O segredo do cárcere do Rei Augusto pode ser descoberto (Foto: Paulo Belote/TV Globo)

Fora dos Trilhos

A rainha má de Deus Salve o Rei, Catarina (Bruna Marquezine), mudará sua estratégia para se manter no poder. Isso porque o casamento dela com o rei Rodolfo (Johnny Massaro) vai de mal a pior e a crise causará grande irritação na megera. Ela irá até a pedreira onde o irmão de seu marido, Afonso (Rômulo Estrela), está preso e tentará facilitar a fuga do mocinho.

Em um desabafo com sua fiel escudeira Lucíola (Carolina Ferman), ela vai admitir que teme ser desmascarada perante ao povo. A rainha mantém o próprio pai, Augusto (Marco Nanini), preso em uma masmorra. Virgílio (Ricardo Pereira), em uma tentativa de salvar a vida de Amália (Marina Ruy Barbosa), diz que tem provas do cárcere.

Ela, então, acredita que terá que acelerar a queda de Rodolfo. “Meu tempo está se esgotando. Afonso corre risco de vida e meu casamento está péssimo”, afirma a vilã, que decide ajudar Afonso. 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Segunda, 05/03

Virgílio tenta escapar da cidade, mas é abordado por um soldado. Demétrio não concorda com a estratégia de ataque de Catarina. Saulo e Selena acabam se acidentando na floresta. Augusto repreende Catarina e ordena uma negociação de paz. Petrônio flagra Lucrécia disfarçada de cozinheira para ir à guerra. Afonso avisa ao irmão que ficará ao lado de Augusto.

Terça 06/03

Cássio luta contra Rômulo. Diversos soldados de Montemor caem em armadilhas de Artena. Tiago salva Afonso de soldados de Montemor. Afonso avisa a Augusto que o exército de Montemor atravessou a floresta. Amália vai ao castelo à procura de notícias de Afonso e é acusada por Catarina de ter provocado a guerra. Cássio e seus homens contemplam Artena.

Quarta, 07/03

Augusto deixa claro que não abandonará Artena. Martinho leva Samara e Levi para sua casa. Rodolfo se perde da comitiva. A loja de Virgílio pega fogo e ele perde dinheiro escondido. Afonso salva Virgílio e pede a Cássio que cuide de Amália e de sua família. Samara se apavora ao ver que Levi foi em direção à cidade e vai atrás do filho. Amália consegue achar Levi.

Quinta, 08/03

Lucrécia fica eufórica ao ver Rodolfo. Ulisses se arrisca para salvar Romero. Samara pede a Amália que ela e Afonso cuidem de Levi. Romero repreende Ulisses por ter se arriscado, não reconhecendo o ato heroico do filho. Augusto deixa o castelo. Afonso é rendido e recebe voz de prisão de Cássio. Demétrio é atacado. Augusto flagra Rodolfo e Catarina se beijando.

Sexta, 09/03

Augusto constata que a guerra não passou de um plano de Catarina e Rodolfo. Catarina leva Augusto para a Torre de Zéria. Olegário diz a Matilda que Hélvio morreu como um herói. Betânia fica feliz ao ver Romero e Ulisses de volta. Saulo termina o namoro com Selena. Cássio avisa Amália que Afonso é tratado como um prisioneiro comum e informa Rodolfo que Afonso foi preso como traidor.

Sábado 10/03

Rodolfo quer ordenar libertação de Afonso, mas Cássio informa que, se ele agir contra a lei, colocará em risco a soberania de Montemor. Cássio ajuda Amália a ver Afonso. Lucrécia pede a Rodolfo que tire Catarina do castelo. Afonso é levado a julgamento popular. Ulisses pede para trabalhar na cozinha com Betânia. O povo não parece estar a favor de Afonso.

 

Craque se recupera em casa de R$ 28 milhões (Foto: Reprodução/Instagram)

Futebol

O atacante Neymar passou por uma cirurgia para reparar uma fratura no quinto metatarso (osso que se conecta ao dedo mindinho) do pé direito, no último sábado, em Belo Horizonte. De acordo com o médico responsável pela operação, Rodrigo Lasmar, o procedimento foi bem-sucedido e o camisa 10 do PSG já recebeu alta.

Enquanto o craque se recupera no Rio de Janeiro, em uma casa avaliada em R$ 28 mi, alguns internautas produziram memes sobre a situação vivida pelo jogador. A atriz Bruna Marquezine, namorada do atleta, e até o anúncio de um “possível feriado nacional” foram utilizados em montagens compartilhadas nas redes sociais.

Marquezine deu vida à pequena Salete na novela “Mulheres Apaixonadas”, que foi ao ar na Globo em 2003. Na trama, a menina, de sete anos, tinha visões ruins e chorava com frequência. Inclusive, ela pressentiu a morte de sua mãe, interpretada pela atriz Vanessa Gerbelli.

Aproveitando as características da personagem de Bruna, um internauta fez uma montagem com Salete e Neymar numa cama de hospital. A criança parece consolar o craque por causa da lesão.

Vale ressaltar que a atriz acompanha o jogador desde a sua chegada ao Brasil. Segundo o jornal Agora S. Paulo, ela até teve folga nesta segunda para visitar o namorado. A assessoria de imprensa da TV Globo negou a informação e afirmou que Marquezine gravou cenas da novela “Deus Salve o Rei”.

meme Neymar 2

Feriado nacional

A repercussão sobre a lesão e a cirurgia de Neymar foi muito grande na imprensa brasileira. O canal de TV fechada, SporTV, da Globosat, chegou a interromper por alguns segundos a transmissão da partida entre Ferroviária x Mirassol, válida pelo Campeonato Paulista, para mostrar a chegada do craque ao hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, na noite da última sexta-feira, 2. Por conta deste alarde, alguns internautas sugeriram que deveria ser feriado nacional no Brasil.

meme Neymar 4

 

meme neymar 5

meme neymar 1

Até uma possível operação de Neymar no SUS virou meme (Foto: Reprodução/Facebook)

Recuperação

A pouco mais de cem dias da estreia do Brasil na Copa do Mundo na Rússia, o jogador mais caro da história do futebol terá uma mansão avaliada em R$ 28 milhões como seu "quartel-general" no início da recuperação da fratura no quinto metatarso do pé direito, lesão sofrida em 25 de fevereiro e que se tornou um empecilho na tentativa de Neymar de conduzir a seleção ao hexacampeonato. 

Foi para essa mansão, localizada em Mangaratiba, no litoral fluminense e a 130 quilômetros do Rio, que Neymar seguiu neste domingo, após receber a alta hospitalar do Mater Dei, em Belo Horizonte, onde foi operado, em intervenção bem-sucedida, realizada no sábado por Rodrigo Lasmar, da seleção brasileira e do Atlético-MG, que cedeu outros dois médicos para a operação. 

Embora tenha sofrido uma lesão assustadora nas quartas de final da Copa do Mundo de 2014 contra a Colômbia, quando fraturou duas vértebras, Neymar agora começa a se recuperar da contusão mais grave da sua carreira, ao menos em tempo de afastamento dos gramados, pois Lasmar, antes mesmo da operação, havia afirmado que ele ficaria entre dois meses e meio e três meses sem jogar.

*Com informações da Agência Estado

Craque recebe mimo da namorada em sua estadia no Brasil (Foto: Reprodução/Instagram)

Futebol

O atacante Neymar já se prepara para a cirurgia no pé direito, que deve ser realizada neste sábado, 3, em Belo Horizonte. Enquanto aguarda a hora para ser operado, o jogador é mimado pela namorada Bruna Marquezine.

A atriz faz companhia ao craque desde que ele chegou ao Brasil. No Instagram, Neymar postou uma foto em que ele aprece sentado em uma cadeira de rodas  com a namorada no colo. “Levando a gata pra dar uma volta no meu novo possante”, escreveu o atacante no stories da rede social.

Enquanto Neymar recebe o carinho de Marquezine no Brasil, o técnico do PSG, Unai Emery, afirmou nesta manhã que deseja se classificar na Champions League para oferecer a vaga ao craque. O treinador do Real Madrid, Zinedine Zidane, por sua vez, declarou que lamenta o fato de Neymar estar fora da partida, porém “não espera um PSG enfraquecido”.

PSG e Real se enfrentam na próxima terça-feira, 6, pela volta das oitavas de final da Champions League, em Paris. Na ida, em Madri, a equipe espanhola venceu por 3 a 1.

Neymar só voltará a jogar pela competição europeia nesta temporada se o PSG avançar até a semifinal. Na seleção, o camisa 10 já é desfalque certo nos amistosos contra Rússia (23/03) e Alemanha (27/03).

Neymar Bruna marquezine Reprodução Instagram

Neymar beija Bruna Marquezine em cadeira de rodas (Foto: Reprodução/Instagram)

Após contrato não ser renovado, Neymar passou a tratar a Globo sem regalias, como na apresentação no PSG (Foto: Globo/Divulgação)

Futebol

Neymar e Rede Globo firmaram contrato de exclusividade durante a Copa de 2014, realizada no Brasil. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. 

A reportagem do jornal teve acesso a e-mails que revelam o acordo entre o atacante  e a emissora.  Por conta deste contrato, encerrado em 2015, o atleta fez participações em programas como Caldeirão do Huck, Domingão do Faustão e Fantástico.

O craque também mostrou sua boa relação com a Globo em outras ocasiões. Ele chegou a participar das novelas "Amor à Vida" (2013) e "A Regra do Jogo" (2015). No entanto, tais participações não têm a ver com o acordo citado.  

 

Neymar dava exclusividade a Globo durante Copa do Mundo Foto Reprodução

Neymar falava  com a Rede Globo antes de falar com conrrentes, durante a Copa 2014

Relação esfriou

“O contrato citado não existe mais. Firmado em 2014, referia-se a participações especiais de Neymar em programas e em campanhas da emissora, bem como ao uso de conteúdos audiovisuais produzidos pelo jogador”, declarou a emissora à Folha. Procurado, o jogador não se pronunciou sobre o assunto.

Ainda de acordo com o jornal, em 2016,  depois de o contrato não ser renovado, a relação entre Neymar e Globo ficou estremecida. Durante a Olimpída do Rio, por exemplo, o principal narrador da emissora, Galvão Bueno, fez duras críticas ao atacante. O jogador, por sua vez, passou a não atender os repórteres do canal ao sair de campo após as partidas. 

 Depois dos Jogos Olímpicos, Neymar deu sua primeira entrevista exclusiva ao apresentador Fábio Porchat, da TV Record. Ao ser apresentado no PSG como o jogador de futebol mais caro da história, o craque atendeu a Globo da mesma maneira que atendeu outras emissoras, deixando claro que não trata mais o canal de maneira diferenciada como fora em 2014. 

Na semana passada, Casagrande chamou Neymar de mimado após a derrota do PSG por 3 a 1 para o Real Madrid, nas oitavas de final da Champions. O pai do atleta saiu em defesa do filho e fez uma crítica indireta ao comentarista da Globo nas redes sociais. 

Rei ficará à beira da morte após atentado (Foto: Artur Meninea/TV Globo)

Fora dos Trilhos

O rei de Artena, Augusto (Marco Nanini), pai da princesa Catarina (Bruna Marquezine), sofrerá um atentado esta semana em Deus Salve o Rei. Após um torneio que ocorre em suas terras, ele será acertado por um arqueiro, durante uma apresentação de teatro e ficará à beira da morte. A filha do monarca, indignada com o crime, vai acusar Rodolfo (Johnny Massaro), rei de Montemor, de ser o mandante.


O ex-herdeiro do trono, Afonso (Romulo Estrela), percebendo o perigo que se aproxima, aconselhará o irmão a não abandonar as terras de Artena enquanto as investigações prosseguirem, para não levantar falsas suspeitas. A princesa vai destituir Afonso da guarda real e acusá-lo de ser incapaz de proteger o rei.


O acordo entre as famílias reais será desfeito e o fornecimento de água para Montemor será interrompido. Nervoso pela situação, e após uma lua-de-mel sem sexo, Rodolfo ficará indignado com a ação e vai declarar guerra a Artena.

Atriz global ostenta com vestimenta brilhante (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Encerrando as comemorações de carnaval, Bruna Marquezine compareceu ao Desfile das Campeãs, na Sapucaí, no Rio de Janeiro, no último sábado, 17. A atriz curtiu a noite no "Nosso Camarote", a convite da Rosa Chá. Ela apostou em um body transparente da marca para a festa, customizado exclusivamente.

Bruna também optou por uma calça legging de paetês, da grife Gucci, para compor a sua produção. 

A peça custa cerca de R$ 7 mil no Brasil. 

Para finalizar, argolas grandes e o penteado de cabelo meio preso deram um toque divertido no visual. 

Bruna Marquezine calça Insta

Marquezine aparece sorridente no sambódromo carioca (Foto: Reprodução/Instagram)

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Há exatos 13 dias Jair Bolsonaro foi transferido da Santa Casa de Juiz de Fora (MG) para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Mas, apesar de um susto aqui e outro ali, o presidenciável está bem ativo, como demonstram os boletins médicos e sua assídua presença nas redes sociais. Ontem, o candidato do PSL agiu rápido e buscou contornar uma declaração de Paulo Guedes, seu conselheiro econômico e nome escolhido para ocupar o Ministério da Fazenda, em caso de vitória do ex-militar. Guedes propôs a criação de um tipo de CPMF, a partir da qual o cidadão pagaria uma taxa sobre qualquer movimentação bancária, que seria destinada ao financiamento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Mas, via Twitter, Bolsonaro destacou que sua equipe “trabalha para a redução de carga tributária, desburocratização e desregulamentações. Chega de impostos é nosso lema! Somos e faremos diferente. Esse é o Brasil que queremos”. O posicionamento do candidato vai ao encontro do que pede a sociedade brasileira, que sente o peso de viver no país com a maior carga tributária de toda a América Latina e Caribe. Em 2016, por exemplo, tudo que as três esferas de governo arrecadaram equivaleram a 32,38% do PIB, depois de subir por dois anos consecutivos. Mas, de fato, o novo presidente terá de encarar a questão fiscal do País, que todos comentam, mas que ninguém até agora conseguiu resolver. E o sucessor de Temer não estará imune a isso, pois herdará uma casa desorganizada. Portanto, a ele caberá construir acordos visando a, entre outras coisas, alcançar a estabilidade fiscal. Aumentar impostos pode ser um caminho necessário e o mais fácil. No entanto, não será possível fechar os olhos a temas espinhosos, como previdência, funcionalismo, salário mínimo e, claro, reforma tributária, que certamente, fazem parte da solução.

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião

Em muitas eleições há o candidato ideal e o útil. E, nesta, muitos apostam que, no final, o eleitor que ainda não tem o voto consolidado ou que teme um segundo turno polarizado entre PT e Jair Bolsonaro abra mão da paixão, ideologia, apreço ou preferência por determinado candidato (que não tem chance de vencer) e faça uma escolha estratégica e tática na tentativa de evitar a vitória daquele a quem rejeita. Ciro Gomes disse abrir mão desta possibilidade. Segundo ele, “voto útil é insulto à experiência popular”, e disse querer ser eleito por aqueles que o consideram uma saída para o Brasil e não por quem “não queria votar em outro”. Mas esse não é pensamento do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta atrair o eleitorado de João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (Podemos) e também de Marina Silva (Rede), ao mesmo tempo que faz um chamamento ao voto anti-PT e fustiga a candidatura de Bolsonaro. “A nossa percepção é que Haddad vai para o segundo turno. Já o voto em Bolsonaro não está cristalizado”, disse João Carlos Meirelles, conselheiro próximo de Alckmin, aparentemente alheio às pesquisas, que mostram que os eleitores de Bolsonaro são os mais convictos. Cerca de 70% deles dizem que não mudará sua decisão ou que a escolha é “firme”, segundo o penúltimo Ibope (11 de setembro), número levemente superior ao de Haddad. Mas a estratégia de atacar pesadamente o ex-capitão do Exército e líder nas pesquisas não é consenso nem entre aqueles que conduzem a campanha de Alckmin. Uma ala da coligação quer que os ataques mirem apenas o PT, e não no candidato do PSL. E mesmo Marina briga por seu lugar ao sol. Depois de perder terreno, a acreana vem se colocando como aquela capaz de fazer um governo de transição, com duração de apenas quatro anos e sem direito a reeleição. Se estes discursos vão funcionar é o que se verá nos próximos dias. O certo é que ainda existe um amplo segmento insatisfeito com mais uma eleição marcada pela radicalização e polarização, que sonha com um nome de consenso e capaz de trazer normalidade ao País. Isso seria bastante útil, mas, aparentemente, está cada vez mais difícil.

Candidatos com ideias opostas crescem em pesquisa (Fotos: Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação e Paulo Lopes/AE)

Nacional

O crescimento de Fernando Haddad (PT) na semana que foi oficializado como candidato do PT à Presidência aumentou as chances de um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e o petista, afirma a diretora executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari. Na pesquisa divulgada pelo instituto nesta noite de terça-feira, 18, Haddad cresceu 11 pontos em relação ao levantamento apresentado no último dia 11, indo de 8% para 19% das intenções de voto e se isolando em segundo lugar. Bolsonaro continua liderando o cenário, com 28% - ele tinha 26% há uma semana. "Com esse crescimento de Haddad, a probabilidade de haver segundo turno entre ele e Bolsonaro aumentou significativamente, embora não se possa descartar totalmente outros cenários", disse Marcia Cavallari ao Estadão/Broadcast Político. No cenário em que os dois se enfrentam na segunda etapa da eleição, há um empate: 40% a 40%. O Ibope ouviu 2.506 eleitores de 16 a 18 de setembro em 177 municípios. A margem de erro estimada é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-09678/2018.

França é candidato à reeleição, mas precisa crescer nas pesquisas (Foto: Roberto Casimiro/AE)

Cidade

Márcio França (PSB) já sabia que seria governador antes mesmo de assumir o cargo no dia 6 de abril deste ano, quando Geraldo Alckmin (PSDB) deixou a função o cargo para disputar a Presidência da República. França sempre teve na política a meta de ser governador do Estado. Começou sua carreira como vereador de São Vicente, onde também foi prefeito por duas vezes e teve uma aprovação de 80% após terminar o segundo mandato. Entre as propostas que quer implantar no Estado está o alistamento de jovens, programa que realizou em São Vicente e que afirma ter reduzido a violência drasticamente na cidade litorânea. Sobre a disputa à reeleição, França garante que é o candidato com mais visão social e diz que usar o termo esquerda para definir um partido é um tanto antiquado. Durante a entrevista ao Metrô News, fez questão de ressaltar que é diferente de seus principais adversários: Paulo Skaf (MDB) e Doria (PSDB). “Eles acham que podem colocar uma administração privada no poder público, como se fosse uma empresa, mas é preciso olhar o social. Eu tenho experiência para isso”, argumentou França. Para o governador, eleger Skaf seria como colocar uma gestão a do presidente Michel Temer (MDB) em São Paulo, enquanto eleger Doria significaria colocar alguém que não cumpre o que promete, como terminar o mandato à frente da Prefeitura de SP Qual a principal marca que você vai deixar nesta primeira gestão como governador? Claro que do ponto de vista de repercussão pública vai ser a greve dos caminhoneiros. As pessoas associaram a questão de desobstruir, abrir o diálogo com a categoria a mim. Mas o que eu penso que é mais importante é a mudança histórica de alguém que vai ser candidato à reeleição não ser do PSDB. Também ampliamos a Univesp, com aumento de 3 mil para 45 mil vagas no ensino superior, e fizemos duas concessões de rodovias que saíram com pedágios mais baratos, com média 25% a 30% menor, por exigirmos uma outorga menor. Você acha que fez mudanças significativas depois da transição para a sua gestão? Sim. Penso que isso foi possível porque respeitei as linhas de equilíbrio fiscal. Ninguém percebeu uma mudança que tenha tido traumas, mas nós mudamos secretários, quase dois terços são secretários de carreira, mudamos o comportamento no diálogo com o servidor público, há três anos sem negociações. Márcio França acredita que pessoas se lembram dele por diálogo com caminhoneiros (Foto: Divulgação) E como ocorreu este diálogo com o funcionalismo? Foram pequenos gestos que foram importantes, como a regra geral em que a Procuradoria-Geral do Estado recorria de todos os processos movidos pelo funcionalismo, mesmo sabendo que iam perdem no Superior Tribunal Federal. Não fazemos isto agora. Quais projetos essenciais você quer aprovar ainda nesta gestão? Tem um que está em andamento, o alistamento civil com jovens, que pretende contratar 4.530 jovens nas 100 cidades mais violentas do Estado para realizarem trabalhos nas ruas. Este é um programa que fiz quando era prefeito. A minha cidade era uma das mais violentas do Estado. Depois da implantação do programa, ela não ficou nem entre as 100 primeiras. Estes jovens começarão a trabalhar e serão tutelados com a gente. Será uma espécie de piloto para o que queremos fazer para o ano que vem, a ser lançado em todas as cidades, com 80 mil jovens, cada um recebendo uma bolsa no valor de R$ 500. Abriremos vagas para mulheres também, mas elas não farão serviços nas ruas. Quais os próximos passos na área do saneamento? A Sabesp é a terceira maior empresa do mundo em saneamento e conseguiu, recentemente, fazer parceria com municípios que não tinham a rede, como Carapicuíba e Guarulhos, que vai ser um ganho muito grande de despoluição na veia. A gente tem uma meta, por exemplo, de zerar o rodizio em Guarulhos em oito e dez meses depois de assinar uma negociação que estamos em andamento para ajudar a cidade tanto no abastecimento quanto no tratamento de esgoto.   Governador afirmou que conseguiu diminuir a violência em São Vicente, cidade na qual já foi prefeito (Foto: Roberto Casimiro/AE) Mas tratar o esgoto é um problema que demanda grande investimento e esforço. Como você fará isto? É fato. O tratamento de esgoto é demorado. Leva-se anos para fazer, mas estamos testando equipamentos novos que devem ser colocados na ponta dos canais para despoluir a água que chega. É muito mais prático. Os técnicos querem tratar de casa, e estão certos, mas sou adepto de que temos que fazer da solução mais rápida, ainda que não seja definitiva.   Mas a crise hídrica está batendo na porta do Estado. Há chance de rodízio? Chance zero, mas a preocupação é grande. A crise hídrica é evidente. Tem chovido menos, mas a Sabesp se preparou com grandes obras de transposição, por isso estamos sobrevivendo. Vamos lançar uma campanha nova, em breve, reforçando aos paulistas para fazerem economia. Não temos a pretensão de multar ninguém neste momento. O senhor ainda pretende desvincular a Polícia Civil da Pasta de Segurança e alocar à Justiça? Pretendo. Depende da aprovação da Assembleia. Agora ela tem que aprovar ou não. Insisto que a Polícia Civil é judiciária, e o fato de ter a desvinculação administrativa e orçamentária só vai ajudá-la. Mas falando de segurança é incrível que ninguém tenha noticiado que nós abrimos 66 delegacias que estavam fechadas à noite, simplesmente com um valor que se paga a mais, uma gratificação paga para qualquer servidor por um terço a mais para o serviço que ele presta. E também valorizei os policiais. Nós aprovamos a lei e ela foi sancionada: agora toda a defesa jurídica deles será feita pela Defensoria Pública. Márcio França rechaça rótulo de esquerdista, mas afirma que é preocupado com o social (Foto: Daniel Teixeira/AE) O senhor vem de um partido mais alinhado à esquerda, qual a diferença da sua gestão para uma gestão tucana? Isso é uma expressão meio antiquada, mas pelo menos tenho uma preocupação social maior que os representantes de outras siglas. Aqui em São Paulo, faz quase 30 anos que o mesmo modelo prosseguia no comando. A minha gestão é mais social.  Constantemente partidos e candidatos tentam barrar a sua publicidade. Qual sua opinião sobre isso? Eles querem me esconder. Como sou o novo governador, se eles conhecerem os três candidatos que vão disputar é difícil escolherem os outros dois. São pessoas do bem, só não sabem o que falam, não tem conhecimento da administração pública. Eles acham que podem fazer a gestão pública como privada. É como colocar o modelo Sesi e Senai no Estado, mas os pais pagam R$ 300 a R$ 400 por isso. Aqui temos 3,5 milhões na rede estadual, muitos alunos não têm, é como seu eu dissesse que o sujeito que está no restaurante gratuito vai ter que pagar a comida. Já o Doria quer privatizar o Aeroporto de Barretos, mas não tem movimento, não tem interesse. Você acredita que apenas três candidatos têm chances reais de vencer a eleição? Na verdade, existem quatro candidaturas que vão disputar o Governo do Estado. O PT, quem gosta é fiel e quem não gosta não quer. Uma candidatura é do MDB, do Governo Michel Temer, que não acho que será um bom caminho para São Paulo. O outro é o PSDB do Doria, que demos a oportunidade para mostrar sua capacidade de administração, mas que a desperdiçou. Se as pessoas souberem que eu sou o atual novo governador, as pessoas vão ter a chance de fazer uma opção. O que você pretende fazer na área da Saúde? Estamos com 101 hospitais e estamos acabando mais dois. São 31 mil leitos. Quando falam na televisão parece que não tem nada funcionando. Tem muita gente que vem de fora. O serviço público tem que ser melhorado, mas nem extinto e nem cobrado. Nós temos que abrir as ames aos finais de semana. Isto vai permitir zerar, em seis meses, uma fila de 1 milhão de consultas e 300 mil exames.  E as obras do Metrô. Qual sua pretensão para agora e para um novo governo? Nós temos que retomar todas que estão paradas. Algumas teremos que licitar de novo, porque muitas empresas quebraram, foram acusadas na Operação Lava Jato. Outras o Governo Federal furou na hora do financiamento. Neste ano temos de nove a oito estações para entregar. Está atrasado, mas o governo inteiro parou, o País parou, muitos estados não vão conseguir pagar nem o 13º salário. Tem alguma outra obra sobre trilhos que pode marcar sua gestão? A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) ter aprovado a proposta da empresa Rumo será um grande passo para aumentar o transporte de carga a granel de 30 milhões para 70 milhões por ano. É uma obra marcante. A malha paulista liga o Mato Grosso, maior produtor de grãos, ao Porto de Santos, principal saída de commodities do País. Esta malha já existe, mas ela vai ser restaurada e vai abrir ainda dois eixos laterais, ligando São Paulo até Itirapina e a cidade de Colômbia até Araraquara. E o que pode ser feito na área da habitação? Nós pretendemos fazer três coisas. Cada casa hoje custa em torno de R$ 125 mil a R$ 130 mil. O Estado tem um R$ 1,3 bilhão por ano para este tema. A gente tem o suficiente para construir 10 mil casas. É pouca casa.  No interior, vamos criar lotes urbanizados. Você cede um terreno e um cartão com R$ 8 mil e o cidadão vai ter três plantas pré-aprovadas para construir a casinha dele.  E na Capital? Na Capital, a meta é imediatamente poder mudar o conceito da construção no Centro. Desocupar prédios públicos com repartição e transformar em apartamentos. Também queremos negociar para que empresários vendam apartamentos próprios por R$ 125 mil. Quando desocupamos prédios ocupados os proprietários vendem por um preço muito mais alto. Também estamos lançando os programas de recuperação dos atuais prédios da CDHU.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, é uma das maiores representantes do empoderamento feminino no Brasil (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Temos que preparar os jogadores para a vida, pois poucos vão conseguir fazer sucesso no futebol (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião