19
Seg, Nov

Rodrygo Goes já foi negociado com o Real Madrid, mas ainda chama a atenção do setor publicitário brasileiro (Foto: Divulgação)

Economia

Alô, alô, Rodrygo   

A TCL convidou o jogador Rodrygo, atual sensação do futebol brasileiro e recém-contratado pelo Real Madrid, para estrelar sua nova campanha com assinatura da agência Talent/Marcel. A Semp TCL traça um paralelo entre o celular TCL T7, o primeiro da marca no Brasil, e o atleta. “Do mesmo jeito que o desempenho e alta performance do Rodrygo Goes vêm surpreendendo o público, estamos convidando as pessoas a saírem da mesmice e conhecerem o design e inovação da nova linha de smartphones da marca”, diz Patricia Vidal, head de marketing da Semp TCL.
 
Audiência


No último domingo, 28, a Record News realizou uma cobertura ampla do segundo turno das eleições 2018. Com a programação dedicada por 14 horas, ao vivo, a emissora obteve uma audiência média de 126.260 telespectadores por minuto, ultrapassando a Rede TV!, TV Cultura e TV Gazeta durante a faixa vespertina (12h as 18h), no mercado nacional. No decorrer de toda a cobertura, o canal alcançou mais de 4 milhões de telespectadores, segundo o Ibope.
 
Outdoor


A Central de Outdoor, a mais tradicional entidade de mídia exterior brasileira, fundadora do Conar e Cenp, anuncia a contratação de Fabi Soriano como diretora-executiva. Entre suas atribuições, com início no dia de hoje, está o relacionamento com o mercado e corpo associativo. Fabi é formada em Liderança Organizacional e foi diretora comercial da Formato Outdoor por 14 anos.
 
Confiança


A Petrobras iniciou a veiculação de campanha que visa à ampliação do conhecimento sobre as medidas que a companhia vêm implementando para aprimorar a prevenção e o combate à corrupção. Intitulada “Confiança”, o objetivo com a campanha é preencher a lacuna identificada em pesquisas junto à opinião pública. Ao todo são dois filmes em canais de TV aberta, peças em jornais e internet. Agora só falta a Petrobras conscientizar o governo federal de que “não existe caminho fácil. Existe o caminho certo”.
 
Grandes Nomes


No próximo domingo, 4, destaque para Fernando Musa, CEO da Ogilvy, que aborda a atual situação do País e do mercado, na TV Record News, a partir das 10h30.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

segundo Segóvia, ele foi mal interpretado em entrevista (Foto: Marcos Corrêa/ PR)

Política

O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segóvia, disse nesta segunda (19) ao ministro do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso que não pretendeu “interferir, antecipar conclusões ou induzir o arquivamento” do inquérito sobre o presidente Michel Temer.

A explicação de Segóvia foi levada pessoalmente no fim da tarde ao ministro, relator do inquérito, após o magistrado cobrar explicações do diretor-geral da PF sobre uma entrevista dada à Agência Reuters na semana passada.

Na entrevista, Segovia disse que, no inquérito em que Temer e outros acusados são investigados pela PF, com autorização do ministro Barroso, os "indícios são muito frágeis" e sugeriu que o inquérito "pode até concluir que não houve crime".

Ao ministro, Segovia ressaltou que suas declarações foram ‘distorcidas e mal interpretadas”, que não teve intenção de ameaçar com sanções o delegado responsável pelo caso e também se comprometeu a não dar mais declarações sobre a investigação.

O encontro entre o ministro e o diretor-geral da Polícia Federal durou 30 minutos, mas não houve declarações públicas.

Temer, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures e os empresários Ricardo Conrado Mesquita e Antônio Celso Grecco, ambos ligados à Rodrimar, que opera no Porto de Santos, são acusados pelo suposto favorecimento da empresa por meio da edição do chamado Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017).

Em janeiro, ao responder por escrito aos questionamentos dos delegados responsáveis pelo caso, a defesa do presidente Temer declarou que ele nunca foi procurado por empresários do setor portuário para tratar da edição do decreto. Sobre o ex-deputado Rocha Loures, um dos investigados no inquérito, Temer disse que nunca o autorizou a fazer tratativas em seu nome. "Peço para realçar a impertinência de tal questão, por colocar em dúvida a minha honorabilidade e dignidade pessoal", escreveu.

Jogador deve ser titular no time de Jair Ventura (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)

Futebol

O Santos tem novo reforço para a sequência da temporada 2018. O clube oficializou a contratação do lateral-esquerdo Dodô. O jogador estava na Sampdoria e chega ao clube cedido por empréstimo pela equipe italiana até o final deste ano.

Dodô reforçará o Santos para tentar resolver uma carência do elenco. O time havia contratado para esta temporada o lateral-esquerdo Romário, mas o jogador ex-Ceará não conseguiu se firmar na posição após as rodadas iniciais do Campeonato Paulista, perdendo a vaga para Caju, jovem das divisões de base, que também não agradou ao técnico Jair Ventura. 

Mais recentemente, então, o treinador apostou em improvisações na lateral esquerda, com o colombiano Copete e Jean Mota. Agora, então, Dodô chega ao Santos sob a expectativa de conquistar a titularidade da posição. E ele celebrou a oportunidade de participar da Copa Libertadores na sua volta ao futebol brasileiro. 

"É um dia muito importante. Representa uma grande oportunidade de voltar para o Brasil e disputar a Libertadores da América. Passei seis anos na Itália e tenho essa grande oportunidade de voltar para jogar no Santos FC. Será muito bom trabalhar com o Jair Ventura, da nova geração e que vem fazendo sucesso nos últimos anos. A torcida pode esperar o máximo. Vou colocar em prática tudo que aprendi na Europa", afirmou o novo reforço ao site oficial do clube.

Ao oficializar a contratação, o Santos brincou ao utilizar o ex-atacante Dodô, que defendeu o time entre 1999 e 2001, para confirmar o acordo com o jogador de mesmo apelido, mas com história de êxito menor, ao menos até agora, no futebol, em um vídeo intitulado "Chamada inesperada" em que o técnico Jair Ventura faz uma ligação telefônica para o jogador "errado". 

Hoje com 26 anos, Dodô foi formado nas divisões de base do Corinthians, tendo sido promovido ao elenco profissional aos 17 anos, depois passando pelo Bahia, antes de chegar ao futebol italiano, onde atuou por Roma, Inter de Milão e Sampdoria. Ele também passou pelas seleções de base do Brasil, tendo sido convocado para o Mundial Sub-17 em 2009. 

Dodô é o quarto reforço a chegar ao Santos nesta temporada. Além dele e de Romário, o time também se reforçou com Eduardo Sasha e Gabriel Barbosa, o Gabigol, para o seu setor ofensivo. O clube ainda tem uma vaga a ocupar na lista de inscritos para a primeira fase do Campeonato Paulista e deve incluir Dodô na relação.

Gabriel comemora gol junto ao elenco do Santos sobre o São Paulo (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Futebol

Gabigol não poderia ter início melhor no retorno ao Santos. Herói da vitória sobre o São Paulo neste domingo por 1 a 0, Gabriel Barbosa é visto com mais carinho por Rui Vitória, técnico do Benfica, de Portugal, seu último clube. 

"O Gabriel é um jogador de qualidade e fazer gols é algo em que tem facilidade quando aparece na cara do gol. Eventualmente, em outro momento, poderia ter tido outro rendimento (no Benfica). Agora pode ser diferente. Se calhar, ali está num contexto muito favorável. Previa e fui um dos primeiros a achar bem que regressasse ao Brasil, porque está num clube onde foi feliz e talvez encontre novamente a felicidade", afirmou Rui Vitória ao site Record, de Portugal.

Na Europa, o artilheiro fez 14 partidas e dois gols, um pela Inter e outro pelo Benfica. No retorno ao Alvinegro da Baixada, em 2018, o atleta marcou 3 vezes em 3 partidas: na reestreia contra a Ferroviária, diante do São Caetano, na Vila Belmiro, e contra o São Paulo. Gabriel Barbosa fez 57 gols em 157 jogos em sua primeira passagem pelo Santos e, no meio da temporada de 2016,  foi negociado com a Inter de Milão, onde acumulou problemas e não foi aproveitado.

O técnico tricolor foi chamado de "burro" por parte da torcida do São Paulo (Foto: Rubens Chiri/ São Paulo FC)

Futebol

O São Paulo foi derrotado para o Santos por 1 a 0, no Morumbi, neste domingo (18), em jogo válido pela oitava rodada do Campeonato Paulista. Apesar da impaciência de parte da torcida, o técnico Dorival Jr. destacou a evolução o time, deixando “um pouco” de lado o placar e o aproveitamento negativo da equipe em clássicos.

“O maior problema de uma equipe é não criar, mas temos criado e fizemos o mais difícil. Estamos muito próximos de um acerto nesse sentido, por isso continuo confiando no que está sendo desenvolvido. Fizemos um grande jogo, não temos que analisar unicamente o resultado, mesmo que quiséssemos demais. E buscamos”, analisou Dorival após derrota para seu ex-clube.

O tricolor paulista manteve 57% da posse de bola durante os 90 minutos, enquanto os santistas tiveram 43%. O time de Jair Ventura soube se posicionar sem a bola, priorizando a marcação e controlando os espaços do adversário. Gabriel foi feliz ao arriscar um tiro de fora da área e abrir o marcador.

Depois, foi mais do mesmo, o que irritou os 35 mil torcedores que compareceram ao Cícero Pompeu de Toleto. O São Paulo soube trabalhar a bola, mas encontrou dificuldades em furar a zaga bem armada pelo comandante do time da Baixada. A próxima partida do São Paulo é contra o Ituano, no estádio Novelli Júnior, em Itu, na quarta-feira (21), às 21h45.

Para Unai Emery, histórico mostra que vaga para as quartas da Champions ainda não está definida (Foto: Reprodução/Facebook)

Futebol

Sob pressão no comando do Paris Saint-Germain e criticado principalmente por ter substituído o goleador Cavani pelo lateral-direito Meunier antes de o Real Madrid fazer dois gols e vencer o time francês por 3 a 1, na última quarta-feira, na Espanha, o técnico Unai Emery exibiu confiança ao já projetar o duelo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões, no próximo dia 6 de março, na capital francesa.

Em entrevista coletiva concedida na véspera da partida que a sua equipe fará contra o Estrasburgo, neste sábado, em casa, pelo Campeonato Francês, o treinador exaltou a força que o PSG vem mostrando principalmente em seus duelos como mandante para apostar que o time de Neymar irá assegurar classificação às quartas de final da competição continental.

"A equipe teve uma boa partida na quarta-feira, mas, no futebol, às vezes é assim. Você pode ser melhor do que seu oponente durante a maior parte do jogo, mas não é bem-sucedido em concretizar as suas chances. Eles conseguiram marcar em suas melhores oportunidades. Estou convencido de que podemos obter a qualificação. Estou feliz com o trabalho dos meus jogadores, mesmo que não tenhamos conseguido o resultado desejado. O time será mais eficaz na partida de volta", afirmou o comandante.

Emery ainda lembrou do histórico recente de vitórias expressivas sobre grandes adversários em jogos do PSG como mandante na Liga dos Campeões para justificar a sua confiança de que a equipe eliminará o Real Madrid.

"Vencemos este ano todos os jogos em casa. E também vencemos o Bayern de Munique (por 3 a 0, em setembro de 2017) e o Barcelona (4 a 0, em fevereiro do ano passado). Penso nisso e estou convencido de que o time vai mostrar seu valor e vamos passar à próxima fase", completou o treinador, que também recordou o fato de que o clube parisiense já goleou o Real Madrid por 4 a 1, em 1993, em uma partida válida pela extinta Copa da Uefa, que na época tinha o mesmo status que hoje possui a Liga Europa.

O treinador também reforçou a sua confiança em Neymar, que exibiu uma atuação apagada no campo ofensivo em Madri e foi criticado por ter feito uma falta desnecessária que lhe rendeu cartão amarelo, sendo que correu o risco de ser expulso por outras posturas consideradas polêmicas ou imprudentes ao longo do jogo. "Neymar fez uma grande partida. Ele mostrou muitas coisas positivas. Se melhorar em alguns pequenos detalhes, mostrará o grande jogador que ele é", acredita Emery.

Com a cabeça inevitavelmente no duelo de volta contra o Real Madrid, o PSG ocupa a liderança disparada do Campeonato Francês, com 65 pontos, 12 à frente do vice-líder Monaco, que abre a 26ª rodada nesta sexta-feira em jogo contra o Dijon, às 17h45 (de Brasília), em casa.

"Quero conhecer o Silvio Santos", disse a atriz nas redes sociais

Fora dos Trilhos

A equipe de comunicação da Rede Globo confirmou ao E+ que Marina Ruy Barbosa não foi liberada para participar da premiação Troféu Imprensa, do SBT. O motivo seria o fato dela estar atualmente no ar como protagonista na novela Deus Salve o Rei.

A comunicação da emissora de Silvio Santos disse que "o SBT não vai se pronunciar por respeitar a decisão da direção da TV Globo, a qual sempre libera artistas para o Teleton e Troféu Imprensa".

Marina Ruy Barbosa gostaria de comparecer ao evento e recorreu aos seus seguidores do Twitter para tentar a liberação da emissora. "Globo, libera eu! Quero conhecer o Silvio Santos", escreveu em uma postagem com mais de 24 mil curtidas.

Seu pedido, porém, foi negado. Por outro lado, a comunicação da Globo disse que Cleo Pires, Sergio Chapelin e Vanessa Giácomo estão liberados a participar da premiação.

Ainda assim, a presença deles na cerimônia ainda não pode ser confirmada pelo SBT, uma vez que ainda é preciso verificar a disponibilidade das personalidades.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

"Será que devemos destinar aos mais pobres profissionais, entre aspas, sem qualquer garantia de que eles sejam realmente razoáveis, no mínimo?", questionou Bolsonaro (Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil)

Nacional

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), encerrou intempestivamente uma entrevista coletiva no 1º Distrito Naval, no Rio. O militar da reserva estava sendo perguntado sobre a continuidade dos atendimentos de saúde no Programa Mais Médicos, já que cerca de 8,3 mil profissionais podem deixar o País com decisão de Cuba de interromper a parceria. Bolsonaro respondeu apenas uma pergunta após ser questionado sobre o Mais Médicos - não comentou, por exemplo, a indicação do economista Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central (BC). O presidente eleito voltou a criticar os termos do acordo com Cuba no Mais Médicos, que prevê o repasse direto ao governo caribenho de 70% dos salários dos profissionais de saúde. Repetiu que a situação dos profissionais de saúde cubanos é "praticamente de escravidão" e questionou a qualidade dos serviços prestados. "Nunca vi uma autoridade no Brasil dizer que foi atendido por um médico cubano. Será que devemos destinar aos mais pobres profissionais, entre aspas, sem qualquer garantia de que eles sejam realmente razoáveis, no mínimo? Isso é injusto, é desumano", disse Bolsonaro. O presidente eleito defendeu o exame presencial de validação do diploma dos médicos incluídos no programa. "O que temos ouvido, em muitos relatos, são verdadeiras barbaridades. Não queremos isso para ninguém no Brasil, muito menos para os mais pobres. Queremos o salário integral (dos médicos cubanos) e o direito (deles) de trazer a família para cá. Isso é pedir muito? Isso está em nossas leis, que estão sendo desrespeitadas", resumiu Bolsonaro antes de encerrar a entrevista, que durou menos de cinco minutos. O futuro presidente do Brasil também prometeu asilo político para todos os médicos cubanos que pedirem. "Há quatro anos e pouco, quando foi discutida a Medida Provisória (que criou o Mais Médicos), o governo da senhora Dilma (Rousseff) disse, em alto e bom som, que qualquer cubano que, por ventura, pedisse asilo, seria deportado. Se eu for presidente, o cubano que pedir asilo aqui, (que) se justifica pela ditadura da ilha, terá o asilo concedido da minha parte", afirmou.

Presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou a decisão pelo Twitter (Foto: Divulgação)

Mundo

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou há pouco a indicação do embaixador Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo. Diplomata há 29 anos, Araújo é diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Bolsonaro anunciou a indicação por meio de sua conta no Twitter. “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”, escreveu o presidente eleito, classificando o diplomata como um “um brilhante intelectual.” Com o novo anúncio, sobe para oito os nomes confirmados para a equipe ministerial do governo eleito. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje. Informo a todos a indicação do Embaixador Ernesto Araújo, diplomata há 29 anos e um brilhante intelectual, ao cargo de Ministro das Relações Exteriores. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

"Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares", disse o presidente eleito (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Saúde

O governo cubano informou nesta quarta-feira, 14, que está se retirando do programa social Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadores e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças "inaceitáveis" no projeto do governo. O convênio com o governo cubano é feito entre Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). "Diante desta realidade lamentável, o Ministério da Saúde Pública (Minasp) de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Panamericana da Saúde (OPS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa", anunciou a entidade em um comunicado. Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas e condicionou a permanência no programa "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual". O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios, cobrindo 73% das cidades brasileiras. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. "Não é aceitável que se questione a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, presta serviços atualmente em 67 países", declarou o governo. "As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis e violam as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificados em 2016 com a renegociação da cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença de profissionais cubanos no Programa", informou em nota o Ministério da Saúde. De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. "Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história", disse o governo. Segundo o governo de Cuba, mais de 20 mil médicos cubanos passaram pelo Brasil e chegaram a compor 80% do contingente do Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff. Cuba anunciou que manteria o programa depois do impeachment da ex-presidente petista, apesar de considerar o afastamento um "golpe de Estado". Bolsonaro critica Cuba O presidente eleito Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar a decisão do governo cubano.  Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos. — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018 Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável! — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 14 de novembro de 2018

e temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", questionou Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Nacional

O presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira, 14, que quer preservar o meio ambiente, mas "não dessa forma que está aí". Ele culpou políticas ambientais e indigenistas pelo atraso de algumas regiões do País e disse que "o índio quer ser o que nós somos". Bolsonaro citou como exemplo a situação de Roraima, que disse ter potencial para ser "o Estado mais rico do Brasil". "Se não tivesse problemas ambientais e indigenistas, tinha tudo para ser Estado mais rico do Brasil. Esse é um problema que temos que resolver. O índio quer ser o que nós somos, o índio quer o que nós queremos. Se temos na Bolívia um presidente índio, por que aqui o índio tem que ficar confinado numa reserva?", declarou Bolsonaro . Durante reunião com governadores, em Brasília, Bolsonaro contou que está na iminência de anunciar o nome do seu ministro do Meio Ambiente e afirmou que "não será o que dizem". Lembrou, ainda, que desistiu de fundir a pasta com a Agricultura por orientações do setor produtivo.
or
or

Articulistas

Colunistas

Sucesso do agronegócio é fundamental para a economia brasileira e a geração de empregos (Foto: Antonio Costa/Fotos Públicas)

Opinião

Doria é um dos governadores eleitos que já declararam apoio a Bolsonaro (Foto: Reprodução/Twitter)

Opinião

Tentaram boicotar até um programa que visa a ajudar crianças com deficiência física, o Teleton, apenas por que Sílvio Santos agradeceu e enalteceu o presidente eleito (Foto: Reprodução/SBT)

Opinião

O uso de bicicletas reduz problemas na Mobilidade e na Saúde, como a diminuição da poluição (Foto: Rovena Rosa/Ag Brasil/Fotos Públicas)

Opinião