22
Seg, Out

Mesmo com problema no local, não havia agentes da CET na região (Foto: Reprodução/Google Street View)

Cidade

Dois faróis de trânsito, localizados no cruzamento das ruas Abílio Pedro Ramos e Bernardo Lopes, no extremo da Zona Norte da Capital, estão há pelo menos três dias totalmente apagados. O problema gera um congestionamento gigantesco para quem pretende acessar a Rodovia Fernão Dias, já que a alça de acesso fica bloqueada pelos carros.

A situação acontece praticamente na divisa com a cidade de Guarulhos, mas ainda na região que é administrada pela Prefeitura de São Paulo. “Não é a primeira vez que acontece isso. O problema é que a gente é esquecido por aqui”, disse o aposentado Josivaldo dos Santos, que passava de carro por ali.

A reportagem utilizou as vias por três dias consecutivos esta semana, por volta das 7h30. Em nenhuma delas havia agentes de trânsito ou viaturas da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), nem mesmo sinalização para auxiliar os motoristas.

Questionada, a Prefeitura informou que a CET é responsável pela manutenção dos faróis e que poderia responder pelo problema. A companhia informou que os semáforos “apresentaram falhas em razão de vandalismo”. A ocorrência, segundo a CET, foi registrada ontem. “Após o trabalho de recuperação dos equipamentos e cabos, os semáforos voltaram a funcionar na manhã desta quinta-feira, dia 11/10”, afirmou em nota enviada à reportagem. 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Elevado é uma das principais vias de acesso do centro à zona oeste da cidade de São Paulo (Foto: Lucas Dantas)

Cidade

As mudanças no horário de funcionamento no Elevado João Goulart, o Minhocão, começam a valer a partir deste sábado, 10. Neste primeiro momento, a diferença será o fechamento integral do viaduto aos sábados.

O decreto que regulamentou a iniciativa foi publicado no dia 8 de fevereiro pelo prefeito João Doria (PSDB), que vetou o trecho que tratava da demolição da via. Antes do decreto, o viaduto fechava às 6h30 e era aberto novamente ao tráfego a partir das 15h.

Dois meses após esta primeira mudança, a Prefeitura ainda vai ampliar o horário de funcionamento do viaduto durante a semana.

Veja os horários de fechamento

Como funcionava

Das 21h30 às 6h30, de segunda a sexta

Das 15h às 6h30, aos sábados

Fechado totalmente aos domingos e feriados

Como passa a funcionar a partir de sábado

Das 21h30 às 6h30, de segunda a sexta

Fechado totalmente aos sábados, domingos e feriados

Como passará a funcionar daqui a 60 dias

Das 20h às 7h, de segunda a sexta­feira

Fechado totalmente aos sábados, domingos e feriados

Uma pessoa sofreu queimaduras e foi encaminhada para o hospital (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

Um ônibus foi incendiado na Rodovia Raposo Tavares, na zona oeste de São Paulo, na noite desta terça-feira, 27. O caso ocorreu na altura do Km 14, próximo ao Shopping Raposo, sentido São Paulo, informou o Corpo de Bombeiros.

A corporação registrou a ocorrência por volta das 20h20 e enviou três viaturas ao local. De acordo com a Polícia Militar, os criminosos entraram no coletivo e roubaram os passageiros. O motorista foi obrigado a deixar o veículo atravessado na via de modo a bloquear o fluxo na via.

Em seguida, os passageiros tiveram de descer do ônibus, que foi incendiado e ficou totalmente destruído. A PM informou que uma pessoa foi encaminhada ao pronto-socorro Bandeirantes com queimaduras.

Ainda não há informações sobre o motivo do incêndio nem sobre o estado de saúde do ferido, que não se sabe se era passageiro ou um dos criminosos.

O Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER-SP), que administra o trecho, informou que a via, sentido São Paulo, estava totalmente interditada por volta das 20h45. A via foi liberada às 6h07 desta quarta-feira, 28.

Número de mortes caiu 7% em São Paulo (Foto: Arquivo/ABR)

Cidade

O número de mortes causadas por acidente de trânsito caiu quase 7% na cidade de São Paulo, segundo dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Em 2017, foram registrados 796 óbitos. As informações sobre o total de acidentes na Capital serão divulgadas pela companhia em abril, após conclusão de análise dos Boletins de Ocorrência registrados na Polícia Civil.

Este é o menor número já registrado no município desde o início do levantamento, em 1979. Em 2016, foram 854 mortes no trânsito. No ano passado, ocorreram menos acidentes fatais envolvendo motoristas, motociclistas e pedestres. A maior queda se deu entre os ocupantes de automóveis: 28% (de 164 para 118 óbitos). O número de ciclistas mortos apresentou alta de 23,3% (de 30 para 37).

O índice de fatalidade no ano foi de 6,56 mortes por 100 mil habitantes. Esse número se aproxima da meta estipulada pela cidade de São Paulo em compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU), de 6 mortes por 100 mil habitantes. No Brasil, essa taxa é de 23,4 mortes/100 mil habitantes.

Acidentes de trânsito fatais em 2017 (janeiro a dezembro)

 

Mortes

2016

2017

Variação

Total

854

796

-6,8%

Pedestre

343

331

-3,5%

Motorista/passag.

164

118

-28%

Motociclista

317

310

-2,2%

Ciclistas

30

37

+23,3%

Índice mortes/100 mil habitantes

7,07

6,56

-7,2%

Será a 5ª edição da "Sexta Sem Carro" em São Paulo (Foto: Lucas Dantas)

Cidade

A 5ª edição da “Sexta sem Carro” acontece nesta sexta-feira, 23, das 6h às 18h, quando serão fechadas algumas vias do Centro Histórico de São Paulo para a circulação de veículos. A ação começou em outubro e é realizada em toda última sexta-feira de cada mês para, segundo a Prefeitura, promover o uso de transporte público e bicicletas, além de incentivar soluções como a prática da carona entre amigos e vizinhos e as pequenas viagens a pé.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) não informou quais foram os resultados obtidos. Funcionários da empresa vão acompanhar o evento durante o dia, realizando monitoramento nos desvios e os principais cruzamentos afetados, orientando os motoristas sobre a restrição na circulação.

Desvios

Sentido da Praça da Sé/Praça Ramos de Azevedo: Rua Senador Feijó, Rua Cristóvão Colombo, Rua Riachuelo, Túnel Papa João Paulo II, Avenida Prestes Maia, Avenida Senador Queirós, Avenida Ipiranga, Avenida São Luís, Rua Coronel Xavier de Toledo e Praça Ramos de Azevedo.

Sentido da Praça Ramos de Azevedo/Praça da Sé: Rua Conselheiro Crispiniano, Avenida São João, Avenida Ipiranga, Avenida São Luís, Viaduto Nove de Julho, Viaduto Jacareí, Rua Maria Paula, Viaduto Dona Paulina, Praça Dr. João Mendes, Rua Anita Garibaldi, Rua Roberto Simonsen, Rua Venceslau Brás e Praça da Sé.

Enquanto a Mogi-Bertioga permanece interditada, Anchieta e Imigrantes são alternativas (Foto: Reprodução/DER-SP)

Cidade

A Rodovia Mogi-Bertioga (SP-098) segue interditada na manhã desta segunda-feira (19) depois que uma queda de barreira, na última sexta-feira, 16, provocou o bloqueio no Km 82. De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER-SP), que administra a via, ainda não há previsão para liberação.
 

Na sexta-feira, após a queda de barreira, houve desvio e interdição do tráfego no Km 69. Desde então, máquinas trabalham para retirar terra, pedras e árvores do local. No sábado, 17, a rodovia ficou interditada também nos quilômetros 87 e 88,5. Na manhã desta segunda-feira, a via permanecia totalmente interditada do Km 69 ao Km 98.

Segundo o DER-SP, a limpeza está praticamente concluída e engenharias realizam uma avaliação no local para verificar se há risco de novas quedas de barreiras ou se o asfalto está danificado, por exemplo. Dependendo dos resultados da avaliação, a rodovia poderá ser liberada ou passar por obras.

Para quem utilizaria a Mogi-Bertioga, o DER recomenda como alternativas o Sistema Anchieta-Imigrantes, rodovias do Tamoios ou Oswaldo Cruz.

Ideia é dar maior fluidez ao trânsito paulistano (Foto: SECOM)

Cidade

A gestão do prefeito João Doria (PSDB) lança, nesta sexta (16), um edital de chamamento público para receber estudos do setor privado para viabilizar a privatização da rede semafórica da capital paulista, que é da década de 1980. O foco é aumentar em até 25% o número de semáforos.

O objetivo é fazer um longo contrato de concessão no qual a empresa terá de investir em tecnologia para modernizar até 85% dos 6.399 semáforos de São Paulo, alvos constantes de vandalismo e apagões. O investimento necessário está estimado em R$ 1 bilhão.

Só 600 semáforos têm automação em tempo real, ou seja, o tempo de abertura e fechamento é controlado a distância de um centro de operações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Os novos aparelhos também vão controlar a velocidade dos carros e farão a contagem dos veículos no cruzamento, o que, segundo a Prefeitura, permitirá modificar a programação para que os semáforos fiquem abertos mais ou menos tempo, conforme o trânsito da região.
O secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda, estima até 20% a mais de fluidez do trânsito com os semáforos inteligentes.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Na capital, tucano tem rejeição de quase 40% (Fotos: Reprodução/Twitter e Carlos Bassan/Fotos Públicas)

Cidade

De acordo com levantamento divulgado nesta segunda, 22,  pelo Instituto Paraná Pesquisas, o candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Dentre o eleitorado paulistano, 37,6% afirmaram que votariam com certeza em Doria, enquanto 21,7% poderiam votar nele. O índice de rejeição do tucano é de 38,9%. No caso de Márcio França, 31,7% contaram que têm convicção na escolha por ele, 25,8% disseram que poderiam votar e 40% não votariam de jeito nenhum. Ainda segundo a pesquisa, a grande maioria dos paulistas acredita que João Doria será o próximo governador do Estado: 58,5% dos entrevistados têm essa percepção. Apenas 31,6% imaginam que França pode ganhar a eleição.No caso da opção de voto para presidente, Jair Bolsonaro (PSL) tem 69,1% do eleitorado paulista, enquanto Fernando Haddad (PT) te, 30,9%. Foram entrevistados 2.010 eleitores, entre os dias 18 e 21 de outubro, em 88 municípios do Estado.

Ex-capitão lidera em todas as pesquisas (Fotos: Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Nacional

Nova pesquisa do BTG/FSB, divulgada nesta segunda-feira, 22,  mostra que o candidato Jair Bolsonaro (PSL) aumentou sua vantagem dentro da margem de erro contra Fernando Haddad (PT). Segundo o levantamento, o ex-capitão conta com 60% dos votos válidos, contra 40% do adversário. A margem de erro continua sendo de dois pontos percentuais. No último estudo, publicado em 14 de outubro, Bolsonaro aparecia com 59% das intenções de voto, contra 41% do petista. No cenário espontâneo, quando o nome dos candidatos não é dito ao entrevistado, o ex-militar caiu um ponto percentual, ficando com 48%, enquanto Haddad cresceu um ponto, chegando a 31%. Os votos brancos e nulos atingem 6%, enquanto 5% responderam “nenhum” e 11% não souberam opinar. Na intenção de voto estimulada, porém, o candidato do PSL cresceu um ponto percentual, de 51 para 52%. Haddad permaneceu com 35%. Votos brancos e nulos somaram 4%, não souberam 4% e 5% responderam que não escolheriam nenhum dos dois. A pesquisa também abordou a decisão definitiva de votos de cada eleitor. Neste momento, 94% dos que votariam em Bolsonaro afirmaram que estão convictos da decisão. Nos eleitores do petista, o índice é de 90%. A rejeição dos candidatos ficou em 52% para Fernando Haddad e 38% para Bolsonaro. Foram entrevistados 2 mil eleitores, entre 20 e 21 de outubro.

Há propostas para reduzir o desemprego? Ao menos 13 milhões de pessoas querem saber (Fotos: Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que é a soma de toda a riqueza produzida no País, foi de 1%. O avanço parece pequeno, mas foi muito comemorado depois de dois anos seguidos de queda. Talvez isso tenha contaminado os especialistas, que começaram 2018 otimistas, apostando que este importante marcador da economia chegaria a 2,7%. Essa percepção foi se atenuando ao longo dos meses e, atualmente, a previsão é de que, ao fechar dezembro, alcance 1,5%, o que não seria desprezível. Até lá, isso é um problema para a equipe econômica de Michel Temer. Mas, e para 2019, com qual margem de crescimento trabalham o estafe dos dois presidenciáveis? O leitor já perguntou isso para o seu candidato? Em meio a campanhas empobrecidas, até aqui os postulantes à Presidência da República não têm dado muita importância à difícil tarefa de oferecer soluções factíveis para os problemas reais da Nação. Certamente um tópico que interessa diretamente a pelo menos 13 milhões de brasileiros é saber qual a meta de criação de emprego para o ano que vem ou para os próximos quatro? Henrique Meirelles, por exemplo, saiu da disputa, mas tornou célebre a promessa de abrir 10 milhões de postos de trabalho durante seu mandato, se fosse eleito. Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, por enquanto, não externaram um número, mas devem saber que esta é uma questão central. Se o tema preocupa a eles, então deveriam responder qual é a receita deles para combater o desemprego. Para isso, não é segredo, vão precisar movimentar a economia novamente. Mas não em marcha lenta, que é o estado em que se encontra atualmente. O País precisa de um motor de crescimento poderoso, e alguém precisará vir a público e explicar se este será o próprio governo, por intermédio de investimento público, principalmente em infraestrutura; o setor privado, apostando no agronegócio ou na indústria nacional; ou simplesmente as famílias, que com uma injeção de otimismo se sentiriam mais confiantes em consumir e, assim, dariam início a um círculo virtuoso, de mais compra, mais fabricação, mais necessidade de mão de obra. E se o assunto é trabalho formal, porque não falar em salário mínimo. A previsão inicial para 2019 é de aumento dos atuais R$ 954 para R$ 1.006. Será confirmada? Tantas perguntas mais importantes para discutir e por enquanto ficamos na sessão de perfumaria.

Candidato do PSL mantém grande vantagem sobre adversário (Fotos: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR e Ricardo Stucket/Fotos Públicas)

Nacional

A segunda pesquisa Datafolha do segundo turno da eleição presidencial mostra que o candidato Jair Bolsonaro (PSL) se manteve à frente de Fernando Haddad (PT). O capitão reformado do Exército passou de 58% para 59% das intenções de voto válidas em relação ao levantamento da semana passada, enquanto o petista foi de 42% para 41%. Considerando os votos totais, Bolsonaro tem 50%, contra 35% de Haddad. Brancos e nulos somaram 10% e indecisos, 5%. A pesquisa Datafolha foi realizada a pedido da TV Globo e do jornal Folha de São Paulo. Ela tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistados 9.137 eleitores em 341 municípios entre ontem e hoje. O levantamento foi registrado no TSE com o código BR-07528/2018. Rejeição A rejeição ao candidato Fernando Haddad (PT) superou a de Jair Bolsonaro (PSL) no último levantamento realizado pelo Datafolha para o segundo turno das eleições deste ano. Segundo a pesquisa, 54% dos entrevistados não votaria de jeito nenhum no petista, contra 41% para o capitão do Exército.Considerando os votos por região, Bolsonaro continua vencendo em todas, exceção feita ao Nordeste, onde Haddad tem 53% das intenções de voto, contra 31% do capitão reformado do Exército. No Sudeste, região mais populosa do País, o presidenciável do PSL bate o petista por 55% a 29%. No sul, a diferença chega a 61% contra 27%.A pesquisa Datafolha foi realizada a pedido da TV Globo e do jornal Folha de São Paulo. Ela tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistados 9.137 eleitores em 341 municípios entre ontem e hoje. O levantamento foi registrado no TSE com o código BR-07528/2018. 
or
or

Articulistas

Colunistas

Apesar de constar no ordenamento jurídico pátrio, o Princípio da Isonomia quase não é observado e aplicado (Foto: Nelson Jr./SCO/STF )

Opinião

Crescimento do número de suicídios revela que sociedade brasileira está doente. Campanha Setembro Amarelo alertou para os riscos (Foto: Leonardo Sá/Agência Senado)

Opinião

Nem o diabo, que é o pai da mentira (Jo 8:44), deve acreditar que existam socialistas cristãos (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Há propostas para reduzir o desemprego? Ao menos 13 milhões de pessoas querem saber (Fotos: Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião