20
Sáb, Out

Acidente aconteceu na manhã desta sexta-feira, 10 (Foto: Reprodução/TV Globo News)

Cidade

Um caminhão invadiu duas casas na região da Vila Matilde, zona leste de São Paulo, na manhã desta sexta-feira, 10.

Segundo o Corpo de Bombeiros, ainda não há informações sobre feridos. Agentes foram acionados por volta das 7h e seis viaturas foram encaminhadas ao local do acidente, na Rua Vieira Pinto, perto da Avenida Aricanduva.

A garagem de uma das residências atingidas ficou totalmente destruída. A Defesa Civil foi acionada e está no local.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

Resquícios do ônibus envolvido em acidente em Goiás (Foto: Divulgação -Corpo de bombeiros)

Nacional

Segundo o delegado Antônio Humberto Soares,  responsável pela investigação do acidente que matou nove pessoas em Formosa (GO), nesta quinta-feira (15), há evidências de que o motorista Édson Lopes Lima, de 47 anos, teria dormido na direção do ônibus que se chocou com duas carretas na BR-020. As informações são do portal de notícias G1.

O ônibus levava passageiros da Paraíba até Goiás, quando perdeu o controle e colidiu com duas carretas. O delegado eliminou a hipótese do veículo ter batido nos caminhões durante uma tentativa de ultrapassagem. O acidente envolveu 43 passageiros, dos quais 23 se feriram. Eles não correm risco de vida.

Até o momento, apenas quatro vítimas fatais foram identificadas: Édson Lopes Lima, de 47 anos, motorista do Expresso Guanabara; Pedro Nobrega de Araújo, de 54 anos, comerciante; Antônio Elton Pereira Rodovalho, de 38 anos; e Terezinha Félix dos Santos, de 58 anos. 

Acidente deixa mortos e feridos em Goiás (Foto: Reprodução/Twitter)

Nacional

O acidente com o ônibus da empresa Expresso Guanabara, na BR-020, em Formosa (GO), deixou ao menos sete pessoas mortas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ainda não há um número de preciso de feridos, que foram encaminhados para unidades de saúde da região.

Em nota, a Expresso Guanabara informou que 43 passageiros estavam a bordo do veículo, que fazia a linha Cajazeiras (PB)–Goiânia (GO). Seis pessoas morreram no local, a sétima chegou a ser socorrida e encaminhada ao Hospital de Base, no Distrito Federal, mas não resistiu aos ferimentos.

De acordo com a Secretaria de Saúde do DF, no total, 12 pessoas foram encaminhadas para hospitais da capital, sendo três para o Hospital de Base, quatro para Planaltina, três para Sobradinho e duas para o Paranoá.

Segundo a Expresso Guanabara, o acidente aconteceu por volta de 6h30, mas a primeira ligação recebida pela PRF foi às 8h30. A colisão entre os dois veículos aconteceu na localidade conhecida como Bisnau, entre os povoados de Bezerra e JK. O trecho é de pista simples e a ultrapassagem no local é proibida.

O ônibus seguia sentido Brasília quando mudou de pista e passou para o sentido oposto à que seguia o fluxo. Houve, então, a colisão frontal com a uma carreta, com placa de Guarapuava (PR), que estava carregada de adubo. A carreta também colidiu com a proteção metálica da rodovia e com outro caminhão que seguia atrás do ônibus, e logo em seguida tombou na pista.

A última informação da PRF é que o motorista da carreta que tombou foi socorrido com vida e encaminhado ao hospital de Formosa para atendimento. O motorista do outro caminhão tem CNH na categoria AB, enquanto deveria ser E; ele foi encaminhado para a delegacia por também ter contra ele um mandado de prisão por receptação.

Os dois sentidos da rodovia estão interditados. A empresa de ônibus e a seguradora do caminhão já providenciaram guincho para retirada dos veículos. A Expresso Guanabara também enviou um ônibus para dar apoio aos passageiros.

A PRF pede aos motoristas que evitem a localidade, pois já há um grande congestionamento no local. Uma rota alternativa seria a GO-458, porém é um longo trecho de estrada de terra.

Segundo a Expresso Guanabara, o ônibus partiu de Cajazeiras às 16h35 de terça-feira (13) e o motorista tinha tido 20 horas de descanso antes de assumir o volante. “A Guanabara lamenta o ocorrido e ressalta que prestará assistência necessária às vítimas. A empresa disponibiliza o telefone do SAC 0800-7281992 para atendimento aos familiares dos passageiros”, informou a empresa em nota.

De acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a empresa tem autorização para realizar a linha Cajazeiras (PB)–Goiânia (GO) e o ônibus é um veículo novo, com o Certificado de Registro de Veículos (CRV) emitido em 6 de outubro de 2017.

“O veículo está em conformidade quanto aos requisitos legais relacionados ao cronotacógrafo [instrumento que registra, de forma simultânea, inalterável e instantânea, a velocidade e a distância percorrida pelo veículo, em função do tempo decorrido] e seguro de responsabilidade civil (em concordância com o ordenamento jurídico)”, informou a agência de fiscalização, em nota.

 

A frente do carro ficou completamente destruída (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

Um motorista morreu após colidir o carro na traseira de um ônibus articulado na zona sul de São Paulo na manhã desta quinta-feira, dia 1º. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu por volta das 5h30 na Rua José de Barros Magaldi, altura do número 2.000, no Jardim São Luis.

A frente do veículo ficou completamente destruída. A vítima, que ainda não teve o nome divulgado, foi retirada das ferragens com parada cardiorrespiratória. Os bombeiros realizaram procedimento de massagem cardíaca por alguns minutos, mas o motorista não resistiu e morreu no local.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Rua José Barros Magaldi, sentido centro, esta totalmente interditada por volta das 7h. O desvio era feito pela Rua Teodósio de Matos, uma bifurcação com a rua do acidente, e o trânsito fluía normalmente no horário acima.

Ciclista

Um carro e um bicicleta colidiram no Viaduto Miguel Mofarrej, sentido centro, sobre a Avenida Doutor Gastão Vidigal, na zona oeste da capital paulista. Segundo os bombeiros, o ciclista estava consciente, teve ferimentos e foi atendido no local.

Garoto foi pegar a bola nas proximidade do córrego Rincão, na zona leste de SP, quando foi arrastado pelo temporal (Foto:Gero Rodrigues / O Fotográfico / AE)

Cidade

O Corpo de Bombeiros encontrou no fim da tarde desta quarta-feira, 28, o corpo do menino Matheus Henrique da Silva, de 11 anos, no Rio Tietê, próximo a uma mineradora em Pirapora do Bom Jesus, na Grande São Paulo -  cerca 60 quilômetros da queda. O garoto estava desaparecido desde a segunda-feira, 26, quando caiu no Córregodo Rincão, na Vila Matilde, zona leste da capital paulista, durante o forte temporal que atingiu a cidade.

O corpo do menino foi achado no terceiro dia de buscas por equipes do 18º Grupamento de Bombeiros (GB) em uma área de difícil acesso, no quilômetro 49 da Estrada dos Romeiros.

"Já era uma hipótese que estava sendo trabalhada a localização nessa região até mesmo pela velocidade e volume das águas no dia dos fatos", afirmou o capitão Rondelo. "Nós podemos tranquilizar a família desse sofrimento, entregar (o corpo do) o garoto a seus familiares."

O capitão dos bombeiros informou que os parentes da criança serão levados até o local onde o corpo foi encontrado para confirmar que seja Matheus. "Porém, com as características passadas, já podemos trabalhar com a hipótese de 100% de reconhecimento."

Queda

O Corpo de Bombeiros movimentou, nesta quarta, 28, mais de 35 agentes no piscinão da Vila Matilde, em bairro de mesmo nome, para tentar encontrar o menino Matheus. O garoto desapareceu após a tempestade ocorrida na última segunda-feira, 26, perto do córrego Rincão, na Zona Leste.

A procura se concentrou nas regiões do desemboque do Rio Tamanduateí, nas imediações do ocorrido, no reservatório da Penha e, depois, estendeu-se a outros locais. 

Na terça, 27, durante a busca, os bombeiros encontraram o corpo de um homem, de aproximadamente 40 anos, no Rio Tietê, próximo à Penha.  A identidade do rapaz ainda é desconhecida.

Ocorrência foi na imediações do Metrô Vila Matilde (Foto: Reprodução/Facebook)

Cidade

Uma criança foi arrastada pela água e caiu em um córrego na região da Vila Matilde, na zona leste de São Paulo, durante o forte temporal que atinge a cidade na tarde desta segunda-feira, 26.

Segundo o Corpo de Bombeiros, por volta das 15h30, um menino teria se afogado próximo à Rua Leopoldo de Freitas, nas adjacências da Estação Vila Matilde, do Metrô.

Nove viaturas da corporação realizaram buscas. Por volta das 19 horas, os trabalhos foram interrompidos por falta de condições técnicas. Os bombeiros informaram que retomarão as atividades às 5h30 desta terça-feira, 27, em quatro pontos do córrego.

Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), toda a capital paulista estava em estado de atenção para alagamentos às 18 horas. Na zona sul, o Córrego Morro do S, no Capão Redondo, transbordou às 16h45 na Avenida Carlos Caldeira Filho, na altura da Rua Túlio Mugnaini.

Na cidade, havia seis pontos de alagamento - dois deles intransitáveis: na Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, na altura da Avenida Salim Farah Maluf, na zona leste; e na Rua Coronel Marques Ribeiro, próximo à Rua José Bernardo Pinto, na zona norte.

Tempo

As chuvas atuam com forte intensidade no município de Guarulhos e deslocam-se para a zona leste. As próximas horas seguem com tempo instável. As precipitações serão isoladas, em forma de pancadas, e alternadas com períodos de melhoria. Nesta segunda, a temperatura varia de 19ºC a 28Cº. 

Nos próximos dias, o tempo segue com condições típicas do verão. "O fluxo de ar quente e úmido proveniente da Região Centro-Oeste ajuda a formar áreas de instabilidade. As pancadas de chuvaserão mais frequentes, principalmente no fim das tardes", destacou o CGE.

A terça-feira, 27, terá sol, muitas nuvens e chuva de intensidade moderada a forte no período da tarde. Há potencial para alagamentos e rajadas de vento. Os termômetros oscilam entre 20°C e 29°C.

Número de mortes caiu 7% em São Paulo (Foto: Arquivo/ABR)

Cidade

O número de mortes causadas por acidente de trânsito caiu quase 7% na cidade de São Paulo, segundo dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Em 2017, foram registrados 796 óbitos. As informações sobre o total de acidentes na Capital serão divulgadas pela companhia em abril, após conclusão de análise dos Boletins de Ocorrência registrados na Polícia Civil.

Este é o menor número já registrado no município desde o início do levantamento, em 1979. Em 2016, foram 854 mortes no trânsito. No ano passado, ocorreram menos acidentes fatais envolvendo motoristas, motociclistas e pedestres. A maior queda se deu entre os ocupantes de automóveis: 28% (de 164 para 118 óbitos). O número de ciclistas mortos apresentou alta de 23,3% (de 30 para 37).

O índice de fatalidade no ano foi de 6,56 mortes por 100 mil habitantes. Esse número se aproxima da meta estipulada pela cidade de São Paulo em compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU), de 6 mortes por 100 mil habitantes. No Brasil, essa taxa é de 23,4 mortes/100 mil habitantes.

Acidentes de trânsito fatais em 2017 (janeiro a dezembro)

 

Mortes

2016

2017

Variação

Total

854

796

-6,8%

Pedestre

343

331

-3,5%

Motorista/passag.

164

118

-28%

Motociclista

317

310

-2,2%

Ciclistas

30

37

+23,3%

Índice mortes/100 mil habitantes

7,07

6,56

-7,2%

VEJA NOSSA EDIÇÃO VIRTUAL

Há propostas para reduzir o desemprego? Ao menos 13 milhões de pessoas querem saber (Fotos: Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que é a soma de toda a riqueza produzida no País, foi de 1%. O avanço parece pequeno, mas foi muito comemorado depois de dois anos seguidos de queda. Talvez isso tenha contaminado os especialistas, que começaram 2018 otimistas, apostando que este importante marcador da economia chegaria a 2,7%. Essa percepção foi se atenuando ao longo dos meses e, atualmente, a previsão é de que, ao fechar dezembro, alcance 1,5%, o que não seria desprezível. Até lá, isso é um problema para a equipe econômica de Michel Temer. Mas, e para 2019, com qual margem de crescimento trabalham o estafe dos dois presidenciáveis? O leitor já perguntou isso para o seu candidato? Em meio a campanhas empobrecidas, até aqui os postulantes à Presidência da República não têm dado muita importância à difícil tarefa de oferecer soluções factíveis para os problemas reais da Nação. Certamente um tópico que interessa diretamente a pelo menos 13 milhões de brasileiros é saber qual a meta de criação de emprego para o ano que vem ou para os próximos quatro? Henrique Meirelles, por exemplo, saiu da disputa, mas tornou célebre a promessa de abrir 10 milhões de postos de trabalho durante seu mandato, se fosse eleito. Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, por enquanto, não externaram um número, mas devem saber que esta é uma questão central. Se o tema preocupa a eles, então deveriam responder qual é a receita deles para combater o desemprego. Para isso, não é segredo, vão precisar movimentar a economia novamente. Mas não em marcha lenta, que é o estado em que se encontra atualmente. O País precisa de um motor de crescimento poderoso, e alguém precisará vir a público e explicar se este será o próprio governo, por intermédio de investimento público, principalmente em infraestrutura; o setor privado, apostando no agronegócio ou na indústria nacional; ou simplesmente as famílias, que com uma injeção de otimismo se sentiriam mais confiantes em consumir e, assim, dariam início a um círculo virtuoso, de mais compra, mais fabricação, mais necessidade de mão de obra. E se o assunto é trabalho formal, porque não falar em salário mínimo. A previsão inicial para 2019 é de aumento dos atuais R$ 954 para R$ 1.006. Será confirmada? Tantas perguntas mais importantes para discutir e por enquanto ficamos na sessão de perfumaria.

Candidato do PSL mantém grande vantagem sobre adversário (Fotos: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR e Ricardo Stucket/Fotos Públicas)

Nacional

A segunda pesquisa Datafolha do segundo turno da eleição presidencial mostra que o candidato Jair Bolsonaro (PSL) se manteve à frente de Fernando Haddad (PT). O capitão reformado do Exército passou de 58% para 59% das intenções de voto válidas em relação ao levantamento da semana passada, enquanto o petista foi de 42% para 41%. Considerando os votos totais, Bolsonaro tem 50%, contra 35% de Haddad. Brancos e nulos somaram 10% e indecisos, 5%. A pesquisa Datafolha foi realizada a pedido da TV Globo e do jornal Folha de São Paulo. Ela tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistados 9.137 eleitores em 341 municípios entre ontem e hoje. O levantamento foi registrado no TSE com o código BR-07528/2018. Rejeição A rejeição ao candidato Fernando Haddad (PT) superou a de Jair Bolsonaro (PSL) no último levantamento realizado pelo Datafolha para o segundo turno das eleições deste ano. Segundo a pesquisa, 54% dos entrevistados não votaria de jeito nenhum no petista, contra 41% para o capitão do Exército.Considerando os votos por região, Bolsonaro continua vencendo em todas, exceção feita ao Nordeste, onde Haddad tem 53% das intenções de voto, contra 31% do capitão reformado do Exército. No Sudeste, região mais populosa do País, o presidenciável do PSL bate o petista por 55% a 29%. No sul, a diferença chega a 61% contra 27%.A pesquisa Datafolha foi realizada a pedido da TV Globo e do jornal Folha de São Paulo. Ela tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistados 9.137 eleitores em 341 municípios entre ontem e hoje. O levantamento foi registrado no TSE com o código BR-07528/2018. 

Verdade já não basta para formar a opinião pública, nem é antídoto à desinformação (Foto: Allan White/ Fotos Públicas)

Opinião

Desde 2013, o Ibope realiza a Pesquisa Brasileira de Mídia, a pedido do governo federal. O objetivo é saber por quais meios os brasileiros se informam. Desde o início, o estudo – que é feito nacionalmente e com uma amostra de cerca de 15 mil pessoas, distribuídas por todas as Unidades da Federação – revela a prevalência da TV sobre os demais meios. Mas, desde 2016 (último ano da análise, publicada em 2017) há evidências do avanço da Internet, que se consolidou como o segundo meio de comunicação mais usado (49% da amostragem), ameaçando inclusive a soberania televisiva (89%). A soma é superior a 100% porque se pode indicar mais de uma opção. E as eleições deste ano reforçam o poder da internet e dos meios digitais. Para o bem ou para o mal, estas formas se cristalizaram como o caminho preferido de muitos brasileiros para o consumo de notícias. E não são poucos aqueles que fazem isso de modo exclusivo, bebendo apenas na fonte de sites, blogues, aplicativos e redes sociais. E, ainda que estes não sejam maioria, dedicam mais tempo nestes acessos. Enquanto o tempo médio em frente à TV é de três horas e 21 minutos, entre aqueles que utilizam a web (segundo a mesma pesquisa Ibope) é de quatro horas e 40 minutos, superando seis horas entre o público de 16 a 24 anos. Mais importante que a quantidade de informação disponível na web e redes sociais são a relevância e qualidade do conteúdo oferecido. Evidentemente, no universo digital há muitas empresas e grupos sérios, que primam pela credibilidade do que oferta. No entanto, há um sem número de virulentos guetos, que servem de fábrica para as fake news. Assim, nunca é demais ressaltar que estar na internet, Facebook ou WhatsApp não representa selo de veracidade. Ainda são os meios tradicionais que têm o compromisso com a verdade, por não sair noticiando o que não foi confirmado. Falta isso nos rincões digitais. E até que se separe o joio do trigo, esta revolução representará não um avanço, mas um retrocesso. Nesta nova era, a verdade já não basta para a formação da opinião pública, nem é antídoto à manipulação. Agora se consome aquilo em que se quer acreditar, acriticamente e ainda que falso, desprezando o que vai contra as próprias convicções. A isso se convencionou chamar de “pós-verdade”.

Mais uma pesquisa dá empate técnico entre os dois oponentes (Fotos: Klaus Silva /TJSP/ Fotos Públicas e Reprodução/Twitter)

Cidade

Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) estão tecnicamente empatados na disputa para o segundo turno, aponta a mais recente pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada nesta quarta-feira, 17. Doria tem 52% dos votos válidos - quando são excluídos os brancos, nulos e indecisos - e Márcio França, 48%. A margem de erro é de três pontos porcentuais. É a primeira pesquisa Ibope para o governo de São Paulo neste segundo turno das eleições 2018. Se considerados os votos totais, Doria tem 46% das menções e França, 42%. Eleitores que declaram a intenção de votar em branco ou nulo são 10%; 2% não sabem ou preferiram não responder. A pesquisa foi realizada entre os dias 15 e 17 de outubro. Na intenção de voto espontânea, na qual os eleitores manifestam sua preferência antes de ler a lista de candidatos, Doria aparece com 28% das intenções de voto, também empatado tecnicamente com França, que tem 26%. Neste caso, os indecisos são um quarto dos entrevistados. Outros 15% manifestam a intenção de votar branco ou nulo, e 6% disseram nomes diferentes, que não estão na disputa. A rejeição de Doria é a maior - 32% apontaram que não votariam nele de jeito nenhum. A de França, que vinha se mantendo baixa no primeiro turno - subiu e agora está em 20%. No dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno, era de 9%. Também chama a atenção a quantidade de eleitores que não os conhecem - 18% disseram não conhecer Doria o suficiente para opinar. No caso de França, o número é de 28%. A pesquisa ouviu 1.512 votantes e a margem de erro estimada é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95% - esta é a chance de os resultados retratarem o atual momento eleitoral. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo sob o protocolo Nº SP-07777/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo Nº BR-BR-07265/2018.
or
or

Articulistas

Colunistas

Nem o diabo, que é o pai da mentira (Jo 8:44), deve acreditar que existam socialistas cristãos (Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Há propostas para reduzir o desemprego? Ao menos 13 milhões de pessoas querem saber (Fotos: Tânia Rêgo/ABR e Ricardo Stuckert/Fotos Públicas)

Opinião

Decisão do STF preserva direito de trabalho à grávida, mesmo se ela desconhecer a gestação (Foto: André Borges/Agência Brasília/Fotos Públicas)

Opinião

Verdade já não basta para formar a opinião pública, nem é antídoto à desinformação (Foto: Allan White/ Fotos Públicas)

Opinião