16
Sex, Nov

Cantora está na frente de beldades como Juliana Paes, Deborah Secco e Erika Januza (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

A cantora e drag queen Pabllo Vittar é cotada para ser a mulher mais sexy do ano e pode desbancar nomes de beldades que já foram queridinhas em novelas e que já estamparam a capa de diversas revistas masculinas.

A votação para eleger a mulher mais sexy do ano foi aberta pela revista IstoÉ Gente, e pretende eleger as 50 mulheres mais sensuais do País. O fato é que a medida tem gerado polêmica nas redes sociais, uma vez que Pabllo Vittar é considerada por muitos como um travesti. Pesa na opinião dos internautas o fato de ele ainda ser, biologicamente, um homem, já que não fez cirurgia para mudança de sexo.

Até ontem, a mais votada era a funkeira Tati Zaqui, com mais de 41 mil votos, seguida pela atriz Paola Oliveira (39 mil) e Bruna Marquezine (31 mil). Pabllo Vittar está na 11ª colocação, com 11,7 mil votos, e já está à frente de celebridades como Juliana Paes, Deborah Secco e Erika Januza.

Outro nome que também consta na lista é o da transexual Thalita Zampirolli, conhecido por ter tido um affair com o craque Romário. A votação se encerra no dia 30 deste mês e o leitor pode escolher mais de uma mulher para dedicar seu voto por meio do link https://istoe.com.br/mulheres-mais-sensuais-2018/.

Homem mais sexy

A revista também realiza uma votação para saber quem é o homem mais sexy do ano. Entre os participantes está Thammy Miranda, filho da cantora Gretchen, que nasceu mulher, mas já fez uma cirurgia para troca de sexo.

Miranda está na 16ª colocação, com 7,2 mil votos, à frente de Rafael Zulu, Rodrigo Lombardi e Alexandre Nero. O ranking é liderado pelo influenciador digital Carlinhos Maia.  

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Cantora usa roupa como forma de protesto (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

A cantora Pabllo Vittar foi uma das grandes atrações da 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que ocorreu neste domingo, 3, e usou a própria roupa para se manifestar contra a homofobia.

Além de um maiô com as cores do arco-íris, ela vestiu um conjunto feito de reportagens de jornal sobre crimes ligados à homofobia. O destaque é para a frase em vermelho que diz "Parem de nos matar".

O look tem autoria de Victor Miranda, profissional responsável pelo estilo da cantora. Em seu perfil no Instagram, ele agradeceu o apoio de outras pessoas pela produção das estampas e fornecimento de tecidos.

O tema da Parada deste ano foi "Poder pra LGBTI+: Nosso voto, nossa voz". É a segunda vez consecutiva que Pabllo se apresenta no evento de São Paulo.

Pabllo Vittar vai agitar evento no próximo domingo (Paulo Belote/TV Globo)

Fora dos Trilhos

A Parada do Orgulho LGBT de São Paulo terá como grande atração a drag queen Pabllo Vittar, que se apresentará no trio elétrico da Uber. A cantora se tornou um verdadeiro fenômeno da música pop no ano passado, sendo considerada uma das principais artistas do País. São esperadas milhões de pessoas somente para este show.

Além de Pabllo, outras atrações são Preta Gil, Mulher Pepita, Lia Clark e April Carrion. A edição terá sua concentração às 10h de domingo, 3, e a saída do primeiro trio será às 12h. O trajeto percorrerá trecho da Avenida Paulista até a Rua da Consolação. O último trio está previsto para chegar ao fim do trajeto às 18h.

Ao final da Parada do Orgulho LGBT, os participantes partem para o Vale do Anhangabaú e conferem, a partir das 19h, um show especial de encerramento, com Banana Split, Fiakra e Jade Baraldo, além de diversos outros artistas. A drag queen Tchaka será mestre de cerimônias do evento.

O evento traz grande diversidade nas artistas que se apresentarão. No caso da carioca Mulher Pepita, ela é uma das primeiras funkeiras transexuais do Brasil. Já Lia Clark também é drag queen e é considerada pioneira no segmento do País. A drag porto-riquenha April Carrion participou do RuPaul’s Drag Race, show de talentos dos EUA.    

Ordem dos trios

  • Abertura: ONG APOGLBT SP.
  • Famílias LGBT/ Mães pela Diversidade: ONG APOGLBT SP.
  • Coordenação de Políticas para LGBT: Prefeitura SP.
  • AHF/Secretarias Saúde.
  • Casa Florescer: Prefeitura.
  • Centro de Cidadania LGBTI: Prefeitura.
  • Identidade TransTTs: ONG APOGLBT SP.
  • Transcidadania: Prefeitura.
  • Juventude LGBT: ONG APOGLBT SP.
  • Lésbica &Bi: ONG APOGLBT SP.
  • SMDHC: Prefeitura.
  • Gays&BI: ONG APOGLBT-SP.
  • Museu da Diversidade: ONG APOGLBT-SP.
  • Trio Skol.
  • Artistas da Noite: ONG APOGLBT-SP.
  • Trio Uber I.
  • Trio Uber II.
  • Trio da Paz: Encerramento: ONG APOGLBT-SP.

Cantora ainda fez discurso para defender seus fãs após o ocorrido (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Pabllo Vittar revidou com um tapa no braço a tentativa de um segurança de afastar um fã dela. O rapaz tinha subido ao palco durante um show para tirar uma foto com a cantora, e o homem, na parte de baixo, o puxava pela perna.

Tudo ocorreu no último fim de semana em uma apresentação em Maringá, cidade paranaense. Na primeira tentativa de foto, o fã foi puxado pelo braço, mas conseguiu se desvencilhar. A cantora chegou a reagir brevemente diante da atitude do segurança.

Depois, de forma mais agressiva, o homem puxou o rapaz pela perna, o que deixou a cantora irritada. Pabllo Vittar falou algo e deu um tapa no braço do segurança para afastá-lo. Com a foto feita, a cantora beijou o fã e se despediu.

Operação não foi por motivos estéticos (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

A cantora Pabllo Vittar chocou as redes sociais, nesta quarta-feira, com a publicação de vídeo com curativos no nariz e no queixo, no qual fez uma cirurgia plástica e está em processo de recuperação. A publicação está disponível no Instagram da artista.

Sem maquiagem e sem os apetrechos que a transformam para o palco, a artista mostrou a cara limpa e levantou a curiosidade dos fãs, que demonstraram apoio em diversas mensagens. “Me explica porque ela está assim”, comentou uma fã. “Boa recuperação amore! ?”, comentou outra internauta na postagem que chegou a quase 2 milhões de visualizações até a manhã desta quinta.

Em outra foto, na mesma rede social, a cantora postou outra imagem com os curativos com a legenda. "Amigos falsos, narizes reais", escreveu ela na legenda.

Segundo a assessoria da cantora, não se trata apenas de questão estética, mas da correção de problemas que incomodavam Pabllo Vittar. Foram feitos procedimentos de correção do desvio do septo e adenoide, responsável por causar problemas como rinite, sinusite e dificuldade para respirar.

Carolina Ferraz afirmou que sonho de ser apresentadora é antigo (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Hoje eu inicio a minha coluna comentando o processo que a atriz Carolina Ferraz moveu contra a Globo. Desde que saiu da emissora, a atriz recorreu à Justiça para defender os seus direitos. A emissora, por sua vez, resolveu também afastá-la do comando do programa que ela fazia na GNT (emissora do grupo Globo), que tinha o título de Receitas da Carolina. 

A atriz confirmou, também em entrevista coletiva, que segue com planos de investir na carreira de apresentadora, até porque, depois de 25 anos na emissora, o que ela ganhou foi ser dispensada sem nenhuma justificativa. Carolina Ferraz começou na Globo, em 1992, como apresentadora do Fantástico.

Procurada pela coluna, Carolina confirmou o processo trabalhista contra a emissora e reafirmou que, embora tenha se dedicado muito à carreira de atriz, agora ela vai dar um tempo para as novelas e tentará realizar seu projeto como apresentadora, um sonho antigo que colocará em prática.

Luciano Huck foi chamado às pressas pela diretoria executiva da Globo, que o obrigou a desistir definitivamente de concorrer à Presidência da República. A direção foi taxativa: “sua saída é um caminho sem volta. Se fracassar nas urnas, as portas da emissora estarão fechadas para você”. O apresentador resolveu não arriscar.

Acredite se quiser, a drag queen Pablo Vittar vai se aventurar de vez no universo da televisão. Depois de ser convidada para participar do programa TVZ, do Multishow (canal de variedades da Globo), a emissora lhe fez um convite para comandar um programa diferenciado e com muitas atrações.

A coluna entende que a mídia impõe determinados artistas para o consumo popular, porém afirmar que Pablo Vittar é cantor, não tenha dúvida, é assinar um atestado de burrice. Sua voz de taquara rachada certamente ecoará na apresentação desse futuro programa onde podemos observar antecipadamente que o conteúdo será de péssima qualidade.

A Band está estudando a possibilidade de dar um novo programa para o jornalista Ricardo Boechat. A atração seria para encerrar a programação da emissora. Boechat é um dos melhores profissionais do grupo e o telejornal que ele apresenta tem uma boa audiência. Agora transformá-lo em um apresentador de programa popular será um verdadeiro suicídio.

Copan Hair deverá mesmo ser escolhido para cuidar da imagens de várias celebridades da nossa televisão, principalmente nos concursos de beleza que irão acontecer este ano. A cantora Monique Brasil, que será lançada neste semestre, já conta com essa estrutura profissional. 

Frase final: “As pessoas são solitárias porque constroem paredes ao invés de pontes.”

Cantora não será a única do universo musical no elenco. Preta Gil também estará no filme (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Após ter conquistado sucesso nacional na música em 2017, Pabllo Vittar decidiu apostar também em outras áreas neste ano: o cinema. Ela fará uma participação especial no filme "Crô em Família", que deve ser lançado até o final deste ano, continuação de "Crô: O Filme".

A comédia é sobre o mordomo Crodoaldo Valério, famoso pelo personagem de Marcelo Serrado na novela Fina Estampa.

Pabllo não é o único nome da música a atuar no longa, que terá também a participação de Preta Gil. O filme é o segundo sobre o mordomo interpretado por Serrado na novela televisionada entre agosto de 2011 e março de 2012. Os atores Marcos Caruso, Marcus Majella, Arlete Salles, Fabiana Karla e Tonico Pereira também vão integrar o elenco.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

"Será que devemos destinar aos mais pobres profissionais, entre aspas, sem qualquer garantia de que eles sejam realmente razoáveis, no mínimo?", questionou Bolsonaro (Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil)

Nacional

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), encerrou intempestivamente uma entrevista coletiva no 1º Distrito Naval, no Rio. O militar da reserva estava sendo perguntado sobre a continuidade dos atendimentos de saúde no Programa Mais Médicos, já que cerca de 8,3 mil profissionais podem deixar o País com decisão de Cuba de interromper a parceria. Bolsonaro respondeu apenas uma pergunta após ser questionado sobre o Mais Médicos - não comentou, por exemplo, a indicação do economista Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central (BC). O presidente eleito voltou a criticar os termos do acordo com Cuba no Mais Médicos, que prevê o repasse direto ao governo caribenho de 70% dos salários dos profissionais de saúde. Repetiu que a situação dos profissionais de saúde cubanos é "praticamente de escravidão" e questionou a qualidade dos serviços prestados. "Nunca vi uma autoridade no Brasil dizer que foi atendido por um médico cubano. Será que devemos destinar aos mais pobres profissionais, entre aspas, sem qualquer garantia de que eles sejam realmente razoáveis, no mínimo? Isso é injusto, é desumano", disse Bolsonaro. O presidente eleito defendeu o exame presencial de validação do diploma dos médicos incluídos no programa. "O que temos ouvido, em muitos relatos, são verdadeiras barbaridades. Não queremos isso para ninguém no Brasil, muito menos para os mais pobres. Queremos o salário integral (dos médicos cubanos) e o direito (deles) de trazer a família para cá. Isso é pedir muito? Isso está em nossas leis, que estão sendo desrespeitadas", resumiu Bolsonaro antes de encerrar a entrevista, que durou menos de cinco minutos. O futuro presidente do Brasil também prometeu asilo político para todos os médicos cubanos que pedirem. "Há quatro anos e pouco, quando foi discutida a Medida Provisória (que criou o Mais Médicos), o governo da senhora Dilma (Rousseff) disse, em alto e bom som, que qualquer cubano que, por ventura, pedisse asilo, seria deportado. Se eu for presidente, o cubano que pedir asilo aqui, (que) se justifica pela ditadura da ilha, terá o asilo concedido da minha parte", afirmou.

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião