23
Ter, Out

Fila para atendimento chega a durar mais de uma hora (Foto: Raphael Pozzi)

Cidade

Retirar a primeira ou a segunda via do bilhete único, bloqueá-lo ou até recarregá-lo no posto da SPTrans localizado em Santana, na Rua Olavo Egídio, se tornou motivo de dor de cabeça nos últimos meses. As filas são gigantescas e o tempo de espera ultrapassa, facilmente, uma hora.

Além do aguardo, vários munícipes chegam até o balcão e não podem realizar procedimentos. O comerciante Antônio Augusto reclamou. “Esperei mais de uma hora e, quando cheguei lá, me disseram que tenho que desembolsar R$ 24 para passar meus créditos”, disse. “Perdi viagem”, resumiu Ana Beatriz, que não sabia que é necessário fazer cadastro no site da SPTrans antes de emitir o Bilhete Único.

A reportagem demorou uma hora e 20 minutos na fila para que o serviço de emissão fosse realizado. A SPTrans solicitou à empresa responsável pelo atendimento no posto de Santana que adote medidas para agilizar o atendimento com maior número de funcionários para melhorar o serviço aos usuários e reduzir o tempo de espera.

Desde 7 de junho, o bilhete único municipal só pode ser emitido com foto e nome impressos. O cartão anônimo não é mais comercializado. O usuário deve se cadastrar no site bilheteunico.sptrans.com.br. Só então o atendimento pode ser feito em uma das 34 unidades que fazem o serviço na Capital.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Acidente deixa mortos e feridos em Goiás (Foto: Reprodução/Twitter)

Nacional

O acidente com o ônibus da empresa Expresso Guanabara, na BR-020, em Formosa (GO), deixou ao menos sete pessoas mortas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ainda não há um número de preciso de feridos, que foram encaminhados para unidades de saúde da região.

Em nota, a Expresso Guanabara informou que 43 passageiros estavam a bordo do veículo, que fazia a linha Cajazeiras (PB)–Goiânia (GO). Seis pessoas morreram no local, a sétima chegou a ser socorrida e encaminhada ao Hospital de Base, no Distrito Federal, mas não resistiu aos ferimentos.

De acordo com a Secretaria de Saúde do DF, no total, 12 pessoas foram encaminhadas para hospitais da capital, sendo três para o Hospital de Base, quatro para Planaltina, três para Sobradinho e duas para o Paranoá.

Segundo a Expresso Guanabara, o acidente aconteceu por volta de 6h30, mas a primeira ligação recebida pela PRF foi às 8h30. A colisão entre os dois veículos aconteceu na localidade conhecida como Bisnau, entre os povoados de Bezerra e JK. O trecho é de pista simples e a ultrapassagem no local é proibida.

O ônibus seguia sentido Brasília quando mudou de pista e passou para o sentido oposto à que seguia o fluxo. Houve, então, a colisão frontal com a uma carreta, com placa de Guarapuava (PR), que estava carregada de adubo. A carreta também colidiu com a proteção metálica da rodovia e com outro caminhão que seguia atrás do ônibus, e logo em seguida tombou na pista.

A última informação da PRF é que o motorista da carreta que tombou foi socorrido com vida e encaminhado ao hospital de Formosa para atendimento. O motorista do outro caminhão tem CNH na categoria AB, enquanto deveria ser E; ele foi encaminhado para a delegacia por também ter contra ele um mandado de prisão por receptação.

Os dois sentidos da rodovia estão interditados. A empresa de ônibus e a seguradora do caminhão já providenciaram guincho para retirada dos veículos. A Expresso Guanabara também enviou um ônibus para dar apoio aos passageiros.

A PRF pede aos motoristas que evitem a localidade, pois já há um grande congestionamento no local. Uma rota alternativa seria a GO-458, porém é um longo trecho de estrada de terra.

Segundo a Expresso Guanabara, o ônibus partiu de Cajazeiras às 16h35 de terça-feira (13) e o motorista tinha tido 20 horas de descanso antes de assumir o volante. “A Guanabara lamenta o ocorrido e ressalta que prestará assistência necessária às vítimas. A empresa disponibiliza o telefone do SAC 0800-7281992 para atendimento aos familiares dos passageiros”, informou a empresa em nota.

De acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a empresa tem autorização para realizar a linha Cajazeiras (PB)–Goiânia (GO) e o ônibus é um veículo novo, com o Certificado de Registro de Veículos (CRV) emitido em 6 de outubro de 2017.

“O veículo está em conformidade quanto aos requisitos legais relacionados ao cronotacógrafo [instrumento que registra, de forma simultânea, inalterável e instantânea, a velocidade e a distância percorrida pelo veículo, em função do tempo decorrido] e seguro de responsabilidade civil (em concordância com o ordenamento jurídico)”, informou a agência de fiscalização, em nota.

 

A frente do carro ficou completamente destruída (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

Um motorista morreu após colidir o carro na traseira de um ônibus articulado na zona sul de São Paulo na manhã desta quinta-feira, dia 1º. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu por volta das 5h30 na Rua José de Barros Magaldi, altura do número 2.000, no Jardim São Luis.

A frente do veículo ficou completamente destruída. A vítima, que ainda não teve o nome divulgado, foi retirada das ferragens com parada cardiorrespiratória. Os bombeiros realizaram procedimento de massagem cardíaca por alguns minutos, mas o motorista não resistiu e morreu no local.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Rua José Barros Magaldi, sentido centro, esta totalmente interditada por volta das 7h. O desvio era feito pela Rua Teodósio de Matos, uma bifurcação com a rua do acidente, e o trânsito fluía normalmente no horário acima.

Ciclista

Um carro e um bicicleta colidiram no Viaduto Miguel Mofarrej, sentido centro, sobre a Avenida Doutor Gastão Vidigal, na zona oeste da capital paulista. Segundo os bombeiros, o ciclista estava consciente, teve ferimentos e foi atendido no local.

Uma pessoa sofreu queimaduras e foi encaminhada para o hospital (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

Um ônibus foi incendiado na Rodovia Raposo Tavares, na zona oeste de São Paulo, na noite desta terça-feira, 27. O caso ocorreu na altura do Km 14, próximo ao Shopping Raposo, sentido São Paulo, informou o Corpo de Bombeiros.

A corporação registrou a ocorrência por volta das 20h20 e enviou três viaturas ao local. De acordo com a Polícia Militar, os criminosos entraram no coletivo e roubaram os passageiros. O motorista foi obrigado a deixar o veículo atravessado na via de modo a bloquear o fluxo na via.

Em seguida, os passageiros tiveram de descer do ônibus, que foi incendiado e ficou totalmente destruído. A PM informou que uma pessoa foi encaminhada ao pronto-socorro Bandeirantes com queimaduras.

Ainda não há informações sobre o motivo do incêndio nem sobre o estado de saúde do ferido, que não se sabe se era passageiro ou um dos criminosos.

O Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER-SP), que administra o trecho, informou que a via, sentido São Paulo, estava totalmente interditada por volta das 20h45. A via foi liberada às 6h07 desta quarta-feira, 28.

Prejuízo atrapalha melhoria dos transportes e queda no valor da tarifa (Lucas Dantas)

Cidade

O número de bilhetes únicos cancelados por fraudes e irregularidades no ano passado é quatro vezes maior que de 2016. Em 2017, 374 mil cartões foram inutilizados por conta de suspeitas de condutas ilegais. No ano retrasado foram apenas 90 mil.

De acordo com os dados da SPTrans, a maior causa dos cancelamentos ocorre por conta de recargas falsas. Dos 374 mil cancelamentos, 254 mil ocorreram por conta deste tipo de crime. Os outros 120 mil são referentes à gratuidade utilizada por estudantes, idosos e deficientes. Segundo a SPTrans, não existe a mesma informação associada aos bilhetes de 2016. Também não foi informada a perda de arrecadação com estas ilegalidades.

De acordo com o especialista em gestão pública e professor da Universidade Mackenzie, Cecílio Pires, esta atitude prejudica o próprio usuário, uma vez que o dinheiro desviado ou perdido teria de retornar para melhorias no próprio sistema de transporte. “Eu diria que a fraude está generalizada no nosso País. Claro que tem que ter a fiscalização preventiva, mas paralelamente tem que ter uma conscientização do brasileiro. Mudança de cultura”, disse.
Segundo a SPTrans, o custo do sistema de transporte em 2017 foi de R$ 7,7 bilhões, dos quais R$ 2,9 bilhões foram usados para compensações tarifárias das gratuidades. A demanda por dia útil é de 9,6 milhões de passageiros. Destes, um quarto utiliza benefícios de isenção (10% idosos, 3% pessoas com deficiência e 12% escolar).

Punição e conscientização

Segundo Cecílio Pires, para que as fraudes e irregularidades deixem de prejudicar o sistema de transporte e seus usuários é necessário mais fiscalização. “A questão é que isso é um crime. Ele tem de ser apurado administrativamente. Eventuais sanções devem ser aplicadas, mas o Ministério Público precisa ser informado.”

Questionada sobre as ações feitas para coibir este tipo de fraude, a SPTrans informou que trabalha, ao lado da Secretaria de Mobilidade e Transporte e da polícia, para atuar na prisão de fraudadores e desenvolvendo novas formas de identificar fraudes, aumentando a capacidade de detecção desses casos. Em nota, a empresa ressaltou ainda que “faz campanhas de conscientização para que os usuários não comprem passagens mais baratas, evitando, ainda, perdas financeiras potenciais ao terem seus bilhetes bloqueados”.

Será a 5ª edição da "Sexta Sem Carro" em São Paulo (Foto: Lucas Dantas)

Cidade

A 5ª edição da “Sexta sem Carro” acontece nesta sexta-feira, 23, das 6h às 18h, quando serão fechadas algumas vias do Centro Histórico de São Paulo para a circulação de veículos. A ação começou em outubro e é realizada em toda última sexta-feira de cada mês para, segundo a Prefeitura, promover o uso de transporte público e bicicletas, além de incentivar soluções como a prática da carona entre amigos e vizinhos e as pequenas viagens a pé.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) não informou quais foram os resultados obtidos. Funcionários da empresa vão acompanhar o evento durante o dia, realizando monitoramento nos desvios e os principais cruzamentos afetados, orientando os motoristas sobre a restrição na circulação.

Desvios

Sentido da Praça da Sé/Praça Ramos de Azevedo: Rua Senador Feijó, Rua Cristóvão Colombo, Rua Riachuelo, Túnel Papa João Paulo II, Avenida Prestes Maia, Avenida Senador Queirós, Avenida Ipiranga, Avenida São Luís, Rua Coronel Xavier de Toledo e Praça Ramos de Azevedo.

Sentido da Praça Ramos de Azevedo/Praça da Sé: Rua Conselheiro Crispiniano, Avenida São João, Avenida Ipiranga, Avenida São Luís, Viaduto Nove de Julho, Viaduto Jacareí, Rua Maria Paula, Viaduto Dona Paulina, Praça Dr. João Mendes, Rua Anita Garibaldi, Rua Roberto Simonsen, Rua Venceslau Brás e Praça da Sé.

Greve começou e acabou na manhã desta segunda-feira (Foto: Reprodução/ Twitter)

Cidade

Cerca de 100 mil pessoas que utilizam o Corredor ABD, no horário de pico da manhã, e mais 90 mil passageiros de linhas intermunicipais que operam em Guarulhos tiveram seu percurso de ida ao trabalho prejudicado nas primeiras horas desta segunda-feira (19). As informações são da EMTU, empresa reponsável pela administração dos ônibus.  

Isto porque houve uma paralisação comandada por sindicatos de motoristas de ônibus locais. Segundo a EMTU, a ação não tem nenhuma relação com questões salariais.

De acordo com os grevistas, a iniciativa foi um protesto contra a Reforma da Previdência, que saiu da pauta da Câmara dos Deputados por causa da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

 Em Guarulhos, os ônibus de 85 linhas não puderam sair das garagens e a situação só começou a se normalizar a partir das 6h30. No Corredor ABD, o bloqueio do Terminal Santo André, por parte dos sindicalistas, paralisou os trólebus na entrada do terminal até às 9h15 e ainda provoca atrasos na operação de todo o Corredor. Só os ônibus a diesel puderam operar. No total, oito linhas foram afetadas com o bloqueio.

No ABC, os veículos trafegaram por caminhos alternativos, próximo ao Terminal, na tentativa de transportar os usuários ao longo do Corredor ABD. Em nota, a EMTU considerou a atitude "lamentável".

Bancos

Os bancários também aderiram à paralisação. Segundo o sindicato, 885 dos bancários votaram pela participação na greve em assembleias realizadas nos dias 8, 9, 14 e 15 deste mês nas agências e centros administrativos dos bancos nas sete regionais do sindicato em São Paulo e Osasco.

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Doria foi em manifestação pró-Bolsonaro no último domingo (Foto: Reprodução/Twitter)

Cidade

O candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, acertou em cheio na sua estratégia de se aproximar de Jair Bolsonaro (PSL), utilizando termos como “BolsoDoria” durante a campanha. Esta é a análise de três especialistas no assunto, o cientista político Gleibe Pretti, professor da UNG, Philippe Franco Scerb (mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo) e a internacionalista e mestre em Ciências Sociais, Marina Pequeneza de Moraes. “Ele reavaliou sua estratégia e aproveitou-se da polarização que permeia a candidatura à presidência, vinculando sua campanha ao discurso anti-PT”, avaliou Marina. De acordo com levantamento divulgado ontem pelo Instituto Paraná Pesquisas, o tucano cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Para o cientista político Gleibe Pretti, professor da UNG, o ex-prefeito conseguiu vincular sua imagem à de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência. “Com isso, ele conquistou muitos votos. O eleitorado de São Paulo já é historicamente contra o PT e o Doria está conseguindo personificar isso com suas ações de marketing”, explicou. Após o primeiro turno das eleições, João Doria tentou se aproximar à imagem de Bolsonaro. A campanha dele criou, por exemplo, o termo “BolsoDoria”, presente até em adesivos distribuídos no Estado. França está ‘travado’, analisa especialista De acordo com o mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), Philippe Franco Scerb, a candidatura de Doria acertou ao vincular sua imagem à de Bolsonaro, forçando com que França tenha que rechaçar, a todo momento, um apoio velado do PT à sua eleição. “O Doria faz um esforço gigantesco para falar que França é um candidato da esquerda. Isso o obriga a discordar e permanecer neste tema durante o programa eleitoral e nos debates”, analisou. Segundo o especialista, ao contrário da corrida presidencial, ainda pode haver uma reviravolta na disputa do Estado. “Os eleitores se concentraram muito no embate entre Bolsonaro e Haddad, deixando França e Doria em segundo plano. Isso pode mudar nesta reta final”, concluiu.

Bolsonaro é visto como um candidato "teflon", pois nada gruda nele (Fotos: Tãnia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Nacional

Especialistas em Ciência Política acreditam que muito dificilmente a vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) poderá ser revertida nos próximos dias, que precedem a eleição presidencial. De acordo com o cientista político Eduardo Grin, professor da FGV EAESP, nada “cola” no candidato preferido dos eleitores – segundo pesquisa do BTF/FSB, ele tem 60% dos votos válidos, contra 40% de Fernando Haddad (PT). “Já teve declaração desastrosa de companheiros políticos, aquela denúncia do pacote do Whatsapp, mas nada parece abalar a candidatura do Bolsonaro”, disse. Neste momento, 94% dos que votariam em Bolsonaro afirmaram que estão convictos da decisão. Nos eleitores do petista, o índice é de 90%. Foram entrevistados 2 mil eleitores, entre 20 e 21 de outubro, segundo o levantamento. A margem de erro segue sendo de dois pontos percentuais. O mestre em Ciência Política e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), Philippe Franco Scerb, analisou que a imagem “antissistema” do ex-capitão o favorece muito nesta corrida presidencial. “A denúncia de um possível Caixa 2, por exemplo, se tornou motivo de ironia entre o eleitorado”. No último estudo, publicado em 14 de outubro, Bolsonaro aparecia com 59% das intenções de voto, contra 41% do petista. Na intenção de voto estimulada, o candidato do PSL cresceu um ponto percentual, de 51 para 52%. Haddad permaneceu com 35%. Votos brancos e nulos somaram 4%, não souberam 4% e 5% responderam que não escolheriam nenhum dos dois.Votação expressiva pode gerar capital político maior Segundo Grin, a ideia da campanha de Bolsonaro, agora, é de vencer com maior número de votos do que os últimos presidentes eleitos no Brasil. Luís Inácio Lula da Silva (PT) obteve 52,7 milhões de votos (61,27%) em 2002 e 58,2 (60,83%) em 2006. Já Dilma Rousseff (PT) ganhou com 55,7 milhões (56,05%) em 2010 e 54,5 milhões (51,64%) em 2014. “Se obtiver maior percentagem do que Lula em 2002, por exemplo, ele terá um poder político maior para negociar com o Congresso no início do mandato”, explicou o especialista. “Sem dúvidas, uma votação bastante expressiva pode levar Bolsonaro a aprovar sua pauta junto a partidos que nem o apoiaram formalmente”, disse Scerb. “Candidatos com uma base semelhante entendem que seus eleitores querem que aquela agenda seja aprovada e isso gera mais força ao governo”. Ibope e Datafolha também divulgarão pesquisas Hoje será a vez do Ibope divulgar sua segunda pesquisa deste turno das eleições. Em 15 de outubro, Bolsonaro tinha 59% dos votos válidos, contra 41% de Haddad. O Datafolha vai publicar levantamento na quinta-feira, 25. No último estudo, os candidatos contavam com o mesmo percentual levantado pelo Ibope.

Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Opinião

No último domingo, apesar de boa parte da mídia ignorar, por questões de interesse, milhões de pessoas foram às ruas, por vontade própria, num admirável gesto de democracia, apoiar o candidato que, de forma extremamente inovadora, com praticamente custo zero perto do que se gastam com campanhas políticas, lidera as pesquisas. Ao que parece, o povo se desprendeu das garras do quarto poder e democraticamente exige mudança. Se esta será boa ou não, o tempo vai dizer, mas uma coisa é fato: a alternância de poder é saudável em qualquer democracia e por aqui já se passou da hora de mudar. A dita esquerda no Brasil tentou a todo custo um projeto criminoso de poder que, graças à Operação Lava Jato, resultou na prisão de diversos políticos poderosos e apresentou ao Brasil os bastidores sujos e asquerosos da política que desviou trilhões da educação, segurança, saúde, etc... A todo custo tentam ainda agarrar-se ao poder com mentiras, ataques e o velho jogo sujo da política sifilítica. Culpar o aplicativo de mensagem WhatsApp pelas atrocidades que o próprio partido cometeu é tão estúpido e absurdo quanto tentar comparar Bolsonaro com Trump. O norte-americano venceu apenas no colégio eleitoral, mas Bolsonaro pode vir a vencer na maioria absoluta de votos, o que numa democracia é literalmente a voz e o desejo do povo. Se você não enxerga isto, precisa urgente sair da bolha, e se não respeita, está muito próximo do palavrão que costuma xingar os colegas que discordam de você. Trump é bilionário e teve total apoio da máquina do Partido Republicano na campanha. Bolsonaro está em um partido anão e possuía oito segundos na TV. Trump tem as nuances e vícios de todo gênio comunicador, pois por anos liderou a audiência na TV americana. Bolsonaro é um sujeito simples com discurso coloquial, por vezes até rasteiro, mas que vai ao encontro das massas, sem esforço para tal.Goste você ou não, é um fenômeno popular maior ainda até do que Lula, que diferentemente do “capitão” foi programado e produzido por esquemas publicitários, a custo de ouro do dinheiro público, para transformá-lo num “mito”. Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução, como comprovou a manifestação gigantesca no domingo. Isto chama-se democracia, senhores. Aprendam com isto e deixem o País seguir. Bolsonaro foi o primeiro brasileiro, em campanha, a sofrer um atentado político; o primeiro a não fazer os velhos acordos; o primeiro a ter um nome (até aqui) limpo, algo que nem sonharíamos existir na política; e pode vir a ser o primeiro presidente a vencer uma eleição com o menor investimento já feito em campanha, comprovando que o tal fundo partidário é desnecessário e deveria ser direcionado para o que importa à população. O sujeito com uma caneta Bic nas mãos, um relógio Cassio e roupas simples, sozinho, sem verba, peitou a maior emissora do País, desafiou a imprensa e toda turma arrogante que se diz intelectual sem nunca ter produzido nada que valha o adjetivo. Amigos, se isto não é, no mínimo, uma expressiva revolução política e total quebra de paradigmas do status quo, você realmente precisa sair do jardim da infância e viver no mundo real.

Na capital, tucano tem rejeição de quase 40% (Fotos: Reprodução/Twitter e Carlos Bassan/Fotos Públicas)

Cidade

De acordo com levantamento divulgado nesta segunda, 22,  pelo Instituto Paraná Pesquisas, o candidato tucano ao governo do Estado, João Doria, cresceu quase dois pontos percentuais na disputa contra Márcio França (PSB). O ex-prefeito da Capital tem 54,1% das intenções de voto (antes, eram 52,3%). Já o atual governador caiu de 47,7% para 45,9%. Dentre o eleitorado paulistano, 37,6% afirmaram que votariam com certeza em Doria, enquanto 21,7% poderiam votar nele. O índice de rejeição do tucano é de 38,9%. No caso de Márcio França, 31,7% contaram que têm convicção na escolha por ele, 25,8% disseram que poderiam votar e 40% não votariam de jeito nenhum. Ainda segundo a pesquisa, a grande maioria dos paulistas acredita que João Doria será o próximo governador do Estado: 58,5% dos entrevistados têm essa percepção. Apenas 31,6% imaginam que França pode ganhar a eleição.No caso da opção de voto para presidente, Jair Bolsonaro (PSL) tem 69,1% do eleitorado paulista, enquanto Fernando Haddad (PT) te, 30,9%. Foram entrevistados 2.010 eleitores, entre os dias 18 e 21 de outubro, em 88 municípios do Estado.
or
or

Articulistas

Colunistas

Bolsonaro é um fenômeno que boa parte da imprensa insiste em ignorar, mas que a população tem como única solução (Foto: Tânia Rêgo/ABR)

Opinião

Profissionais consagram suas vidas ao serviço da humanidade (Foto: ASCOM SUSIPE/Fotos Públicas)

Opinião

O último bastião do PT ainda é o Nordeste, mas este já não é tão inexpugnável (Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas)

Opinião

Apesar de constar no ordenamento jurídico pátrio, o Princípio da Isonomia quase não é observado e aplicado (Foto: Nelson Jr./SCO/STF )

Opinião