Galvão entra na brincadeira e "narra" operação de Neymar (Foto: Reprodução/Facebook)

Esporte

O jornalista Fabio Chiorino escreveu um texto que viralizou nas redes sociais no último final de semana. Diante da grande repercussão entorno da lesão e da cirurgia de Neymar, Chiorino resolveu mostrar como Galvão narraria o procedimento no quinto metatarso (osso que se conecta ao dedo mindinho) do pé direito do camisa 10 da Seleção e do PSG.

O texto, incialmente publicado no blog 2 pontos do Jornal Lance! e reproduzido na versão impressa, fez tanto sucesso que chegou até o narrador nº 1 da Globo. Durante o programa “Bem, amigos” desta segunda, 5, Galvão elogiou o post do jornalista. Inclusive, inspirado pela ideia de Chiorino, o global resolveu fazer a sua própria versão.

“Teve um texto no Jornal Lance! que achei ótimo. Foi uma brincadeira tão bacana que resolvemos embarcar. ‘Bem, amigos da Rede Globo. Falamos ao vivo de Belo Horizonte. Você já vê imagens belíssimas do Hospital Mater Dei, no simpático bairro de Santo Agostinho, templo sagrado da cirurgia ortopédica mundial’”, disse Galvão em sua atração semanal no SporTV.

“Um amigo me avisou que ele estava falando sobre o meu texto. Coloquei no programa e passei a acompanhar. O Galvão levou muito na esportiva. Ele ter gostado foi uma vitória”, disse o jornalista em entrevista ao Metrô News.

Chiorino disse que começou a dar forma ao texto no ônibus, voltando para a casa do trabalho. Além de dividir o blog 2 pontos com Rodrigo Borges, ele é editor na ESPN. “As pessoas brincavam muito que a Globo iria transmitir a operação do Neymar e eu comecei a pensar como seria a narração do Galvão. Então peguei o celular no ônibus e iniciei o texto ali mesmo. Quando cheguei em casa, passei para o computador e subi no blog”, contou o jornalista. Até às 15h desta terça, 6, em três dias no ar, o post teve 1,4 mil reações, 117 comentários e 153 compartilhamentos no Facebook.

Curling

Não foi a primeira vez que Chiorino fez sucesso misturando esporte e humor. Em 2010, durante os Jogos Olímpicos de Inverno realizados no Canadá, um esporte chamou a atenção dos brasileiros: o curling.

Chiorino, incentivado por sua mulher, a também jornalista Amanda Monaco, resolveu pegar uma chaleira, um rodo e um cubo de gelo para tirar uma foto como se estivesse praticando o esporte. “A imagem viralizou. Nunca sabemos o alcance das coisas, né? Uma amiga falou que viu minha foto em uma revista de humor em Portugal”, relembrou.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Técnico também diz ser injusto uma transexual jogar vôlei entre mulheres

Copa 2018

Tite está a quatro meses do início de seu maior desafio. A seleção brasileira estreia na Copa do Mundo em 17 de junho, contra a Suíça, e o treinador passa os dias debruçado nos últimos detalhes para que tudo dê certo na Rússia. Dar certo significa ser campeão. É pressão forte, que traz momentos de insegurança e ansiedade. Ainda assim, ele garante que consegue manter-se sereno. "Um bom dia de trabalho me traz serenidade", disse, em entrevista ao Estado.

A conversa ocorreu em um dos locais preferidos de Tite: sua sala na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Nela, passa boa parte dos dias entre relatórios, planilhas, uma lousa com um campo de futebol que contém distribuição tática e frases de autoajuda e algumas imagens de santos.

À vontade, o treinador de 57 anos falou de futebol e de assuntos polêmicos como árbitro de vídeo. E de política. Defendeu de forma enfática o combate à corrupção e deu um recado claro: não vai se deixar ser usado. "Não vou a Brasília nem antes nem depois da Copa. Nem ganhando, nem perdendo".

Teme insucesso na Copa?

Claro! Isso é real. Isso me engessa e me amedronta? Não, mas eu convivo com isso porque não ir bem é uma das possibilidades que tenho na seleção porque vou enfrentar outras de nível. Quando a gente procura querer controlar resultado, isso pode te engessar, gerar pânico. Agora, uma pitada de medo faz com que te prepare melhor, te desafie mais. Eu me desafio. Eu quero ser o melhor Tite possível.

É tradição que a seleção, quando campeã, vá a Brasília falar com o presidente. Você vai a Brasília se for campeão?

Eu, Adenor, não vou na ida nem na volta. Nem ganhando, nem perdendo.

Teme ser usado politicamente? Estamos em ano de eleição...

Não, não. Já aconteceu até comigo, de não ser autorizado, ser filmado e daqui a pouco estar aparecendo a minha imagem num processo seletivo de apoio. Tenho esses cuidados. Até porque é muito mais importante politicamente nós termos um bom comando porque isso vai gerar uma educação melhor pro País, saúde melhor, segurança maior. Entre a política limpa e o esporte, a prioridade é a política, para a gente ter um Brasil melhor. Se tiver, vai ter um esporte, um futebol melhor.

Você vai declarar apoio a algum candidato?

Não publicamente, mas internamente, as pessoas próximas a mim, vão saber as pessoas que eu gosto. Mas essa eu já externo: eu não sei às vezes escolher qual que é o melhor, mas eu posso ver quem tem ficha suja. E esses de ficha suja, pra mim, estão todos fora.

Você apoiaria, ou votaria, em alguém ligado ao esporte? Por exemplo, o Bernardinho pode se candidatar...

Se for ficha limpa, sim. Esse é o pré-requisito básico.

Em que ocasiões você olha para essas frases que escreve na lousa que está em sua sala (Saber, ver, entender para julgar e orientar e quem não consegue mudar de opinião não muda nada, entre outras)?

Quando me sinto inseguro, quando meu fantasminha bate mais forte, minha expectativa se torna maior. Eu dou uma refletida, recorro a elas (frase) e começo a refletir.

E quando isso não é suficiente, a quem você recorre?

À minha família. A minha esposa talvez saiba muito mais (sobre ele). À minha espiritualidade, de ficar um tempo quieto, fazendo reflexão, meditação.

Você está morando no Rio de Janeiro. Como está a adaptação?

Boa, mas é difícil acostumar com o calor. E tem a violência. Preocupa, chateia.

Existe uma polêmica no vôlei em relação à transexualidade. O que você acha da inclusão do transexual no esporte?

Não é uma questão de preconceito, é uma questão biológica. Foi uma menina do vôlei que respondeu e eu tenho exatamente a mesma opinião. Tu desenvolves níveis de força, testosterona e o escambau, tem uma força maior que o garoto tem em relação à mulher, à velocidade. Aí, daqui a pouco tu modificas e levas uma vantagem biológica em relação ao processo de maturidade. O quanto isso é justo? Não me parece justo. E não é uma questão de preconceito, é uma questão biológica.

Após contrato não ser renovado, Neymar passou a tratar a Globo sem regalias, como na apresentação no PSG (Foto: Globo/Divulgação)

Futebol

Neymar e Rede Globo firmaram contrato de exclusividade durante a Copa de 2014, realizada no Brasil. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. 

A reportagem do jornal teve acesso a e-mails que revelam o acordo entre o atacante  e a emissora.  Por conta deste contrato, encerrado em 2015, o atleta fez participações em programas como Caldeirão do Huck, Domingão do Faustão e Fantástico.

O craque também mostrou sua boa relação com a Globo em outras ocasiões. Ele chegou a participar das novelas "Amor à Vida" (2013) e "A Regra do Jogo" (2015). No entanto, tais participações não têm a ver com o acordo citado.  

 

Neymar dava exclusividade a Globo durante Copa do Mundo Foto Reprodução

Neymar falava  com a Rede Globo antes de falar com conrrentes, durante a Copa 2014

Relação esfriou

“O contrato citado não existe mais. Firmado em 2014, referia-se a participações especiais de Neymar em programas e em campanhas da emissora, bem como ao uso de conteúdos audiovisuais produzidos pelo jogador”, declarou a emissora à Folha. Procurado, o jogador não se pronunciou sobre o assunto.

Ainda de acordo com o jornal, em 2016,  depois de o contrato não ser renovado, a relação entre Neymar e Globo ficou estremecida. Durante a Olimpída do Rio, por exemplo, o principal narrador da emissora, Galvão Bueno, fez duras críticas ao atacante. O jogador, por sua vez, passou a não atender os repórteres do canal ao sair de campo após as partidas. 

 Depois dos Jogos Olímpicos, Neymar deu sua primeira entrevista exclusiva ao apresentador Fábio Porchat, da TV Record. Ao ser apresentado no PSG como o jogador de futebol mais caro da história, o craque atendeu a Globo da mesma maneira que atendeu outras emissoras, deixando claro que não trata mais o canal de maneira diferenciada como fora em 2014. 

Na semana passada, Casagrande chamou Neymar de mimado após a derrota do PSG por 3 a 1 para o Real Madrid, nas oitavas de final da Champions. O pai do atleta saiu em defesa do filho e fez uma crítica indireta ao comentarista da Globo nas redes sociais. 

Para Unai Emery, histórico mostra que vaga para as quartas da Champions ainda não está definida (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

Sob pressão no comando do Paris Saint-Germain e criticado principalmente por ter substituído o goleador Cavani pelo lateral-direito Meunier antes de o Real Madrid fazer dois gols e vencer o time francês por 3 a 1, na última quarta-feira, na Espanha, o técnico Unai Emery exibiu confiança ao já projetar o duelo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões, no próximo dia 6 de março, na capital francesa.

Em entrevista coletiva concedida na véspera da partida que a sua equipe fará contra o Estrasburgo, neste sábado, em casa, pelo Campeonato Francês, o treinador exaltou a força que o PSG vem mostrando principalmente em seus duelos como mandante para apostar que o time de Neymar irá assegurar classificação às quartas de final da competição continental.

"A equipe teve uma boa partida na quarta-feira, mas, no futebol, às vezes é assim. Você pode ser melhor do que seu oponente durante a maior parte do jogo, mas não é bem-sucedido em concretizar as suas chances. Eles conseguiram marcar em suas melhores oportunidades. Estou convencido de que podemos obter a qualificação. Estou feliz com o trabalho dos meus jogadores, mesmo que não tenhamos conseguido o resultado desejado. O time será mais eficaz na partida de volta", afirmou o comandante.

Emery ainda lembrou do histórico recente de vitórias expressivas sobre grandes adversários em jogos do PSG como mandante na Liga dos Campeões para justificar a sua confiança de que a equipe eliminará o Real Madrid.

"Vencemos este ano todos os jogos em casa. E também vencemos o Bayern de Munique (por 3 a 0, em setembro de 2017) e o Barcelona (4 a 0, em fevereiro do ano passado). Penso nisso e estou convencido de que o time vai mostrar seu valor e vamos passar à próxima fase", completou o treinador, que também recordou o fato de que o clube parisiense já goleou o Real Madrid por 4 a 1, em 1993, em uma partida válida pela extinta Copa da Uefa, que na época tinha o mesmo status que hoje possui a Liga Europa.

O treinador também reforçou a sua confiança em Neymar, que exibiu uma atuação apagada no campo ofensivo em Madri e foi criticado por ter feito uma falta desnecessária que lhe rendeu cartão amarelo, sendo que correu o risco de ser expulso por outras posturas consideradas polêmicas ou imprudentes ao longo do jogo. "Neymar fez uma grande partida. Ele mostrou muitas coisas positivas. Se melhorar em alguns pequenos detalhes, mostrará o grande jogador que ele é", acredita Emery.

Com a cabeça inevitavelmente no duelo de volta contra o Real Madrid, o PSG ocupa a liderança disparada do Campeonato Francês, com 65 pontos, 12 à frente do vice-líder Monaco, que abre a 26ª rodada nesta sexta-feira em jogo contra o Dijon, às 17h45 (de Brasília), em casa.

Brasileiro está longe dos gramados desde dezembro

Futebol

O técnico Pep Guardiola deu uma ótima notícia para a torcida do Manchester City e para a seleção brasileira. O espanhol anunciou a volta do atacante Gabriel Jesus aos treinos da equipe nesta sexta-feira, um mês e meio após a lesão sofrida no joelho esquerdo.

"Gabriel Jesus estará treinando conosco hoje. Esta é uma boa notícia", declarou o treinador em entrevista coletiva nesta sexta, momentos antes da atividade no CT do City.

O próprio treinador, no entanto, rechaçou fazer uma previsão para o retorno do atacante brasileiro aos gramados. "Eu não sei quando ele estará pronto para jogar. O primeiro passo era fazer uma ou duas semanas de treinos sozinho. Agora, será seu primeiro treinamento com a equipe."

Gabriel Jesus lesionou o ligamento colateral do joelho esquerdo durante o empate do City com o Crystal Palace por 0 a 0, em 31 de dezembro do ano passado. A princípio, chegou-se a temer que a contusão fosse grave e colocasse em risco até sua ida à Copa do Mundo, mas após a realização de exames, foi diagnosticado um problema mais leve, que sequer exigiu intervenção cirúrgica.

A tendência é que Jesus volte aos campos nas próximas semanas, mas ele ainda não terá condições de reforçar sua equipe na próxima segunda-feira, quando o City encara o Wigan, fora de casa, pela Copa da Inglaterra.

CR7 marcou dois sobre o time de Neymar - PAUL WHITE / ASSOCIATED PRESS / AE

Futebol

Após grande expectativa pelo, até então, o confronto do ano, o Real Madrid fez a lição de casa e venceu o PSG  por 3 a 1, no Santiago Bernabéu, em jogo válido pela ida das oitavas de final da Champions League. O grande destaque da partida foi Cristiano Ronaldo, autor de dois gols. O brasileiro Marcelo também balançou as redes pel time espanhol. Rabiot descontou para os visitantes. 

O jogo começou quente. Zidane não quis esperar e, logo de início, impôs marcação alta sobre a zaga do PSG. que quase resultou em gol. Mas foi a equipe francesa que inaugurou o placar. Aos 32 minutos, Mbappé cruzou e a bola sobrou para Rabiot marcar, esfriando a barriga dos mais de 80 mil madrilhenhos presentes no Santiago Bernabéu.

                                                                                                                                                                                                                               

Marcelo Real Madrid x Paris Saint Germain 140218 FRANCISCO SECO ASSOCIATED PRESS AE

 FRANCISCO SECO / ASSOCIATED PRESS / AE

O banho de água fria veio 12 minutos depois, quando Lo Celso puxou  Kroos dentro da área e o árbitro Gianluca Rocchi assinou penalidade máxima. Atual melhor do mundo, Cristiano Ronaldo não desperdiçou, alcançando seu 100º gol pelo Real Madrid em Liga dos Campeões da UEFA. O gol 101 do craque veio aos 38 do segundo temp. Após cruzamento de Lucas Vásquez, o goleiro Areola rebateu no joelho do atacante português. Marcelo ainda marcou o terceiro, aos 41.

Neymar parou em Nacho

O camisa 10 do Paris Saint-Germain e da seleção brasileira é o principal trunfo do técnico Unai Emery. Porém, o atacante parou na marcação de Nacho, zagueiro improvisado por Zidane na lateral direita. Neymar sofreu para "fugir" do espanhol. O brasileiro chegu a ficar irritado, fez falta dura e foi punido com cartão amarelo.  Também criou chances, mas pecou ao não finalizar na melhor hora.

Ainda tem volta

O Real Madrid visita o Paris Saint-German dia 6 de março, às 16h45 (horário de Brasília), no Stade Parc des Princes, em Paris, podendo perder por um gol de diferença ou até dois, desde que marque pelo menos dois. Caso a partida termine 3 a 1 para o PSG, o classificado será definido na prorrogação. Se nenhum time fizer gols, a vaga será decidida nos pênaltis. 

Atriz global ostenta com vestimenta brilhante (Foto: Reprodução/Instagram)

Fora dos Trilhos

Encerrando as comemorações de carnaval, Bruna Marquezine compareceu ao Desfile das Campeãs, na Sapucaí, no Rio de Janeiro, no último sábado, 17. A atriz curtiu a noite no "Nosso Camarote", a convite da Rosa Chá. Ela apostou em um body transparente da marca para a festa, customizado exclusivamente.

Bruna também optou por uma calça legging de paetês, da grife Gucci, para compor a sua produção. 

A peça custa cerca de R$ 7 mil no Brasil. 

Para finalizar, argolas grandes e o penteado de cabelo meio preso deram um toque divertido no visual. 

Bruna Marquezine calça Insta

Marquezine aparece sorridente no sambódromo carioca (Foto: Reprodução/Instagram)

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Alckmin é o candidato que mais tem batido na polarização (Foto: José Cruz/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

A polarização da disputa presidencial entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) nas eleições 2018, indicada pelas recentes pesquisas de intenção de voto Ibope e Datafolha, tem feito adversários subirem o tom contra os candidatos que lideram a corrida em seus programas de TV e rádio. Nos programas que foram ao ar nesta quinta-feira, 20, os presidenciáveis Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) fizeram ataques diretos a Bolsonaro e Haddad. "De um lado, a turma de vermelho, que quer o fim da Lava Jato para encobrir o maior caso de corrupção da história; do outro, a turma do preconceito, da intolerância e do ódio a tudo e todos", diz o tucano no programa. Alckmin ainda disse que o Brasil já elegeu "um poste vermelho", em referência a Dilma Rousseff (PT), sucessora indicada por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que não pode entrar "de novo em uma aventura, de um candidato que se diz o novo", em referência a Fernando Collor (hoje no PTC, que foi presidente pelo PRN). Já Meirelles apostou no discurso de que o Brasil precisa de um governo que imponha confiança. Com recortes de jornais em que mostra notícias relacionadas a Bolsonaro e ao PT, disse que ninguém confia em gente "desequilibrada" ou "corrupta". "Confiança é a chave que abre todas as portas", diz Meirelles. "Quando você pede uma indicação para cuidar dos seus filhos, você pergunta se a pessoa é de confiança. A mesma coisa acontece com o País. As empresas precisam confiar no governo para fazer investimentos, criar empregos. Ou você acha que vão confiar num governo de alguém despreparado, desequilibrado ou corrupto? Claro que não." Terceiro colocado nas pesquisas, Ciro Gomes (PDT) mostrou seu currículo e da proposta de limpar o nome de pessoas negativadas no SPC e Serasa. Atual quinta colocada nos levantamentos, Marina Silva (Rede) falou sobre fazer investimentos na saúde e na educação, ao lado de seu vice Eduardo Jorge (PV).

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Há exatos 13 dias Jair Bolsonaro foi transferido da Santa Casa de Juiz de Fora (MG) para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Mas, apesar de um susto aqui e outro ali, o presidenciável está bem ativo, como demonstram os boletins médicos e sua assídua presença nas redes sociais. Ontem, o candidato do PSL agiu rápido e buscou contornar uma declaração de Paulo Guedes, seu conselheiro econômico e nome escolhido para ocupar o Ministério da Fazenda, em caso de vitória do ex-militar. Guedes propôs a criação de um tipo de CPMF, a partir da qual o cidadão pagaria uma taxa sobre qualquer movimentação bancária, que seria destinada ao financiamento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Mas, via Twitter, Bolsonaro destacou que sua equipe “trabalha para a redução de carga tributária, desburocratização e desregulamentações. Chega de impostos é nosso lema! Somos e faremos diferente. Esse é o Brasil que queremos”. O posicionamento do candidato vai ao encontro do que pede a sociedade brasileira, que sente o peso de viver no país com a maior carga tributária de toda a América Latina e Caribe. Em 2016, por exemplo, tudo que as três esferas de governo arrecadaram equivaleram a 32,38% do PIB, depois de subir por dois anos consecutivos. Mas, de fato, o novo presidente terá de encarar a questão fiscal do País, que todos comentam, mas que ninguém até agora conseguiu resolver. E o sucessor de Temer não estará imune a isso, pois herdará uma casa desorganizada. Portanto, a ele caberá construir acordos visando a, entre outras coisas, alcançar a estabilidade fiscal. Aumentar impostos pode ser um caminho necessário e o mais fácil. No entanto, não será possível fechar os olhos a temas espinhosos, como previdência, funcionalismo, salário mínimo e, claro, reforma tributária, que certamente, fazem parte da solução.

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião

Em muitas eleições há o candidato ideal e o útil. E, nesta, muitos apostam que, no final, o eleitor que ainda não tem o voto consolidado ou que teme um segundo turno polarizado entre PT e Jair Bolsonaro abra mão da paixão, ideologia, apreço ou preferência por determinado candidato (que não tem chance de vencer) e faça uma escolha estratégica e tática na tentativa de evitar a vitória daquele a quem rejeita. Ciro Gomes disse abrir mão desta possibilidade. Segundo ele, “voto útil é insulto à experiência popular”, e disse querer ser eleito por aqueles que o consideram uma saída para o Brasil e não por quem “não queria votar em outro”. Mas esse não é pensamento do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta atrair o eleitorado de João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (Podemos) e também de Marina Silva (Rede), ao mesmo tempo que faz um chamamento ao voto anti-PT e fustiga a candidatura de Bolsonaro. “A nossa percepção é que Haddad vai para o segundo turno. Já o voto em Bolsonaro não está cristalizado”, disse João Carlos Meirelles, conselheiro próximo de Alckmin, aparentemente alheio às pesquisas, que mostram que os eleitores de Bolsonaro são os mais convictos. Cerca de 70% deles dizem que não mudará sua decisão ou que a escolha é “firme”, segundo o penúltimo Ibope (11 de setembro), número levemente superior ao de Haddad. Mas a estratégia de atacar pesadamente o ex-capitão do Exército e líder nas pesquisas não é consenso nem entre aqueles que conduzem a campanha de Alckmin. Uma ala da coligação quer que os ataques mirem apenas o PT, e não no candidato do PSL. E mesmo Marina briga por seu lugar ao sol. Depois de perder terreno, a acreana vem se colocando como aquela capaz de fazer um governo de transição, com duração de apenas quatro anos e sem direito a reeleição. Se estes discursos vão funcionar é o que se verá nos próximos dias. O certo é que ainda existe um amplo segmento insatisfeito com mais uma eleição marcada pela radicalização e polarização, que sonha com um nome de consenso e capaz de trazer normalidade ao País. Isso seria bastante útil, mas, aparentemente, está cada vez mais difícil.

Candidatos com ideias opostas crescem em pesquisa (Fotos: Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação e Paulo Lopes/AE)

Nacional

O crescimento de Fernando Haddad (PT) na semana que foi oficializado como candidato do PT à Presidência aumentou as chances de um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e o petista, afirma a diretora executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari. Na pesquisa divulgada pelo instituto nesta noite de terça-feira, 18, Haddad cresceu 11 pontos em relação ao levantamento apresentado no último dia 11, indo de 8% para 19% das intenções de voto e se isolando em segundo lugar. Bolsonaro continua liderando o cenário, com 28% - ele tinha 26% há uma semana. "Com esse crescimento de Haddad, a probabilidade de haver segundo turno entre ele e Bolsonaro aumentou significativamente, embora não se possa descartar totalmente outros cenários", disse Marcia Cavallari ao Estadão/Broadcast Político. No cenário em que os dois se enfrentam na segunda etapa da eleição, há um empate: 40% a 40%. O Ibope ouviu 2.506 eleitores de 16 a 18 de setembro em 177 municípios. A margem de erro estimada é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-09678/2018.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, é uma das maiores representantes do empoderamento feminino no Brasil (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Temos que preparar os jogadores para a vida, pois poucos vão conseguir fazer sucesso no futebol (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião