17
Sáb, Nov

Meia é o líder de assistências do Paulistão, com seis passes para gol (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

O Palmeiras venceu o Corinthians por 1 a 0, neste sábado, na arena em Itaquera, com um gol de Borja aos 6 minutos do primeiro tempo, em jogo válido pela final do Campeonato Paulista. Após sair na frente do rival logo no início da partida, o Verdão conseguiu se defender bem e controlou o Derby, dando pouco espaços aos mandantes.

Parte da eficiência defensiva alviverde pode ser creditada ao meia Lucas Lima, que não deixou os volantes corintianos jogarem com liberdade. Para o camisa 20 palmeirense, o seu esforço valeu a pena.

 “O professor [técnico Roger Machado] me colocou para tentar anular a saída deles, com o Maycon. Acho que deu certo fazer o sacrifício. A equipe está de parabéns. Lutamos até o final. Foi um grande resultado. Não ganhamos nada, tem outro jogo em casa ainda. Vamos manter os pés no chão para decidir com muita força”, disse o meio-campista, que é o líder de assistências do Estadual.

Outro que exaltou a atuação do Palmeiras foi o atacante Willian. “Fizemos um baita jogo, de disposição, de garra. Sabemos do histórico do clássico, do que significa um Palmeiras e Corinthians. É um momento especial para nós, podemos deixar nossos nomes na história do clube. Entramos com este pensamento. Fomos merecedores, conseguimos marcar bem e criar oportunidades de gol”, avaliou.

Antes da finalíssima, que será disputada no domingo, 8, às 16h, no estádio palmeirense, o Verdão tem compromisso pela Libertadores. A equipe de Roger Machado recebe o Alianza Lima, também no Allianz Parque, nesta terça-feira, às 21h30.

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Em entrevista ao SporTV, Rodriguinho deixa claro sua decepção por Corinthians não ter um reconhecimento maior na premiação da FPF (Foto: Reprodução/SporTV)

Futebol

Jogadores e diretores do Corinthians não aceitaram muito bem o fato de o Palmeiras ter dominado a seleção dos melhores do Campeonato Paulista, divulgada na segunda-feira. O clube rival contou com oito atletas no time ideal do Estadual, além do técnico Roger Machado e do goleiro Jailson ter sido eleito o craque da competição, algo que parece ter incomodado ainda mais.

Antes do início da festa, o meia Rodriguinho estava dando entrevista quando foi questionado sobre a possibilidade de o atacante Dudu ter sido eleito o craque do campeonato, informação que circulava nos bastidores da premiação e acabou não se confirmando. Visivelmente constrangido com a possibilidade, ele questionou um dos assessores de imprensa do clube e, logo em seguida, disse: "Mais uma decepção". Além de Rodriguinho, Balbuena foi o único atleta do Corinthians presente na festa.

Como a maioria dos vencedores não estavam presentes, a Federação Paulista de Futebol decidiu mudar o formato da premiação e não chamou os eleitos ao palco, algo que também chateou os corintianos, já que Rodriguinho, Balbuena e Gabriel Barbosa, do Santos, eram os únicos membros da seleção do Paulistão que estavam presente no evento.

Representaram o Corinthians, além de Balbuena e Rodriguinho, o presidente Andrés Sanchez, o diretor de futebol Duílio Monteiro Alves, o diretor adjunto de futebol Jorge Kalil, o gerente de futebol Alessandro Nunes, o técnico Fábio Carille, o preparador Walmir Cruz e o observador Mauro da Silva.

Quando o nome de Jailson foi anunciado como o craque da competição, Rodriguinho mais uma vez mostrou sua insatisfação. Ele virou na direção da mesa onde estava parte da diretoria corintiana e bateu palmas. Como consolo, o meia corintiano ganhou o prêmio de gol mais bonito, o que ele marcou contra o Palmeiras, na fase de grupos.

A votação dos melhores do Paulistão foi feita por jornalistas em processo encerrado antes da decisão entre Corinthians e Palmeiras. O time alviverde decidiu não enviar representantes ao evento de segunda-feira como protesto pela polêmica arbitragem do clássico realizado no último domingo, que teve o time alvinegro como campeão estadual ao vencer no tempo normal por 1 a 0 e depois por 4 a 3 nos pênaltis.

Em entrevista ao SporTV, Rodriguinho também disse que Carille deveria receber o prêmio de melhor treinador da competição. Veja. 

Corinthians conquista o título na casa do rival. O 29º Paulista de sua história (Foto: Daniel Augusto Jr./ Agência Corinthians)

Futebol

O Corinthians se tornou campeão paulista com cara de Corinthians. O time não tremeu no Allianz Parque lotado, domou o ambiente de favoritismo do Palmeiras neste domingo e chegou ao segundo título estadual consecutivo graças à frieza e ao controle de quem venceu por 1 a 0 no tempo normal, com um gol no primeiro minuto, e confirmou a conquista nos pênaltis, com vitória por 4 a 3. 

A partida foi marcada por uma grande polêmica. No segundo tempo, o árbitro Marcelo Aparecido de Souza chegou a marcar um pênalti no palmeirense Dudu, mas voltou atrás. A ação revoltou os atletas alviverdes. O presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, chegou a dizer que o Paulista foi "manchado". "Foi vergonhoso o que aconteceu. Peço para a torcida esquecer este campeonato. O Palmeiras é muito maior do que um Paulistinha. Vamos brigar por coisas maiores", disse o dirigente. 

A final teve um roteiro como a torcida corintiana gosta. Foi preciso sofrer, aguentar e ser humilde diante de um rival favorito que ganhou por 1 a 0 em Itaquera o jogo de ida. O herói nas penalidades foi Cássio, que pegou as cobranças de Dudu e Lucas Lima, enquanto Danilo, Romero, Lucca e, por fim, Maycon, confirmaram o título de um clube, que apesar de ser o defensor do título, era zebra para a finalíssima.

O reencontro entre os dois rivais em uma decisão após 19 anos foi em uma intensidade altíssima, como se fosse para compensar o longo hiato sem decisões entre os clubes no Estadual. O jogo começou tão corrido que mal a torcida havia sentado, o placar estava alterado, no primeiro minuto. Mateus Vital fez jogada individual pela esquerda, rolou para trás e Rodriguinho, com frieza, arrematou e contou o desvio em Victor Luís para fazer 1 a 0. A vantagem palmeirense no placar havia acabado.

Com tudo igual, a decisão passou a ser um desafio para os nervos No lado emocional o Corinthians estava mais forte, pois encontrou um atalho para o gol. Mateus Vital ganhava quase sempre as jogadas de Marcos Rocha, superava Antônio Carlos e chegava à linha de fundo com perigo. A resposta palmeirense quase veio aos cinco minutos. Willian teve um gol de cabeça anulado por poucos centímetros de impedimento.

O gol precoce deixou os times em estados de ânimo opostos. O Palmeiras era nervoso, sentia a angústia de precisar marcar e ao se aproximar da área, sempre tomava a decisão errada. O Corinthians estava com o jogo a seu gosto. Cômodo por gostar de ser atacado, a equipe confiava no dia brilhante de Mateus Vital e em velhas práticas para ganhar tempo e enervar o rival. Cássio, por exemplo, levou cartão amarelo ainda aos 16 minutos.

O ritual do Palmeiras no jogo era de martelar até a muralha rival ceder. Em uma rara brecha, o time finalmente conseguiu finalizar com perigo a gol, já aos 33 minutos. A escolha do técnico Roger Machado para buscar o empate foi acionar Keno para o segundo tempo. O Corinthians continuou firme à proposta de aguentar a pressão e esperar por uma oportunidade. O jogo ficou mais travado no segundo tempo, sem emoções. A torcida sentiu a dificuldade e ficou mais calada.

A maior esperança do empate veio no lance que seria estopim para o nervosismo, aos 26 minutos. Ralf dividiu com Dudu na área, tocando primeiro a bola e depois no atacante. O palmeirense caiu. O árbitro Marcelo Aparecido de Souza marcou pênalti e, após longas reclamações, voltou atrás. A partida ficou oito minutos parada, enquanto princípios de tumulto e muita discussão tomavam conta do gramado. Se o time de casa já estava nervoso, passou a ficar transtornado, assim como a torcida.

Os longos dez minutos de acréscimo seriam massacrantes para os dois lados. O primeiro viria com o Palmeiras. Thiago Santos cabeceou por cima uma oportunidade sem goleiro. O Corinthians fez a torcida alviverde prender a respiração logo depois, com uma tentativa perigosa de Sidcley. Outra polêmica colocou ainda mais pressão no clássico, por um possível toque de mão de Henrique dentro da área.

A definição ficou para os pênaltis. O nervosismo pareceu pesar contra o Palmeiras, que começou errando. Dudu parou nas mãos de Cássio e depois Lucas Lima também. Frio na hora decisiva, sendo que apenas Fagner desperdiçou uma penalidade, o Corinthians foi eficaz nas cobranças, assim como foi nos 90 minutos. Um time fatal e, é claro, campeão.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 0 (3) X 1 (4) CORINTHIANS

PALMEIRAS - Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luís; Bruno Henrique (Thiago Santos), Moisés e Lucas Lima; Willian (Keno), Dudu e Borja (Deyverson). Técnico: Roger Machado

CORINTHIANS - Cássio; Fagner, Balbuena, Henrique e Sidcley; Ralf, Maycon; Jadson (Emerson), Rodriguinho (Danilo), Mateus Vital (Lucca) e Romero. Técnico: Fábio Carille

GOL - Rodriguinho, a 1 minuto do primeiro tempo

ÁRBITRO - Marcelo Aparecido de Souza.

CARTÕES AMARELOS - Cássio, Romero, Dudu, Fagner, Balbuena, Moisés e Rodriguinho.

PÚBLICO - 41.227 torcedores.

RENDA - R$ 4.001.277,68.

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)

Rodriguinho fez os gols que levaram o Corinthians às decisões de pênaltis na semi e na final do Paulistão (Foto: Reprodução/ Facebook)

Futebol

O Paulistão deste ano talvez não tenha sido o melhor campeonato de Rodriguinho, mas foi neste torneio que ele se mostrou mais importante e deixou de ser coadjuvante no Corinthians. O meia assumiu a responsabilidade de ser o cérebro da equipe e, além de ditar o ritmo da equipe, conseguiu marcar gols importantes na campanha do bicampeonato estadual.
Aos 47 minutos do segundo tempo contra o time do Morumbi, quando o Corinthians parecia eliminado, ele usou a cabeça para manter o time vivo na disputa na vitória por 1 a 0 na arena corintiana no confronto de volta da semifinal. No último domingo, na grande finalíssima da competição, mais uma vez ele mostrou sua estrela e, no primeiro minuto, superou Jailson.

"Fico muito feliz de estar sendo decisivo em momentos importantes do time. Divido isso com meus companheiros. Todo mundo tem seu momento de protagonista, como fiz gol hoje (domingo), o Cássio pegou pênalti, Maycon fez gol contra o Bragantino... Todo mundo teve seu momento", comentou o meia, mostrando humildade.



A mudança do esquema tático, a queda de rendimento e a lesão de Jadson foram fundamentais para que Rodriguinho pudesse brilhar no Campeonato Paulista. No ano passado, ele teve destaque, mas os aplausos foram para Jô, Jadson e Guilherme Arana. Por isso, vencer o Palmeiras fazendo gol teve um gosto especial para o meio-campista.

"Foi incrível o que conseguimos fazer aqui. Nos reerguemos rapidamente depois da derrota (no primeiro jogo). No dia seguinte, todo mundo sabia que teríamos condições de vir aqui e sair com o título. Esse grupo está de parabéns por tudo o que foi feito no torneio. Temos de seguir fortes porque virão muitas batalhas pela frente", comentou.

Neste ano, tudo mudou. A esperança de ser convocado por Tite para a seleção e a mudança no esquema tático fizeram Rodriguinho crescer em campo e sua participação se tornou fundamental para a evolução do time. Quando ele não estava bem ou era bem marcado, como aconteceu no primeiro jogo da decisão, a equipe não rendia.

"Eu, se enfrentasse o Corinthians, a primeira coisa que faria era marcar o Rodriguinho. É o jogador que faz o time rodar", disse o técnico Fábio Carille, reforçando a importância do jogador.

A possibilidade de disputar uma Copa do Mundo, algo que parecia inimaginável para o jogador até o começo do ano passado, deu uma motivação extra ao jogador, que admitiu ter ficado frustrado por não ter sido convocado por Tite para os amistosos contra Rússia e Alemanha, os dois últimos testes antes do anúncio oficial dos convocados para a Copa do Mundo.

Entretanto, ele não deixou isso abalá-lo e, mesmo com a decepção de aparecer longe da lista dos que vão para a Rússia, manteve o bom futebol e se tornou o alvo dos adversários, para tentar parar o Corinthians. No primeiro jogo da decisão, por exemplo, o Palmeiras fez uma marcação especial em cima dele e isso ajudou a vencer a partida por 1 a 0.

Com o título do Paulistão, Rodriguinho sobe mais um pouco de patamar e consegue mostrar que também pode ser protagonista. Sorte de Fábio Carille e, quem sabe, de Tite.

Clube afirma que se preocupa com bem-estar dos paulistanos (Foto: Divulgação/Facebook)

Futebol

 Após “peitar” a Polícia Militar e o Ministério Público, o Corinthians recuou e remarcou o treino aberto para sexta-feira, 6, às 20h. O clube afirmou que mudou sua decisão para preservar o bem-estar dos paulistanos.

 Desta forma, o Palmeiras mantém sua atividade no sábado, 7, às 10h. As duas equipes se enfrentam neste domingo, 8, a partir das 16h, no Allianz Parque.

 Confira a nota do Corinthians:

 “O Sport Club Corinthians vem a público informar a mudança do horário do treino aberto que originalmente seria realizado no sábado (07), às 10h da manhã para sexta-feira (06), às 20h na Arena Corinthians.

A iniciativa da torcida e da direção do clube visam preservar o bem-estar de todos os paulistanos, a paz social e evitar medidas judiciais contra a agremiação. Aqueles que se sentirem prejudicados deverão procurar o clube para reaver os donativos trocados pelo ingresso.

Hoje, mais uma vez, reiteramos o significado de ser corinthiano, um torcedor que cresce na adversidade.   Aqui é sempre preciso aquele esforço a mais. Aqui, quando tudo parece perdido, a gente encontra o caminho.

E nesse caso o caminho é o de nossa casa, a Arena Corinthians, onde nos encontraremos para dar apoio ao Timão e onde fogos celebrarão o orgulho de sermos o que somos, corinthianos.”

 

Promessa corintiana é uma das apostas do Corinthians para reverter vantagem palmeirense (Foto: Bruno Riganti/FRAMEPHOTO/AE)

Futebol

Sem poder contar com Clayson, o técnico Fábio Carille tem três substitutos para escalar no Corinthians para o segundo jogo da decisão do Campeonato Paulista contra o Palmeiras, no próximo domingo, às 16h, no Allianz Parque. Jadson, Romero e Pedrinho disputam a vaga.

Se o treinador decidir manter o esquema tático, Pedrinho é quem melhor se encaixa na vaga, pois é driblador como Clayson. Carille disse, após a derrota por 1 a 0, neste sábado, na Arena Corinthians, que iria montar um time ofensivo para o novo encontro na arena palmeirense.

Em uma formação mais experiente e técnica, Jadson ganha força. Já Romero também joga pelas pontas e consegue marcar mais, mas não tem a mesma habilidade que o jovem atacante.

TJD-SP deve analisar confusão do clássico 

O Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) estuda analisar, nesta terça-feira, a confusão do primeiro tempo entre Corinthians e Palmeiras no Paulistão, de acordo com o presidente do órgão, o delegado Antônio Olim. Além das expulsões de Felipe Melo e Clayson pela troca de agressões, o árbitro Leandro Bizzio relatou outras duas situações.

A torcida corintiana tentou acertar um copo plástico em Felipe Melo e ocorreu um empurra-empurra entre o corintiano Lucca e Robert Lampert, auxiliar-técnico do Palmeiras. O TJD deve avaliar ainda se o goleiro Jailson, que joga por efeito suspensivo obtido pelo clube, pode perder a final por ter cumprido o afastamento de apenas dois de três jogos.

Ex-volante recordou que mais de 25% dos jogadores convocados por Felipão em 2002 estavam na decisão do Paulistão de 99 (Foto:Reprodução/Facebook)

Futebol

Corinthians e Palmeiras voltam a se enfrentar em uma final de Campeonato Paulista após 19 anos. A última vez em que a decisão do Estadual contou com um Derby foi em 1999, com duas partidas disputadas no Morumbi. Na ocasião, o Timão levou a melhor e se sagrou campeão.

Além do título alvinegro, aquela final remete às embaixadinhas do atacante Edilson. O Corinthians venceu o primeiro jogo por 3 a 0 e empatava a segunda partida em 2 a 2, quando o então camisa 10 corintiano provocou os palmeirenses, dando início a uma confusão generalizada.

Para o ex-volante alvinegro Vampeta, que atuou naquela decisão e atualmente comenta jogos pela Rádio Jovem Pan, os dois times não devem protagonizar cenas parecidas neste ano. O primeiro duelo será disputado neste sábado, às 16h30, em Itaquera.  A volta acontecerá no dia 8 de abril (domingo), às 16h, no Alliianz Parque.

“Em termos de clima quente e tensão para ter confusão, [não há em 2018] jamais. Claro que sempre tem cobrança. Em 99, estávamos em uma sequência. Jogamos pelas quartas de final da Libertadores e decidimos o Paulista em poucas semanas. Aí voltamos a nos enfrentar em 2000 na semifinal da Libertadores”, relembrou Vampeta.

Ele ainda afirmou que estes jogos consecutivos acirraram a rivalidade. “No Paulista de 99, houve aquela confusão do Edilson, por parte das duas equipes, mas hoje acho que não vai ter esta confusão porque não há motivo. Naquela época houve motivo. Tinha muita rivalidade, briga. Não que isso não tenha hoje, mas a gente vivia enfrentando o Palmeiras direto nas competições estaduais, Campeonato Brasileiro e Libertadores. Então o bicho pegava sempre. Mas não vejo esta rivalidade para ter confusão não”, opinou. 

Vale ressaltar que depois de eliminar o Corinthians da Libertadores em 99, fato que se repetiria em 2000, os jogadores do Palmeiras entraram na finalíssima com os cabelos pintados de verde, atitude que à época foi encarada como uma provocação pelos corintianos.

Copa do Mundo

Vampeta também recordou que seis jogadores presentes na final de 99 foram convocados por Felipão para a Copa de 2002. O técnico, inclusive, também estava presente na decisão do Estadual como comandante do Verdão. “Pelo Palmeiras, Marcos, Júnior e Roque Júnior. Pelo Corinthians, eu, Ricardinho e Edílson. Ou seja, dos 23 convocados, seis jogadores estavam nesta partida”, pontuou.  Isto significa que mais de 25% dos jogadores presentes na convocação de Felipão para o Mundial disputaram aqueles clássicos há 19 anos.

O ex-volante corintiano acredita que Tite esteja de olho em alguns atletas que vão jogar estes dois clássicos pelo Paulistão 2018. “É um grande clássico. É a oportunidade deles. Acredito em dois grandes jogos, tanto na Arena Corinthians como no Allianz Parque”, avaliou. Na última lista do treinador da Seleção, apenas Fagner, entre todos os atletas de Corinthians e Palmeiras, esteve presente.

 

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

"Será que devemos destinar aos mais pobres profissionais, entre aspas, sem qualquer garantia de que eles sejam realmente razoáveis, no mínimo?", questionou Bolsonaro (Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil)

Nacional

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), encerrou intempestivamente uma entrevista coletiva no 1º Distrito Naval, no Rio. O militar da reserva estava sendo perguntado sobre a continuidade dos atendimentos de saúde no Programa Mais Médicos, já que cerca de 8,3 mil profissionais podem deixar o País com decisão de Cuba de interromper a parceria. Bolsonaro respondeu apenas uma pergunta após ser questionado sobre o Mais Médicos - não comentou, por exemplo, a indicação do economista Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central (BC). O presidente eleito voltou a criticar os termos do acordo com Cuba no Mais Médicos, que prevê o repasse direto ao governo caribenho de 70% dos salários dos profissionais de saúde. Repetiu que a situação dos profissionais de saúde cubanos é "praticamente de escravidão" e questionou a qualidade dos serviços prestados. "Nunca vi uma autoridade no Brasil dizer que foi atendido por um médico cubano. Será que devemos destinar aos mais pobres profissionais, entre aspas, sem qualquer garantia de que eles sejam realmente razoáveis, no mínimo? Isso é injusto, é desumano", disse Bolsonaro. O presidente eleito defendeu o exame presencial de validação do diploma dos médicos incluídos no programa. "O que temos ouvido, em muitos relatos, são verdadeiras barbaridades. Não queremos isso para ninguém no Brasil, muito menos para os mais pobres. Queremos o salário integral (dos médicos cubanos) e o direito (deles) de trazer a família para cá. Isso é pedir muito? Isso está em nossas leis, que estão sendo desrespeitadas", resumiu Bolsonaro antes de encerrar a entrevista, que durou menos de cinco minutos. O futuro presidente do Brasil também prometeu asilo político para todos os médicos cubanos que pedirem. "Há quatro anos e pouco, quando foi discutida a Medida Provisória (que criou o Mais Médicos), o governo da senhora Dilma (Rousseff) disse, em alto e bom som, que qualquer cubano que, por ventura, pedisse asilo, seria deportado. Se eu for presidente, o cubano que pedir asilo aqui, (que) se justifica pela ditadura da ilha, terá o asilo concedido da minha parte", afirmou.

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião