Atriz não se pronunciou sobre o assunto (Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos


A atriz norte-americana Demi Moore foi vítima de uma fraude ao ter seu cartão de crédito clonado no início do ano. O ladrão chegou a gastar US$ 169 mil (cerca de R$ 652 mil) em compras antes de ser pego pelas autoridades federais dos Estados Unidos.

Segundo o site TMZ, David Matthew Read enviou um e-mail para a American Express se passando pela atriz e pediu um novo cartão para substituir um que havia sido roubado. O site não tem informações de como Read conseguiu os dados pessoais de Demi ou como desbloqueou o cartão.

O FBI identificou o ladrão através de câmeras de lojas em Los Angeles e quando foi capturado pelas autoridades, em abril, admitiu a culpa. Ele está preso e aguarda julgamento na cidade californiana. O TMZ entrou em contato com os representantes da atriz, mas não obteve resposta.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Superfaturamento pode superar R$ 450 milhões, segundo a PF (Foto: José Cruz/ABR)

Nacional

O ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) está entre os investigados da Operação Cartão Vermelho, deflagrada nesta segunda-feira, 26, pela Polícia Federal para investigar possíveis irregularidades em contratos envolvendo as obras do Estádio Arena Fonte Nova, em Salvador, na Bahia.Um dos mandados de busca e apreensão foram feitos em sua casa, localizada em Salvador, informou por meio de nota o Partido dos Trabalhadores.

A Superintendência da Polícia Federal na Bahia informou que o ex-governador teria recebido R$ 82 milhões dos cerca de R$ 450 milhões desviados de obras da Arena Fonte Nova. 

Em nota, o PT classificou o episódio como “invasão”, relacionando-o ao que chama de “campanha de perseguição contra o Partido dos Trabalhadores e suas principais lideranças”.

De acordo com a PF, há suspeitas de irregularidades em contratos envolvendo serviços de demolição, reconstrução e gestão do estádio. Um laudo pericial da PF informa que o caso pode ter resultado em um superfaturamento que, em valores corrigidos, superaria R$ 450 milhões.

Segundo a Polícia Federal, grande parte desses recursos teve como destino o pagamento de propina e financiamento de campanhas eleitorais. Ao todo, sete mandados de busca e apreensão foram cumpridos em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso.

As suspeitas são de que, na prestação desses serviços, foram cometidas irregularidades como fraude em licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro.

Na nota divulgada há pouco pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PT-PR), a senadora diz que “a sociedade brasileira está cada vez mais consciente de que setores do sistema judicial abusam da autoridade para tentar criminalizar o PT e até os advogados que defendem nossas lideranças e denunciam a politização do Judiciário”.

De acordo com apurações feitas pela PF, as irregularidades beneficiaram o consórcio Fonte Nova Participações (FNP) – formado pelas empresas Odebrecht e OAS. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com o objetivo de localizar e apreender “provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro”.

*Matéria atualizada às 16h03

Jonny Evans é um dos atletas envolvidos no furto (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

Quatro atletas do West Bromwich, lanterna da Premier League, furtaram um táxi em Barcelona após comer no McDonald's, na última quarta-feira (14) segundo informações do site português Record. 

De acordo com a publicação, os jogadores pediram um táxi no hotel para ir até a lanchonete. Quando retornaram ao veículo, encontraram-no vazio e  com a chave na ignição, pois o motorista também havia saído para comer. Então, tiveram a ideia de dirigir o carro até o hotel.

O próprio clube identificou os quatro jogadores responsáveis pelo furto: Jonny Evans, Gareth Barry, Jake Livermore e Boaz Myhill.Eles utilizaram o site oficial do West Bromwich para pedir desculpas ao restante do elenco, à torcida, ao técnico e aos dirigentes pela atitude. 

A equipe é a última colocada do Campeonato Inglês, com 20 pontos, e volta a campo pela competição no dia 24 de fevereiro, quando recebe o Huddersfield. A delegação foi a Barcelona para uma semana de treinamentos.  

Segundo órgão, divulgação sobre caso atrapalharia as investigações (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

A Polícia Federal decidiu manter sigilo sobre as investigações do roubo de US$ 5 milhões em dinheiro vivo (cerca de R$ 16,5 milhões), transportados em um avião da empresa aérea Lufthansa, no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo. Em nota divulgada nesta terça-feira, 6, a Delegacia da PF informa que "o caso está sendo tratado com diligência para não atrapalhar as investigações".

O roubo aconteceu na noite de domingo, 4, quando ao menos cinco homens armados com fuzis arrebentaram cercas e portões, renderam funcionários e invadiram o Terminal de Cargas. A quadrilha usou um clone do veículo da segurança oficial do aeroporto para passar pela vigilância. Na fuga, o veículo foi incendiado. 

A equipe da PF de Campinas ganhou reforço de um delegado e policiais da Superintendência em São Paulo. Imagens captadas por mais de uma dezena de câmeras instaladas no trajeto feito pelos criminosos já foram recolhidas e estão sendo analisadas. Agentes federais estiveram no aeroporto nesta terça para ouvir funcionários da Brinks, que seria responsável pelo transporte do dinheiro, e de outras empresas. 

A PF tenta descobrir quem passou informações aos criminosos sobre o transporte dos dólares. O cargueiro havia decolado do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, e a quadrilha sabia o momento exato em que a carga estaria mais vulnerável, exposta no pátio do terminal. O uso de veículo clonado, com as cores e marcas da segurança oficial do aeroporto, indica que a operação foi planejada com antecedência

Também está sendo investigado o destino dos dólares. Na segunda-feira, a PF divulgou que o dinheiro seria levado para Zurique, na Suíça, mas a companhia aérea informou que o ponto final do voo, com passagem por Dacar, no Senegal, seria Frankfurt, na Alemanha.

"Em relação à divergência do destino da carga, estamos coletando mais informações a respeito e, assim que obtivermos algo concreto, informaremos", disse, em nota a PF.

Outros pontos intrigantes do assalto, como o fato de não haver funcionários da Brinks junto ao carro-forte que estava no local, e por que o dinheiro havia sido retirado do avião, também estão no alvo das investigações. A transferência de grandes montantes de dinheiro para outros países é acompanhada pelo Banco Central do Brasil e pela Receita Federal, até por ser uma operação incomum. 

Nesse caso, tanto a PF quanto a Receita informaram que a operação estava autorizada e que a origem dos dólares havia sido comprovada, embora, por questão de sigilo bancário, o autor da remessa não tenha sido identificado. 

Conforme a Receita Federal, o envio de grandes somas para o exterior precisa estar atrelado à declaração do imposto de renda da pessoa física ou da empresa e deve ser informado ao Banco Central, para que não se caracterize crime financeiro ou de lavagem de dinheiro. 

A Brinks informou continuar à disposição das autoridades para o esclarecimento dos fatos. Em seu site oficial, a empresa de origem americana informou que atua em mais de 100 países e é referência em soluções de risco e logística de valores, que incluem transporte local e internacional de bens de alto valor.

Uma pessoa conseguiu fugir durante a ação (Foto: Baep/Divulgação)

Cidade

Uma ação do Batalhão de Ações Especiais (Baep) da Polícia Militar de Campinas, cidade do interior de São Paulo, terminou com sete mortos, todos criminosos, segundo as autoridades policiais, na noite desta quarta-feira, 28.

A PM informou, em nota enviada pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, que o Setor de Inteligência do Comando de Policiamento do Interior monitorava uma quadrilha especializada em roubo a bancos. O grupo foi localizado por volta das 21h30 na Estrada Municipal Dona Isabel Fragoso Ferrão, em Valinhos.

A polícia montou um cerco e os criminosos, fortemente armados em dois carros, não atenderam a ordem de parada e atiraram contra os agentes, que revidaram. Um veículo conseguiu fugir com uma pessoa.

A polícia apreendeu fuzis, metralhadoras, pistolas, coletes à prova de bala e explosivos, exigindo o acionamento do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).

O caso começou a ser registrado no 4.º Distrito Policial de Campinas por volta das 6h desta quinta-feira, 1º. Um inquérito deve ser instaurado para investigar a ocorrência.

Bandidos cavaram túnel e desviaram combustível (Foto: Reprodução/Facebook Aeroporto Internacional de Guarulhos)

Cidade

Mais de 15 mil litros de querosene, que abasteceriam aviões no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos, foram furtados por suspeitos que cavaram um túnel e desviaram o combustível de um oleoduto. A polícia encontrou, em um galpão alugado, mangueiras de alta pressão e válvulas utilizadas no crime.

De acordo com a GRU Airport, concessionária que administra o aeroporto, a empresa responsável pelo abastecimento informou problemas no domingo e na segunda, quando 29 voos foram atrasados e quatro foram cancelados. O local voltou a funcionar sem restrições.

A polícia descobriu, ainda, uma casa na Rua Abadia, no Jardim das Nações, em que havia escavações, mangueiras e alta pressão e um caminhão-tanque carregado com mais de 20 mil litros de querosene de avião. A corporação não confirmou prisões.

 O veículo com combustível foi entregue para o representante da empresa responsável pelo abastecimento e o caso foi registrado como furto qualificado no 4º DP de Guarulhos.

Além do cemitério, comércio da região também sofre com a falta de segurança (Foto: Reprodução/ Facebook)

Cidade

Nove túmulos do Cemitério da Consolação, no Centro de São Paulo, foram furtados e sofreram depredação durante o último fim de semana. Foram levadas estátuas de cobre, o que danificou a estrutura de várias sepulturas. As informações são do Movimento de Defesa do Cemitério da Consolação (MDCC).


A Polícia Civil informou ao Metrô News que um homem, de 27 anos, foi preso em flagrante pelo furto pela Guarda Civil Metropolitana. Outros cinco criminosos foram presos por essa prática entre 2017 e fevereiro deste ano. No período foram registradas 23 ocorrências no local e todas elas são investigadas pela Polícia Civil.


A reportagem conversou com dois comerciantes, por telefone, que pediram para não serem identificados. Eles confirmaram que a sensação de insegurança é muito alta na região. “Não se faz nada, não tem policiamento o suficiente e a gente sofre bastante”, disse um deles. “É bastante comum flagrar furtos aí dentro, mas o que vamos fazer?”, questionou o outro.


O Serviço Funerário do Município de São Paulo (SFMSP) informou à reportagem que foram investidos R$ 13,8 milhões em melhorias nos 22 cemitérios e crematório “para melhorar, minimamente, a situação de abandono que foi herdada da gestão anterior”. A Prefeitura estuda parcerias com o setor privado para melhorar a qualidade dos serviços prestados.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Manter o voto em sigilo é garantia de paz (Foto: Antônio Cruz/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Na década de 1950, a teoria da “unanimidade burra”, de Solomon Asch, comprovou a tese de que  algumas pessoas, quando em grupo, acreditam nas coisas mais absurdas e patéticas, ignorando a lógica e a verdade. A experiência colocava um inocente voluntário dentro de um grupo formado por atores, todos dispostos a um teste que consistia em examinar uma placa com uma linha vertical à direita e três linhas verticais díspares à esquerda, onde apenas uma delas era igual à da direita. O examinador perguntava qual das alternativas era a idêntica e, por mais óbvia que fosse a resposta, os atores, cúmplices e combinados, respondiam a alternativa errada. A cobaia, mesmo tendo absoluta certeza do correto, duvidada da própria razão e concordava com a maioria, escolhendo a alternativa falsa, confirmando a tendência humana da maioria seguir a opinião dos outros. O poder da mídia sobre a opinião pública é um bom exemplo disto, pois desvia a atenção para a verdade, dando foco a inverdades tendenciosas. A propaganda induz o estúpido, mas não convence a mente atenta. Quanto mais se promove opiniões medíocres e ignorantes, mais as pessoas abandonam por convicção a racionalidade e o senso crítico, transformando-se em massa de manobra a ser conduzida por um caminho pavimentado por mentiras rumo ao final de um arco-íris, onde não há pote de ouro, mas sim uma ratoeira à espera. Em tempos de eleições isto fica muito mais evidente quando o grupo dominante ignora os desejos da população e cria, em conluio com que há de mais nefasto, uma tendência a se seguir. Talvez você não se recorde, mas, na eleição passada, a tendência era “mulher votar em mulher”, afinal, sem a força da militância, a presidente, que afundou o País, jamais seria reeleita. Hoje, a única mulher candidata não recebe este apelo, talvez por não fazer parte do grupo de interesse, que aliás contém uma candidata que se diz empoderada e independente, mas se rendeu às ordens de um presidiário, macho opressor, aceitando abandonar sua própria candidatura para ser vice decorativa numa chapa confusa na qual sequer aparece em algumas propagandas oficiais da campanha. O candidato líder nas pesquisas, mesmo sem apelo algum de publicidade, vai na contramão do establishment e recebe adjetivos depreciativos até quando atacado violentamente num atentado à sua própria vida. O trinômio “machista-racista-homofóbico” foi tatuado a contragosto em suas costas, já que a população nada questiona e tudo aceita. Ironicamente, seu mais forte adversário é publicamente conhecido por ser autoritário, arrogante, violento e representar o que há de pior e mais retrógrado na política brasileira. Mas, apesar das diversas provas de seu real machismo, racismo, homofobia, coronelismo, e suas constantes declarações polêmicas, estúpidas e discrepantes, é blindado pela mídia e acariciado pela bolha asquerosa e egoísta de uma medíocre parte da classe artística e “intelectual” brasileira. Tudo é um jogo sujo e inescrupuloso de interesses que em nada compartilham com os da população. Não se deixe levar pela minoria que se finge maioria. Não acredite no que lê, no que ouve. Esteja atento, não tema a discordância e vote sabiamente. Para se viver em paz, vote calado, vote em segredo, pois esta é a única arma que você possui.

Não devemos temer uma ideologia radical no próximo governo (Foto: Reprodução/Flickr)

Opinião

Esta eleição se apresenta como uma das mais importantes de nossa historia. De um lado, trata-se da oportunidade de escolher a pessoa mais capaz de comandar o País, governantes dos Estados que o compõem e representantes na esfera parlamentar. De outro, trata-se de eleger os núcleos ideológicos que definirão políticas de Estado.   Portanto, no caso da eleição para a Presidência, o pleito leva em consideração uma visão de mundo, o modo como os protagonistas  enxergam as tarefas do Estado, o mercado e a economia (cunho mais estatal e/ou mais privado), programas sociais, infraestrutura, potenciais e riquezas naturais etc. Numa tentativa de sumarizar tais visões,  chega-se às três principais correntes políticas que governam os Estados modernos: o socialismo, a social-democracia e o capitalismo.   O primeiro tem seu eixo fincado na transformação social por meio da distribuição de riquezas e da propriedade, abarcando a luta de classes, a extinção da propriedade privada, a igualdade de todos. Na teoria marxista, o socialismo encarna a fase intermediária entre o fim do capitalismo e a implantação do comunismo. O capitalismo se ancora na propriedade privada e na acumulação do capital, tendo como motivação a busca pelo lucro. Portanto, constitui o contraponto do socialismo. Já a social-democracia abriga a intervenção do Estado na economia (distribuição de renda mais igualitária) e nos programas sociais, sob o escopo do bem-estar social e, no território político, dá guarida à democracia representativa. Emerge como sistema que combina aspectos do socialismo e do capitalismo. O fato é que a derrocada do socialismo clássico, a partir do desmantelamento da URSS e a queda do Muro de Berlim, em 1989, estendeu o território da social-democracia, sendo este o modelo de nações democráticas, principalmente no continente europeu.Seja qual for o vencedor dessa eleição, a real política brasileira imporá barreiras intransponíveis para a instalação de uma ideologia radical. Disso não devemos ter receio. *Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP e consultor político e de comunicação

Num possível segundo turno contra Haddad, Bolsonaro deve ganhar apoio de outros partidos (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

A cada pesquisa divulgada mais se revela um cenário polarizado entre o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Assim, quem pode ficar de fora já começa a pensar nas alternativas após 7 de outubro. Um deles é o bloco de partidos que apostou no ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Formados por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade, essa aliança garantiu ao tucano um gordo tempo na TV, mas que, pelos menos até agora, não se reverteu em intenção de votos. O deputado federal gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM) é um dos que nunca escondeu sua preferência pelo ex-capitão do Exército. Foi ele, por exemplo, quem idealizou a viagem de Bolsonaro à Asia, em fevereiro deste ano, e esteve lá, ao lado do colega de Câmara. Outro que já disse que não tem como apoiar Haddad em um ainda hipotético segundo turno foi o ex-ministro da Educação de Michel Temer e atual candidato ao Senado Mendonça Filho, de Pernambuco. Ele foi um dos primeiros do DEM a sugerir o caminho em direção a Alckmin, sendo, inclusive, apontado com alternativa a vice na chapa. Ontem, foi a vez de Major Olímpio, um dos coordenadores da campanha bolsonarista em São Paulo, declarar que “muitos quadros” do Centrão devem se debandar da campanha de Alckmin e declarar apoio ao candidato do PSL. “Já estão fazendo missa de corpo presente há alguns dias”, ironizou. Dentro do governo Temer, que oficialmente apoia Henrique Meirelles, também já tem gente olhando para depois do primeiro turno. Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo, segundo o blog Radar, da Veja, defende que, em havendo o confronto PSL-PT, que o MDB e o presidente declarem apoio a Bolsonaro. Duílio Malfatti, secretário de Publicidade e Promoção do Planalto foi mais específico em sua página no Facebook, ao se referir ao pesselista logo após o atentado: “Tomara [que] ganhe no 1º turno”. E assim, os organizadores da campanha de Bolsonaro vão reiterando a confiança. E o reforço natural de sua base de apoiadores revela que esta percepção extravasou o núcleo mais leal, podendo desta forma fazer o fiel da balança pender para o lado deles. Assim, aquilo que estava tão distante até alguns meses, já parece bem factível a essa altura da disputa.

Vice de presidenciável do PSL acredita que lar com presença paterna seria diferente (Foto: Reprodução/Facebook)

Politica

Vice na chapa de Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) disse na segunda-feira, 17, em São Paulo, que famílias pobres "onde não há pai e avô, mas, sim, mãe e avó" são "fábricas de desajustados" que fornecem mão de obra ao narcotráfico. "A partir do momento em que a família é dissociada, surgem os problemas sociais. Atacam eminentemente nas áreas carentes, onde não há pai e avô, mas, sim, mãe e avó, por isso é fábrica de elementos desajustados que tendem a ingressar nessas narcoquadrilhas", disse ele, durante palestra a empresários, fazendo um paralelo entre formação da família e ação de bandidos em áreas carentes. Mourão também criticou a política externa adotada nos governos petistas de aproximação com outras economistas emergentes. Ele se referiu a esses países como "mulambada". "E aí nos ligamos com toda a mulambada, me perdoem o termo, existente do outro lado do oceano, do lado de cá, que não resultou em nada, só em dívidas que foram contraídas e que nós estamos tomando calote disso aí." Na semana passada, Mourão já havia feito declarações consideradas polêmicas. Ele disse que o País precisaria de uma nova Constituição, mais enxuta e focada em "princípios e valores imutáveis", mas não necessariamente por meio de uma Assembleia Constituinte. Para ele, o processo ideal envolveria uma comissão de notáveis, que depois submeteria o texto a um plebiscito, para aprovação popular - o que, hoje, não se enquadra nas hipóteses previstas em lei. Nesta segunda, ele voltou a citar o tema da Constituição. Segundo o candidato a vice, a reforma da Carta representaria a "mãe de todas as reformas", uma vez que ela está desatualizada, apesar das emendas que sofreu. Bolsonaro Adotando um tom presidencial, o candidato a vice discursou por cerca de uma hora no evento promovido pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) com outras 21 entidades, que se reuniram num grupo chamado Reformar Para Mudar. Em sua fala, Mourão citou apenas uma vez Bolsonaro, que continua internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, se recuperando do atentado que sofreu em Juiz de Fora (MG). "Bolsonaro é um estadista, não pensa apenas nesta eleição, mas nas próximas gerações", afirmou ele. Mourão reclamou também da forma como as forças policiais são criticadas quando atuam, na sua definição, "como polícia". "Temos de lembrar que direitos humanos são para humanos direitos", disse o general. "Se a polícia age como polícia, é duramente criticada: é o genocídio, o martírio da população brasileira. É trabalho enfrentar isso daí", disse ele, que foi aplaudido pela plateia. O militar foi aplaudido outras duas vezes enquanto discursava, ambas ao defender o livre mercado e a iniciativa privada. Ele defendeu, por exemplo, a privatização das áreas de refino e distribuição da Petrobras.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Manter o voto em sigilo é garantia de paz (Foto: Antônio Cruz/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Não devemos temer uma ideologia radical no próximo governo (Foto: Reprodução/Flickr)

Opinião

Num possível segundo turno contra Haddad, Bolsonaro deve ganhar apoio de outros partidos (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR/Fotos Públicas)

Opinião

Legislação deve ser mudada, pois a violência cresce a cada dia no Brasil (Foto: Wilson Dias/ABR/Fotos Públicas)

Opinião