou até tremendo”, falou, baixinho.


Observadora, Patrícia vai brincar com Gleici, enquanto ela procura uma sandália. “Não perdeu embaixo do edredom?”, disse. Depois, uma das mentoras do “Grupo dos Sete” comenta com Diego que a acreana está desesperada para “fincar” um casal e se estabelecer na casa.

Nayara foi a última eliminada do programa (Foto: Paulo Belote/TV Globo)

Fora dos Trilhos

Que o Big Brother Brasil é um grande fenômeno de audiência, não é novidade. Mas a edição deste ano do reality show tem causado um entusiasmo excessivo no público votante do programa: o BBB 18 tem os dois maiores recordes de rejeição em um Paredão triplo da história.

Ontem foi a vez de Nayara sofrer a reprovação dos espectadores. Ela teve pouco mais de 92% dos votos, contra apenas 4% de Mahmoud e 3% de Gleici. O apresentador Tiago Leifert foi enfático. “Cuidado ao falar que você representa alguma coisa, porque você pode esquecer de se defender aí dentro”, disse. A participante dizia que era representante do movimento negro dentro da casa.

Uma semana antes, foi a vez da “bruxinha” Ana Paula sofrer com a escolha do público. Ela foi eliminada com 89% dos votos, em disputa contra a família Lima (formada por Ana Clara e Ayrton) e Paula. O terceiro e o quarto lugar desse ranking ingrato são do ano passado: respectivamente, Elis e Roberta foram rejeitadas por 80 e 79% do público na edição.

É fácil explicar a maior reprovação da história do BBB para Nayara. Apesar de votar com o “Grupo dos sete”, encabeçado por Diego e Patrícia, ela criou duas intrigas relevantes ao fofocar, para Lucas, sobre conversas reservadas com Caruso e Wagner. Isso gerou descontentamento não só na casa, mas o público mostrou que também não gostou do falatório.

"Quero conhecer o Silvio Santos", disse a atriz nas redes sociais

Fora dos Trilhos

A equipe de comunicação da Rede Globo confirmou ao E+ que Marina Ruy Barbosa não foi liberada para participar da premiação Troféu Imprensa, do SBT. O motivo seria o fato dela estar atualmente no ar como protagonista na novela Deus Salve o Rei.

A comunicação da emissora de Silvio Santos disse que "o SBT não vai se pronunciar por respeitar a decisão da direção da TV Globo, a qual sempre libera artistas para o Teleton e Troféu Imprensa".

Marina Ruy Barbosa gostaria de comparecer ao evento e recorreu aos seus seguidores do Twitter para tentar a liberação da emissora. "Globo, libera eu! Quero conhecer o Silvio Santos", escreveu em uma postagem com mais de 24 mil curtidas.

Seu pedido, porém, foi negado. Por outro lado, a comunicação da Globo disse que Cleo Pires, Sergio Chapelin e Vanessa Giácomo estão liberados a participar da premiação.

Ainda assim, a presença deles na cerimônia ainda não pode ser confirmada pelo SBT, uma vez que ainda é preciso verificar a disponibilidade das personalidades.

Clima esquenta em reality show da Globo

Fora dos Trilhos

Depois da saída de Ana Paula do Big Brother Brasil 18, Mahmoud, seu principal desafeto, novamente causou polêmica na casa. Ele ajudou Ana Clara a cozinhar, mas ambos estão em grupos separados e isso é proibido pelas regras do programa. Exaltado, Caruso foi tirar satisfação com o sexólogo e a noite foi agitada.

“Eu nem encostei na panela”, justificou Mahmoud. “Da outra vez, você comeu um negócio e não falou nada. Você é um moleque”, disparou o publicitário. “Foi sem querer, porque se fosse por querer, eu ia comer um brigadeiro, uma banana”, retrucou o sexólogo. A partir daí, a discussão ficou mais acalorada. “Você é um bunda mole. Seja homem”, gritou Caruso.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Doria foi em manifestação pró-Bolsonaro no último domingo (Foto: Reprodução/Twitter)

Cidade

O candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, acertou em cheio na sua estratégia de se aproximar de Jair Bolsonaro (PSL), utilizando termos como “BolsoDoria” durante a campanha. Esta é a análise de três especialistas no assunto, o cientista político Gleibe Pretti, professor da UNG, Philippe Franco Scerb (mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo) e a internacionalista e mestre em Ciências Sociais, Marina Pequeneza de Moraes. “Ele reavaliou sua estratégia e aproveitou-se da polarização que permeia a candidatura à presidência, vinculando sua campanha ao discurso anti-PT”, avaliou Marina. De acordo com levantamento divulgado ontem pelo Instituto Paraná Pesquisas, o tucano cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Para o cientista político Gleibe Pretti, professor da UNG, o ex-prefeito conseguiu vincular sua imagem à de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência. “Com isso, ele conquistou muitos votos. O eleitorado de São Paulo já é historicamente contra o PT e o Doria está conseguindo personificar isso com suas ações de marketing”, explicou. Após o primeiro turno das eleições, João Doria tentou se aproximar à imagem de Bolsonaro. A campanha dele criou, por exemplo, o termo “BolsoDoria”, presente até em adesivos distribuídos no Estado. França está ‘travado’, analisa especialista De acordo com o mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), Philippe Franco Scerb, a candidatura de Doria acertou ao vincular sua imagem à de Bolsonaro, forçando com que França tenha que rechaçar, a todo momento, um apoio velado do PT à sua eleição. “O Doria faz um esforço gigantesco para falar que França é um candidato da esquerda. Isso o obriga a discordar e permanecer neste tema durante o programa eleitoral e nos debates”, analisou. Segundo o especialista, ao contrário da corrida presidencial, ainda pode haver uma reviravolta na disputa do Estado. “Os eleitores se concentraram muito no embate entre Bolsonaro e Haddad, deixando França e Doria em segundo plano. Isso pode mudar nesta reta final”, concluiu.

Bolsonaro é visto como um candidato "teflon", pois nada gruda nele (Fotos: Tãnia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Nacional

Especialistas em Ciência Política acreditam que muito dificilmente a vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) poderá ser revertida nos próximos dias, que precedem a eleição presidencial. De acordo com o cientista político Eduardo Grin, professor da FGV EAESP, nada “cola” no candidato preferido dos eleitores – segundo pesquisa do BTF/FSB, ele tem 60% dos votos válidos, contra 40% de Fernando Haddad (PT). “Já teve declaração desastrosa de companheiros políticos, aquela denúncia do pacote do Whatsapp, mas nada parece abalar a candidatura do Bolsonaro”, disse. Neste momento, 94% dos que votariam em Bolsonaro afirmaram que estão convictos da decisão. Nos eleitores do petista, o índice é de 90%. Foram entrevistados 2 mil eleitores, entre 20 e 21 de outubro, segundo o levantamento. A margem de erro segue sendo de dois pontos percentuais. O mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), Philippe Franco Scerb, analisou que a imagem “antissistema” do ex-capitão o favorece muito nesta corrida presidencial. “A denúncia de um possível Caixa 2, por exemplo, se tornou motivo de ironia entre o eleitorado”. No último estudo, publicado em 14 de outubro, Bolsonaro aparecia com 59% das intenções de voto, contra 41% do petista. Na intenção de voto estimulada, o candidato do PSL cresceu um ponto percentual, de 51 para 52%. Haddad permaneceu com 35%. Votos brancos e nulos somaram 4%, não souberam 4% e 5% responderam que não escolheriam nenhum dos dois.Votação expressiva pode gerar capital político maior Segundo Grin, a ideia da campanha de Bolsonaro, agora, é de vencer com maior número de votos do que os últimos presidentes eleitos no Brasil. Luís Inácio Lula da Silva (PT) obteve 52,7 milhões de votos (61,27%) em 2002 e 58,2 (60,83%) em 2006. Já Dilma Rousseff (PT) ganhou com 55,7 milhões (56,05%) em 2010 e 54,5 milhões (51,64%) em 2014. “Se obtiver maior percentagem do que Lula em 2002, por exemplo, ele terá um poder político maior para negociar com o Congresso no início do mandato”, explicou o especialista. “Sem dúvidas, uma votação bastante expressiva pode levar Bolsonaro a aprovar sua pauta junto a partidos que nem o apoiaram formalmente”, disse Scerb. “Candidatos com uma base semelhante entendem que seus eleitores querem que aquela agenda seja aprovada e isso gera mais força ao governo”. Ibope e Datafolha também divulgarão pesquisas Hoje será a vez do Ibope divulgar sua segunda pesquisa deste turno das eleições. Em 15 de outubro, Bolsonaro tinha 59% dos votos válidos, contra 41% de Haddad. O Datafolha vai publicar levantamento na quinta-feira, 25. No último estudo, os candidatos contavam com o mesmo percentual levantado pelo Ibope.

Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Opinião

No último domingo, apesar de boa parte da mídia ignorar, por questões de interesse, milhões de pessoas foram às ruas, por vontade própria, num admirável gesto de democracia, apoiar o candidato que, de forma extremamente inovadora, com praticamente custo zero perto do que se gastam com campanhas políticas, lidera as pesquisas. Ao que parece, o povo se desprendeu das garras do quarto poder e democraticamente exige mudança. Se esta será boa ou não, o tempo vai dizer, mas uma coisa é fato: a alternância de poder é saudável em qualquer democracia e por aqui já se passou da hora de mudar. A dita esquerda no Brasil tentou a todo custo um projeto criminoso de poder que, graças à Operação Lava Jato, resultou na prisão de diversos políticos poderosos e apresentou ao Brasil os bastidores sujos e asquerosos da política que desviou trilhões da educação, segurança, saúde, etc... A todo custo tentam ainda agarrar-se ao poder com mentiras, ataques e o velho jogo sujo da política sifilítica. Culpar o aplicativo de mensagem WhatsApp pelas atrocidades que o próprio partido cometeu é tão estúpido e absurdo quanto tentar comparar Bolsonaro com Trump. O norte-americano venceu apenas no colégio eleitoral, mas Bolsonaro pode vir a vencer na maioria absoluta de votos, o que numa democracia é literalmente a voz e o desejo do povo. Se você não enxerga isto, precisa urgente sair da bolha, e se não respeita, está muito próximo do palavrão que costuma xingar os colegas que discordam de você. Trump é bilionário e teve total apoio da máquina do Partido Republicano na campanha. Bolsonaro está em um partido anão e possuía oito segundos na TV. Trump tem as nuances e vícios de todo gênio comunicador, pois por anos liderou a audiência na TV americana. Bolsonaro é um sujeito simples com discurso coloquial, por vezes até rasteiro, mas que vai ao encontro das massas, sem esforço para tal.Goste você ou não, é um fenômeno popular maior ainda até do que Lula, que diferentemente do “capitão” foi programado e produzido por esquemas publicitários, a custo de ouro do dinheiro público, para transformá-lo num “mito”. Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução, como comprovou a manifestação gigantesca no domingo. Isto chama-se democracia, senhores. Aprendam com isto e deixem o País seguir. Bolsonaro foi o primeiro brasileiro, em campanha, a sofrer um atentado político; o primeiro a não fazer os velhos acordos; o primeiro a ter um nome (até aqui) limpo, algo que nem sonharíamos existir na política; e pode vir a ser o primeiro presidente a vencer uma eleição com o menor investimento já feito em campanha, comprovando que o tal fundo partidário é desnecessário e deveria ser direcionado para o que importa à população. O sujeito com uma caneta Bic nas mãos, um relógio Cassio e roupas simples, sozinho, sem verba, peitou a maior emissora do País, desafiou a imprensa e toda turma arrogante que se diz intelectual sem nunca ter produzido nada que valha o adjetivo. Amigos, se isto não é, no mínimo, uma expressiva revolução política e total quebra de paradigmas do status quo, você realmente precisa sair do jardim da infância e viver no mundo real.

Na capital, tucano tem rejeição de quase 40% (Fotos: Reprodução/Twitter e Carlos Bassan/Fotos Públicas)

Cidade

De acordo com levantamento divulgado nesta segunda, 22,  pelo Instituto Paraná Pesquisas, o candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Dentre o eleitorado paulistano, 37,6% afirmaram que votariam com certeza em Doria, enquanto 21,7% poderiam votar nele. O índice de rejeição do tucano é de 38,9%. No caso de Márcio França, 31,7% contaram que têm convicção na escolha por ele, 25,8% disseram que poderiam votar e 40% não votariam de jeito nenhum. Ainda segundo a pesquisa, a grande maioria dos paulistas acredita que João Doria será o próximo governador do Estado: 58,5% dos entrevistados têm essa percepção. Apenas 31,6% imaginam que França pode ganhar a eleição.No caso da opção de voto para presidente, Jair Bolsonaro (PSL) tem 69,1% do eleitorado paulista, enquanto Fernando Haddad (PT) te, 30,9%. Foram entrevistados 2.010 eleitores, entre os dias 18 e 21 de outubro, em 88 municípios do Estado.
or
or

Articulistas

Colunistas

Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Opinião

Profissionais consagram suas vidas ao serviço da humanidade (Foto: ASCOM SUSIPE/Fotos Públicas)

Opinião

O último bastião do PT ainda é o Nordeste, mas este já não é tão inexpugnável (Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas)

Opinião

Apesar de constar no ordenamento jurídico pátrio, o Princípio da Isonomia quase não é observado e aplicado (Foto: Nelson Jr./SCO/STF )

Opinião