Empresa afirma que deseja discutir a representação na moda (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos


A MOGA é uma marca australiana especializada lenços de cabeça e xales que tem em seu DNA o comprometimento com questões sociais - tanto que um dos seus itens mais vendidos é um tecido com as cores da bandeira do arco-íris feito em comemoração à legalização do casamento homoafetivo na Austrália.

Agora, a empresa tomou uma decisão impactante: ela não irá mais contratar modelos brancas para suas campanhas. "Fiz esta regra para ser o ponto inicial de um debate que acho muito importante: raça e sua representação na indústria da moda", explica Azahn Munas, fundador da marca, para a Teen Vogue. "Quero explorar a noção do 'poder branco' na moda e porque tantas pessoas estão perpetuando este conceito - conscientemente ou não. Embora ela seja excludente a primeira vista, é em nome da inclusão. Queremos alcançar pessoas que não são representadas na indústria."

A nova regra foi divulgada durante a uma ação da MOGA que procura modelos para o próximo ano. Podem participar mulheres de todo o mundo, com ou sem experiência prévia, de todos os tipos de corpos e todas as raças - só não podem ser brancas caucasianas. "Desculpa, meninas, achamos vocês absolutamente lindas mas, infelizmente, essa não é para vocês", diz o texto.

Para explicar melhor este posicionamento, a marca publicou um vídeo, feito com bonecas em stop motion (em inglês e sem legendas). "É importante falar sobre assuntos que não estamos confortáveis, e raça é uma delas. E quanto mais falamos destes assuntos como sociedade, mais perto chegamos de entender a complexidade deles e avançar para nos tornamos mais respeitosos e inclusivos."

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Cinza é a cor que representa modernidade e, ao mesmo tempo, experiência (Foto: Reprodução)

Opinião

Existe um princípio de que tudo é movimento e que nada pode permanecer estático. Daí surgiu a percepção universal de que mudar é a única certeza. Percebe-se isso em diversas situações, como a necessidade de trocar o corte de cabelo, a transformação fugaz da moda ou mesmo em questões fundamentais, como a contínua evolução da tecnologia. Mudar faz bem e é quase sempre imprescindível.

O Metrô News, desde 1974, se insere neste processo e, depois de quase uma década com os mesmos elementos visuais, que o fazem ser carinhosamente conhecido como “o jornal azulzinho do Metrô”, se despiu de sua tradicional cor apostando em novas nuances de cinza. O resultado é um produto mais moderno e atual, com cores que despertam o interesse pelos textos. E isso é essencial para um jornal que é, usualmente, lido entre uma estação e outra. Esta escolha – feita de maneira demorada, minuciosa, testada e sob o crivo de diversas pessoas de diferentes formações – não foi à toa.

Se, por um lado, o cinza está associado a estabilidade e autocontrole, por outro traz a facilidade de combinar com tudo, de tons claros até escuros, casando bem com azul, amarelo, laranja e verde. Na decoração, na tecnologia e na moda, essa cor é considerada futurista, moderna, inovadora e imparcial, conceitos que o Metrô News, como marca e em sua linha editorial, buscam diuturnamente.

O cinza também está associado a experiência (gris é cinza em francês e espanhol, de onde vem grisalho). E, com seus 44 anos de história, não falta bagagem a este jornal, que segue trabalhando para manter bem-informado os seus milhões de leitores, de forma dinâmica e, agora, ainda mais atraente. E não para por aí. Recentemente foi reformulado o nosso site, que foi desenvolvido para atender bem aos usuários de smartphones, tablets e computadores. E, podem aguardar, pois estão sendo preparadas outras novidades. A principal delas é a que deixará este veículo ainda mais perto do seu principal ativo: o leitor.

Neta da lenda do reggae já desfilou para a Calvin Klein (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

O nome de Selah Marley pode soar desconhecido em um primeiro momento, mas seu sobrenome logo entrega a linhagem estrelada da qual faz parte. Neta de Bob Marley, filha da cantora Lauryn Hill e do ex-jogador de futebol americano Rohan Marley, a modelo e cantora, de 19 anos, faz parte da nova geração de queridinhos da moda.

O cenário, aliás, tem sido recorrente: filhos de personalidades despontando como modelos, embaixadores de grifes e favoritos dos grandes estilistas. Pense em nomes como Lily-Rose Depp, filha dos atores Johnny Depp e Vanessa Paradis; Kaia Gerber, filha da supermodelo Cindy Crawford; e Sofia Richie, filha do cantor Lionel Richie.

Selah, por sua vez, é dona de uma carreira curta, mas notável: já estrelou campanhas de marcas como Calvin Klein e Ivy Park (a etiqueta de roupas esportivas criada por Beyoncé), desfilou para a Chanel e também já fez parte do casting da Yeezy, marca do rapper Kanye West.

Nas redes sociais, a menina faz sucesso com suas fotos glamorosas: somente no Instagram, conta com 106 mil seguidores.

Estilista morreu enquanto dormia (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

O estilista Hubert de Givenchy, lenda da alta-costura, morreu aos 91 anos, enquanto dormia. O francês, que fundou a casa Givenchy na década de 1950, ficou famoso ao vestir nomes como Jacqueline Kennedy Onassis, Grace Kelly e Elizabeth Taylor. Givenchy nasceu em Beauvais no dia 21 de fevereiro de 1927.

O estilista desenhou o famoso tubinho preto utilizado por Audrey Hepburn no filme "Breakfast at Tiffany's" ("Bonequinha de Luxo"), de 1961. Ele fazia parte do grupo de elite de designers sediados em Paris, ao lado de nomes como Christian Dior e Yves Saint Laurent, que redefiniram a moda após a 2ª Guerra Mundial

A diretora artística de Givenchy, Clare Waight Keller, disse nesta segunda-feira, 12, em sua conta no Instagram, estar "profundamente entristecida pela perda de um grande homem e artista que teve a honra de conhecer"

Mulheres têm gama de opções para o Outono, com destaque especial ao xadrez (Foto: Reprodução)

Fora dos Trilhos

O xadrez deve ser o destaque nas roupas no Outono deste ano, principalmente no figurino das mulheres. A designer de moda Camila Toledo Simões e a professora do Senac São Paulo Jô Souza, especialista em estilo, concordaram que essa é a principal tendência. “Ele deve aparecer tanto em casacos alongados, como nas clássicas camisas”, explicou Camila.


Para Jô, na questão das cores, haverá bastante uso de vermelho, amarelo, verde limão e laranja nas peças. “A cor da estação, no entanto, é a ultravioleta”, disse. “Ela é apontada como a principal, que será evidenciada no uso de celebridades em eventos de luxo”, explicou Camila.


Os materiais em destaque são vinil e a fake furr, uma pele falsa, aplicada em casacos inteiros. Além deles, as plumas também aparecerão nos sapatos, segundo a designer. “Nessa época, o sutiã à mostra e o corpete também devem ser bastante utilizados”, afirmou a professora.


De acordo com Jô, as pochetes retornam com tudo para a estação. “Elas voltam de forma criativa, substituindo as bolsas em algumas ocasiões”, disse. “As ombreiras também são uma tendência bastante grande”, disse. Os laços, de todos os tamanhos, que trazem um visual mais romântico, serão muito usados no cotidiano. “Isso dá muita diferença visual”, explicou Jô.


Para quem deseja um look mais casual, a escolha do jeans escuro é essencial. “Pode combinar com uma botinha branca e um casaco colorido, vai ficar bem legal”, disse a especialista.

Vestidos pretos se adequam aos climas (Foto: MyBasic/Divulgação)

Fora dos Trilhos

O vestido básico é, sem dúvidas, uma opção versátil e prática para se usar nas viagens ao campo. O modelo oferece conforto, beleza e frescor para o clima em meio à natureza. 

Afinal, passar um fim de semana longe da correria das cidades é sempre bem-vindo, mas antes de escolher quais peças tirar do closet, um lembrete: o tempo no campo é imprevisível. 

Nos locais com mata fechada, a temperatura costuma ser mais gelada à noite e mais fresca durante o dia. Se o local for próximo à mata, considere levar roupas com mangas compridas, por causa dos insetos. Ao fazer a sua mala, não se esqueça de levar repelentes e protetores solares, mesmo para os dias nublados. 

Para fazer trilhas, invista em um par de botas com solado antiderrapante que proteja seu pé, leve um chapéu e mochila. Se o objetivo é relaxar e curtir o clima da natureza, confira sugestões de looks com peças versáteis para compor seu estilo na viagem. O conjunto calça, blusa básica, casaco e tênis compõem um look interessante e muito confortável para os passeios ao ar livre. 

Vestido preto se adequa aos climas

O vestido básico Reggio é versátil. Seu comprimento longo protege contra as temperaturas do clima do campo e fica bom em todos os corpos. O modelo Lituânia possui tecido premium, com qualidade superior. Seu design com manga ¾ e caimento que se ajusta no quadril, criando o efeito blusê, fazem desse modelo uma opção leve e sofisticada.

Atriz global ostenta com vestimenta brilhante (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Encerrando as comemorações de carnaval, Bruna Marquezine compareceu ao Desfile das Campeãs, na Sapucaí, no Rio de Janeiro, no último sábado, 17. A atriz curtiu a noite no "Nosso Camarote", a convite da Rosa Chá. Ela apostou em um body transparente da marca para a festa, customizado exclusivamente.

Bruna também optou por uma calça legging de paetês, da grife Gucci, para compor a sua produção. 

A peça custa cerca de R$ 7 mil no Brasil. 

Para finalizar, argolas grandes e o penteado de cabelo meio preso deram um toque divertido no visual. 

Bruna Marquezine calça Insta

Marquezine aparece sorridente no sambódromo carioca (Foto: Reprodução/Instagram)

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Bolsonaro atraiu filiações ao PSL (Foto:Fernando Frazão/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

Apenas partidos pequenos aumentaram o número de candidatos nas eleições deste ano em relação a 2014. Enquanto siglas tradicionais como PT, PSDB, MDB, PDT e PSB reduziram a quantidade total de registrados, houve um aumento expressivo entre as siglas de menor porte. O partido de Jair Bolsonaro, o PSL, é o que mais apresentou candidatos - 1.451, um aumento de 74,4% em relação a 2014. Das 35 siglas existentes, 12 vão ter mais postulantes neste ano do que nas últimas eleições gerais - PSL, PROS, Avante, Podemos, PRB, Solidariedade, PMN, PCO, PSOL, Patriota, PRTB e PPL. Há ainda três partidos que vão estrear nas urnas em âmbito nacional: Rede, Novo e PMB, que, juntos, somam 1.606 candidaturas. Os números têm como base os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É possível que haja pequenas alterações até o dia 20, quando as informações estarão 100% atualizadas. A legenda que registrou a maior variação porcentual no número de candidaturas foi o PCO (142,8%). A sigla, no entanto, é um ponto fora da curva - tinha apresentado somente 49 candidatos em 2014 e, agora, lançou 119. Em seguida, vem o PROS, com 1.018 candidatos, ante 485 em 2014 (aumento de 109,9%, mais que o dobro de um pleito para o outro). Entre os que mais reduziram candidatos, estão PCB (diminuição de 45,2%), PTB (-33,4%) e PSTU (-31,9%). Entre as siglas maiores, PSB (-31,4%), PSDB (-18,3%) e PDT (-16,4%) tiveram os maiores índices de diminuição de candidatos. O PT registrou queda de 6,8% e o DEM, de 5,5%. Segundo o cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, uma das explicações para este cenário pode ser a cláusula de barreira, que, a partir de 2018, impõe aos partidos desempenho mínimo para que sejam autorizados a ter acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV no horário eleitoral. "Os pequenos estão em busca de capilaridade", disse Teixeira. A nova regra exige, para este ano, que as legendas tenham 1,5% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação e com 1% em cada uma dessas unidades. A cláusula aumenta gradativamente até 2030 e busca afunilar o sistema partidário brasileiro, altamente fragmentado. Para a cientista política Luciana Veiga, professora da UNI-Rio, a estratégia faz sentido e pode servir à sobrevivência. "Mesmo que não elejam muitos nomes, os partidos com várias candidaturas têm chance de alcançar a cláusula com uma votação mais pulverizada." Um caso mais específico é o do nanico PSL, que, com a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República, atraiu deputados na janela partidária e, agora, busca se consolidar com a ampliação da bancada no próximo pleito. "O PSL não tinha nada, arranjou meia dúzia de deputados e agora precisa crescer (para se manter vivo)", afirmou Teixeira. Conforme o Estado mostrou na quarta-feira, a nova casa de Bolsonaro registrou mais de 13,6 mil filiações em 2018, impulsionadas pela figura do presidenciável. Trata-se de número quatro vezes maior que o dos partidos adversários na disputa pelo Palácio do Planalto. Concentração Quanto aos partidos tradicionais, o motivo da diminuição de candidaturas passa por um uso mais direcionado dos recursos do fundo eleitoral. Com as regras inéditas de financiamento de campanha, as siglas apostam mais em candidaturas viáveis, com pouca abertura à renovação. É o caso do PSB, a legenda tradicional que mais reduziu o número de postulantes. A estratégia, segundo o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, é concentrar os recursos em campanhas com grandes chances de vitória. "O novo fundo não facilita a renovação", afirmou ele. O PSB não tem candidatura própria à Presidência da República e não compõe nenhuma coligação, mas conta com nomes fortes em eleições regionais. "O fundo eleitoral concentra muitos recursos nos grandes. O problema dos maiores não é dinheiro, não é sobrevivência. É otimizar os cargos que já têm", afirmou Luciana Veiga. 

Candidatos ao governo fizeram questão de mencionar presidenciáveis (Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Cidade

Os candidatos ao governo de São Paulo presentes no primeiro debate televisionado, na Band, aproveitaram o último bloco do programa para nacionalizar a discussão. Houve menções ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), bem como contra a polarização política no País. O ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT) disse ser, com orgulho, amigo de Lula e candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes. No fim do bloco anterior, Marinho havia feito a primeira menção dele a Lula no debate. Em embate com Rodrigo Tavares (PRTB), ele disse que os governos petistas combateram a corrupção e afirmou que o PT "é a grande esperança" do povo brasileiro. Tavares citou a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), cujo vice, general Hamilton Mourão, é do PRTB. Marinho citou ainda acusações de corrupção contra o PSDB. O tucano João Doria o rebateu nas considerações finais e falou que o petista não pode comparar Alckmin a Lula. "Alckmin tem mais de 40 anos de vida pública ilibada. Lula está preso em Curitiba", afirmou. Ele cobrou ainda "respeito" do petista, que no final do bloco anterior havia mencionado o nome da esposa do ex-prefeito paulistano, Bia Doria. "Ela não é ré como o senhor", disse. Na despedida do público, Rodrigo Tavares também atacou Alckmin. "Ele fez bom trabalho sim no Estado de São Paulo, mas como anestesista. Ele anestesiou o Estado de São Paulo", afirmou. Nos apontamentos finais, Márcio França (PSB) levou novamente a discussão para o nível nacional. Ele disse que a população de São Paulo vê os exemplos do PT, do PSDB e do MDB e que só ele representa a mudança. O governador paulista lembrou também a mediação dele na greve dos caminhoneiros. Paulo Skaf (MDB) encerrou o debate exaltando as escola do Sesi, que ele usou para criticar ensino estadual de São Paulo. Antes disso, coube ao empresário a primeira das duas únicas menções a Deus no debate. A segunda foi de Lisete Arelalo (PSOL), que disse que o povo "deu graças a Deus" pela renúncia de alguns candidatos. Ela afirmou ainda que vai seguir com o legado da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em 14 de março. Marcelo Cândido (PDT) ressaltou a experiência como prefeito de Suzano (SP).

Para a maioria dos eleitores, Bolsonaro e Alckmin são os favoritos para avançarem na disputa (Foto: Daniel Teixeira e Adriana Spaca/AE)

Nacional

Uma nova pesquisa sobre as intenções de voto à Presidência da República, divulgada na quarta-feira, 15, pelo Instituto Paraná, mostra que o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) devem se enfrentar no 2º turno, caso o ex-presidente Lula (PT) tenha sua candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Questionados sobre percepção de quais candidatos vão para a segunda fase das eleições, 43,3% apostam em Bolsonaro e 26,7% no tucano. Neste quesito, Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com a expectativa de 21% dos eleitores. Em seguida aparece Marina Silva, com 20,7%, e Fernando Haddad (PT), provável substituto de Lula, tem 10,1% das apostas.  Mas nas intenções de voto, Lula, mesmo preso, ainda lidera com 30,8%, um crescimento de quase 2% na comparação com a pesquisa anterior feita pelo mesmo instituto. No cenário com Lula, Bolsonaro é o segundo colocado, com 22%, e Alckmin, que na pesquisa anterior tinha uma desvantagem de 3% para Marina Silva (Rede), viu a diferença para ela cair pela metade. Marina tem 8,1% das intenções de voto e ele 6,6%. No cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 23,9% das intenções de voto. Com a saída do ex-presidente da disputa, Marina Silva e Ciro Gomes (PDT) parecem receber parte de seu eleitorado, e ficam à frente do tucano. Marina chega a 13,2%, Ciro fica com 10,2% e Alckmin  8,5%. Esta é a primeira pesquisa divulgada após o debate realizado pela Rede Bandeirantes, na semana passada, e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o no BR-02891/2018. O levantamento foi feito com 2.002 eleitores, em 168 municípios brasileiros, entre os dias 9 e 13 de agosto de 2018. A margem de erro, para mais ou para menos, é de 2%.  

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião

Depois que alguns presidenciáveis apresentaram suas propostas para o País, no debate da semana passada, hoje é a vez de sete candidatos ao Governo do Estado de São Paulo fazerem o mesmo na Band, a partir da 22h. É uma grande chance para alguns deles saírem da obscuridade e mostrarem seus programas de gestão e, principalmente, seus rostos, para um eleitorado que não tem dado tanta atenção a eles. É uma brecha aberta inclusive para o governador Márcio França, que, embora no cargo desde abril –, quando Alckmin deixou o posto para concorrer à Presidência –, ainda luta para se fazer mais conhecido entre os eleitores, que podem dar a ele a chance de continuar ocupando o Palácio dos Bandeirantes, como chefe do Executivo. E o que não falta na história política paulista é a figura de vice que conseguiu alçar voo solo e ganhou o papel de protagonista. O próprio Alckmin é um destes, que, com o agravamento da doença de Mario Covas, em janeiro de 2001, assumiu interinamente o governo e, depois, ratificou nas urnas sua permanência. Há semelhanças entre os dois, como o fato de eles terem iniciado na política longe da Capital, sendo vereador e prefeito de suas respectivas cidades natais, depois deputado federal, até serem convidados para comporem a chapa que venceria o governo paulista. Mas, certamente, o desafio de França é bem maior do que aquele encarado por Alckmin, 16 anos atrás. A começar pelo enfrentamento com dois fortes concorrentes, que até outro dia era também seus aliados: Paulo Skaf e João Doria. O emedebista e o tucano lideram com folga a corrida ao Bandeirantes e, se nada mudar até 7 de outubro, estarão no segundo turno. E o problema do atual governador é justamente se interpor entre seus concorrentes. Terá a primeira chance hoje. Para isso precisa mostrar à audiência que é diferente de ambos, e dos demais, e que tem mais a oferecer. Só que do outro lado estarão dois experientes debatedores, já testados em eleições anteriores. Já França faz sua estreia em um programa deste nível. É mais um obstáculo para o político de São Vicente superar, se quiser seguir adiante na disputa.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Vale a reflexão sobre o desarmamento no Brasil (Foto: Arquivo/ABR)

Opinião

Crédito era necessário, mas a administração precisa ser mais conservadora (Foto: Edson Lopes Jr/ (Arquivo) – A2 Comunicações/Fotos Públicas)

Opinião

Excessos nas redes sociais podem ser prejudiciais (Foto: USP Imagens/Fotos Públicas)

Opinião

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião