19
Sex, Out

Alice Wetterlund diz que filmagens da série foram "um pesadelo" (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

A atriz Alice Wetterlund usou o Twitter para criticar o canal HBO por ter deixado o comediante T.J. Miller fazer o que quisesse no set de filmagens da série Silicon Valley, da qual ela participou por quatro temporadas fazendo o papel da programadora Carla.

"T.J. Miller era um bully e um pirralho petulante. Todo mundo que tinha algum tipo de poder no set (a maioria homens), incluindo os homens do elenco, deixava ele fazer o que quisesse e era cúmplice em sua falta de profissionalismo", escreveu a atriz, respondendo a pergunta sobre a série de um seguidor. "Eles podem todos se ferrar", continuou.

"Não sei se outras mulheres no programa tiveram a mesma experiência que a minha, mas sou bem aberta quanto a isso. Foi um pesadelo", completou a atriz em outro tuíte.

A HBO respondeu às críticas de Alice por meio do site Deadline. "Esta é a primeira vez que ouvimos Alice Wetterlund falar sobre suas experiências em Silicon Valley e estamos decepcionados ao saber do seu caso. A HBO e os produtores sempre levaram muito a sério a responsabilidade de criar um ambiente acolhedor e agradável para todos que trabalham em suas produções", justificou o canal.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Cantor Chico César cancelou sua conta no Neflix por causa de série (Foto:Reprodução/Facebook)

Opinião

Nesta terça-feira, o cantor e compositor Chico César anunciou que cancelou sua conta na Netflix. O mesmo já tinha feito o ator José de Abreu e o crítico de cinema Pablo Villaça, do site da revista Carta Capital. A origem da questão está na série “O Mecanismo”, que estreou na última sexta-feira, 23, na Netflix e que tem direção de José Padilha.

A ex-presidente Dilma Rousseff não comunicou o cancelamento do serviço de streaming, mas tem reagido acidamente ao conteúdo da produção, ao diretor e à provedora global de filmes on-line. “O diretor inventa fatos. Ele próprio tornou-se um criador de notícias falsas”, acusa a petista.


A polêmica obra de Padilha traz personagens inspirados justamente em Dilma (apresentada como Janete) e Lula (João Higino), ambos cientes e coniventes com o esquema de corrupção apresentado na série. Mas, no centro da celeuma está a expressão “estancar a sangria”, colocada na boca de Higino/Lula. Esta é uma frase sintomática, dita, na realidade, por Romero Jucá, quando foi gravado por ocasião do impeachment de Dilma, falando de um pacto para deter o avanço da Operação Lava Jato: “Tem de mudar o governo pra poder estancar essa sangria”, ponderou, à época, o atual líder do Governo no Senado ao seu interlocutor, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.


Fato é que a frase é simbólica demais para ser tirada do seu contexto e dar a ela outra paternidade, como são “Tem que manter isso, viu?”, “Tem que ser um que a gente mate antes de fazer a delação” ou “Aqui, hoje, eu estou saudando a mandioca”. Mas atacar a série a partir desta ou daquela imprecisão é pouco e fomenta exatamente a curiosidade de se buscar saber o porquê de tanto burburinho em torno de uma produção do tipo.

Espernear e ameaçar o cancelamento do serviço da Netflix não funciona. Pelo menos não fez efeito no caso do caricato filme “Polícia Federal – A Lei é Para Todos”, que, apesar da campanha de parte da Esquerda, se tornou o longa nacional mais visto de 2017. Ao se insurgir publicamente contra a série de Padilha, Dilma ajuda justamente a dar publicidade ao trabalho e fazer dele ainda mais notícia do que normalmente já seria. Neste caso, melhor mesmo era silenciar e aceitar a carapuça que, aparentemente, embora incômoda, lhe caiu tão bem.

Fumagalli levanta a taça ao lado de Erik (à direita do capitão) (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

O Guarani é um dos times mais tradicionais do País. Campeão do Campeonato Brasileiro há 40 anos, em 1978, o clube ostenta com orgulho o título de única equipe do interior a conquistar a competição mais importante do Brasil.

Porém, mesmo com esta proeza, o Bugre não vive os melhores momentos de sua rica história. Apesar de ser finalista do Campeonato Paulista de 2012, quando foi derrotado pelo Santos de Neymar, o clube chegou a cair para a Terceira Divisão do Brasileiro.

Atualmente, está na Série B do Nacional e acabou de retornar à elite do Estadual, após chegar à decisão da Série A2 do Paulista contra o Oeste. Em uma final de jogo único, o time campineiro derrotou a equipe de Barueri por 4 a 0, no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, no último sábado, 7.

Mais do que o título e a volta para a Série A1 depois de cinco temporadas, o que marcou atletas e torcedores bugrinos foi o anúncio da aposentadoria do meia Fumagalli, de 40 anos, um dos grandes ídolos da história do Guarani.

"São 16 clubes [na carreira], mas o Guarani foi o mais marcante. Eu não nasci bugrino, mas me tornei com o tempo”, afirmou Fumagalli ao SporTV. Capitão no sábado, ele teve a incumbência de levantar o troféu da Série A2, em seu último ato como jogador de futebol.

Dezessete anos mais novo do que Fumagalli, o atacante Erik, 23, vivenciou toda esta emoção de perto. Com 5 gols da Série A2 do Paulista de 2018, ele foi um dos destaques bugrinos no torneio. Depois do título, o atleta disse o que representa a aposentadoria do capitão para o clube.

“É um pouco difícil falar sobre a aposentadoria do Fumagalli porque ele era dos líderes do nosso grupo. É dono de um bom coração e sempre queria ajudar. Enfim, vai fazer muita falta para todo grupo. Mas ele deixou uma linda história aqui dentro e sempre será lembrado por tudo o que já fez dentro do futebol”, destacou o jovem atacante.

Série B do Brasileiro

O Guarani quase caiu para a Série C no ano passado, uma temporada depois de subir da Terceira Divisão. Fez a mesma pontuação do Luverdense, mas permaneceu na B por ter conquistado uma vitória a mais do que o time mato-grossense. Para 2018, Erik aposta em um desempenho melhor, mesmo com a aposentadoria de Fumagalli.

“Sabemos da responsabilidade de vestir a camisa do Guarani. É uma camisa que pesa demais. O Bugre é um time grande. É respeitado onde chega. Vamos nos preparar forte para a Segunda Divisão. Temos tudo para fazer uma ótima campanha”, concluiu.

Torcedores do Sport também prestaram sua homenagem a Fumagalli.

Susan Anspach em ação no filme Cada Um Vive Como Quer, de 1970 (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

A morte da atriz norte-americana Susan Anspach, no último dia 2, foi anunciada apenas neste domingo, 8, por seu filho Caleb Goddard, que, ela insistia, é fruto de seu relacionamento com o ator Jack Nicholson, seu partner no filme Cada Um Vive Como Quer (Five Easy Pieces), uma das primeiras produções independentes de Hollywood, dirigida por Bob Rafelson em 1970.

Essa não foi a primeira briga de Susan com um ex-parceiro amoroso em busca do reconhecimento da paternidade de seus filhos. Sua filha Catherine Goddard é outro caso. Seu pai seria outro ator, Steve Curry, que atuou com Susan Anspach na montagem original do musical Hair, em 1967, primeiro grande papel da atriz. Egressa do Actors Studio, em Nova York, ela fez carreira em espetáculos off-Broadway ao lado de atores de primeira grandeza como Dustin Hoffman, Jon Voight e Robert Duvall (como na peça Panorama Visto da Ponte).

Susan Anspach não era exatamente uma diva. Bonita e boa atriz, confrontava diretores poderosos como Robert Altman, que a escalou para um dos papéis principais de Nashville (1975), sátira cruel sobre a mediocridade do universo da música country norte-americana. A atriz abandonou o filme por discordar do tratamento dispensado por Altman ao gênero. A versão oficial dos produtores dizia que seu salário era maior que a média do elenco e comprometia o orçamento da produção. Susan foi substituída pela cantora Ronee Blakley.

A carreira de Susan Anspach em Hollywood foi marcada por filmes independentes como Cada Um Vive Como Quer. Seu filme de estreia, Amor Sem Barreiras (The Landlord, 1970), dirigido por Hal Ashby, trata de relações interraciais e conflitos entre um proprietário branco e seus locatários negros. Dois anos depois ela atuou ao lado de Woody Allen num filme dirigido por Herbert Ross, Play it Again, Sam (1972).

Reconhecida pelos críticos como um talento promissor, inclusive por Vincent Canby, do New York Times, Susan Anspach foi convidada pelo diretor sérvio Dušan Makavejev para interpretar uma mulher burguesa americana, casada com um rico sueco, mas insatisfeita no casamento, que busca a companhia de homens rudes como o iugoslavo Montenegro, funcionário de um zoológico, que dá título ao filme, Montenegro (1981). No filme, Susan envenena toda a família ao som Marianne Faithful cantando A Balada de Lucy Jordan.

Makavejev, de forma irônica, conclui o filme com um aviso: a história seria inspirada em fatos reais. Excluindo o veneno, ela se passou, de fato, com a mãe de Susan, filha de um banqueiro deserdada pelo pai quando decidiu se casar com um operário. Susan Anspach participou de 19 filmes, mas é sempre lembrada pelo papel de Catherine de Cada um Vive Como Quer, jovem pianista que se envolve com o rebelde Jack Nicholson, que trocou o piano pela vida errante.

Atriz estava há três anos longe da TV (Foto: Reprodução/Facebook)

Fora dos Trilhos

Hoje eu inicio a minha coluna comentando o processo movido contra o humorista Dedé Santana, na cidade de João Pessoa (PB), desde janeiro deste ano.  O autor é Edvan Araújo, que já foi funcionário da Record e até tentou levar Dedé Santana para a emissora, fato esse que acabou não dando certo por uma série de razões.

O empresário cobra na Justiça R$ 285 mil por perdas e danos morais, pois, segundo ele, anunciou  os shows do humorista, que não apareceu, inclusive nas reuniões que eram marcadas. Dedé não deu as caras. Por outro lado, a coluna teve informações que Vitor Lustosa, responsável pela carreira do humorista, confirmou a ausência dele. 

Lustosa disse que cancelou, em cima da hora, as apresentações do humorista, até porque nem a passagem de volta o empresário teria mandado. Além disso, depois de checar várias informações, ele teve conhecimento de que não havia nenhuma divulgação dos shows e que não haveria público para o humorista.

A bem da verdade, existem muitos aventureiros pelo Brasil que se dizem  empresários de determinados artistas, mas, na real, compra datas, às vezes até de terceiros,  para tentar vendê-las em alguma cidade. Como o artista tem compromisso com o aventureiro, cobra a sustentabilidade do show e, muitas vezes, o aventureiro não tem esse dinheiro para bancar.

Com a primeira entrevista do juiz Sérgio Moro, a TV Cultura fez o Roda Viva bater recorde de audiência, na última segunda-feira, com uma média de 3,8 pontos percentuais, em São Paulo. Em 18 anos no ar, foi a melhor audiência do programa, até pela importância do entrevistado. A emissora deve reprisar o programa no final de semana.

Longe da TV há três anos, a atriz Helena Rinaldi recusou novelas na  Record e agora volta à Globo. Nos últimos anos, a atriz se dedicou só ao teatro, deixando a televisão de lado. Ela retorna protagonizando o seriado Carcereiros, com estreia na Globo em junho deste ano, a partir das 23h, de segunda a sexta-feira.

Silvio Santos continua ganhando da Globo aos domingos com o seu programa. Com muito carisma e bom humor, o Homem do Baú vem mantendo a liderança no horário com suas brincadeiras e os convidados. No último domingo, Silvio disse: “já transei no banheiro do avião”, para a surpresa de todos. Silvio chega na próxima semana dos Estados Unidos, onde curte as férias.

Outro programa que já começa a pontuar bem na Rede TV é o do João Kleber. Trata-se de uma apresentação diferente, com pegadinhas bem humoradas e um elenco diversificado, que vem alavancando a audiência aos domingos, à noite. Na Rede TV, comenta-se que o apresentador ganhará outro programa na emissora.

Frase final:  “Toda força é fraca se não é unida”, Jean de La Fontaine.

Do criador de "Ônibus 174", "Tropa de Elite 1 e 2" , "Paraísos Artificiais" e "Narcos", "O Mecanismo" retrata a Operação Lava Jato de forma dramatizada (Foto:Divulgação/Facebook)

Fora dos Trilhos

Lançada há menos de uma semana, a série “O Mecanismo”, produção original da Netflix, já causou polêmica e furor nas redes sociais. Baseada em fatos reais, a obra retrata as investigações da Operação Lava Jato, com personagens semelhantes aos que estão envolvidos com o maior escândalo de corrupção do Brasil.

O diretor José Padilha, ao lado de Elena Soárez, criou o drama em que Marco Ruffo (Selton Mello), delegado aposentado da Polícia Federal, está obcecado pela investigação da Lava Jato. Ele é inspirado em Gerson Machado, assim como sua assistente, a delegada Verena Cardoni, baseada em Erika Marena.

Na internet, os espectadores reclamaram que os personagens têm nomes diferentes dos reais e que algumas falas estão atribuídas a pessoas diferentes da investigação real. A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) criticou a série, em carta aberta, dizendo que Padilha propaga fake news. “O cineasta incorre na distorção da realidade e na propagação de mentiras de toda sorte”, disse.

Em resposta, o criador de Narcos e Tropa de Elite disse à Folha de São Paulo que a série é uma obra-comentário e que, na abertura de cada capítulo, está escrito que os fatos estão dramatizados. “Se a Dilma soubesse ler, não estaríamos com esse problema”, afirmou o diretor.

Conheça os personagens

João Higino – Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República

Janete Ruscov – Dilma Rousseff, ex-presidente da República

Paulo Rigo – Sérgio Moro, juiz federal

Roberto Ibrahim – Alberto Youssef, doleiro e empresário

João Pedro Rangel – Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobras

Samuel Thames – Michel Temer, presidente da República

Tony – João Santana, marqueteiro político

Ricardo Brecht – Marcelo Odebrecht, empresário

Lorival Bueno – Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS

Marco Ruffo – Gerson Machado, delegado aposentado da Polícia Federal

Verena Cardoni – Erika Marena, delegada da Polícia Federal

Wilma Kitano – Nelma Kodama, empresária

Mário Garcez Brito – Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça (falecido em 2014)

Maria Tereza – Maria Lúcia Tavaes, ex-secretária do grupo Odebrecht

Agente China – Newton Ishii, agente da Polícia Federal

Dimas Donatelli – Deltan Dallagnol, procurador da República

Empresas são baseadas na realidade

Petrobrasil – Petrobras

OSA – OAS

Miller&Brecht – Odebrecht

TR Distribuidora – BR Distribuidora

Banco Brasileiro – Banco do Brasil

Banco do Estado – Banco Banestado

Protagonista nos anos 90, Will Smith nunca escondeu desejo de voltar com a série

Fora dos Trilhos

Será que a série "Um Maluco no Pedaço" (cujo nome original é "Fresh Prince of Bel-Air") pode voltar com uma garota como protagonista? A possibilidade foi levantada quando o site norte-americano TMZ descobriu que a F.P. Trademark Holdings, companhia que detém os direitos da icônica série dos anos 1990, registrou a marca "Fresh Princess" no Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos para ser utilizada em produções televisivas e mercadorias como brinquedos, mochilas e roupas.

Isso aumentou as especulações sobre uma nova versão da série que fez muito sucesso aqui no Brasil ao ser transmitida pelo SBT. O ator Will Smith, que fez o protagonista na série original, nunca escondeu o desejo de retomar o projeto e os fãs sempre perguntam sobre o assunto quando ele posta alguma foto com o elenco da série.

O TMZ também descobriu que na renovação da marca "Fresh Prince of Bel-Air" a categoria de brinquedos foi incluída na proteção, o que aumentou rumores sobre a possibilidade de um desenho da série ser criado também.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Verdade já não basta para formar a opinião pública, nem é antídoto à desinformação (Foto: Allan White/ Fotos Públicas)

Opinião

Desde 2013, o Ibope realiza a Pesquisa Brasileira de Mídia, a pedido do governo federal. O objetivo é saber por quais meios os brasileiros se informam. Desde o início, o estudo – que é feito nacionalmente e com uma amostra de cerca de 15 mil pessoas, distribuídas por todas as Unidades da Federação – revela a prevalência da TV sobre os demais meios. Mas, desde 2016 (último ano da análise, publicada em 2017) há evidências do avanço da Internet, que se consolidou como o segundo meio de comunicação mais usado (49% da amostragem), ameaçando inclusive a soberania televisiva (89%). A soma é superior a 100% porque se pode indicar mais de uma opção. E as eleições deste ano reforçam o poder da internet e dos meios digitais. Para o bem ou para o mal, estas formas se cristalizaram como o caminho preferido de muitos brasileiros para o consumo de notícias. E não são poucos aqueles que fazem isso de modo exclusivo, bebendo apenas na fonte de sites, blogues, aplicativos e redes sociais. E, ainda que estes não sejam maioria, dedicam mais tempo nestes acessos. Enquanto o tempo médio em frente à TV é de três horas e 21 minutos, entre aqueles que utilizam a web (segundo a mesma pesquisa Ibope) é de quatro horas e 40 minutos, superando seis horas entre o público de 16 a 24 anos. Mais importante que a quantidade de informação disponível na web e redes sociais são a relevância e qualidade do conteúdo oferecido. Evidentemente, no universo digital há muitas empresas e grupos sérios, que primam pela credibilidade do que oferta. No entanto, há um sem número de virulentos guetos, que servem de fábrica para as fake news. Assim, nunca é demais ressaltar que estar na internet, Facebook ou WhatsApp não representa selo de veracidade. Ainda são os meios tradicionais que têm o compromisso com a verdade, por não sair noticiando o que não foi confirmado. Falta isso nos rincões digitais. E até que se separe o joio do trigo, esta revolução representará não um avanço, mas um retrocesso. Nesta nova era, a verdade já não basta para a formação da opinião pública, nem é antídoto à manipulação. Agora se consome aquilo em que se quer acreditar, acriticamente e ainda que falso, desprezando o que vai contra as próprias convicções. A isso se convencionou chamar de “pós-verdade”.

Mais uma pesquisa dá empate técnico entre os dois oponentes (Fotos: Klaus Silva /TJSP/ Fotos Públicas e Reprodução/Twitter)

Cidade

Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) estão tecnicamente empatados na disputa para o segundo turno, aponta a mais recente pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada nesta quarta-feira, 17. Doria tem 52% dos votos válidos - quando são excluídos os brancos, nulos e indecisos - e Márcio França, 48%. A margem de erro é de três pontos porcentuais. É a primeira pesquisa Ibope para o governo de São Paulo neste segundo turno das eleições 2018. Se considerados os votos totais, Doria tem 46% das menções e França, 42%. Eleitores que declaram a intenção de votar em branco ou nulo são 10%; 2% não sabem ou preferiram não responder. A pesquisa foi realizada entre os dias 15 e 17 de outubro. Na intenção de voto espontânea, na qual os eleitores manifestam sua preferência antes de ler a lista de candidatos, Doria aparece com 28% das intenções de voto, também empatado tecnicamente com França, que tem 26%. Neste caso, os indecisos são um quarto dos entrevistados. Outros 15% manifestam a intenção de votar branco ou nulo, e 6% disseram nomes diferentes, que não estão na disputa. A rejeição de Doria é a maior - 32% apontaram que não votariam nele de jeito nenhum. A de França, que vinha se mantendo baixa no primeiro turno - subiu e agora está em 20%. No dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno, era de 9%. Também chama a atenção a quantidade de eleitores que não os conhecem - 18% disseram não conhecer Doria o suficiente para opinar. No caso de França, o número é de 28%. A pesquisa ouviu 1.512 votantes e a margem de erro estimada é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95% - esta é a chance de os resultados retratarem o atual momento eleitoral. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo sob o protocolo Nº SP-07777/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo Nº BR-BR-07265/2018.

Vice de Haddad, Manuela d'Ávila é uma critica do machismo (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Confesso que essa batalha do #elenão e #elesim algumas vezes me deixa confuso. Afinal, quem é o seu “ele não”? Ou o “ele sim”? Parece que as pessoas têm medo de falar esse nome que supostamente não pode ser dito. Vejo um enorme questionamento sobre machismo. Geralmente, quem fala isso é uma mulher. Vi, inclusive, a vice do Haddad criticando o machismo e em uma certa frase ela usou a palavra feminismo três vezes. Eu fico confuso: o machismo é proibido, errado, questionado, uma coisa que deve ser totalmente excluída da sociedade, mas o feminismo radical pode? Sempre fui a favor dos direitos iguais. Há dez anos, quando ganhei a guarda definitiva do meu filho, defendia essa postura sem hipocrisia. Eu acho que não existe nenhuma diferença entre homem e mulher. Se fosse há 2 mil anos, quando tudo era à base da força física, faria sim diferença em uma caça, batalha, onde era necessário usar espada, ou armadura pesada para defender uma civilização. Mas hoje, você precisa de uma espada para decidir alguma coisa? Não, uma caneta decide. As mulheres são atuantes nas universidades e ocupam altos cargos. Sei que ainda existe diferenciação, fruto de uma cultura absurda, subdesenvolvida. Afinal, a mulher é tão capaz quanto o homem, e o contrário também, e ambos podem sozinhos gerir uma família, assim como aconteceu comigo. Eu administro as tarefas de ser pai, empresário, profissional e empreendedor. Fiquei com nosso filho porque chegamos a um acordo, o que não significa que eu, naquela situação, era melhor ou pior do que a mãe dele. Quem questiona o machismo, assim como quem questiona o feminismo ou a homossexualidade é tão preconceituoso ou mais do que aquele que está só externando a sua possibilidade ou vontade política. Essa campanha #elesim e #elenão, vou fazer isso ou vou fazer aquilo, é desgastante. Meu filho tem 12 anos e eu o criei sem a ajuda de ninguém, absolutamente sozinho, nem minha família tão pouco a da mãe dele. Sempre eu e ele a vida inteirinha. Basta a gente querer, e deixar o preconceito de lado. Daniel Toledo é Advogado especializado em direito internacional, consultor de negócios e sócio fundador da Loyalty Miami

Em uma disputa acirrada, França e Doria tentam colar suas imagens a Bolsonaro (Fotos: Klaus Silva /TJSP, Fernando Frazão/ABR e Marcos Corrêa/PR

Opinião

Bolsonaro nada de braçada no Estado de São Paulo onde, segundo a última sondagem do instituto Paraná Pesquisas tem quase 70% das intenções de voto do eleitorado local. Daí não ser surpresa o fato de tanto João Doria (PSDB) quanto Márcio França (PSB) desejarem e precisarem dos votos dos correligionários do capitão reformado para vencer a disputa ao Palácio dos Bandeirantes. França até que saiu na frente nesta disputa particular, ao obter de primeiro momento o apoio do futuro senador Major Olímpio (PSL), simplesmente o mais bem votado para o cargo em todo o País. Também obteve a preferência do Major Costa e Silva (DC), aliado de Bolsonaro e quinto colocado na disputa estadual. Mas Doria reagiu rápido. Primeiro atraiu o PRTB, partido do general Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro, e, em seguida, buscou uma aproximação direta com o próprio presidenciável, ao tentar um encontro com ele no Rio de Janeiro. Embora não tenha sido recebido, o ex-prefeito paulistano saiu de lá com um excelente recorte de uma declaração mais ampla do pesselista, que logo passou a ser usada na campanha do tucano. “Eu sei que ele (Doria) é uma oposição ao PT. Somos oposição ao PT. E eu sei que o outro lado, o França, tem o apoio velado do PT. Então, no momento eu desejo boa sorte ao Doria”, disse Bolsonaro, depois de destacar sua neutralidade na disputa paulista. França até que tentou descolar a eleição no Estado da polarização nacional, mas sem sucesso. Mas, por fim pode ser sugado pelo sentimento anti-PT que varre o País. Enquanto busca se afastar do seu vínculo histórico, seu adversário faz questão de explorá-lo. Com isso, as propostas vão ficando em segundo plano, mascaradas por ataques e tentativas de defesa de ambos os lados. Desta forma, segundo o Paraná Pesquisas, os dois estão em situação de empate técnico (52,3% de Doria contra 47,7% de França), inclusive com rejeição similar (39,8% contra 37%). Diante de linha tão tênue entre a vitória e a derrota, pode ganhar mais votos aquele que mais endurecer o discurso, ainda que, contraditoriamente, em um momento em que o presidenciável do PSL busca mais equilíbrio em suas falas. Ainda assim, quem conseguir convencer essa parte do eleitorado paulista que pode jogar no mesmo time do ex-militar do Exército certamente não ficará de urnas vazias.
or
or

Articulistas

Colunistas

Decisão do STF preserva direito de trabalho à grávida, mesmo se ela desconhecer a gestação (Foto: André Borges/Agência Brasília/Fotos Públicas)

Opinião

Verdade já não basta para formar a opinião pública, nem é antídoto à desinformação (Foto: Allan White/ Fotos Públicas)

Opinião

Vice de Haddad, Manuela d'Ávila é uma critica do machismo (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Em uma disputa acirrada, França e Doria tentam colar suas imagens a Bolsonaro (Fotos: Klaus Silva /TJSP, Fernando Frazão/ABR e Marcos Corrêa/PR

Opinião