Grid List

Economistas aconselham a gastar com responsabilidade (Foto: Reprodução/PX Here)

Economia

Seja pela falta de criatividade, seja pelo medo de comprometer o orçamento ou não agradar, a escolha do presente para o Dia dos Pais pode se tornar difícil. Mas não se preocupe. O Metrô News visitou os maiores portais de vendas on-line e separou dicas de mimos para pais de estilos variados. Além disso, a reportagem conversou com três especialistas, que disseram ser bastante possível comprar o presente e economizar ao mesmo tempo. De acordo com a economista Nilza Siqueira, professora dos ...

Empresa acusou Rodrimar de cobrar taxas irregulares no Porto de Santos (Foto: Arquivo/AE)

Economia

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou nesta quarta-feira, 8, a empresa Rodrimar por cobrança de uma taxa de movimentação portuária que foi considerada abusiva pelo órgão. A Rodrimar terá que pagar uma multa de R$ 972 mil e mais R$ 20 mil por dia em que continuar cobrando a taxa. O processo foi aberto em 2006, após denúncia em que a empresa de logística Marimex acusa a Rodrimar de cobrar taxas irregulares para a separação, movimentação e entrega de cargas ...

Utilização de energia eólica pode salvar reservas hídricas (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Economia

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema (ONS), Luiz Eduardo Barata, informou que uma mudança na operação do sistema, poupando as hidrelétricas e utilizando mais a fonte eólica, fará com que os reservatórios do Nordeste encerrem 2018 com melhor nível do que no ano passado, quando chegaram a cair para 5,5%. Segundo Barata, na região Nordeste os reservatórios devem encerrar 2018 em torno dos 30%, enquanto o Sudeste e o Centro-Oeste, que formam o subsistema com maior volume de en ...

Candidatos tentam vagas em 26 empresas participantes (Foto: Aloisio Mauricio/AE)

Economia

Mais de 6 mil pessoas estiveram presentes na sede do Sindicato dos Comerciários de São Paulo (Secsp), na região central, em busca de emprego, na segunda-feira, 6. Este é o segundo mutirão organizado em parceria com a União Geral dos Trabalhadores e oferece mais de 4 mil postos de trabalho. Mesmo debaixo de chuva, os desempregados não desistiram. “Estamos aqui desde as 6h, com fome e frio e temos esperança de conseguirmos um emprego”, disse Josenilda Adriana da Silva, 38, por volta d ...

Retração da indústria do petróleo prejudicou a economia do Rio de Janeiro (Foto: Tãnia Rêgo/ABR)

Economia

Se o aumento da folha de pagamentos dos Estados deflagrou uma crise fiscal em parte deles, a queda na arrecadação com tributos decorrente da recessão escancarou essa situação - o que será um dos maiores desafios para os governadores que assumirem em 2019. A recessão custou R$ 278 bilhões para os Estados entre 2015 e 2017, segundo cálculos do economista Raul Velloso, especialista em contas públicas. O montante seria suficiente para construir 1.070 hospitais semelhantes ao que o Sírio ...

Fechamento de revistas tira empregos de centenas de pessoas (Foto: Reprodução/Google Street View)

Economia

A Editora Abril anunciou nesta segunda-feira, 6, em comunicado, que vai manter 15 títulos em operação - com isso, boa parte do portfólio de revistas femininas e de arquitetura e decoração será fechada. As medidas, que vão resultar na demissão de centenas de funcionários, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, vêm cerca de duas semanas depois de a empresa de reestruturação Alvarez & Marsal ter assumido o comando da companhia de mídia. No comunicado em que anunciou a ree ...

Corporação vai ganhar novos soldados no próximo ano (Foto: Nilton Fukuda/AE)

Economia

A Polícia Militar (PM) de São Paulo lançou, na semana passada, edital de concurso público para preenchimento de 2,7 mil vagas de soldados, tanto para homens quanto para mulheres. A remuneração para início de carreira é de R$ 3.143,70, incluídos o Regime Especial de Trabalho Policial e a insalubridade. Para concorrer a uma das vagas é necessário ter ensino médio completo, Carteira Nacional de Habilitação (CNH) entre as categorias “B” e “E” e altura mínima de 1,60 metro par ...

No último mutirão, duas mil vagas de emprego foram preenchidas (Foto: Reprodução/Google Street View)

Economia

Os sindicatos do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo (Sincovaga) e dos Comerciários de São Paulo (SECSP) inauguram, na segunda-feira, 6, mutirão de emprego permanente na Capital. De acordo com o presidente do Sincovaga, Alvaro Furtado, a iniciativa vai favorecer as duas categorias, pois visa centralizar as vagas e aproximar a oferta de emprego dos que buscam oportunidades. O SECSP deixará à disposição das empresas a estrutura da entidade, que tem mais de ...

Famílias estão mais cautelosas por causa da situação econômica brasileira (Foto: Rovena Rosa/ABR/Fotos Públicas)

Economia

Em julho, o porcentual de famílias com dívidas subiu pela primeira vez no ano, alcançando 59,6% ante os 58,6% registrados em junho. Já os que se declaram muito endividados são 13,2%, uma pequena alta em relação aos 13% de junho. Quase um terço dos brasileiros tem dívidas para mais de um ano e 20,5% têm mais da metade da renda comprometida com esses pagamentos. Os dados estão na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio ...

Empresa considera punição injusta e reclama de situação financeira (Foto: Reprodução/Facebook)

Economia

O Tribunal de Contas da União (TCU) aplicou uma sanção que impede a construtora OAS de fazer novos contratos com a administração pública federal pelos próximos cinco anos, por formação em cartel e fraudes em licitação em contratos de obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apuradas no âmbito da Operação Lava Jato. Cabe recurso no próprio TCU, com efeito suspensivo. Em recuperação judicial, a empresa também ficará, conforme a decisão do TCU, impedida de participar d ...

Enquanto vagas com carteira assinada recuam, emprego sem carteira cresce (Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas)

Economia

O mercado de trabalho no País perdeu 497 mil vagas com carteira assinada no período de um ano. O total de postos de trabalho formais no setor privado encolheu 1,5% no segundo trimestre de 2018 ante o mesmo trimestre de 2017, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O total de vagas formais caiu a 32,834 milhões de postos, o menor patamar da série histórica iniciada e ...

Moeda pode ser trocada por lanche, mas empresa aposta que colecionadores guardarão objeto (Foto: Reprodução/Twitter)

Economia

O McDonald's vai promover uma ação nesta semana para celebrar os 50 anos do Big Mac, seu mais famoso sanduíche. Já que a revista The Economist usa, há mais de 30 anos, o índice Big Mac para comparar o poder de compra entre as nações, a rede decidiu fazer um ação em mais de 50 países na próxima quinta-feira. Para cada pessoa que comprar uma "oferta" do Big Mac - com batata frita e refrigerante -, a rede dará uma das moedas comemorativas confeccionadas para a ocasião. Feitas em met ...

Apesar de operação contra fake news, mentiras continuam circulando nas redes sociais (Foto: Reprodução/PX Here)

Economia

Uma mensagem repassada em redes sociais, como Facebook e WhatsApp, durante a semana passada, tenta disseminar a informação falsa de que a Justiça autorizou cancelamento automático da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de quem tivesse com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) atrasado. Segundo o texto, o nome cadastrado no SPC e Serasa Experian também seria impeditivo para a renovação do documento. A decisão seria do Superior Tribunal de Justiça, que nega a informação. O boato afirma que o motorista com a CNH cancelada por esses motivos teria que refazer exames, provas teórica e prática para a obtenção da habilitação. A mensagem diz ainda que vários advogados criaram uma petição visando recolher assinaturas para tenta barrar a medida. O texto incentiva o compartilhamento da fake news, para angariar o maior número de apoio possível e, por isso, a informação falsa se espalhou nas redes sociais. Não existe decisão que autorize o cancelamento automático de CNH por dívidas. O documento, assim como o passaporte, pode até ser suspenso por esse motivo, mas os casos são analisados individualmente pela Justiça, e não de maneira automática.

Emprego com carteira assinada tem sido difícil de achar no País(Foto: Suamy Beydoun/AE)

Economia

Com o sucesso do primeiro mutirão do emprego realizado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT), no dia 16, com a presença de 10 mil pessoas e 2 mil vagas preenchidas, a central sindical pretende continuar este trabalho de inserção social. O próximo mutirão será no dia 6 de agosto, na sede da instituição, no Anhangabaú. Segundo Ricardo Patah, presidente da UGT, a ação tem dois objetivos: empregar e reduzir o contingente de 14 milhões de desempregados e mostrar a estrutura do sindicato para que os novos trabalhadores se filiem. Neste segundo mutirão, o número de empresas que irão oferecer novas oportunidades subiu de 13 para 24, com mais de 2 mil postos em abertos para diferentes cargos, seja para quem procura o primeiro emprego, seja para quem pensa até mesmo em cargos de chefia. Serviço Mutirão do Emprego 24 empresas participantes com mais de 2 mil vagas à disposição Quando e onde: Segunda­-feira, 6, a partir das 8h, na sede da União Geral dos Trabalhadores (UGT) Rua Formosa, 99, Centro Mais informações pelo Tel. 2121­5900

Empresário foi citado em delação e tem relação com corretora localizada no centro do Rio (Foto: Reprodução/Google Street View)

Economia

A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira, 10, o empresário João Paulo Julio de Pinho Lopes, ligado à corretora Advalor, segundo o portal G1. A investigação é da força-tarefa da Operação Lava Jato do Rio. O empresário foi citado na delação premiada do ex-subsecretário estadual de Transportes do Rio Luiz Carlos Velloso. As declarações foram homologadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli. A reportagem está tentando localizar a defesa do empresário e deixou espaço aberto para manifestação.

Explosão foi sentida até fora da usina (Foto: Foto: Reprodução/InterTV dos Vales)

Economia

O Corpo de Bombeiros informou que, 25 feridos, em princípio sem gravidade, foram encaminhados a hospitais, após uma explosão em um gasômetro da Usina de Ipatinga da Usiminas, na região leste do Estado de Minas Gerais. A companhia confirmou no início da tarde desta sexta-feira, 10, por meio de nota de sua assessoria de comunicação, a explosão.De acordo com a empresa, até as 14 horas não havia registro de mortos, mas toda a área de risco da usina foi evacuada. A equipe de brigadistas da empresa está atuando no local e, segundo a assessoria, a canalização de gás já foi bloqueada e não há vazamento. O comandante do 11.º Batalhão do Corpo de Bombeiros em Ipatinga, major Nunes, afirmou que não houve mortos por causa da explosão e que os feridos foram encaminhados ao hospital da cidade pelos próprios brigadistas da Usiminas. No momento, segundo o major, os bombeiros estão no interior da unidade.Parte do centro da cidade também foi evacuada, de acordo com informações dos bombeiros. Representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Ipatinga estavam no início da tarde desta sexta na portaria da planta em busca de informações sobre a explosão. DanosA Câmara Municipal de Ipatinga emitiu uma nota em que informa que a explosão foi "sentida fortemente por todos que estavam no prédio". A Câmara informou, ainda, que a estrutura sofreu danos: vidros foram quebrados e parte do forro se desprendeu em algumas salas. Os servidores foram liberados na tarde desta sexta. Rafael Machado, de 29 anos, funcionário de uma sorveteria que fica próxima do gasômetro da Usiminas que explodiu diz que ouviu um barulho forte no momento da explosão. "Escutei o barulho e já liguei os fatos de que poderia ser um acidente. Foi um barulho muito alto, a loja aqui tremeu."Segundo ele, a sorveteria recebia, na hora da explosão, funcionários da Usiminas que estavam em horário de almoço. "Eles vieram tomar sorvete e ficaram todos assustados", disse. Do estabelecimento, era possível ver a fumaça na região do gasômetro. Funcionário da Usiminas, Maurício Ribeiro, de 36 anos, conta que estava em horário de almoço, por volta de 11h40, quando ouviu a explosão do gasômetro. "Rapidamente já passou o pessoal (outros funcionários da empresa) pedindo para todo mundo sair pela portaria do Bom Retiro (bairro da cidade). Não deu tempo de pegar nada, nem documento." Segundo ele, não houve correria. As equipes que começariam o trabalho às 15 horas foram dispensadas. O comerciante Fernando Viana, de 41 anos, estava em um shopping da região no momento do acidente e disse que foi possível ouvir o barulho. "Deu para ouvir a explosão e, em volta, tudo balançou bastante. Não deu para perceber de onde vinha."Viana disse que rapidamente começaram os comentários nas redes sociais e que, inicialmente, as pessoas se preocuparam com as consequências da explosão. Já na sorveteria onde trabalha, algumas horas após o acidente, o comerciante disse que o clima estava mais tranquilo. "Lá é um balão de gás e a gente não sabe que tipo de gás tem lá dentro, se podia vazar. Mas a gente recebeu um áudio do comandante do batalhão falando que não tem risco."O secretário Augusto Cézar Maciel, de 19 anos, estava em casa e conta que ainda conseguia sentir o cheiro que saía do local durante a tarde. "Foi um barulho muito forte e deu para ver (onde tinha ocorrido a explosão). O gás não é tóxico, mas está dando para sentir até agora. É quase como enxofre." 

Moeda pode ser trocada por lanche, mas empresa aposta que colecionadores guardarão objeto (Foto: Reprodução/Twitter)

Economia

O McDonald's vai promover uma ação nesta semana para celebrar os 50 anos do Big Mac, seu mais famoso sanduíche. Já que a revista The Economist usa, há mais de 30 anos, o índice Big Mac para comparar o poder de compra entre as nações, a rede decidiu fazer um ação em mais de 50 países na próxima quinta-feira. Para cada pessoa que comprar uma "oferta" do Big Mac - com batata frita e refrigerante -, a rede dará uma das moedas comemorativas confeccionadas para a ocasião. Feitas em metal - e disponíveis em cinco versões, alusivas às décadas de existência do Big Mac -, elas poderão ser trocadas, em todo o mundo, por um sanduíche ao longo de 2018. O vice-presidente de marketing do McDonald's, Roberto Gynpek, aposta, porém, que o brinde poderá se tornar um item de colecionador para os aficionados da marca. "É uma moeda global, mas pode ser um item também para guardar." Para a ação global, foram produzidas cerca de 10 milhões de moedas - 300 mil das quais foram enviadas dos Estados Unidos ao Brasil. Como a ação começa às 11h, a recomendação da rede é que os interessados no brinde cheguem cedo. O McDonald's tem 930 restaurantes no País - e cada um deles deverá receber entre 250 e 300 moedas, em média. O dia 2 de agosto foi escolhido para a promoção em homenagem a Jim Delligatti, criador do Big Mac, que completaria 100 anos na data. Embora Delligatti tenha criado o produto em 1967, foi no ano seguinte que ele passou a ser vendido em todos os Estados Unidos. A receita do Big Mac é igual até hoje em todo o planeta - uma das poucas exceções é a Índia, onde, por razões religiosas, o sanduíche usa carne de cordeiro.  We're celebrating 50 years of Big Mac by creating a global currency—MacCoin—each one worth a free Big Mac around the ?, with 5 collectible designs for 5 legendary decades. Starting August 2, collect your own MacCoins when you buy a Big Mac while supplies last. #BigMac50 pic.twitter.com/xn8Z9GNLSp — McDonald's (@McDonalds) 29 de julho de 2018

Mesmo com perda de quantia e projeção negativa, Facebook tem fortuna avaliada em US$ 510 bilhões (Foto: Divulgação)

Economia

O Facebook perdeu US$ 119 bilhões em valor de mercado nesta quinta-feira, 26, e se tornou a empresa com a maior queda diária da história de Wall Street. A baixa acontece depois da divulgação do balanço da empresa para o segundo trimestre de 2018, quando a empresa anunciou projeções pessimistas para o futuro em termos de crescimento de receita e usuários, bem como queda nas suas margens de lucro. O resultado já havia desanimado os investidores após o fechamento do pregão da quarta-feira, 25, quando as ações caíram mais de 20% e fizeram a empresa perder US$ 128 bilhões em valor de mercado. Ao longo desta quinta-feira, a rede social comandada por Mark Zuckerberg conseguiu recuperar parte desse valor, encerrando o dia cotada a US$ 510 bilhões - no pregão da quarta-feira, estava em US$ 629 bilhões. Entenda o caso A perda de valor de mercado registrada nesta quinta-feira é muito próximo ao valor de empresas como Nike (US$ 125,1 bilhões) e General Electric (US$ 114 bilhões). Só o presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, perdeu US$ 15,4 bilhões, tendo agora uma fortuna avaliada em US$ 67,1 bilhões. Ele caiu duas posições no ranking dos mais ricos do mundo da revista Forbes - agora, ele está em sexto, depois de ser ultrapassado pelo megainvestidor Warren Buffett (US$ 82,6 bilhões) e pelo dono da Zara, Amancio Ortega (US$ 72,3 bilhões). O mais rico do mundo segue sendo Jeff Bezos, presidente executivo da Amazon, com fortuna avaliada em US$ 148,6 bilhões, segundo a Forbes. Além disso, a perda de valor do Facebook supera de longe os US$ 95 bilhões de desvalorização que a empresa teve no auge do caso Cambridge Analytica. O caso mostrou como o Facebook tomou uma série de decisões erradas nos últimos anos ao não proteger a privacidade de seus usuários - no escândalo, a consultoria obteve indevidamente as informações de 87 milhões de pessoas pela rede social. A empresa também enfrentou críticas por permitir a propagação de notícias falsas durante a campanha presidencial dos EUA, em 2016. A onda de notícias negativas fez o Facebook mudar suas políticas de privacidade e segurança. Mark Zuckerberg, cofundador da rede social, deu explicações nos EUA e na Europa. O trabalho de contenção de crise parecia ter dado resultado - em três meses, a empresa conseguiu recuperar seu valor de mercado antes da crise. No entanto, a conta chegou agora. "A credibilidade do Facebook com investidores foi afetada. Se os resultados e projeções fossem bons, o impacto poderia não acontecer. Mas não foi o caso", disse o professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Pedro Waengertner. Usuários No fim de junho, o Facebook atingiu 2,23 bilhões de usuários ativos mensalmente em sua rede social - aumento de 1,54% na comparação com o primeiro trimestre de 2018. É o menor ritmo de crescimento de usuários da empresa em três anos - e metade da média para o período, que ficou acima de 3% por trimestre. Em mercados desenvolvidos, o resultado foi ainda pior: nos EUA, a empresa ficou estável em 241 milhões de usuários. Na Europa, onde uma nova legislação de privacidade de dados entrou em vigor em maio, o Facebook perdeu 1 milhão de usuários, caindo para 376 milhões de cadastros ativos todos os meses. No segundo trimestre de 2018, o Facebook viu sua receita atingir US$ 13,2 bilhões, crescimento de 42%, abaixo do ritmo dos últimos períodos - no primeiro trimestre, a empresa viu a métrica subir 50%, por exemplo. E não há previsão de melhora no horizonte. O diretor financeiro da empresa anunciou que espera ver mais quedas na expansão da receita nos próximos trimestres. "É uma combinação de fatores, entre câmbio, foco em novas experiências, como (as mensagens efêmeras) Stories, e (medidas para) dar mais poder de privacidade aos usuários", disse David Wehner, diretor financeiro da empresa, em conferência com investidores na quarta-feira.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Bolsonaro atraiu filiações ao PSL (Foto:Fernando Frazão/ABR/Fotos Públicas)

Nacional

Apenas partidos pequenos aumentaram o número de candidatos nas eleições deste ano em relação a 2014. Enquanto siglas tradicionais como PT, PSDB, MDB, PDT e PSB reduziram a quantidade total de registrados, houve um aumento expressivo entre as siglas de menor porte. O partido de Jair Bolsonaro, o PSL, é o que mais apresentou candidatos - 1.451, um aumento de 74,4% em relação a 2014. Das 35 siglas existentes, 12 vão ter mais postulantes neste ano do que nas últimas eleições gerais - PSL, PROS, Avante, Podemos, PRB, Solidariedade, PMN, PCO, PSOL, Patriota, PRTB e PPL. Há ainda três partidos que vão estrear nas urnas em âmbito nacional: Rede, Novo e PMB, que, juntos, somam 1.606 candidaturas. Os números têm como base os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É possível que haja pequenas alterações até o dia 20, quando as informações estarão 100% atualizadas. A legenda que registrou a maior variação porcentual no número de candidaturas foi o PCO (142,8%). A sigla, no entanto, é um ponto fora da curva - tinha apresentado somente 49 candidatos em 2014 e, agora, lançou 119. Em seguida, vem o PROS, com 1.018 candidatos, ante 485 em 2014 (aumento de 109,9%, mais que o dobro de um pleito para o outro). Entre os que mais reduziram candidatos, estão PCB (diminuição de 45,2%), PTB (-33,4%) e PSTU (-31,9%). Entre as siglas maiores, PSB (-31,4%), PSDB (-18,3%) e PDT (-16,4%) tiveram os maiores índices de diminuição de candidatos. O PT registrou queda de 6,8% e o DEM, de 5,5%. Segundo o cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, uma das explicações para este cenário pode ser a cláusula de barreira, que, a partir de 2018, impõe aos partidos desempenho mínimo para que sejam autorizados a ter acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de TV no horário eleitoral. "Os pequenos estão em busca de capilaridade", disse Teixeira. A nova regra exige, para este ano, que as legendas tenham 1,5% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação e com 1% em cada uma dessas unidades. A cláusula aumenta gradativamente até 2030 e busca afunilar o sistema partidário brasileiro, altamente fragmentado. Para a cientista política Luciana Veiga, professora da UNI-Rio, a estratégia faz sentido e pode servir à sobrevivência. "Mesmo que não elejam muitos nomes, os partidos com várias candidaturas têm chance de alcançar a cláusula com uma votação mais pulverizada." Um caso mais específico é o do nanico PSL, que, com a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República, atraiu deputados na janela partidária e, agora, busca se consolidar com a ampliação da bancada no próximo pleito. "O PSL não tinha nada, arranjou meia dúzia de deputados e agora precisa crescer (para se manter vivo)", afirmou Teixeira. Conforme o Estado mostrou na quarta-feira, a nova casa de Bolsonaro registrou mais de 13,6 mil filiações em 2018, impulsionadas pela figura do presidenciável. Trata-se de número quatro vezes maior que o dos partidos adversários na disputa pelo Palácio do Planalto. Concentração Quanto aos partidos tradicionais, o motivo da diminuição de candidaturas passa por um uso mais direcionado dos recursos do fundo eleitoral. Com as regras inéditas de financiamento de campanha, as siglas apostam mais em candidaturas viáveis, com pouca abertura à renovação. É o caso do PSB, a legenda tradicional que mais reduziu o número de postulantes. A estratégia, segundo o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, é concentrar os recursos em campanhas com grandes chances de vitória. "O novo fundo não facilita a renovação", afirmou ele. O PSB não tem candidatura própria à Presidência da República e não compõe nenhuma coligação, mas conta com nomes fortes em eleições regionais. "O fundo eleitoral concentra muitos recursos nos grandes. O problema dos maiores não é dinheiro, não é sobrevivência. É otimizar os cargos que já têm", afirmou Luciana Veiga. 

Candidatos ao governo fizeram questão de mencionar presidenciáveis (Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Cidade

Os candidatos ao governo de São Paulo presentes no primeiro debate televisionado, na Band, aproveitaram o último bloco do programa para nacionalizar a discussão. Houve menções ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), bem como contra a polarização política no País. O ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT) disse ser, com orgulho, amigo de Lula e candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes. No fim do bloco anterior, Marinho havia feito a primeira menção dele a Lula no debate. Em embate com Rodrigo Tavares (PRTB), ele disse que os governos petistas combateram a corrupção e afirmou que o PT "é a grande esperança" do povo brasileiro. Tavares citou a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), cujo vice, general Hamilton Mourão, é do PRTB. Marinho citou ainda acusações de corrupção contra o PSDB. O tucano João Doria o rebateu nas considerações finais e falou que o petista não pode comparar Alckmin a Lula. "Alckmin tem mais de 40 anos de vida pública ilibada. Lula está preso em Curitiba", afirmou. Ele cobrou ainda "respeito" do petista, que no final do bloco anterior havia mencionado o nome da esposa do ex-prefeito paulistano, Bia Doria. "Ela não é ré como o senhor", disse. Na despedida do público, Rodrigo Tavares também atacou Alckmin. "Ele fez bom trabalho sim no Estado de São Paulo, mas como anestesista. Ele anestesiou o Estado de São Paulo", afirmou. Nos apontamentos finais, Márcio França (PSB) levou novamente a discussão para o nível nacional. Ele disse que a população de São Paulo vê os exemplos do PT, do PSDB e do MDB e que só ele representa a mudança. O governador paulista lembrou também a mediação dele na greve dos caminhoneiros. Paulo Skaf (MDB) encerrou o debate exaltando as escola do Sesi, que ele usou para criticar ensino estadual de São Paulo. Antes disso, coube ao empresário a primeira das duas únicas menções a Deus no debate. A segunda foi de Lisete Arelalo (PSOL), que disse que o povo "deu graças a Deus" pela renúncia de alguns candidatos. Ela afirmou ainda que vai seguir com o legado da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em 14 de março. Marcelo Cândido (PDT) ressaltou a experiência como prefeito de Suzano (SP).

Para a maioria dos eleitores, Bolsonaro e Alckmin são os favoritos para avançarem na disputa (Foto: Daniel Teixeira e Adriana Spaca/AE)

Nacional

Uma nova pesquisa sobre as intenções de voto à Presidência da República, divulgada na quarta-feira, 15, pelo Instituto Paraná, mostra que o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) devem se enfrentar no 2º turno, caso o ex-presidente Lula (PT) tenha sua candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Questionados sobre percepção de quais candidatos vão para a segunda fase das eleições, 43,3% apostam em Bolsonaro e 26,7% no tucano. Neste quesito, Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com a expectativa de 21% dos eleitores. Em seguida aparece Marina Silva, com 20,7%, e Fernando Haddad (PT), provável substituto de Lula, tem 10,1% das apostas.  Mas nas intenções de voto, Lula, mesmo preso, ainda lidera com 30,8%, um crescimento de quase 2% na comparação com a pesquisa anterior feita pelo mesmo instituto. No cenário com Lula, Bolsonaro é o segundo colocado, com 22%, e Alckmin, que na pesquisa anterior tinha uma desvantagem de 3% para Marina Silva (Rede), viu a diferença para ela cair pela metade. Marina tem 8,1% das intenções de voto e ele 6,6%. No cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 23,9% das intenções de voto. Com a saída do ex-presidente da disputa, Marina Silva e Ciro Gomes (PDT) parecem receber parte de seu eleitorado, e ficam à frente do tucano. Marina chega a 13,2%, Ciro fica com 10,2% e Alckmin  8,5%. Esta é a primeira pesquisa divulgada após o debate realizado pela Rede Bandeirantes, na semana passada, e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o no BR-02891/2018. O levantamento foi feito com 2.002 eleitores, em 168 municípios brasileiros, entre os dias 9 e 13 de agosto de 2018. A margem de erro, para mais ou para menos, é de 2%.  

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião

Depois que alguns presidenciáveis apresentaram suas propostas para o País, no debate da semana passada, hoje é a vez de sete candidatos ao Governo do Estado de São Paulo fazerem o mesmo na Band, a partir da 22h. É uma grande chance para alguns deles saírem da obscuridade e mostrarem seus programas de gestão e, principalmente, seus rostos, para um eleitorado que não tem dado tanta atenção a eles. É uma brecha aberta inclusive para o governador Márcio França, que, embora no cargo desde abril –, quando Alckmin deixou o posto para concorrer à Presidência –, ainda luta para se fazer mais conhecido entre os eleitores, que podem dar a ele a chance de continuar ocupando o Palácio dos Bandeirantes, como chefe do Executivo. E o que não falta na história política paulista é a figura de vice que conseguiu alçar voo solo e ganhou o papel de protagonista. O próprio Alckmin é um destes, que, com o agravamento da doença de Mario Covas, em janeiro de 2001, assumiu interinamente o governo e, depois, ratificou nas urnas sua permanência. Há semelhanças entre os dois, como o fato de eles terem iniciado na política longe da Capital, sendo vereador e prefeito de suas respectivas cidades natais, depois deputado federal, até serem convidados para comporem a chapa que venceria o governo paulista. Mas, certamente, o desafio de França é bem maior do que aquele encarado por Alckmin, 16 anos atrás. A começar pelo enfrentamento com dois fortes concorrentes, que até outro dia era também seus aliados: Paulo Skaf e João Doria. O emedebista e o tucano lideram com folga a corrida ao Bandeirantes e, se nada mudar até 7 de outubro, estarão no segundo turno. E o problema do atual governador é justamente se interpor entre seus concorrentes. Terá a primeira chance hoje. Para isso precisa mostrar à audiência que é diferente de ambos, e dos demais, e que tem mais a oferecer. Só que do outro lado estarão dois experientes debatedores, já testados em eleições anteriores. Já França faz sua estreia em um programa deste nível. É mais um obstáculo para o político de São Vicente superar, se quiser seguir adiante na disputa.
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Vale a reflexão sobre o desarmamento no Brasil (Foto: Arquivo/ABR)

Opinião

Juntos, os hospitais filantrópicos, como é o caso das santas casas, acumulam uma dívida de R$ 21 bilhões (Foto: Edson Lopes Jr/ (Arquivo) – A2 Comunicações/Fotos Públicas)

Opinião

Excessos nas redes sociais podem ser prejudiciais (Foto: USP Imagens/Fotos Públicas)

Opinião

Alckmin e França possuem semelhanças em suas carreiras políticas (Foto: Arquivo/MN)

Opinião