19
Sex, Out

Empresa afirma que deseja discutir a representação na moda (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos


A MOGA é uma marca australiana especializada lenços de cabeça e xales que tem em seu DNA o comprometimento com questões sociais - tanto que um dos seus itens mais vendidos é um tecido com as cores da bandeira do arco-íris feito em comemoração à legalização do casamento homoafetivo na Austrália.

Agora, a empresa tomou uma decisão impactante: ela não irá mais contratar modelos brancas para suas campanhas. "Fiz esta regra para ser o ponto inicial de um debate que acho muito importante: raça e sua representação na indústria da moda", explica Azahn Munas, fundador da marca, para a Teen Vogue. "Quero explorar a noção do 'poder branco' na moda e porque tantas pessoas estão perpetuando este conceito - conscientemente ou não. Embora ela seja excludente a primeira vista, é em nome da inclusão. Queremos alcançar pessoas que não são representadas na indústria."

A nova regra foi divulgada durante a uma ação da MOGA que procura modelos para o próximo ano. Podem participar mulheres de todo o mundo, com ou sem experiência prévia, de todos os tipos de corpos e todas as raças - só não podem ser brancas caucasianas. "Desculpa, meninas, achamos vocês absolutamente lindas mas, infelizmente, essa não é para vocês", diz o texto.

Para explicar melhor este posicionamento, a marca publicou um vídeo, feito com bonecas em stop motion (em inglês e sem legendas). "É importante falar sobre assuntos que não estamos confortáveis, e raça é uma delas. E quanto mais falamos destes assuntos como sociedade, mais perto chegamos de entender a complexidade deles e avançar para nos tornamos mais respeitosos e inclusivos."

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Cinza é a cor que representa modernidade e, ao mesmo tempo, experiência (Foto: Reprodução)

Opinião

Existe um princípio de que tudo é movimento e que nada pode permanecer estático. Daí surgiu a percepção universal de que mudar é a única certeza. Percebe-se isso em diversas situações, como a necessidade de trocar o corte de cabelo, a transformação fugaz da moda ou mesmo em questões fundamentais, como a contínua evolução da tecnologia. Mudar faz bem e é quase sempre imprescindível.

O Metrô News, desde 1974, se insere neste processo e, depois de quase uma década com os mesmos elementos visuais, que o fazem ser carinhosamente conhecido como “o jornal azulzinho do Metrô”, se despiu de sua tradicional cor apostando em novas nuances de cinza. O resultado é um produto mais moderno e atual, com cores que despertam o interesse pelos textos. E isso é essencial para um jornal que é, usualmente, lido entre uma estação e outra. Esta escolha – feita de maneira demorada, minuciosa, testada e sob o crivo de diversas pessoas de diferentes formações – não foi à toa.

Se, por um lado, o cinza está associado a estabilidade e autocontrole, por outro traz a facilidade de combinar com tudo, de tons claros até escuros, casando bem com azul, amarelo, laranja e verde. Na decoração, na tecnologia e na moda, essa cor é considerada futurista, moderna, inovadora e imparcial, conceitos que o Metrô News, como marca e em sua linha editorial, buscam diuturnamente.

O cinza também está associado a experiência (gris é cinza em francês e espanhol, de onde vem grisalho). E, com seus 44 anos de história, não falta bagagem a este jornal, que segue trabalhando para manter bem-informado os seus milhões de leitores, de forma dinâmica e, agora, ainda mais atraente. E não para por aí. Recentemente foi reformulado o nosso site, que foi desenvolvido para atender bem aos usuários de smartphones, tablets e computadores. E, podem aguardar, pois estão sendo preparadas outras novidades. A principal delas é a que deixará este veículo ainda mais perto do seu principal ativo: o leitor.

Neta da lenda do reggae já desfilou para a Calvin Klein (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

O nome de Selah Marley pode soar desconhecido em um primeiro momento, mas seu sobrenome logo entrega a linhagem estrelada da qual faz parte. Neta de Bob Marley, filha da cantora Lauryn Hill e do ex-jogador de futebol americano Rohan Marley, a modelo e cantora, de 19 anos, faz parte da nova geração de queridinhos da moda.

O cenário, aliás, tem sido recorrente: filhos de personalidades despontando como modelos, embaixadores de grifes e favoritos dos grandes estilistas. Pense em nomes como Lily-Rose Depp, filha dos atores Johnny Depp e Vanessa Paradis; Kaia Gerber, filha da supermodelo Cindy Crawford; e Sofia Richie, filha do cantor Lionel Richie.

Selah, por sua vez, é dona de uma carreira curta, mas notável: já estrelou campanhas de marcas como Calvin Klein e Ivy Park (a etiqueta de roupas esportivas criada por Beyoncé), desfilou para a Chanel e também já fez parte do casting da Yeezy, marca do rapper Kanye West.

Nas redes sociais, a menina faz sucesso com suas fotos glamorosas: somente no Instagram, conta com 106 mil seguidores.

Estilista morreu enquanto dormia (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

O estilista Hubert de Givenchy, lenda da alta-costura, morreu aos 91 anos, enquanto dormia. O francês, que fundou a casa Givenchy na década de 1950, ficou famoso ao vestir nomes como Jacqueline Kennedy Onassis, Grace Kelly e Elizabeth Taylor. Givenchy nasceu em Beauvais no dia 21 de fevereiro de 1927.

O estilista desenhou o famoso tubinho preto utilizado por Audrey Hepburn no filme "Breakfast at Tiffany's" ("Bonequinha de Luxo"), de 1961. Ele fazia parte do grupo de elite de designers sediados em Paris, ao lado de nomes como Christian Dior e Yves Saint Laurent, que redefiniram a moda após a 2ª Guerra Mundial

A diretora artística de Givenchy, Clare Waight Keller, disse nesta segunda-feira, 12, em sua conta no Instagram, estar "profundamente entristecida pela perda de um grande homem e artista que teve a honra de conhecer"

Mulheres têm gama de opções para o Outono, com destaque especial ao xadrez (Foto: Reprodução)

Fora dos Trilhos

O xadrez deve ser o destaque nas roupas no Outono deste ano, principalmente no figurino das mulheres. A designer de moda Camila Toledo Simões e a professora do Senac São Paulo Jô Souza, especialista em estilo, concordaram que essa é a principal tendência. “Ele deve aparecer tanto em casacos alongados, como nas clássicas camisas”, explicou Camila.


Para Jô, na questão das cores, haverá bastante uso de vermelho, amarelo, verde limão e laranja nas peças. “A cor da estação, no entanto, é a ultravioleta”, disse. “Ela é apontada como a principal, que será evidenciada no uso de celebridades em eventos de luxo”, explicou Camila.


Os materiais em destaque são vinil e a fake furr, uma pele falsa, aplicada em casacos inteiros. Além deles, as plumas também aparecerão nos sapatos, segundo a designer. “Nessa época, o sutiã à mostra e o corpete também devem ser bastante utilizados”, afirmou a professora.


De acordo com Jô, as pochetes retornam com tudo para a estação. “Elas voltam de forma criativa, substituindo as bolsas em algumas ocasiões”, disse. “As ombreiras também são uma tendência bastante grande”, disse. Os laços, de todos os tamanhos, que trazem um visual mais romântico, serão muito usados no cotidiano. “Isso dá muita diferença visual”, explicou Jô.


Para quem deseja um look mais casual, a escolha do jeans escuro é essencial. “Pode combinar com uma botinha branca e um casaco colorido, vai ficar bem legal”, disse a especialista.

Vestidos pretos se adequam aos climas (Foto: MyBasic/Divulgação)

Fora dos Trilhos

O vestido básico é, sem dúvidas, uma opção versátil e prática para se usar nas viagens ao campo. O modelo oferece conforto, beleza e frescor para o clima em meio à natureza. 

Afinal, passar um fim de semana longe da correria das cidades é sempre bem-vindo, mas antes de escolher quais peças tirar do closet, um lembrete: o tempo no campo é imprevisível. 

Nos locais com mata fechada, a temperatura costuma ser mais gelada à noite e mais fresca durante o dia. Se o local for próximo à mata, considere levar roupas com mangas compridas, por causa dos insetos. Ao fazer a sua mala, não se esqueça de levar repelentes e protetores solares, mesmo para os dias nublados. 

Para fazer trilhas, invista em um par de botas com solado antiderrapante que proteja seu pé, leve um chapéu e mochila. Se o objetivo é relaxar e curtir o clima da natureza, confira sugestões de looks com peças versáteis para compor seu estilo na viagem. O conjunto calça, blusa básica, casaco e tênis compõem um look interessante e muito confortável para os passeios ao ar livre. 

Vestido preto se adequa aos climas

O vestido básico Reggio é versátil. Seu comprimento longo protege contra as temperaturas do clima do campo e fica bom em todos os corpos. O modelo Lituânia possui tecido premium, com qualidade superior. Seu design com manga ¾ e caimento que se ajusta no quadril, criando o efeito blusê, fazem desse modelo uma opção leve e sofisticada.

Atriz global ostenta com vestimenta brilhante (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Encerrando as comemorações de carnaval, Bruna Marquezine compareceu ao Desfile das Campeãs, na Sapucaí, no Rio de Janeiro, no último sábado, 17. A atriz curtiu a noite no "Nosso Camarote", a convite da Rosa Chá. Ela apostou em um body transparente da marca para a festa, customizado exclusivamente.

Bruna também optou por uma calça legging de paetês, da grife Gucci, para compor a sua produção. 

A peça custa cerca de R$ 7 mil no Brasil. 

Para finalizar, argolas grandes e o penteado de cabelo meio preso deram um toque divertido no visual. 

Bruna Marquezine calça Insta

Marquezine aparece sorridente no sambódromo carioca (Foto: Reprodução/Instagram)

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Verdade já não basta para formar a opinião pública, nem é antídoto à desinformação (Foto: Allan White/ Fotos Públicas)

Opinião

Desde 2013, o Ibope realiza a Pesquisa Brasileira de Mídia, a pedido do governo federal. O objetivo é saber por quais meios os brasileiros se informam. Desde o início, o estudo – que é feito nacionalmente e com uma amostra de cerca de 15 mil pessoas, distribuídas por todas as Unidades da Federação – revela a prevalência da TV sobre os demais meios. Mas, desde 2016 (último ano da análise, publicada em 2017) há evidências do avanço da Internet, que se consolidou como o segundo meio de comunicação mais usado (49% da amostragem), ameaçando inclusive a soberania televisiva (89%). A soma é superior a 100% porque se pode indicar mais de uma opção. E as eleições deste ano reforçam o poder da internet e dos meios digitais. Para o bem ou para o mal, estas formas se cristalizaram como o caminho preferido de muitos brasileiros para o consumo de notícias. E não são poucos aqueles que fazem isso de modo exclusivo, bebendo apenas na fonte de sites, blogues, aplicativos e redes sociais. E, ainda que estes não sejam maioria, dedicam mais tempo nestes acessos. Enquanto o tempo médio em frente à TV é de três horas e 21 minutos, entre aqueles que utilizam a web (segundo a mesma pesquisa Ibope) é de quatro horas e 40 minutos, superando seis horas entre o público de 16 a 24 anos. Mais importante que a quantidade de informação disponível na web e redes sociais são a relevância e qualidade do conteúdo oferecido. Evidentemente, no universo digital há muitas empresas e grupos sérios, que primam pela credibilidade do que oferta. No entanto, há um sem número de virulentos guetos, que servem de fábrica para as fake news. Assim, nunca é demais ressaltar que estar na internet, Facebook ou WhatsApp não representa selo de veracidade. Ainda são os meios tradicionais que têm o compromisso com a verdade, por não sair noticiando o que não foi confirmado. Falta isso nos rincões digitais. E até que se separe o joio do trigo, esta revolução representará não um avanço, mas um retrocesso. Nesta nova era, a verdade já não basta para a formação da opinião pública, nem é antídoto à manipulação. Agora se consome aquilo em que se quer acreditar, acriticamente e ainda que falso, desprezando o que vai contra as próprias convicções. A isso se convencionou chamar de “pós-verdade”.

Mais uma pesquisa dá empate técnico entre os dois oponentes (Fotos: Klaus Silva /TJSP/ Fotos Públicas e Reprodução/Twitter)

Cidade

Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) estão tecnicamente empatados na disputa para o segundo turno, aponta a mais recente pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada nesta quarta-feira, 17. Doria tem 52% dos votos válidos - quando são excluídos os brancos, nulos e indecisos - e Márcio França, 48%. A margem de erro é de três pontos porcentuais. É a primeira pesquisa Ibope para o governo de São Paulo neste segundo turno das eleições 2018. Se considerados os votos totais, Doria tem 46% das menções e França, 42%. Eleitores que declaram a intenção de votar em branco ou nulo são 10%; 2% não sabem ou preferiram não responder. A pesquisa foi realizada entre os dias 15 e 17 de outubro. Na intenção de voto espontânea, na qual os eleitores manifestam sua preferência antes de ler a lista de candidatos, Doria aparece com 28% das intenções de voto, também empatado tecnicamente com França, que tem 26%. Neste caso, os indecisos são um quarto dos entrevistados. Outros 15% manifestam a intenção de votar branco ou nulo, e 6% disseram nomes diferentes, que não estão na disputa. A rejeição de Doria é a maior - 32% apontaram que não votariam nele de jeito nenhum. A de França, que vinha se mantendo baixa no primeiro turno - subiu e agora está em 20%. No dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno, era de 9%. Também chama a atenção a quantidade de eleitores que não os conhecem - 18% disseram não conhecer Doria o suficiente para opinar. No caso de França, o número é de 28%. A pesquisa ouviu 1.512 votantes e a margem de erro estimada é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95% - esta é a chance de os resultados retratarem o atual momento eleitoral. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo sob o protocolo Nº SP-07777/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo Nº BR-BR-07265/2018.

Vice de Haddad, Manuela d'Ávila é uma critica do machismo (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Confesso que essa batalha do #elenão e #elesim algumas vezes me deixa confuso. Afinal, quem é o seu “ele não”? Ou o “ele sim”? Parece que as pessoas têm medo de falar esse nome que supostamente não pode ser dito. Vejo um enorme questionamento sobre machismo. Geralmente, quem fala isso é uma mulher. Vi, inclusive, a vice do Haddad criticando o machismo e em uma certa frase ela usou a palavra feminismo três vezes. Eu fico confuso: o machismo é proibido, errado, questionado, uma coisa que deve ser totalmente excluída da sociedade, mas o feminismo radical pode? Sempre fui a favor dos direitos iguais. Há dez anos, quando ganhei a guarda definitiva do meu filho, defendia essa postura sem hipocrisia. Eu acho que não existe nenhuma diferença entre homem e mulher. Se fosse há 2 mil anos, quando tudo era à base da força física, faria sim diferença em uma caça, batalha, onde era necessário usar espada, ou armadura pesada para defender uma civilização. Mas hoje, você precisa de uma espada para decidir alguma coisa? Não, uma caneta decide. As mulheres são atuantes nas universidades e ocupam altos cargos. Sei que ainda existe diferenciação, fruto de uma cultura absurda, subdesenvolvida. Afinal, a mulher é tão capaz quanto o homem, e o contrário também, e ambos podem sozinhos gerir uma família, assim como aconteceu comigo. Eu administro as tarefas de ser pai, empresário, profissional e empreendedor. Fiquei com nosso filho porque chegamos a um acordo, o que não significa que eu, naquela situação, era melhor ou pior do que a mãe dele. Quem questiona o machismo, assim como quem questiona o feminismo ou a homossexualidade é tão preconceituoso ou mais do que aquele que está só externando a sua possibilidade ou vontade política. Essa campanha #elesim e #elenão, vou fazer isso ou vou fazer aquilo, é desgastante. Meu filho tem 12 anos e eu o criei sem a ajuda de ninguém, absolutamente sozinho, nem minha família tão pouco a da mãe dele. Sempre eu e ele a vida inteirinha. Basta a gente querer, e deixar o preconceito de lado. Daniel Toledo é Advogado especializado em direito internacional, consultor de negócios e sócio fundador da Loyalty Miami

Em uma disputa acirrada, França e Doria tentam colar suas imagens a Bolsonaro (Fotos: Klaus Silva /TJSP, Fernando Frazão/ABR e Marcos Corrêa/PR

Opinião

Bolsonaro nada de braçada no Estado de São Paulo onde, segundo a última sondagem do instituto Paraná Pesquisas tem quase 70% das intenções de voto do eleitorado local. Daí não ser surpresa o fato de tanto João Doria (PSDB) quanto Márcio França (PSB) desejarem e precisarem dos votos dos correligionários do capitão reformado para vencer a disputa ao Palácio dos Bandeirantes. França até que saiu na frente nesta disputa particular, ao obter de primeiro momento o apoio do futuro senador Major Olímpio (PSL), simplesmente o mais bem votado para o cargo em todo o País. Também obteve a preferência do Major Costa e Silva (DC), aliado de Bolsonaro e quinto colocado na disputa estadual. Mas Doria reagiu rápido. Primeiro atraiu o PRTB, partido do general Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro, e, em seguida, buscou uma aproximação direta com o próprio presidenciável, ao tentar um encontro com ele no Rio de Janeiro. Embora não tenha sido recebido, o ex-prefeito paulistano saiu de lá com um excelente recorte de uma declaração mais ampla do pesselista, que logo passou a ser usada na campanha do tucano. “Eu sei que ele (Doria) é uma oposição ao PT. Somos oposição ao PT. E eu sei que o outro lado, o França, tem o apoio velado do PT. Então, no momento eu desejo boa sorte ao Doria”, disse Bolsonaro, depois de destacar sua neutralidade na disputa paulista. França até que tentou descolar a eleição no Estado da polarização nacional, mas sem sucesso. Mas, por fim pode ser sugado pelo sentimento anti-PT que varre o País. Enquanto busca se afastar do seu vínculo histórico, seu adversário faz questão de explorá-lo. Com isso, as propostas vão ficando em segundo plano, mascaradas por ataques e tentativas de defesa de ambos os lados. Desta forma, segundo o Paraná Pesquisas, os dois estão em situação de empate técnico (52,3% de Doria contra 47,7% de França), inclusive com rejeição similar (39,8% contra 37%). Diante de linha tão tênue entre a vitória e a derrota, pode ganhar mais votos aquele que mais endurecer o discurso, ainda que, contraditoriamente, em um momento em que o presidenciável do PSL busca mais equilíbrio em suas falas. Ainda assim, quem conseguir convencer essa parte do eleitorado paulista que pode jogar no mesmo time do ex-militar do Exército certamente não ficará de urnas vazias.
or
or

Articulistas

Colunistas

Decisão do STF preserva direito de trabalho à grávida, mesmo se ela desconhecer a gestação (Foto: André Borges/Agência Brasília/Fotos Públicas)

Opinião

Verdade já não basta para formar a opinião pública, nem é antídoto à desinformação (Foto: Allan White/ Fotos Públicas)

Opinião

Vice de Haddad, Manuela d'Ávila é uma critica do machismo (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Em uma disputa acirrada, França e Doria tentam colar suas imagens a Bolsonaro (Fotos: Klaus Silva /TJSP, Fernando Frazão/ABR e Marcos Corrêa/PR

Opinião