Tite começa a dar forma para a seleção que vai disputar a Copa (Foto: Reprodução/Facebook)

Copa 2018

Além do amistoso entre Brasil e Rússia, que acontece em Moscou, nesta sexta-feira, 23, a partir das 13h (horário de Brasília), outras partidas agitam o dia, já em clima de Copa do Mundo. Inclusive, os três adversários da Seleção na primeira fase do Mundial entram em campo.

A Suíça enfrenta a Grécia, em Atenas, às 15h. Já a Sérvia, em campo neutro, na cidade italiana de Turim, encara o Marrocos, às 16h30. A seleção africana também estará na Copa da Rússia. Por fim, a Costa Rica visita a Escócia, em Glasgow, às 16h45. 

Outros jogos que acontecem nesta sexta são considerados verdadeiros clássicos mundiais: Alemanha e Espanha fazem o duelo dos dois últimos campeões do mundo, na cidade germânica de Düsseldorf, às 16h45. Itália, que depois de 60 anos não vai ao Mundial, pega a Argentina, de Lionel Messi, em Manchester, na Inglaterra, no mesmo horário. 

Por falar na Terra da Rainha, o English Team, também às 16h45, visita a Holanda, que não disputará a Copa, em Amsterdã. Ainda às 15 para 17h, outro duelo que chama a atenção é entre Portugal e Egito, em Zurique. Os africanos contam com Salah, astro do Liverpool, para atuar no Mundial após 28 anos de ausência. Já a seleção lusitana tem o atual melhor do mundo, o craque Cristiano Ronaldo. 

Brasil x Rússia

Sem contar com Neymar, a seleção brasileira volta a campo, na sexta-feira, 23, contra a Rússia, anfitriã da Copa do Mundo 2018. A partida acontece no Estádio Luzhniki, palco da final do torneio, no próprio país europeu. Os times se enfrentam a partir das 13h, do horário de Brasília.

O principal jogador do selecionado ainda se recupera de uma cirurgia no pé direito para corrigir uma fissura. Ele será substituído por Douglas Costa. De acordo com o goleiro Alisson, da Roma, escolhido para ser o capitão do Brasil no jogo, o amistoso será um aperitivo da Copa. “Já dá para sentir o ‘gostinho’. Estamos na Rússia, vivenciando o ambiente, vamos jogar contra um adversário duro”, disse, em coletiva de imprensa realizada na quinta-feira, 22.

O técnico Tite deve fazer um teste no amistoso desta sexta, deixando Renato Augusto no banco e colocando Fernandinho no lugar dele.

Na terça-feira, 27, a seleção realiza partida contra a Alemanha. A nova camiseta amarela será lançada nesta oportunidade. Será a primeira vez em que as seleções se enfrentarão depois do vexatório 7 a 1 na semifinal da Copa do Mundo de 2014, em jogo realizado no Mineirão, em Belo Horizonte.

Rússia

Akinfeev; Granat, Kudriashov e Ignatiev; Samedov, Glushakov, Golovin, Dzaegoev e Zhirkov; Zabolotni e Smolov. Técnico: Stanislav Tchertchesov

Brasil

Alisson; Daniel Alves, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho e Coutinho; Willian, Douglas Costa e Gabriel Jesus. Técnico: Tite.

Árbitro: Aleksei Kulbakob (Bielorrússia)

Confira todos os amistosos desta sexta:

8h35

Uruguai x República Tcheca

9h20

Japão x Mali

13h

Chipre x Montenegro

Azerbaijão x  Bielorússia 

Finlândia x Macedônia

13h30

Gâmbia x República Centro-Africana

Noruega x Austrália,

Senegal x Uzbequistão 

Bulgária e Bósnia-Herzgovina

14h30

Turquia x Irlanda

15h

Hungria x Cazaquistão 

Grécia x Suíça

15h15

Tunísia x Irã

16h

Ucrânia x Arábia Saudita

16h30

Sérvia x Marrocos

16h45

Alemanha x Espanha

Portugal x Egito

Polônia x Nigéria

Holanda x Inglaterra

Escócia x Costa Rica

Itália x Argentina 

Áustria x Eslovênia

17h

França x Colômbia.

21h

Croácia x Peru 

23h30

México x Islândia 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Camisa 10 e destaque da Suíça, Xhaka pode aprontar para cima do Brasil (Foto: Facebook)

Copa 2018

Todas as 32 seleções que vão disputar a Copa do Mundo - 2018, na Rússia, entraram em campo na última sexta-feira, 23. O Brasil, que está no Grupo E do Mundial, venceu a Rússia por 3 a 0, em Moscou.

Enquanto a Seleção enfrentou os anfitriões do torneio, os seus adversários na primeira fase da Copa também fizeram amistosos para realizar os últimos ajustes antes do início da competição.

A Suíça, rival do Brasil na estreia do Mundial, no dia 17 de junho (domingo), às 15h, derrotou a Grécia por 1 a 0, em Atenas. Vale ressaltar que os gregos não se classificaram para o torneio na Rússia. 

Já a Costa Rica, adversária brasileira no dia 22 de junho (sexta-feira), às 9h, bateu a Escócia, também por 1 a 0, em Glasgow. A seleção escocesa, a exemplo da grega, não irá à Copa. 

Por fim, a Sérvia, que encara os comandados de Tite no dia 27 de junho (quarta-feira), às 15h, foi derrotada pelo Marrocos por 2 a 1, em Turim, na Itália. Desta forma, os sérvios foram os únicos do Grupo E que perderam na última sexta-feira. No entanto, eles pegaram outra seleção classificada ao Mundial. 

Em outros amistosos realizados no dia 23, as últimas duas campeãs do mundo, Alemanha e Espanha, empataram por 1 a 1, em Berlim. Já a Argentina, em Manchester (ING), derrotou a tetracampeã Itália por 2 a 0. A Inglaterra, por sua vez, ganhou por 1 a 0 da Holanda, em Amsterdã. 

Amistosos do Grupo E na sexta, 23.

Sérvia 1 x 2 Marrocos

Escócia 0 x  1 Costa Rica

Grécia 0 x 1 Suíça

Outros resultados:

Argentina 2 x 0 Itália*

Holanda* 0 x 1 Inglaterra

Alemanha 1 x 1 Espanha

*Itália e Holanda não se classificaram para o mundial de 2018.

Próximos jogos das seleções do grupo E:

Alemanha x Brasil - 27/03, 15h45.

Suíça x Panamá- 03/06, 14h.

Nigéria x Sérvia – 27/03, 16h.

Tunísia x Costa Rica – 27/03, 16h.

 

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Alckmin é o candidato que mais tem batido na polarização (Foto: José Cruz/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

A polarização da disputa presidencial entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) nas eleições 2018, indicada pelas recentes pesquisas de intenção de voto Ibope e Datafolha, tem feito adversários subirem o tom contra os candidatos que lideram a corrida em seus programas de TV e rádio. Nos programas que foram ao ar nesta quinta-feira, 20, os presidenciáveis Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) fizeram ataques diretos a Bolsonaro e Haddad. "De um lado, a turma de vermelho, que quer o fim da Lava Jato para encobrir o maior caso de corrupção da história; do outro, a turma do preconceito, da intolerância e do ódio a tudo e todos", diz o tucano no programa. Alckmin ainda disse que o Brasil já elegeu "um poste vermelho", em referência a Dilma Rousseff (PT), sucessora indicada por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que não pode entrar "de novo em uma aventura, de um candidato que se diz o novo", em referência a Fernando Collor (hoje no PTC, que foi presidente pelo PRN). Já Meirelles apostou no discurso de que o Brasil precisa de um governo que imponha confiança. Com recortes de jornais em que mostra notícias relacionadas a Bolsonaro e ao PT, disse que ninguém confia em gente "desequilibrada" ou "corrupta". "Confiança é a chave que abre todas as portas", diz Meirelles. "Quando você pede uma indicação para cuidar dos seus filhos, você pergunta se a pessoa é de confiança. A mesma coisa acontece com o País. As empresas precisam confiar no governo para fazer investimentos, criar empregos. Ou você acha que vão confiar num governo de alguém despreparado, desequilibrado ou corrupto? Claro que não." Terceiro colocado nas pesquisas, Ciro Gomes (PDT) mostrou seu currículo e da proposta de limpar o nome de pessoas negativadas no SPC e Serasa. Atual quinta colocada nos levantamentos, Marina Silva (Rede) falou sobre fazer investimentos na saúde e na educação, ao lado de seu vice Eduardo Jorge (PV).

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Há exatos 13 dias Jair Bolsonaro foi transferido da Santa Casa de Juiz de Fora (MG) para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Mas, apesar de um susto aqui e outro ali, o presidenciável está bem ativo, como demonstram os boletins médicos e sua assídua presença nas redes sociais. Ontem, o candidato do PSL agiu rápido e buscou contornar uma declaração de Paulo Guedes, seu conselheiro econômico e nome escolhido para ocupar o Ministério da Fazenda, em caso de vitória do ex-militar. Guedes propôs a criação de um tipo de CPMF, a partir da qual o cidadão pagaria uma taxa sobre qualquer movimentação bancária, que seria destinada ao financiamento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Mas, via Twitter, Bolsonaro destacou que sua equipe “trabalha para a redução de carga tributária, desburocratização e desregulamentações. Chega de impostos é nosso lema! Somos e faremos diferente. Esse é o Brasil que queremos”. O posicionamento do candidato vai ao encontro do que pede a sociedade brasileira, que sente o peso de viver no país com a maior carga tributária de toda a América Latina e Caribe. Em 2016, por exemplo, tudo que as três esferas de governo arrecadaram equivaleram a 32,38% do PIB, depois de subir por dois anos consecutivos. Mas, de fato, o novo presidente terá de encarar a questão fiscal do País, que todos comentam, mas que ninguém até agora conseguiu resolver. E o sucessor de Temer não estará imune a isso, pois herdará uma casa desorganizada. Portanto, a ele caberá construir acordos visando a, entre outras coisas, alcançar a estabilidade fiscal. Aumentar impostos pode ser um caminho necessário e o mais fácil. No entanto, não será possível fechar os olhos a temas espinhosos, como previdência, funcionalismo, salário mínimo e, claro, reforma tributária, que certamente, fazem parte da solução.

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião

Em muitas eleições há o candidato ideal e o útil. E, nesta, muitos apostam que, no final, o eleitor que ainda não tem o voto consolidado ou que teme um segundo turno polarizado entre PT e Jair Bolsonaro abra mão da paixão, ideologia, apreço ou preferência por determinado candidato (que não tem chance de vencer) e faça uma escolha estratégica e tática na tentativa de evitar a vitória daquele a quem rejeita. Ciro Gomes disse abrir mão desta possibilidade. Segundo ele, “voto útil é insulto à experiência popular”, e disse querer ser eleito por aqueles que o consideram uma saída para o Brasil e não por quem “não queria votar em outro”. Mas esse não é pensamento do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta atrair o eleitorado de João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (Podemos) e também de Marina Silva (Rede), ao mesmo tempo que faz um chamamento ao voto anti-PT e fustiga a candidatura de Bolsonaro. “A nossa percepção é que Haddad vai para o segundo turno. Já o voto em Bolsonaro não está cristalizado”, disse João Carlos Meirelles, conselheiro próximo de Alckmin, aparentemente alheio às pesquisas, que mostram que os eleitores de Bolsonaro são os mais convictos. Cerca de 70% deles dizem que não mudará sua decisão ou que a escolha é “firme”, segundo o penúltimo Ibope (11 de setembro), número levemente superior ao de Haddad. Mas a estratégia de atacar pesadamente o ex-capitão do Exército e líder nas pesquisas não é consenso nem entre aqueles que conduzem a campanha de Alckmin. Uma ala da coligação quer que os ataques mirem apenas o PT, e não no candidato do PSL. E mesmo Marina briga por seu lugar ao sol. Depois de perder terreno, a acreana vem se colocando como aquela capaz de fazer um governo de transição, com duração de apenas quatro anos e sem direito a reeleição. Se estes discursos vão funcionar é o que se verá nos próximos dias. O certo é que ainda existe um amplo segmento insatisfeito com mais uma eleição marcada pela radicalização e polarização, que sonha com um nome de consenso e capaz de trazer normalidade ao País. Isso seria bastante útil, mas, aparentemente, está cada vez mais difícil.

Candidatos com ideias opostas crescem em pesquisa (Fotos: Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação e Paulo Lopes/AE)

Nacional

O crescimento de Fernando Haddad (PT) na semana que foi oficializado como candidato do PT à Presidência aumentou as chances de um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e o petista, afirma a diretora executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari. Na pesquisa divulgada pelo instituto nesta noite de terça-feira, 18, Haddad cresceu 11 pontos em relação ao levantamento apresentado no último dia 11, indo de 8% para 19% das intenções de voto e se isolando em segundo lugar. Bolsonaro continua liderando o cenário, com 28% - ele tinha 26% há uma semana. "Com esse crescimento de Haddad, a probabilidade de haver segundo turno entre ele e Bolsonaro aumentou significativamente, embora não se possa descartar totalmente outros cenários", disse Marcia Cavallari ao Estadão/Broadcast Político. No cenário em que os dois se enfrentam na segunda etapa da eleição, há um empate: 40% a 40%. O Ibope ouviu 2.506 eleitores de 16 a 18 de setembro em 177 municípios. A margem de erro estimada é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-09678/2018.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, é uma das maiores representantes do empoderamento feminino no Brasil (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Mesmo no hospital, presidenciável mantém declarações em tom de campanha (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Temos que preparar os jogadores para a vida, pois poucos vão conseguir fazer sucesso no futebol (Foto: Reprodução/Instagram)

Opinião

Ciro Gomes diz rejeitar estratégia e que o “voto útil é um insulto à experiência popular” (Foto: Leo Canabarro/Fotos Públicas)

Opinião