Teatro na zona oeste da Capital recebe show premiado na Turquia

Fora dos Trilhos

O espetáculo Mato Grosso Dançando Brasil chega ao Teatro J. Safra (Josef Kryss, 318, Barra Funda) nos dias 30, 31 e 1º de abril. A apresentação, de autoria do grupo cuiabano Flor Ribeirinha, foi campeã no festival turco Büyükçekmece, o maior evento sobre folclore do mundo, em 2017. À época, atrações de 97 países diferentes participaram da disputa.

Com ingressos a partir de R$ 12, 50, o show é uma homenagem às manifestações tradicionais do nosso País. Os bailarinos encenam danças tradicionais brasileiras, com várias nuances, personagens, ritmos e gestualidades, compondo um belíssimo repertório. Serão homenageados o Boi Bumbá de Parintins (Norte), a Dança Gaúcha (Sul), o Frevo (Nordeste), o Siriri Cuiabano (Centro-Oeste) e o Samba (Sudeste).


SERVIÇO

Mato Grosso Dançando Brasil
Apresentação: 30, 31 de março e 01 de abril de 2018
Horário: 21h30 (sexta-feira), 21h (sábado) e 20h (domingo)
Classificação: Livre
Duração: 60 minutos

Ingressos
A partir de 12,50 (meia entrada)
Plateia Premium: R$ 50,00
Plateia VIP: R$ 40,00
Mezanino: R$ 30,00
Mezanino com visão parcial: R$ 25,00

Teatro J. Safra
Endereço: Rua Josef Kryss, 318 - Barra Funda - São Paulo - SP
Telefone: (11) 3611-3042
Abertura da Casa: 2 horas antes de cada horário de espetáculo, com serviço de lounge-bar no saguão do Teatro.
Capacidade da casa: 627 lugares
Acessibilidade para deficiente físico

Estacionamento
Valet Service (Estacionamento próprio do Teatro) - R$ 25,00
Horário de Funcionamento da bilheteria
Quartas – 14h às 21h
Quintas, Sextas, Sábados e Domingos – 14h até o horário dos espetáculos
Vendas on-line: www.teatrojsafra.com.br

Vendas por telefone: (11) 2626-0243
Aceita os cartões de débito e crédito: Amex, Dinners, Elo, Mastercard, Visa e Hipercard. Não aceita cheques.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Russos adquiriram mais bilhetes, seguidos pelos americanos. Brasileiros ficaram em 6º (Foto: Fernanda Varela/Divulgação)

Copa 2018

Somente no primeiro dia da terceira fase de vendas de ingressos da Copa do Mundo, a Fifa comercializou quase 357 mil entradas. A abertura ocorreu na terça-feira, 13. O serviço ainda é feito exclusivamente por meio do link http://bit.ly/2FAUYI1. Os russos foram os responsáveis pelo maior número de bilhetes comprados (197 mil), seguidos dos norte-americanos (14,8 mil).

Os brasileiros ficaram na sexta colocação, com 9,6 mil ingressos comprados. Mais de 1,3 milhão de bilhetes foram vendidos nas etapas anteriores da comercialização, que se iniciou em setembro do ano passado. Na quinta-feira, 15, a reportagem conseguiu entrar na fila para a compra e entrou no sistema em apenas um minuto, contra mais de uma hora de terça-feira.

Os ingressos podem ser adquiridos para jogos específicos, cidades-sede (pacotes que não incluem abertura, semifinais e final) ou por seleções, com a escolha de três a sete jogos. Além disso, pode-se escolher a categoria de cada lugar no estádio: indo dos mais caros, nos melhores lugares, aos mais baratos, em localizações menos privilegiadas. No preço mais popular, o valor é de 347 dólares para a fase de grupos, equivalente a R$ 1.138.

Mais de 24 mil brasileiros vão viajar para a Rússia (Foto: Lucas Dantas)

Copa 2018

A Fifa retomou nesta terça, 14, a venda de ingressos para a Copa do Mundo da Rússia 2018, que começa em 14 de junho. A compra pode ser realizada pelo site oficial da entidade e acontece em fila, por ordem de chegada. Em um total de 64 partidas, apenas duas estão esgotadas (uma é entre Argentina e Islândia, em 16 de junho, e a outra é a final, em 15 de julho).

Esta é a penúltima fase de vendas dos ingressos. O Brasil, com mais de 24 mil entradas, estava atrás apenas da própria Rússia (197 mil) e da Colômbia (33 mil) no ranking de compras.

De acordo com a organização, mais de 3 milhões de espectadores estarão presentes nesta edição do torneio. Até 3 de abril, os ingressos serão entregues pelos Correios.


Nesta segunda, 13, a espera para a compra de uma entrada demorava mais de uma hora, segundo estimativa do próprio site da Fifa.

Corinthians defende preços praticados em sua arena (Foto: Vinícius Bacelar)

Futebol

Acompanhar o time do coração tem sido uma tarefa cara para corintianos e palmeirenses. Os valores gastos mensalmente com ingressos, alimentação e estacionamento podem chegar de 46% a 62% do salário mínimo do País, que, atualmente, é R$ 954.

Para obter este número, o Metrô News considerou os preços dos ingressos mais baratos na Arena Corinthians e no Allianz Parque, além do valor cobrado no estacionamento e na alimentação – combo composto por um lanche e refrigerante. Tudo isto em um mês em que Timão e Verdão joguem quatro partidas em seus estádios. Este é o caso do Alvinegro neste mês de março (Mirassol, Deportivo Lara, Bragantino e São Paulo.  O último vai enfrentar o Corinthians nesta quarta, 28).

Neste cálculo, não há a inclusão do valor das camisas oficiais: R$ 250 do Corinthians e R$ 180 do Palmeiras, que trocará de fornecedor de material esportivo. Rompeu com a Adidas após 12 temporadas e assinou com a Puma. 

Na arena em Itaquera, por exemplo, o ingresso mais barato custa R$ 40 – sem contar os descontos de quem é Fiel Torcedor. Neste caso, só para entrar no estádio, quatro vezes por mês, o corintiano teria que desembolsar R$ 160.  O estacionamento sai R$ 50 a cada partida, ou seja,  R$ 200 por mês. Por fim, o combo mais barato é R$ 20, o que daria R$ 80 em quatro jogos. Somando todos estes valores, o torcedor gastaria R$ 440 - 46% do salário mínimo.

Propaganda do combo mais barato vendido na Arena Corinthians (Foto: Divulgação)

Questionado sobre estes valores, o clube alvinegro respondeu que não considera justo pegar o valor de R$ 40 como referência no ingresso, pois raramente o torcedor que vai à arena gasta esta quantia.

“O desconto mínimo para sócios do Fiel Torcedor é de 20%. E concedemos descontos ainda maiores em pacotes com mais jogos. Por exemplo: no ano passado, o torcedor que comprou o pacote com todos os jogos do Campeonato Brasileiro na arena chegou a pagar R$ 21,60 por ingresso”, destacou o Corinthians.

Vale salientar que para pagar R$ 21, 60, o corintiano teve que adquirir um pacote no valor de R$ 410, 40, que até poderia ser parcelado, mas, mesmo assim, tal quantia representa quase a metade do salário mínimo.

O clube ainda ressaltou que oferece entradas gratuitas para crianças com menos de 12 anos, idosos com mais de 60 anos e pessoas com deficiência física. “Em média atendemos cerca de 1.000 pessoas nessas condições. Neste caso, o custo desses ingressos fica sob nossa responsabilidade”, afirmou.

Para o Timão, o preço da entrada não inibe os corintianos de irem à arena, já que, segundo a administração do estádio, a venda de ingressos é considerada exitosa. “A equipe teve a maior média de público no último Campeonato Brasileiro, com mais de 40 mil pessoas por jogo e ocupação de 87% da arena. Além disto, quando analisamos o público de toda a temporada, o Corinthians se mantém líder nesse segmento em todos os anos em que atuou na arena. Isso também já era frequente no Pacaembu, resultado da política de preços adotada”.

Segundo o site globoesporte.com, a taxa de ocupação da arena em 2018 é de 58% em oito partidas. O clube alvinegro rebateu a informação, afirmando que a taxa histórica é de 74%.

O Corinthians acrescentou que faz promoções para os torcedores conhecerem a arena por meio do tour Casa do Povo, com ingressos a R$ 10, além de atender gratuitamente a ONGs e entidades filantrópicas, que fizeram mais de mil visitas nos últimos meses.

Estacionamento

Muitos torcedores utilizam o transporte público, principalmente o Metrô, para ir até a Arena Corinthians. Esta prática ameniza os gastos com estacionamento. Porém, mesmo assim, o clube defende os valores praticados. “O estacionamento é vendido apenas para sócios do programa Fiel Torcedor, que contam com descontos de acordo com seu plano. A ocupação do estacionamento é de praticamente 100% em todas as partidas. Então não vemos espaço no momento para reduzir o preço. Mesmo porque os estacionamentos da região praticam um preço semelhante em dias de jogos”, declarou o Timão.

Por fim, o clube destacou que está em um processo constante de adaptar a arena às características do torcedor. Ainda de acordo com o Corinthians, desde 2014, quando a casa corintiana foi inaugurada, houve ajustes de preços e setorização do estádio.

“Por meio de pesquisas constantes com o nosso público, conseguimos colher as informações necessárias para agradar à torcida. O Esquenta da Fiel, que é um evento pré-jogo, por exemplo, tem um custo de R$10 e o torcedor ainda recebe um copo comemorativo e uma cerveja. Realizamos promoções frequentes de ingressos que podem ser acompanhadas no ingressoscorinthians.com, no site do Fiel Torcedor (fieltorcedor.com.br) e nos canais da Arena Corinthians (arenacorinthians.com.br e redes sociais)”, concluiu.

Segundo o site globoesporte.com, taxa de ocupação do Allianz Parque é de 66% em 2018, a maior do País (Foto: Vinícius Bacelar)

Allianz Parque

O ingresso mais barato na casa do Palmeiras é R$ 80. No entanto, há a opção de o torcedor pagar R$ 120 por mês no programa Avanti e ter ingressos para o Gol Norte (atrás do gol) em todas as partidas realizadas no Allianz Parque.  

Porém, a exemplo do cálculo feito com os gastos dos corintianos, os benefícios cedidos por programas de sócio-torcedor não serão considerados. Sendo assim, o palmeirense pagaria R$ 320 para ver quatro jogos do Verdão como mandante. Além disto, desembolsaria R$ 200 de estacionamento e R$ 72 com alimentação (lanche e refrigerante) nestas partidas. Ao todo, os gastos seriam de R$ 592, ou seja, 62% do salário mínimo. Vale ressaltar, também, que o estádio alviverde fica próximo ao Metrô Palmeiras - Barra Funda. 

Na Libertadores, o palmeirense ainda terá que gastar mais, já que o ingresso mais barato para a estreia da equipe, em casa, na atual edição será R$ 180 – 18% do salário mínimo. Questionado sobre estes valores, o Palmeiras não se pronunciou até o fechamento desta matéria.  

Especialista dá dicas

Diante deste cenário, o educador financeiro Ricardo Natali, autor do livro Lucro FC, afirmou que os torcedores precisam se planejar e estipular prioridades para evitar o endividamento.

“O torcedor deve categorizar os gastos com futebol e imaginar o que pode ser economizado e o que não pode. Por exemplo, o preço do ingresso é possível negociar? Provavelmente, não. Mas os custos com alimentação e transporte, dá para conseguir um desconto ou então buscar amigos para dividir o custo total”, aconselhou.

Natali também destacou que cada escolha é uma renúncia. Se o torcedor ganha um salário mínimo por mês, ele terá que deixar de fazer algumas coisas para acompanhar seu clube de forma assídua. “Neste caso, a pessoa terá que abrir mão de ir ao cinema ou comer uma pizza com os amigos”, finalizou.

Martinho da Vila é um dos artistas retratados por Elifas Andreato (Foto: Divulgação)

Fora dos Trilhos

O Estação Cultura, espaço expositivo da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo localizado na sede do órgão (Rua Mauá, 51 – Luz), apresenta a exposição “Elifas Andreato - A Arte Negra na Cultura Brasileira”. A mostra traz doze obras do artista e reforça a importância do Dia Internacional Contra a Discriminação Racial. Ela fica em cartaz até o dia 29 de março e tem entrada gratuita.

A exposição, com curadoria do próprio artista e de seu filho, Bento Andreato, traz obras que representam o papel do negro na sociedade por meio da arte e da cultura. Além de “Menino e Bandeira”, uma de suas ilustrações mais icônicas, o público poderá conferir a visão de Andreato ao retratar personalidades como Adoniran Barbosa, Clementina de Jesus, Cartola, Martinho da Vila e Paulinho da Viola.

Com mais de 50 anos de carreira, Elifas Andreato se destacou como criador de capas de discos para os mais importantes nomes da MPB, produzindo em torno de 400 trabalhos ao longo de sua trajetória. Também participou da equipe de criação de inúmeras revistas, fascículos e coleções, além de elaborar programas televisivos dedicados ao resgate da memória do Brasil. Em 2011, pelo conjunto da obra, recebeu o Prêmio Especial Vladimir Herzog, concedido a pessoas que se destacam na defesa de valores éticos e democráticos e na luta pelos direitos humanos.

Serviço

“Elifas Andreato - A Arte Negra na Cultura Brasileira”

Lançamento da Bienal Afro-Brasileira do Livro (BienAfro)

Data: Até 29 de março

Local: Estação Cultura (Rua Mauá, 51, bairro da Luz, na sede da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo)

Horário de visitação: Das 10h00 às 18h00

Atriz vai conversar com público sobre sua carreira (Foto: Matheus José Maria/Divulgação)

Fora dos Trilhos

A atriz Andréa Beltrão protagoniza a peça Antígona, no Itaú Cultural, de 23 a 25 de março e de 30 de março a 1 de abril (sextas-feiras, sábados e domingos). A entrada é gratuita, mas os espectadores necessitam chegar com antecedência para pegar ingressos (veja mais abaixo). O texto é de Sófocles e foi traduzido por Millôr Fernandes. A produção ainda conta com a direção de Amir Haddad.

Estreada em 2016, a peça Antígona traz Andréa Beltrão como a personagem-título da trama: uma jovem princesa que enfrenta a ordem do rei Creonte de deixar seu irmão, que lutou na guerra, sem sepultura. Ao desobedecer a determinação real, ela paga com a própria vida. É estabelecido, então, o confronto entre o Estado e o cidadão.

 A história se passa em Tebas e foi escrita há 2.500 anos por Sófocles. Fez tanto sucesso na época que o público ateniense ofereceu ao autor o governo de Samos, uma das ilhas gregas. Na Antígona de Haddad e Andréa, ao contrário do autor original, que partiu do mito já conhecido para o teatro, parte-se do teatro para chegar ao mito que dá nome ao espetáculo.

Interação com o público

Andréa Beltrão participa da primeira edição do projeto Camarim em Cena de 2018. Com mediação da jornalista especializada em teatro Maria Eugênia de Menezes, a atriz conversa com o público sobre o momento que antecede o ato de entrar no palco e sobre sua carreira, iniciada no Teatro Tablado, em 1978. A ação ocorre no dia 30 de março, sexta-feira, às 16h. 

Serviço

Antígona

Com Andréa Beltrão

Dias 23, 24, 30 e 31 de março (sextas-feiras e sábados), às 20h

Dia 25 de março e 1 de abril (domingos), às 19h

Duração: 60 minutos

Classificação Indicativa: 16 anos (possui cenas de violência e suicídio).

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô.

Fones: 11. 2168-1776/1777

Ingressos

Entrada gratuita

Distribuição de ingressos:

Público preferencial: 2 horas antes do espetáculo (com direito a um acompanhante)

Público não preferencial: 1 hora antes do espetáculo (um ingresso por pessoa)

Estacionamento: Entrada pela Rua Leôncio de Carvalho, 108

Se o visitante carimbar o tíquete na recepção do Itaú Cultural:

3 horas: R$ 7; 4 horas: R$ 9; 5 a 12 horas: R$ 10.

Com manobrista e seguro, gratuito para bicicletas.

Produção mostra a corrida pelo poder de uma grande empresa (Foto: Divulgação)

Fora dos Trilhos

Baseado em um livro de grande sucesso e de mesmo nome, o filme Jogador Nº 1, dirigido por Steven Spielberg, com certeza agradará o enorme público esperado para assisti-lo. E para quem gosta de cultura geek, melhor ainda: a obra tem referências por toda parte, desde a trilha sonora até a cenas icônicas do cinema.

A história se passa em 2045, quando o excêntrico James Halliday (Mark Rylance) morre após criar um universo paralelo em um jogo, em realidade virtual. Ele deixa vários enigmas a serem desvendados, e quem conseguir ganha o controle do mundo Oasis e a sua empresa multimilionária.

Wade Watts (Tye Sheridan) é um dos jogadores que luta para montar o quebra-cabeça e tem um rival de peso: Sorrento, dono da Innovative Online Industries (IOI), que tem uma equipe montada especialmente para conseguir comandar o universo paralelo.
Misturando a “vida real” com a “vida virtual”, o filme é bastante empolgante e (por que não?) hilário. O filme chega aos cinemas de todo o Brasil no próximo dia 29. 

Diretor é protagonista

Pode-se dizer que o diretor Steven Spielber é um dos grandes destaques da produção, apesar de não aparecer em cena. O cineasta já dirigiu filmes sérios, como A Lista de Schindler  e O Resgate do Soldado Ryan, vencendo, com os dois, o Oscar de Melhor Diretor, e também blockbusters: E.T. – O Extraterrestre, além de duas obras da série Indiana Jones, Jurassic Park e Prenda-me se for Capaz.

Para evitar ser acusado de vaidade, suprimiu grande parte das referências aos seus próprios filmes em Jogador Nº 1. Em cena,  os fãs terão nostalgia ao verem King Kong, Godzilla e Chucky.         

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Há exatos 13 dias Jair Bolsonaro foi transferido da Santa Casa de Juiz de Fora (MG) para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Mas, apesar de um susto aqui e outro ali, o presidenciável está bem ativo, como demonstram os boletins médicos e sua assídua presença nas redes sociais. Ontem, o candidato do PSL agiu rápido e buscou contornar uma declaração de Paulo Guedes, seu conselheiro econômico e nome escolhido para ocupar o Ministério da Fazenda, em caso de vitória do ex-militar. Guedes propôs a criação de um tipo de CPMF, a partir da qual o cidadão pagaria uma taxa sobre qualquer movimentação bancária, que seria destinada ao financiamento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Mas, via Twitter, Bolsonaro destacou que sua equipe “trabalha para a redução de carga tributária, desburocratização e desregulamentações. Chega de impostos é nosso lema! Somos e faremos diferente. Esse é o Brasil que queremos”. O posicionamento do candidato vai ao encontro do que pede a sociedade brasileira, que sente o peso de viver no país com a maior carga tributária de toda a América Latina e Caribe. Em 2016, por exemplo, tudo que as três esferas de governo arrecadaram equivaleram a 32,38% do PIB, depois de subir por dois anos consecutivos. Mas, de fato, o novo presidente terá de encarar a questão fiscal do País, que todos comentam, mas que ninguém até agora conseguiu resolver. E o sucessor de Temer não estará imune a isso, pois herdará uma casa desorganizada. Portanto, a ele caberá construir acordos visando a, entre outras coisas, alcançar a estabilidade fiscal. Aumentar impostos pode ser um caminho necessário e o mais fácil. No entanto, não será possível fechar os olhos a temas espinhosos, como previdência, funcionalismo, salário mínimo e, claro, reforma tributária, que certamente, fazem parte da solução.

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião

Em muitas eleições há o candidato ideal e o útil. E, nesta, muitos apostam que, no final, o eleitor que ainda não tem o voto consolidado ou que teme um segundo turno polarizado entre PT e Jair Bolsonaro abra mão da paixão, ideologia, apreço ou preferência por determinado candidato (que não tem chance de vencer) e faça uma escolha estratégica e tática na tentativa de evitar a vitória daquele a quem rejeita. Ciro Gomes disse abrir mão desta possibilidade. Segundo ele, “voto útil é insulto à experiência popular”, e disse querer ser eleito por aqueles que o consideram uma saída para o Brasil e não por quem “não queria votar em outro”. Mas esse não é pensamento do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta atrair o eleitorado de João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (Podemos) e também de Marina Silva (Rede), ao mesmo tempo que faz um chamamento ao voto anti-PT e fustiga a candidatura de Bolsonaro. “A nossa percepção é que Haddad vai para o segundo turno. Já o voto em Bolsonaro não está cristalizado”, disse João Carlos Meirelles, conselheiro próximo de Alckmin, aparentemente alheio às pesquisas, que mostram que os eleitores de Bolsonaro são os mais convictos. Cerca de 70% deles dizem que não mudará sua decisão ou que a escolha é “firme”, segundo o penúltimo Ibope (11 de setembro), número levemente superior ao de Haddad. Mas a estratégia de atacar pesadamente o ex-capitão do Exército e líder nas pesquisas não é consenso nem entre aqueles que conduzem a campanha de Alckmin. Uma ala da coligação quer que os ataques mirem apenas o PT, e não no candidato do PSL. E mesmo Marina briga por seu lugar ao sol. Depois de perder terreno, a acreana vem se colocando como aquela capaz de fazer um governo de transição, com duração de apenas quatro anos e sem direito a reeleição. Se estes discursos vão funcionar é o que se verá nos próximos dias. O certo é que ainda existe um amplo segmento insatisfeito com mais uma eleição marcada pela radicalização e polarização, que sonha com um nome de consenso e capaz de trazer normalidade ao País. Isso seria bastante útil, mas, aparentemente, está cada vez mais difícil.

Candidatos com ideias opostas crescem em pesquisa (Fotos: Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação e Paulo Lopes/AE)

Nacional

O crescimento de Fernando Haddad (PT) na semana que foi oficializado como candidato do PT à Presidência aumentou as chances de um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e o petista, afirma a diretora executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari. Na pesquisa divulgada pelo instituto nesta noite de terça-feira, 18, Haddad cresceu 11 pontos em relação ao levantamento apresentado no último dia 11, indo de 8% para 19% das intenções de voto e se isolando em segundo lugar. Bolsonaro continua liderando o cenário, com 28% - ele tinha 26% há uma semana. "Com esse crescimento de Haddad, a probabilidade de haver segundo turno entre ele e Bolsonaro aumentou significativamente, embora não se possa descartar totalmente outros cenários", disse Marcia Cavallari ao Estadão/Broadcast Político. No cenário em que os dois se enfrentam na segunda etapa da eleição, há um empate: 40% a 40%. O Ibope ouviu 2.506 eleitores de 16 a 18 de setembro em 177 municípios. A margem de erro estimada é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-09678/2018.

França é candidato à reeleição, mas precisa crescer nas pesquisas (Foto: Roberto Casimiro/AE)

Cidade

Márcio França (PSB) já sabia que seria governador antes mesmo de assumir o cargo no dia 6 de abril deste ano, quando Geraldo Alckmin (PSDB) deixou a função o cargo para disputar a Presidência da República. França sempre teve na política a meta de ser governador do Estado. Começou sua carreira como vereador de São Vicente, onde também foi prefeito por duas vezes e teve uma aprovação de 80% após terminar o segundo mandato. Entre as propostas que quer implantar no Estado está o alistamento de jovens, programa que realizou em São Vicente e que afirma ter reduzido a violência drasticamente na cidade litorânea. Sobre a disputa à reeleição, França garante que é o candidato com mais visão social e diz que usar o termo esquerda para definir um partido é um tanto antiquado. Durante a entrevista ao Metrô News, fez questão de ressaltar que é diferente de seus principais adversários: Paulo Skaf (MDB) e Doria (PSDB). “Eles acham que podem colocar uma administração privada no poder público, como se fosse uma empresa, mas é preciso olhar o social. Eu tenho experiência para isso”, argumentou França. Para o governador, eleger Skaf seria como colocar uma gestão a do presidente Michel Temer (MDB) em São Paulo, enquanto eleger Doria significaria colocar alguém que não cumpre o que promete, como terminar o mandato à frente da Prefeitura de SP Qual a principal marca que você vai deixar nesta primeira gestão como governador? Claro que do ponto de vista de repercussão pública vai ser a greve dos caminhoneiros. As pessoas associaram a questão de desobstruir, abrir o diálogo com a categoria a mim. Mas o que eu penso que é mais importante é a mudança histórica de alguém que vai ser candidato à reeleição não ser do PSDB. Também ampliamos a Univesp, com aumento de 3 mil para 45 mil vagas no ensino superior, e fizemos duas concessões de rodovias que saíram com pedágios mais baratos, com média 25% a 30% menor, por exigirmos uma outorga menor. Você acha que fez mudanças significativas depois da transição para a sua gestão? Sim. Penso que isso foi possível porque respeitei as linhas de equilíbrio fiscal. Ninguém percebeu uma mudança que tenha tido traumas, mas nós mudamos secretários, quase dois terços são secretários de carreira, mudamos o comportamento no diálogo com o servidor público, há três anos sem negociações. Márcio França acredita que pessoas se lembram dele por diálogo com caminhoneiros (Foto: Divulgação) E como ocorreu este diálogo com o funcionalismo? Foram pequenos gestos que foram importantes, como a regra geral em que a Procuradoria-Geral do Estado recorria de todos os processos movidos pelo funcionalismo, mesmo sabendo que iam perdem no Superior Tribunal Federal. Não fazemos isto agora. Quais projetos essenciais você quer aprovar ainda nesta gestão? Tem um que está em andamento, o alistamento civil com jovens, que pretende contratar 4.530 jovens nas 100 cidades mais violentas do Estado para realizarem trabalhos nas ruas. Este é um programa que fiz quando era prefeito. A minha cidade era uma das mais violentas do Estado. Depois da implantação do programa, ela não ficou nem entre as 100 primeiras. Estes jovens começarão a trabalhar e serão tutelados com a gente. Será uma espécie de piloto para o que queremos fazer para o ano que vem, a ser lançado em todas as cidades, com 80 mil jovens, cada um recebendo uma bolsa no valor de R$ 500. Abriremos vagas para mulheres também, mas elas não farão serviços nas ruas. Quais os próximos passos na área do saneamento? A Sabesp é a terceira maior empresa do mundo em saneamento e conseguiu, recentemente, fazer parceria com municípios que não tinham a rede, como Carapicuíba e Guarulhos, que vai ser um ganho muito grande de despoluição na veia. A gente tem uma meta, por exemplo, de zerar o rodizio em Guarulhos em oito e dez meses depois de assinar uma negociação que estamos em andamento para ajudar a cidade tanto no abastecimento quanto no tratamento de esgoto.   Governador afirmou que conseguiu diminuir a violência em São Vicente, cidade na qual já foi prefeito (Foto: Roberto Casimiro/AE) Mas tratar o esgoto é um problema que demanda grande investimento e esforço. Como você fará isto? É fato. O tratamento de esgoto é demorado. Leva-se anos para fazer, mas estamos testando equipamentos novos que devem ser colocados na ponta dos canais para despoluir a água que chega. É muito mais prático. Os técnicos querem tratar de casa, e estão certos, mas sou adepto de que temos que fazer da solução mais rápida, ainda que não seja definitiva.   Mas a crise hídrica está batendo na porta do Estado. Há chance de rodízio? Chance zero, mas a preocupação é grande. A crise hídrica é evidente. Tem chovido menos, mas a Sabesp se preparou com grandes obras de transposição, por isso estamos sobrevivendo. Vamos lançar uma campanha nova, em breve, reforçando aos paulistas para fazerem economia. Não temos a pretensão de multar ninguém neste momento. O senhor ainda pretende desvincular a Polícia Civil da Pasta de Segurança e alocar à Justiça? Pretendo. Depende da aprovação da Assembleia. Agora ela tem que aprovar ou não. Insisto que a Polícia Civil é judiciária, e o fato de ter a desvinculação administrativa e orçamentária só vai ajudá-la. Mas falando de segurança é incrível que ninguém tenha noticiado que nós abrimos 66 delegacias que estavam fechadas à noite, simplesmente com um valor que se paga a mais, uma gratificação paga para qualquer servidor por um terço a mais para o serviço que ele presta. E também valorizei os policiais. Nós aprovamos a lei e ela foi sancionada: agora toda a defesa jurídica deles será feita pela Defensoria Pública. Márcio França rechaça rótulo de esquerdista, mas afirma que é preocupado com o social (Foto: Daniel Teixeira/AE) O senhor vem de um partido mais alinhado à esquerda, qual a diferença da sua gestão para uma gestão tucana? Isso é uma expressão meio antiquada, mas pelo menos tenho uma preocupação social maior que os representantes de outras siglas. Aqui em São Paulo, faz quase 30 anos que o mesmo modelo prosseguia no comando. A minha gestão é mais social.  Constantemente partidos e candidatos tentam barrar a sua publicidade. Qual sua opinião sobre isso? Eles querem me esconder. Como sou o novo governador, se eles conhecerem os três candidatos que vão disputar é difícil escolherem os outros dois. São pessoas do bem, só não sabem o que falam, não tem conhecimento da administração pública. Eles acham que podem fazer a gestão pública como privada. É como colocar o modelo Sesi e Senai no Estado, mas os pais pagam R$ 300 a R$ 400 por isso. Aqui temos 3,5 milhões na rede estadual, muitos alunos não têm, é como seu eu dissesse que o sujeito que está no restaurante gratuito vai ter que pagar a comida. Já o Doria quer privatizar o Aeroporto de Barretos, mas não tem movimento, não tem interesse. Você acredita que apenas três candidatos têm chances reais de vencer a eleição? Na verdade, existem quatro candidaturas que vão disputar o Governo do Estado. O PT, quem gosta é fiel e quem não gosta não quer. Uma candidatura é do MDB, do Governo Michel Temer, que não acho que será um bom caminho para São Paulo. O outro é o PSDB do Doria, que demos a oportunidade para mostrar sua capacidade de administração, mas que a desperdiçou. Se as pessoas souberem que eu sou o atual novo governador, as pessoas vão ter a chance de fazer uma opção. O que você pretende fazer na área da Saúde? Estamos com 101 hospitais e estamos acabando mais dois. São 31 mil leitos. Quando falam na televisão parece que não tem nada funcionando. Tem muita gente que vem de fora. O serviço público tem que ser melhorado, mas nem extinto e nem cobrado. Nós temos que abrir as ames aos finais de semana. Isto vai permitir zerar, em seis meses, uma fila de 1 milhão de consultas e 300 mil exames.  E as obras do Metrô. Qual sua pretensão para agora e para um novo governo? Nós temos que retomar todas que estão paradas. Algumas teremos que licitar de novo, porque muitas empresas quebraram, foram acusadas na Operação Lava Jato. Outras o Governo Federal furou na hora do financiamento. Neste ano temos de nove a oito estações para entregar. Está atrasado, mas o governo inteiro parou, o País parou, muitos estados não vão conseguir pagar nem o 13º salário. Tem alguma outra obra sobre trilhos que pode marcar sua gestão? A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) ter aprovado a proposta da empresa Rumo será um grande passo para aumentar o transporte de carga a granel de 30 milhões para 70 milhões por ano. É uma obra marcante. A malha paulista liga o Mato Grosso, maior produtor de grãos, ao Porto de Santos, principal saída de commodities do País. Esta malha já existe, mas ela vai ser restaurada e vai abrir ainda dois eixos laterais, ligando São Paulo até Itirapina e a cidade de Colômbia até Araraquara. E o que pode ser feito na área da habitação? Nós pretendemos fazer três coisas. Cada casa hoje custa em torno de R$ 125 mil a R$ 130 mil. O Estado tem um R$ 1,3 bilhão por ano para este tema. A gente tem o suficiente para construir 10 mil casas. É pouca casa.  No interior, vamos criar lotes urbanizados. Você cede um terreno e um cartão com R$ 8 mil e o cidadão vai ter três plantas pré-aprovadas para construir a casinha dele.  E na Capital? Na Capital, a meta é imediatamente poder mudar o conceito da construção no Centro. Desocupar prédios públicos com repartição e transformar em apartamentos. Também queremos negociar para que empresários vendam apartamentos próprios por R$ 125 mil. Quando desocupamos prédios ocupados os proprietários vendem por um preço muito mais alto. Também estamos lançando os programas de recuperação dos atuais prédios da CDHU.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, é uma das maiores representantes do empoderamento feminino no Brasil (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Temos que preparar os jogadores para a vida, pois poucos vão conseguir fazer sucesso no futebol (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião