14
Qua, Nov

Mesmo com time mesclado, o Palmeiras ostenta vitórias e é o sexto na tabela (Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)

Futebol

Deyverson deixou de ser criticado para se transformar em herói no Palmeiras. Uma semana depois de fazer o gol decisivo sobre o Vasco, neste domingo, 19, ele foi além, ao comandar os 3 a 0 sobre o Vitória, em Salvador, pelo Campeonato Brasileiro. O atacante marcou duas vezes e facilitou a tarefa da formação mista do Palmeiras, que aproveitou a fraqueza da pior defesa da competição para construir um resultado tranquilo.

Com o resultado, o Palmeiras chegou aos 33 pontos, enquanto o Vitória segue estacionado nos 19 pontos, na 17ª colocação, dentro da zona de rebaixamento.

A nova camisa três do Palmeiras parece ter se tornado um amuleto para Deyverson. Pelo segundo jogo o time usou o terceiro uniforme e pela segunda vez o atacante marcou. Contra o Vasco, no domingo passado, ele fez um e desta vez contra o Vitória, ele foi além e deixou dois. Antes de ter marcado por essas duas apresentações seguidas, Deyverson não havia anotado por competições oficiais em 2018.

A busca do Palmeiras para voltar a vencer fora de casa pelo Campeonato Brasileiro encontrou um elemento facilitador em Salvador. O Vitória passou a semana em reformulação pela chegada do técnico Paulo César Carpegiani e demonstrou uma formação desorganizada. Com espaços para criar e novamente com estabilidade na defesa, a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari dominou o jogo.

Dudu aberto pela esquerda, Hyoran na direita e Lucas Lima centralizado iam ao ataque com tranquilidade e sem marcação. A partida também se tornou mais fácil pois o primeiro gol veio cedo. Marcos Rocha ajeitou de cabeça para Deyverson chutar no canto de Ronaldo e abrir o placar, aos dez minutos. Com vantagem e tranquilidade, o Palmeiras se firmou no Barradão.

Apesar de o Vitória conseguir assustar em algumas tentativas com Neilton, era pouco para atrapalhar o time alviverde. Ainda mais porque Deyverson (antes tão criticado pela torcida) estava em tarde especial. Aos 28 minutos, o escanteio de Dudu acabou na cabeçada firme do atacante para ampliar. Ainda houve uma grande chance para fazer o terceiro, mas o goleiro evitou.

O domínio possibilitou ao Palmeiras controlar o jogo no segundo tempo. O Vitória insistia no ataque, porém era atrapalhado pela própria limitação. Chutes tortos, investidas com passes errados e a defesa desorganizada mantinham os adversários confortáveis para trocarem passes dentro da área, como foi no lance do terceiro gol, feito por Dudu, aos 13 minutos da etapa final.

O resultado positivo serviu para a equipe descansar alguns titulares. Felipe Melo, Edu Dracena e Willian sequer viajaram para Salvador. No fim, Felipão viu o time perder várias boas chances e ainda por testar variações táticas, como a colocação de Diogo Barbosa como ponta. O Palmeiras ainda chegou a sete jogos seguidos sem levar gol.

Confira os três gols do Palmeiras contra o Vitória


FICHA TÉCNICA

VITÓRIA 0 x 3 PALMEIRAS

VITÓRIA - Ronaldo; Jeferson, Aderllan, Ruan Renato e Benítez; Rodrigo Andrade, Ramon e Yago (André Lima); Neílton (Yago), Erick (Lucas Fernandes) e Walter Bou (Wallyson). Técnico: Paulo César Carpegini

PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha (Mayke), Luan, Gómez e Victor Luís; Thiago Santos, Bruno Henrique (Moisés) e Lucas Lima; Hyoran, Dudu (Diogo Barbosa) e Deyverson. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOLS - Deyverson, aos 10 e aos 28 minutos do primeiro tempo. Dudu, aos 13 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Bruno Henrique, Rodrigo Andrade, Neilton.

ÁRBITRO - Rodrigo Raposo (DF).

RENDA - R$ 375.746,00.

PÚBLICO - 19.100 pagantes.

LOCAL - Estádio Barradão, em Salvador (BA).

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

O técnico Levir Culpi apontou que o clima político do Santos, que passará por eleições presidenciais no fim do ano, vem afetando o desempenho do time dentro de campo. Essa foi a avaliação do treinador após o empate por 1 a 1 com o Sport, na Ilha do Retiro, na noite de quinta-feira, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

 

“Tenho certeza. Já trabalhei em vários clubes que tinham o mesmo problema. As eleições serão em dezembro e vocês já sabem o que vai acontecer”, afirmou Levir, que não tem permanência assegurada no Santos para 2018 e indicou pessimismo nas suas palavras sobre a possibilidade de seguir à frente do time.

 

Ao mesmo tempo, porém, o treinador assegurou que há boa relação entre jogadores e membros da comissão técnica do Santos, apontando que o time segue firme na briga por uma vaga na edição de 2018 da Copa Libertadores. “O ambiente está bom no elenco, mas nós queremos classificar o time para a Libertadores”, disse.

 

O empate com o Sport foi o terceiro consecutivo do Santos no Brasileirão e o impediu de se aproximar do líder Corinthians, o deixando com 50 pontos, na quarta colocação, a nove do primeiro colocado. Questionado se a equipe ainda tem chances de alcançar o rival, Levir se irritou na sua entrevista coletiva no Recife.

 

“É uma resposta boba. O que você quer que eu responda?. O Corinthians está muito na frente. A gente pode alcançar, é muito difícil, mas é possível. Temos que acreditar no trabalho e buscar a vitória. A pergunta foi inteligente, mas não existe resposta”, concluiu.

 

O Santos voltará a jogar pelo Brasileirão no domingo, quando vai receber o Atlético Goianiense, na Vila Belmiro, pela 30ª rodada.

Juninho Capixaba fez gol contra e torceu o tornozelo. Atleta é dúvida contra o Palmeiras (Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians)

Futebol

Após o empate por 1 a 1 contra o Red Bull, em jogo válido pelo Campeonato Paulista, o técnico Fábio Carille afirmou que o Corinthians entrou concentrado na partida em Campinas, mesmo após o lateral Juninho Capixaba ter feito um gol contra bizarro - em lance que também teve falha do goleiro Cássio. 

“O time foi mais consistente, entrou mais concentrado e melhor posicionado. Acho que voltamos a fazer coisas do ano passado. Gostei do comportamento da equipe, mas infelizmente tomamos um gol depois de uma infelicidade”, disse o treinador em entrevista coletiva.

Com o empate, o Timão chegou aos 13 pontos e ainda lidera o Grupo A do Estadual. No próximo sábado (24), a equipe recebe o arquirrival Palmeiras, na arena em Itaquera, às 17h. Para esta partida, Carille não sabe se contará com lateral esquerdo Juninho Capixaba, que, além do gol contra, torceu o tornozelo e será avaliado ainda nesta terça.

“Eu tenho de estar com a cabeça tranquila, conversar com meus auxiliares, profissionais que trabalham para nos ajudar. Estamos ainda buscando um time, uma formação ( 4-1-4-1 ou 4-2-3-1), dependendo das características dos jogadores. Mas o bom é que estamos em um período que nos permite ter essas experiências”, completou o treinador corintiano. 

Gabriel comemora gol junto ao elenco do Santos sobre o São Paulo (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Futebol

Gabigol não poderia ter início melhor no retorno ao Santos. Herói da vitória sobre o São Paulo neste domingo por 1 a 0, Gabriel Barbosa é visto com mais carinho por Rui Vitória, técnico do Benfica, de Portugal, seu último clube. 

"O Gabriel é um jogador de qualidade e fazer gols é algo em que tem facilidade quando aparece na cara do gol. Eventualmente, em outro momento, poderia ter tido outro rendimento (no Benfica). Agora pode ser diferente. Se calhar, ali está num contexto muito favorável. Previa e fui um dos primeiros a achar bem que regressasse ao Brasil, porque está num clube onde foi feliz e talvez encontre novamente a felicidade", afirmou Rui Vitória ao site Record, de Portugal.

Na Europa, o artilheiro fez 14 partidas e dois gols, um pela Inter e outro pelo Benfica. No retorno ao Alvinegro da Baixada, em 2018, o atleta marcou 3 vezes em 3 partidas: na reestreia contra a Ferroviária, diante do São Caetano, na Vila Belmiro, e contra o São Paulo. Gabriel Barbosa fez 57 gols em 157 jogos em sua primeira passagem pelo Santos e, no meio da temporada de 2016,  foi negociado com a Inter de Milão, onde acumulou problemas e não foi aproveitado.

Caso Borja seja vetado, Willian Bigode deve atuar como centroavante no clássico (Foto:Reprodução/Facebook)

Futebol

O colombiano Miguel Borja vive a melhor fase desde que chegou ao Palmeiras. Artilheiro do Paulistão, com 5 gols marcados, o centroavante foi poupado no confronto contra a Ponte Preta, neste domingo (18), que terminou em 0 a 0, para fazer um tratamento no joelho. Desta forma, ele é dúvida para o clássico contra o Corinthians, no próximo sábado (24), às 17h, em Itaquera, válido pelo Estadual.

Nas próximas semanas, o calendário dos clubes que disputam a Libertadores começa a ficar mais apertado. O Palmeiras, por exemplo, já estreia na competição continental no dia 1º de março, mas ainda não sabe contra quem e nem o local da partida, já que o adversário será conhecido apenas na próxima quinta-feira (22). Junior Barranquilla (COL) e Guarany (PAR) disputam uma vaga no grupo do Verdão. Na ida, na Colômbia, a equipe da casa venceu o rival paraguaio por 1 a 0. 

 Por conta da sequência desgastante de jogos, o técnico Roger Machado ainda não definiu se escalará o seu camisa 9 no dérbi. Caso Borja seja vetado pelo Departamento Médico, Willian Bigode deve ser a referência no ataque alviverde no clássico. 

"É a confiança", diz treinador sobre Borja

Futebol

O técnico palmeirense Roger Machado "encheu a bola" dos colombianos Guerra e Borja após o empate por 2 a 2 contra o Linense, nesta quinta-feira (15), em duelo válido pelo Campeonato Paulista, no Allianz Parque. No entanto, o treinador também lamentou algumas ações defensivas de sua equipe.

"A gente iniciou a partida e logo abrimos o placar. Depois, até o gol de empate, entendemos em algum momento que o adversário ia ceder campo e se entregar, mas eles continuaram firmes. Foi um jogo franco, aberto. O adversário ocupou muito os lados. Talvez hoje tenha sido o jogo em que meus volantes mais fizeram cobertura lateral pela falta de cobertura dos setores laterais. Isso fez com que em alguns momentos a gente se defendesse com seis, e isso não é o que a gente deseja. Preciso ter mais gente defendendo, principalmente recompondo com mais velocidade”, comentou, citando também a etapa final do embate.

“No segundo tempo, a mesma dinâmica. Imprimimos um ritmo forte no começo, fizemos o nosso gol e novamente abrimos mão de continuar pressionando o adversário, entendendo mais uma vez que o adversário ia ceder campo. Mais uma vez, em alguns momentos, defendemos com seis em transição. Depois do empate, com as mudanças, o adversário se retraiu mais um pouco, mas não obtemos o terceiro gol", completou.

Autor dos dois gols do Palmeiras, o atacante Borja foi bastante elogiado pelo treinador. "Ele está começando o ano com o pé direito. No último jogo, em que ele também foi decisivo fazendo gol, ele teve um deslocamento muito grande pelo campo inteiro. Mencionei para o Borja que vou cobrá-lo a partir desse dado. É o dia a dia, o convencimento do atleta do que ele pode fazer, como estruturamos o time, a motivação... É a confiança. Mencionei hoje também na palestra que o gol que ele fez contra o Mirassol mostra que a confiança dele está de volta. Os ângulos estavam fechados e ele jogou a bola embaixo das pernas do goleiro", declarou o técnico, que exaltou a atuação de Guerra no ataque palmeirense.

"O Guerra foi muito bem, deu uma dinâmica boa pelo lado do campo. Disse antes do jogo que ele seria agudo pelo lado, mas também articulando por dentro. Foi assim no gol do Miguel. Ele veio do lado para a parte interna e conseguiu um belo lançamento. Ele se movimentou bem. Enquanto esteve em campo, foi um dos jogadores que alternaram a velocidade do jogo”, finalizou.

 Com o resultado, o Verdão segue invicto e na liderança do grupo C da competição com 19 pontos conquistados. O próximo compromisso do Palmeiras será no domingo (18), às 19h30, contra a Ponte Preta, em Campinas-SP, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. Já no sábado (24), às 17h, será a vez de enfrentar o rival Corinthians, fora de casa, novamente pelo Estadual.

Willian vê muitas semelhanças entre Tite e Roger (Foto: Arquivo pessoal)

Futebol

O atacante Willian elogiou nesta quinta-feira, 1º, a forma como o técnico Roger Machado tem conduzido a gestão do elenco do Palmeiras. Na opinião do artilheiro do time na última temporada, o treinador tem conduta exemplar ao conversar com os jogadores, explicar as escolhas para a equipe titular e, assim, fazer até mesmo os reservas compreenderem a situação, não ficando desanimados por serem preteridos.

O jogador do Palmeiras citou o atual técnico da Seleção Brasileira, Tite, como um dos comandantes mais hábeis nesse trabalho de administração de grupo. “É o papel mais importante que eu vejo hoje [gerir grupo]. Temos uma referência que é o Tite, na Seleção, como ele faz a gestão dos atletas. Em um time grande lidar com essas situações é difícil, tem elenco com 30 atletas e 20 em alto nível podendo ser titular. Mas sabemos que todos estão aqui por méritos”, afirmou Willian, em entrevista coletiva.

Willian trabalhou com Tite no Corinthians, onde foram campeões do Campeonato Brasileiro, em 2011, e  da Copa Libertadores, em 2012. Essa convivência levou o jogador a comparar o treinador da Seleção a Roger Machado.

O atacante tem sido titular neste começo de ano e deve seguir no time neste domingo, contra o Santos, às 17h, no Allianz Parque, pelo Campeonato Paulista.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

A solução dos problemas começa com um diálogo franco e aberto. Daí ser louvável a reunião agendada para hoje, em Brasília, entre o presidente eleito Jair Bolsonaro e os 27 novos governadores do País. Todos eles têm um grande desafio pela frente, mas, evidentemente, se trabalharem em parceria, e não boicotando o que pode ser bom para o Brasil, haverá grande chance de que os remédios necessários sejam encontrados e o trabalho seja bem feito. Os futuros chefes do Executivo estadual têm muito a contribuir com o presidente eleito. E, politicamente, também têm muito a ganhar, quando o projeto deste novo Brasil der certo. Percebe-se que, aos poucos, as nuvens negras de uma campanha desgastante vão se dissipando, a razão começa a prevalecer e, ao invés de torcer contra, é cada vez maior o número daqueles que preferem alimentar a esperança que a descrença. Aliás, uma célebre frase do escritor latino Públio Siro, diz que “quem perdeu a confiança não tem mais o que perder.” A hora não é para isso. Na verdade, o momento pede que se dê crédito aos novos condutores da Nação e que se guardem as pedras previamente preparadas para serem jogadas na vidraça. E muitos dos novos governadores estão dispostos a ajudar Bolsonaro, inclusive na aprovação da reforma da Previdência, essencial para o ajuste das contas públicas do País. Por sua vez, a maioria das Unidades da Federação também está com suas contas no vermelho, por gastarem mais do que arrecadam, e esperam suporte da União para manter a máquina funcionando. Relatório do Tesouro Nacional, por exemplo, apontou que 16 Estados mais o DF descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal no ano passado, ao destinar mais de 60% da receita para o pagamento de salários e aposentadorias. Assim, sobra cada vez menos para serviços básicos, como segurança e educação. Os problemas são complexos, daí a necessidade do diálogo e da busca por novas perspectivas. E a reunião de hoje em Brasília, com Bolsonaro e os governadores, oferece exatamente esta oportunidade. Desde agora, a capacidade de cada um deles estará colocada à prova, mas já começam bem, buscando o apoio e o entendimento mútuo, ao invés da divisão pura e simples. No final, quem ganha mesmo com isso é o Brasil e os brasileiros. Ainda bem!

Futuro do Ministério do Trabalho ainda é incerto (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Nacional

O ministro extraordinário da Transição, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), disse nesta quarta-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, que a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) trabalha com duas propostas para o futuro do Ministério do Trabalho. Em uma delas, parte das atribuições da pasta será transferia para o futuro ministério da Produção, como deverá se chamar o atual Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Em outra, essas funções seriam herdadas pelo futuro ministério da Cidadania. No primeiro modelo, o atual MDIC, que deve ceder a parte de comércio exterior para o futuro ministério da Economia, abrigaria as funções do Trabalho e também a secretaria de politicas públicas para o emprego. Já a concessão das cartas sindicais, que têm sido um "foco permanente de corrupção", para o futuro ministério da Justiça e da Segurança Pública, que será assumido pelo juiz Sérgio Moro no ano que vem. No segundo modelo, as funções do Trabalho vão para o ministério chamado Cidadania, que vai congregar desenvolvimento social, direitos humanos e ações para recuperar os dependentes de drogas. "Para sair de 30 ministérios para 15 ou 17, tem que fazer essa estruturação, e isso é bem complexo", comentou Lorenzoni.

"Não foi uma indicação de Toffoli. Eu ouço nessa área o general Heleno", disse Bolsonaro (Foto: Jose Cruz /Agencia Brasil)

Nacional

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse na tarde desta terça-feira, 13, que não consultou o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, sobre a escolha do general da reserva Fernando Azevedo e Silva para ocupar a vaga de ministro da Defesa. Azevedo e Silva é um dos assessores de Toffoli no Supremo. "Não foi uma indicação de Toffoli. Eu ouço nessa área o general Heleno", disse Bolsonaro, referindo-se ao general Augusto Heleno Ribeiro, que será chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Bolsonaro anunciou Azevedo e Silva para a Defesa hoje cedo pelo Twitter. O novo indicado é amigo do presidente eleito desde os tempos do Exército. Governadores O presidente eleito confirmou presença amanhã no encontro que reunirá governadores dos Estados em Brasília. "Vou amanhã ao encontro dos governadores. O que eles querem eu também quero: dinheiro", disse ao chegar nesta tarde ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). Bolsonaro, no entanto, reclamou que o convite para a reunião não foi acertado com ele. "Essa reunião não foi tratada comigo e nem com Paulo Guedes (futuro ministro da Economia). Não sei quem teve a ideia. Acho que foi o governador Doria (João Doria, governador eleito do Estado de São Paulo), mas nós não vamos decepcionar os governadores". O presidente eleito disse que a equipe econômica de seu governo trabalhará pedidos de renegociação de dívida dos Estados, porém destacou que a situação é difícil. "O Orçamento está complicado, mas vamos ver o que for possível fazer nessa questão de renegociação", disse.

Célia será a secretária da Pessoa com Deficiência (Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/AE)

Cidade

O governador eleito de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou ontem o primeiro nome tucano de seu secretariado: a deputada estadual Célia Leão (PSDB), da região de Campinas. Ela será secretária da Pessoa com Deficiência na administração estadual a partir de 2019. Célia foi colunista do Metrô News no ano passado, mas se afastou devido à Legislação Eleitoral. Além dela, que encerra seu sétimo mandato na Assembleia Legislativa de São Paulo (não foi reeleita), Doria anunciou que o desembargador Paulo Dimas Mascaretti, ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, será o secretário de Justiça. Dos nomes escolhidos até então para o secretariado de Doria, nenhum era do PSDB, o que gerou críticas do presidente da sigla em São Paulo, Pedro Tobias. “Acho estranho ele não ter indicado ninguém do PSDB. Doria precisa tratar o partido com mais carinho. O PSDB esteve ao lado dele na campanha”, disse o presidente estadual da legenda. Vinte e quatro anos depois de o PSDB chegar ao poder em São Paulo, o governador eleito está montando sua equipe sem consultar o partido, que já está fora dos principais cargos políticos do Palácio dos Bandeirantes.  A sigla tucana deixará de comandar, a partir de 2019, pastas estratégicas como a Casa Civil, que terá como titular Gilberto Kassab, presidente do PSD, e Secretaria de Governo, que terá suas atribuições absorvidas por Rodrigo Garcia (DEM). Na semana passada, Doria anunciou o médico José Henrique Germann, diretor Superintendente do Instituto de Consultoria e Gestão Albert Einstein, como secretário de Saúde, e Gustavo Junqueira, presidente da Sociedade Rural Brasileira, para Agricultura. *Com informações da Agência Estado
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião